MENU

| BR

Campus

Programação

Marketing

UX

Dados

Negócios

Paises

Um território para muitos: a programação por outros olhos

Um território para muitos: a programação por outros olhos
tech
26 de março de 2018
  -  
-min de leitura

A primeira pessoa a desenvolver um código no mundo foi uma mulher, Ada Lovelace. E durante longos anos, as mulheres representaram alta porcentagem nos cursos de Ciência da Computação. Em meados dos anos 80, esses números começaram a mudar. Por quê?


"Esta semana, vi uma nota dizendo que segundo a documentação do IME (Instituto de Matemática e Estatística da Universidade de São Paulo) a primeira turma de Ciência da Computação formada por eles, isso lá em 1971, tinha 15 mulheres e somente 6 homens. Me perguntei: por que isso mudou?". Foi assim que Ana Paula da Silva, professora de Desenvolvimento Web Full Stack da Digital House começou uma conversa sobre mulheres na programação. E nós abraçamos a questão: por que isso mudou? O site americano Smithsonianmag.com - que aborda temas como tecnologia, inovação, história e ciência - se baseia em dados históricos para levantar a teoria de que a baixa de mulheres nas áreas de programação se deu com a popularização dos computadores pessoais nos anos 1980.

Na época, os conhecidos CP-300 e CP-500, primeiros computadores a terem entrada nas casas, não eram capazes de fazer muitas coisas e eram vendidos como máquinas para jogar videogame, com foco no público masculino. Logo, o computador entrou na categoria "brinquedo de menino" e deu a eles uma vantagem nas aulas informática e computação. Daí em diante, os números foram consequência dessa construção social que só começou a mudar por volta dos anos 2000, quando além de mais potentes, os computadores deixaram de ser necessários só nos escritórios e passaram a ser requisitados também em casa como ferramenta de estudo e descompressão - foi quando as redes sociais se popularizaram e os conteúdos mais informais e direcionados à diversão ganharam mais espaço.

E por que, ainda hoje, existem poucas mulheres na programação?

Ana Paula sugere que, com o passar dos anos, essa distância entre as mulheres e o mercado de desenvolvimento foi sustentada pela inércia. "Um dia aconteceu dos homens se tornarem maioria. Nem sempre foi assim, como vimos historicamente. Mas um dia aconteceu e assim ficou. Eu não entendo!", diz. E sustenta a ideia de que esse jogo precisa ser mudado e que fará o que puder para trazer mais mulheres às suas aulas e ao mundo da programação. Uma pesquisa realizada no GitHub, uma das maiores comunidades de código open-source do mundo, atesta que os códigos escritos por mulheres são mais aprovados do que aqueles escritos por homens, desconstruindo todo o conceito de que a aptidão à área está relacionada ao gênero. "A programação não tem gênero, é uma profissão como outra qualquer", diz Ana Paula, que ao longo dos anos como desenvolvedora, atribui o desrespeito ao gênero e não necessariamente à escolha da profissão. "Já trabalhei em projetos em que eu fui muito desrespeitada, em que a minha opinião não era ouvida, em que eu tinha menos credibilidade por ser mulher. Mas também já tive equipes em que o fato de ser mulher não fazia a menor diferença. Nos tratávamos de igual para igual, porque dentro daquele time, éramos todos desenvolvedores, éramos todos iguais".

A opinião de Ana Paula é que as mulheres não devem pensar na programação como algo distante delas. Tão pouco que o fato de ser uma profissão com muita atuação masculina deve distanciá-las desse ambiente. "É uma luta muito maior. O desrespeito à mulher só existe na programação porque existe em qualquer outro lugar. Então você não tem que deixar de fazer alguma coisa que gosta ou que acha interessante pensando nisso. Você só vai lá e faz. Eu fui lá e fiz. Nem sequer pensei na desigualdade de gênero quando escolhi fazer Ciência da Computação".

Mas o que a programação acrescenta à minha vida?

Muito tem se falado em aprender linguagens de programação para desenvolver habilidades e não só como ferramenta para atuar na área. Estudar programação desenvolve raciocínio lógico, criatividade e agilidade na resolução de problemas. Quer mais uma vantagem? O Brasil pode chegar em 2020 com um déficit de mais de 400 mil profissionais qualificados de TI, segundo a Softex enquanto as mulheres são as mais afetadas quando o assunto é desemprego no Brasil: 13,8% delas está desempregada contra 10,7% dos homens, de acordo com dados do último trimestre de 2016 levantados pelo IBGE.

Além disso, saber programação é o primeiro passo para você tirar do papel aquele projeto legal que por enquanto está só no campo das ideias. "O que eu gosto na programação é ver as coisas nascendo, existindo. Você escreve e então aquilo existe, se materializa. Está ali pra você ver. E por trás daquilo é o código que você escreveu", conta Ana Paula encerrando a nossa conversa nos trazendo essa percepção sobre a programação: o desenvolvimento é muito mais do escrever código, é colocar ideias em prática e vê-las existindo. Se você quer preencher essa lacuna do mercado, conhecer a Ana Paula e tantos outros profissionais que nos inspiram a entender e pensar programação muito além da ferramenta, venha visitar o nosso campus, conversar sobre os nossos cursos de desenvolvimento e fazer networking com quem pode te orientar sobre o que é o dia a dia de um coder.

Outras notícias

Qual a diferença entre front-end e back-end img
tech

Qual a diferença entre front-end e back-end

Se você decidiu entrar no universo da programação, já está ciente de que essa área contempla inúmeras opções de atuação e diversas linguagens, o que pode deixar tudo um tanto quanto confuso! Quantas vezes você encontrou alguma oportunidade de trabalho na qual você não sabia muito bem qual o papel, como atuar e o que ela significava? Porém, justamente essa diversificação é que faz a carreira de desenvolvedor tão atrativa! E, para esclarecer um pouco e ajudar no seu caminho, vamos falar de uma das maiores dúvidas para quem está começando: o que diferencia o profissional de back-end do profissional front-end? Que habilidades cada um deles requer?O que é Back-EndPara mostrar as diferenças, vale começar com as definições de cada atividade.Basicamente, quando falamos dos “bastidores”, ou seja, o servidor e o banco de dados que ajudam a fornecer as informações ao usuário de uma interface, falamos do back-end. É a parte do site que você não tem contato direto (a não ser que você seja um profissional da área, claro!).O back-end é uma parte fundamental de qualquer site ou aplicação na web. Se você está lendo esse texto, por exemplo, é um sinal de que a comunicação com o servidor obteve sucesso e isso se deve, provavelmente, a um profissional de back-end!Quem prefere se especializar como desenvolvedor back-end vai atuar com lógica, com a funcionalidade do site, regras, segurança e integridade de banco de dados. Ou seja, para viver os “bastidores da internet” requer muita paciência, cuidado e concentração constante!O que é Front-EndSe back-end é o desenvolvimento da parte da web que não vemos, o front-end, por outro lado, é toda a parte visível das aplicações e sites. Essa área não lida diretamente com banco de dados, servidores e todas as aplicações complexas do back-end, mas cuida da usabilidade, efeitos visuais, velocidade de carregamento, etc.De maneira mais direta, o Desenvolvedor de Front-end fica responsável pela interação direta com o usuário, e por isso acaba desenvolvendo cuidando do lado mais visual das aplicações, como o cuidado com cores, botões, links, menus, e tudo o que vemos numa página quando estamos acessando.Justamente por conta disso, um profissional front-end precisa ter um olhar constante para a melhor Experiência do Usuário. Ou seja, as preocupações de front-end e back-end são opostas, porém complementares. Os desenvolvedores de front-end e back-end devem sempre trabalhar em conjunto para que o aplicativo ou site funcione corretamente.Pode atuar com front-end e back-end ao mesmo tempo?Com experiências e habilidades tão opostas, será que é possível trabalhar com interface e servidor ao mesmo tempo? A resposta é sim! Inclusive, uma pessoa qualificada para fazer as duas atividades é bastante demandada no mercado e é bem valorizada!Quando o profissional de programação atua nas mais diversas partes do projeto, ou tem conhecimento tanto de back-end quanto de front-end, ele é chamado de Desenvolvedor Full Stack.O desenvolvedor Full-Stack é um profissional mais flexível, com visão mais completa do negócio, que vai atuar do início ao fim de um projeto. Provavelmente, isso demandará o conhecimento de diferentes tecnologias e linguagens de programação, ainda mais se for o caso de atuar sozinho.Neste caso, a principal dica para quem está começando a programar é estudar muito sobre todas as áreas do Desenvolvimento Web, conhecer as linguagens de programação mais utilizadas atualmente e entender quais habilidades que mais parecem adequadas ao seu perfil.

Digital House abre nova unidade em São José dos Campos img
tech

Digital House abre nova unidade em São José dos Campos

Viva a experiência Digital House em São José dos Campos!Nascemos com a missão de capacitar profissionais na área digital. Somos um hub de tecnologia e educação para formação de profissionais de alta performance. Te desafiamos a pensar como realizador de ideias em vez de deixá-las só no papel. Chegamos ao Brasil em 2018 e, nesses 2 anos, já formamos mais de 3 mil alunos em nossos cursos: Marketing Digital, Programação, Dados, UX e Gestão de Negócio Digital. Em 2020, queremos que mais pessoas tenham oportunidade de viver a experiência de ser um aluno Digital House. Chegamos em São José dos Campos com os curso de Programação Web Full Stack e Marketing Digital, em parceria com a Workflex, coworking com ambiente inovador, localizado no coração do Jardim Aquárius, no Edifício Infinity Tower. Os joseenses e vale paraibanos interessados em fazer nossos cursos, que têm início em março, já podem se inscrever no site da Digital House;Acreditamos que a melhor maneira de adquirir habilidades digitais é com a metodologia de “aprender fazendo”, que integra teoria e prática de forma constante. Queremos que os alunos tragam suas ideias e consigam encontrar as respostas para seus desafios. A interação constante com professores que têm experiência real no mercado possibilita que eles sejam orientados no melhor caminho para o sucesso.Preparado para viver essa experiência com a gente?Faça sua inscrição para que possamos entrar em contato com você. #VemSerDigital! 

UX Research: o que é e como planejar img
ux

UX Research: o que é e como planejar

Por mais que estejamos imersos num projeto, entendendo o briefing e conhecendo o problema, é de vital importância ouvir o usuário, reconhecer suas necessidades e validar o projeto justamente com quem vai utilizar o produto ou serviço.Antes de tomar qualquer decisão sobre um produto, é necessário investigar o cenário. Por isso, a UX Research ajuda na identificação do problema e também é essencial para refutar ou comprovar as hipóteses de um projeto. Ou seja, a pesquisa é uma parte fundamental do trabalho de User Experience.Por isso, vamos nos aprofundar um pouco mais nesse tema, entendendo como funciona, quais habilidades são necessárias e como planejar uma pesquisa em UX. Afinal, o que é UX Research?A pesquisa é uma etapa pouco compreendida e valorizada em Experiência do Usuário, mas também é a mais crítica para o processo. Muitas vezes, é deixada de lado, ou considerada um luxo desnecessário, mas em momentos críticos, faz muita falta!Traduzindo a definição da Interaction Design Foundation, UX research é a investigação sistemática dos usuários e seus requisitos, contextualizando e buscando insights para o processo de user experience. A pesquisa emprega diversas técnicas, ferramentas e metodologias para chegar a conclusões, estabelecer fatos e encontrar problemas, revelando, dessa forma, informações valiosas para o processo de design.Ou seja, é a maneira de reconhecer um problema, confirmar ou refutar hipóteses, além de reconhecer as principais necessidades e objetivos do público-alvo, por meio de diferentes pontos de vista e contextos, melhorando ainda mais todo o trabalho de experiência do usuário. Para quem está começando a carreira nessa área, vale ter a consciência da importância da pesquisa desde já! As vantagens de uma pesquisa de UXEntender o público para trazer soluções que aumentem a satisfação dele já é, por si só, uma grande vantagem, certo? Pois além disso, incorporar a pesquisa no dia a dia dos processos de UX tem outros pontos positivos!Na prática, isso traz melhorias de tempo e dinheiro. De tempo, pois a investigação ajuda a identificar erros e tomar decisões mais acertadas num tempo mais curto, economizando esforços de retrabalho, por exemplo. E solucionar os problemas antes de desenvolver o projeto sairá muito mais barato do que refazer tudo quando o mesmo já estiver em funcionamento!Ah, e sem contar a vantagem competitiva, pois quando você busca o feedback do usuário, você o entende e, por isso, melhora a sua experiência interativa. Isso te colocará sempre um passo à frente dos seus concorrentes e mantém seu cliente sempre satisfeito, sendo mais um passo na busca pela fidelização.No final das contas, com um trabalho de pesquisa de UX, você garante um produto que tenha não só um design bonito, mas que também tem usabilidade e inteligência.Como planejar uma pesquisa de usuário?O planejamento deve começar sempre pela questão mais fundamental: qual dúvida queremos que seja respondida? Qual o objetivo? Além disso, é importante considerar as hipóteses, ou seja, quais as possibilidades de respostas. Com o resultado da pesquisa, será possível entender se essas suposições foram confirmadas ou refutadas.Também é fundamental entender com quem a marca quer falar, ou seja, definir quais dos stakeholders serão parte da pesquisa. Afinal, o público questionado deve ser exatamente o mesmo que se beneficiará dos resultados da investigação, por isso é tão importante definir essa questão com clareza.Entenda também qual metodologia será utilizada. Os métodos qualitativos mostram comportamentos e explicam porque um usuário age de uma maneira ou de outra, enquanto os métodos quantitativos trazem dados numéricos e estatísticas. Dentre os métodos, temos as entrevistas, teste de usabilidade, estudo etnográfico, entre outros. Se você não tem muita certeza de qual é o ideal, retorne à questão que precisa ser respondida. Se, por exemplo, você quer entender como as pessoas utilizam seu app, o método mais adequado deveria ser um teste de usabilidade. Mas se, por outro lado, você quer entender por que alguns usuários clicaram num botão e outros não, aí pode ser o caso de uma entrevista, algo mais qualitativo.Definitivamente, a pesquisa é uma parte essencial a ser executada em qualquer projeto. Observar e compreender o usuário demonstra empatia e é de vital importância para criar produtos e serviços que o cliente realmente necessita.