MENU

| BR

Campus

Cursos

Programas Executivos

Paises

15 dicas de SEO para otimizar o seu site para os motores de busca

15 dicas de SEO para otimizar o seu site para os motores de busca
mkt
28 de maio - min de leitura

Você vai conhecer os fatores on e off page, além de ferramentas, que vão fazer toda diferença na sua estratégia de SEO


Os motores de busca representam o início de 90% das experiências online. Os cinco primeiros colocados ganham cerca de 70% de todos os cliques. Como diz a piada acerca do tema, se você quiser esconder um corpo, coloque-o na segunda página do Google! Ter um bom desempenho nos buscadores também pode ter grande impacto na conversão, como mostrou a pesquisa da consultoria de marketing Custora. Segundo o levantamento, os usuários que chegaram a um site por meio do Google se mostraram mais abertos a compras e dispostos a gastar mais. Ou seja, ter uma estratégia voltada para conquistar um bom resultado nas buscas orgânicas ? aquelas realizadas espontaneamente pelo usuário em motores de busca, como Google, Bing e Yahoo Search ? é fundamental para o sucesso do seu negócio nos meios digitais. A esse trabalho se dá o nome de Search Engine Optimization (SEO) - um conjunto de técnicas criado a partir dos parâmetros e algoritmos dos buscadores. Conheça 15 delas a seguir para alavancar a sua página:

1) Planeje

A lógica do Google se resume em oferecer a melhor experiência para o usuário, o que implica em oferecer o melhor conteúdo, de forma mais rápida, segura e completa. Por isso, o trabalho de SEO começa bem antes, já no planejamento do seu negócio e da sua comunicação. Você precisa entender bem o seu público-alvo, seus problemas, suas dores, como ele busca as soluções para tais questões e o comportamento dele em cada canal e ponto de contato. É esse levantamento que deve guiar a sua estratégia de SEO, a partir da definição das palavras-chave.

2) Elenque as palavras-chave

Comece a elencar os termos de busca mais relevantes, que devem ser do tipo cauda longa, que trazem termos mais específicos e são fundamentais para uma boa segmentação e ranqueamento, e do tipo head, que são mais curtos e, portanto, genéricos. Este artigo da agência de conteúdo Rock Content traz detalhes da diferença entre cada tipo e como utilizá-los. O Google Keyword Planner te ajuda a pesquisar termos alternativos para a sua palavra-chave, que não precisa ser, necessariamente, uma palavra. Aproveite também para fazer uma pesquisa dos concorrentes, pesquisando as URLs dos sites deles. Você ainda tem à disposição a função "Suggest", que traz uma lista de opções para completar um termo que está sendo pesquisado e as "pesquisas relacionadas" que aparecem ao final da página. São bons termômetros do que estão em alta no buscador. Com o planejamento e as palavras-chave em mente (e em um documento!), mãos a obra, porque trabalho não falta. São mais de 200 fatores, que podem ser divididos em duas categorias - on e off page. On page refere-se a itens da própria página a ser otimizada e levam em consideração a experiência do usuários, como títulos, textos, design, usabilidade e performance. Enquanto o off page refere-se a itens externos, que estão além da sua página propriamente dita.

3) Melhore a performance

A primeira dica on page traz a máxima "tempo é dinheiro". De acordo com a Pingdom, que possui uma ferramenta para testar a velocidade de sites, o tempo médio é de cinco segundos, mas profissionais do Google, como Maile Ohye e John Mueller, já se pronunciaram, há alguns anos, afirmando que dois segundos seria o limite para um bom desempenho. A expectativa é que sites de e-commerce, por exemplo, levem menos de meio segundo. E, a partir de julho deste ano, como o próprio Google explica neste artigo, a velocidade das páginas também será um fator de ranqueamento para as buscas feitas a partir de smartphones.

4) Tenha URLs amigáveis

O engajamento e a confiança do usuário já começam pela URL, que engloba diversos fatores. Por isso, tenha URLs que possam ser facilmente lidas pelos usuários, sem símbolos e códigos, e que estejam relacionadas com o conteúdo a qual se referem. De preferência, ainda, que contenha a palavra-chave. Mas não adianta exagerar e repetir a palavra-chave, pois coerência também entra para a conta do Google. Para tornar a URL ainda mais inteligível, separe as palavras por traços ou sublinhados, que não são lidos pelos buscadores, em vez de outros caracteres ou espaços. Alguns servidores diferenciam letras maiúsculas de minúscula. Então, pra que correr riscos? Opte pelos caracteres minúsculos. A lógica do "menos é mais" também faz todo sentido quando se trata de URL. Dê preferência às mais curtas, mas, de novo, sem exagero. O recomendável é que ela fique em até 60 caracteres e não chegue perto de 100.

5) Atente-se ao título da página

Segundo o Moz ? conjunto de ferramentas para análise e melhora de performance de sites ? as "title tags" (tags de título) são o segundo fator mais importante para o SEO em uma página, logo depois do conteúdo. O título é o cartão de visitas do seu endereço. É ele que mostra aos usuários e aos buscadores que você possui o que eles procuram. Sendo assim, cada página deve ter um título, levando sempre em consideração as necessidades de busca do seu público e, portanto, contendo a palavra-chave. Segundo Neil Patel, considerado um dos gurus do marketing digital, quanto mais no início ela estiver, melhor. Como o espaço para apresentação do título é limitado, limite também o tamanho do seu título. Textos muito extensos podem aparecer cortados e o usuário perder informação e títulos curtos demais podem ser vagos. Procure mantê-los entre 50 e 68 caracteres.

6) Crie conteúdos relevantes

Você já viu aqui que o conteúdo deve ser planejado de acordo com as necessidades de seu público-alvo e deve responder aos problemas e questões que o cercam. A palavra-chave, portanto, é fundamental também nele, mas precisa estar contextualizada, de maneira que faça sentido. Isto é, nada de carregar o texto com as palavras-chave porque os buscadores já têm inteligência suficiente para perceber esses artifícios que tornam o texto menos atrativo e relevante para o leitor.

7) Otimize as meta tags

As meta-tags são como etiquetas inseridas no código HTML, que têm o objetivo de passar informações relevantes a programas externos, como os robôs dos buscadores, a fim de identificar melhor a página onde ela está inserida. Uma delas é a meta description ? o resumo da página que aparece no Google. Ter uma meta descrição com sua palavra-chave principal é fundamental. Além disso, se você não tiver um resumo, o Google achará um pra você, o que pode não ser bom: você já deve ter visto sites com reticências no final da descrição, por exemplo, não é mesmo? Respeitar o limite de 156 caracteres também faz parte do trabalho, pois além de ter uma mensagem completa, você evita de ter sua página classificada como spam. Para se aprofundar nas meta tags, leia esse artigo do Google sobre o tema.

8) Otimize as tags de título ou cabeçalho - H1 a H6

As tags de título são classificadas hierarquicamente de H1 (o título ou cabeçalho) a H6 (subtítulos). Elas evidenciam os temas abordados na página, demonstram o contexto geral e o grau de importância das palavras-chave dentro do todo. Pelas boas práticas, recomenda-se ter apenas uma tag H1 por página para que a força da palavra principal esteja concentrada nela. Além do conteúdo, a forma, ou seja, a formatação dela é relevante. A H2 tem ganhado mais relevância. Portanto, trabalhe as palavras-chave e termos complementares nos subtítulos e busque sempre respeitar a hierarquia, que segue a ordem crescente.

9) Otimize as imagens

Os robôs não lêem figuras, mas você pode traduzi-las para eles. Fazer isso de forma estratégica é mais um ponto a favor para o seu resultado. Para isso, utilize a "tag alt" ? um texto "alternativo" que traz uma "etiqueta" de identificação para a imagem. Os usuários também são beneficiados pela prática, pois torna a imagem mais acessível e compreensível no caso da figura não ser carregada.

10) Aposte em linkagem interna

Por meio de links que remetam a outros conteúdos interessantes e relacionados de sua própria página, você mostra ao Google a profundidade dela, além de oferecer uma experiência mais completa ao usuário. Mas a linkagem interna deve fazer sentido e ser usada com bom senso, pois, como já destacamos aqui, a experiência do usuário é sempre o mote do Google e, portanto, deve ser o de suas estratégias também.

11) Conquiste backlinks

Com essa dica, começamos a abordar os fatores off page. Os backlinks são também chamados de links de entrada e apontam o seu endereço para o Google a partir de um endereço externo. O mundo ideal é reunir qualidade e quantidade, que vão demonstrar a autoridade de sua página. Como se tratam de fatores externos, que não estão sob seu controle direto, a estratégia é conquistá-los, com paciência e dedicação à sua própria página, para que ela seja merecedora desses apontamentos relevantes. Quanto mais conteúdo relevante você tiver, mais outros sites farão menção à sua página.

12) Tenha cuidado com os links recíprocos

Como o próprio nome já diz, trata-se da troca de links entre sites. Se ela fizer sentido, pode até ser uma boa estratégia, mas é preciso ter muito cuidado para que a transação não seja vista como manipulação perante os mecanismos de busca, tal como as chamadas "link farms" (fazendas de links), que são diversos sites criados exclusivamente para linkagem entre eles ou para uma página.

13) Analise os links externos

Se qualidade é importante, analisar os links externos que apontam para sua página deve fazer parte do trabalho de SEO off page. Algumas ferramentas podem ajudar nesse trabalho. Neste artigo do Neil Patel há nove delas.

14) Invista em Social Media Optimization (SMO)

Compartilhamentos, comentários e troca de conteúdos nas redes sociais também contam para os fatores de SEO off page. Eles contribuem para o ranking e popularidade do seu site. Aqui também contam a qualidade e a quantidade. Você pode pensar em estratégias com influenciadores digitais ou produzir conteúdos e dinâmicas com potencial de viralização, por exemplo.

15) Local Search SEO

Desde 2014 os algoritmos do Google cruzam dados com resultados do Google Maps, levando a um novo patamar nas buscas os negócios locais. Informar a sua localização, divulgando seu endereço e telefone comercial em local visível, usar o Google Local Business Center, caso tenha uma empresa física, para que você apareça no Maps, e incentivar as avaliações dos clientes, são boas práticas para otimizar a sua localização. Há muito mais além dos fatores de SEO que você acabou de conferir. E todos eles fazem parte da programação do curso de Marketing Digital da Digital House, onde você ainda vai poder colocar o seu conhecimento teórico em prática. Gostou? Então venha para o Papo Digital para conhecer o nosso campus, saber mais sobre o curso e tirar dúvidas com os nossos especialistas.

Outras notícias

Como aplicar o storytelling ao seu negócio img
mkt

Como aplicar o storytelling ao seu negócio

Muito se fala sobre o storytelling, ou seja, a arte de contar histórias. O termo, normalmente, é associado à publicidade e ao marketing, como uma forma de aumentar o engajamento do público. Mas, então, como contar uma história em seu negócio?Existem muitas formas de trazer o storytelling para sua empresa, seja para quem vai vender pela internet ou apenas divulgar produtos e serviços na web. Antes de apresentar algumas delas, é importante destacar que essa estratégia costuma ser muito positiva na hora de atrair e envolver os potenciais consumidores.Saber como contar uma história conquista a atenção das pessoas desde que os seres humanos começaram a se comunicar. Portanto, aplicar o storytelling ao seu negócio é uma forma de manter seu cliente ligado nos seus conteúdos, sejam eles em que canal for.Portanto, vamos conhecer algumas formas para contar histórias em seu negócio!1. Tenha uma página sobre a empresa no site e capricheUm ótimo espaço para aplicar o storytelling em seu negócio é na página sobre a empresa. Ali, normalmente, há um texto explicando o que você faz, que tipo de serviço presta, desde quando e outras informações do tipo. Por que não utilizar esse espaço para contar uma história?Você pode contar como surgiu a ideia de começar a empresa, os motivos que o levaram a escolher aquele ramo e todo tipo de informação interessante sobre seu negócio. Assim, você desperta a curiosidade do leitor e pode deixá-lo mais envolvido com sua marca!O restaurante Madero é um que explora muito esse tipo de comunicação para apresentar sua história. Este vídeo, por exemplo, mostra como surgiu o cheeseburguer do chef Júnior Durski.Você pode adaptar conteúdos como o vídeo acima para a página sobre a empresa em seu site.Mas atenção! Você não deve, em hipótese nenhuma, inventar uma história que pareça bonita apenas para chamar a atenção. Além de enganar seus potenciais clientes não ser uma atitude correta, ela pode até ser penalizada. Exemplo disso foi uma campanha da fabricante de sorvetes Diletto. Em 2014, a empresa foi punida pelo Conselho de Autorregulamentação Publicitária (Conar) depois que descobriu-se que a história sobre a fundação da empresa era falsa.2. Produza conteúdos com histórias em seu blogSe você já é um adepto do marketing de conteúdo ou pretende começar a aplicá-lo como estratégia em seu negócio, o blog é um ótimo local para aplicar o storytelling!Quando for escrever posts sobre seu nicho de mercado, procure caprichar nos textos e pense em como contar uma história com aquele conteúdo. Por exemplo, se você costuma produzir artigos com dicas de maquiagem no seu site, procure contar a história de alguns dos produtos mais utilizados ou da evolução das tendências das makes ao longo da história.Além disso, você pode fazer estudos de caso de outras empresas ou até mesmo contar experiências pelas quais o seu negócio tenha passado e que possam despertar interesse no público. Dessa forma, você engaja seus potenciais clientes e os mantêm sempre ansiosos pelo seu próximo artigo!3. Atenção às palavras na descrição dos produtosSe você tem ou quer criar uma loja virtual, o espaço da descrição dos produtos pode ser um ótimo espaço para aplicar o storytelling. Sempre prestando atenção às palavras-chave para a estratégia de SEO do seu e-commerce, você pode tornar os textos sobre as mercadorias muito mais atrativos.Se você vende, por exemplo, camisetas com estampas de artistas famosos, não precisa se limitar a uma descrição engessada. Por que não contar um pouco da história do artista ou do desenho retratado na estampa da peça de roupa ali na descrição? Dessa forma, a pessoa que se interessar por aquele produto já se sentirá mais envolvida com ele à medida que lê as informações em seu site.A loja de rações naturais para pets Simple Dog, por exemplo, conta como os alimentos são feitos de forma envolvente nas descrições:Seja sua loja virtual montada por um desenvolvedor ou a partir de uma plataforma de e-commerce, você sempre terá um espaço para descrever seus produtos. Então, utilize-o de forma proveitosa!4. Use as redes sociais para contar históriasAs redes sociais são ótimos espaços para divulgar conteúdos, produtos e serviços da sua marca. E, assim como em outros espaços digitais, nelas os usuários também apreciam e se envolvem com histórias bem contadas!Seja no Instagram, no Facebook ou no YouTube, lembre-se de não fazer os posts e vídeos apenas para mostrar os produtos. Conte como surgiu a ideia de desenvolvê-los ou quais as maiores dificuldades que encontrou para começar seu negócio, por exemplo.Um exemplo simples, porém que já cria uma história na percepção das pessoas ao verem o post é o da loja virtual de acessórios Oficial Accio:No post acima, ao invés de apenas apresentar o kit eco, toda a expectativa de uma viagem à praia no verão é apresentada. Isso tem a capacidade de mexer com as emoções das pessoas, que já se imaginam na situação mostrada pelo post.Se estiver com dificuldades, observe as redes sociais de grandes marcas que você admira e que despertam o engajamento do público. Preste atenção e tente entender como elas fazem isso. Dessa forma, você consegue encontrar formas de aplicar a ideia ao seu negócio!Agora que você já sabe como contar uma história sobre sua marca e produtos, já pode começar a aplicar o storytelling em seu negócio. Seu público, certamente, vai se tornar muito mais engajado com seus conteúdos!---Informações da autoraVictoria Salemi é a editora responsável pelas parcerias de conteúdo da Nuvemshop, a maior plataforma de comércio digital da América Latina, com mais de 30 mil lojas ativas. Formada em Jornalismo, ama escrever e tornar assuntos complicados acessíveis a todos!

As linguagens de programação favoritas, segundo 15.000 desenvolvedores img
tech

As linguagens de programação favoritas, segundo 15.000 desenvolvedores

Milhares de programadores web full stack de todo o mundo se expressaram no Twitter dias atrás para opinar sobre quais são suas linguagens de programação favoritas, com base em seis critérios: A primeira que aprenderam, a que teve mais dificuldade, a que mais usam, a que odeiam, a que mais amam e a que recomendam para principiantes.Após obter dados de uns 15.000 desenvolvedores, Victoriano Izquierdo analisou os tuits com a ferramenta de análise científica de dados Graphext e obteve, como resultado, que Javascript, Python, Java e C# lideram o ranking das linguagens preferidas.Este resultado coincide com outras sondagens em todo o mundo. Por exemplo, a última pesquisa anual de desenvolvedores de JetBrains, realizada no início deste ano, além dos índices TIOBE, o PYPL, entre outros.Este ranking é ideal para aqueles que querem aprender a programar, porque mostra as opiniões em primeira pessoa daqueles que já estão percorrendo seu caminho dentro do campo da programação web.

As habilidades mais demandadas pelas empresas segundo LinkedIn img
carreira

As habilidades mais demandadas pelas empresas segundo LinkedIn

As organizações já estão modificando os perfis que requerem. Isto, bastante demonstrado em todo o mundo, foi comprovado também pelo estudo “The Skills companies need most“, elaborado por LinkedIn em sua edição 2019. Segundo essa pesquisa, o ranking das 25 habilidades hard mais demandadas está composto por:- Cloud Computing- Raciocínio analítico- Gestão de pessoas- UX Design (User Experience Design)- Desenvolvimento de aplicações de celulares- Produção de vídeo- Sales Leadership- Tradução- Produção de áudio- Processamento da linguagem natural (PLN)- Scientific Computing- Game Development- Social Media Marketing- Animação- Business Analysis- Jornalismo- Marketing Digital- Design Industrial- Estratégias competitivasUm dado importante: O documento enfatiza que as organizações estão focando mais no “saber fazer” dos candidatos do que no fato de que tenham título universitário.