MENU

| BR

Campus

Cursos

Programas Executivos

Paises

Um território para muitos: a programação por outros olhos

Um território para muitos: a programação por outros olhos
tech
26 de março - min de leitura

A primeira pessoa a desenvolver um código no mundo foi uma mulher, Ada Lovelace. E durante longos anos, as mulheres representaram alta porcentagem nos cursos de Ciência da Computação. Em meados dos anos 80, esses números começaram a mudar. Por quê?


"Esta semana, vi uma nota dizendo que segundo a documentação do IME (Instituto de Matemática e Estatística da Universidade de São Paulo) a primeira turma de Ciência da Computação formada por eles, isso lá em 1971, tinha 15 mulheres e somente 6 homens. Me perguntei: por que isso mudou?". Foi assim que Ana Paula da Silva, professora de Desenvolvimento Web Full Stack da Digital House começou uma conversa sobre mulheres na programação. E nós abraçamos a questão: por que isso mudou? O site americano Smithsonianmag.com - que aborda temas como tecnologia, inovação, história e ciência - se baseia em dados históricos para levantar a teoria de que a baixa de mulheres nas áreas de programação se deu com a popularização dos computadores pessoais nos anos 1980.

Na época, os conhecidos CP-300 e CP-500, primeiros computadores a terem entrada nas casas, não eram capazes de fazer muitas coisas e eram vendidos como máquinas para jogar videogame, com foco no público masculino. Logo, o computador entrou na categoria "brinquedo de menino" e deu a eles uma vantagem nas aulas informática e computação. Daí em diante, os números foram consequência dessa construção social que só começou a mudar por volta dos anos 2000, quando além de mais potentes, os computadores deixaram de ser necessários só nos escritórios e passaram a ser requisitados também em casa como ferramenta de estudo e descompressão - foi quando as redes sociais se popularizaram e os conteúdos mais informais e direcionados à diversão ganharam mais espaço.

E por que, ainda hoje, existem poucas mulheres na programação?

Ana Paula sugere que, com o passar dos anos, essa distância entre as mulheres e o mercado de desenvolvimento foi sustentada pela inércia. "Um dia aconteceu dos homens se tornarem maioria. Nem sempre foi assim, como vimos historicamente. Mas um dia aconteceu e assim ficou. Eu não entendo!", diz. E sustenta a ideia de que esse jogo precisa ser mudado e que fará o que puder para trazer mais mulheres às suas aulas e ao mundo da programação. Uma pesquisa realizada no GitHub, uma das maiores comunidades de código open-source do mundo, atesta que os códigos escritos por mulheres são mais aprovados do que aqueles escritos por homens, desconstruindo todo o conceito de que a aptidão à área está relacionada ao gênero. "A programação não tem gênero, é uma profissão como outra qualquer", diz Ana Paula, que ao longo dos anos como desenvolvedora, atribui o desrespeito ao gênero e não necessariamente à escolha da profissão. "Já trabalhei em projetos em que eu fui muito desrespeitada, em que a minha opinião não era ouvida, em que eu tinha menos credibilidade por ser mulher. Mas também já tive equipes em que o fato de ser mulher não fazia a menor diferença. Nos tratávamos de igual para igual, porque dentro daquele time, éramos todos desenvolvedores, éramos todos iguais".

A opinião de Ana Paula é que as mulheres não devem pensar na programação como algo distante delas. Tão pouco que o fato de ser uma profissão com muita atuação masculina deve distanciá-las desse ambiente. "É uma luta muito maior. O desrespeito à mulher só existe na programação porque existe em qualquer outro lugar. Então você não tem que deixar de fazer alguma coisa que gosta ou que acha interessante pensando nisso. Você só vai lá e faz. Eu fui lá e fiz. Nem sequer pensei na desigualdade de gênero quando escolhi fazer Ciência da Computação".

Mas o que a programação acrescenta à minha vida?

Muito tem se falado em aprender linguagens de programação para desenvolver habilidades e não só como ferramenta para atuar na área. Estudar programação desenvolve raciocínio lógico, criatividade e agilidade na resolução de problemas. Quer mais uma vantagem? O Brasil pode chegar em 2020 com um déficit de mais de 400 mil profissionais qualificados de TI, segundo a Softex enquanto as mulheres são as mais afetadas quando o assunto é desemprego no Brasil: 13,8% delas está desempregada contra 10,7% dos homens, de acordo com dados do último trimestre de 2016 levantados pelo IBGE.

Além disso, saber programação é o primeiro passo para você tirar do papel aquele projeto legal que por enquanto está só no campo das ideias. "O que eu gosto na programação é ver as coisas nascendo, existindo. Você escreve e então aquilo existe, se materializa. Está ali pra você ver. E por trás daquilo é o código que você escreveu", conta Ana Paula encerrando a nossa conversa nos trazendo essa percepção sobre a programação: o desenvolvimento é muito mais do escrever código, é colocar ideias em prática e vê-las existindo. Se você quer preencher essa lacuna do mercado, conhecer a Ana Paula e tantos outros profissionais que nos inspiram a entender e pensar programação muito além da ferramenta, venha visitar o nosso campus, conversar sobre os nossos cursos de desenvolvimento e fazer networking com quem pode te orientar sobre o que é o dia a dia de um coder.

Outras notícias

Como aplicar o storytelling ao seu negócio img
mkt

Como aplicar o storytelling ao seu negócio

Muito se fala sobre o storytelling, ou seja, a arte de contar histórias. O termo, normalmente, é associado à publicidade e ao marketing, como uma forma de aumentar o engajamento do público. Mas, então, como contar uma história em seu negócio?Existem muitas formas de trazer o storytelling para sua empresa, seja para quem vai vender pela internet ou apenas divulgar produtos e serviços na web. Antes de apresentar algumas delas, é importante destacar que essa estratégia costuma ser muito positiva na hora de atrair e envolver os potenciais consumidores.Saber como contar uma história conquista a atenção das pessoas desde que os seres humanos começaram a se comunicar. Portanto, aplicar o storytelling ao seu negócio é uma forma de manter seu cliente ligado nos seus conteúdos, sejam eles em que canal for.Portanto, vamos conhecer algumas formas para contar histórias em seu negócio!1. Tenha uma página sobre a empresa no site e capricheUm ótimo espaço para aplicar o storytelling em seu negócio é na página sobre a empresa. Ali, normalmente, há um texto explicando o que você faz, que tipo de serviço presta, desde quando e outras informações do tipo. Por que não utilizar esse espaço para contar uma história?Você pode contar como surgiu a ideia de começar a empresa, os motivos que o levaram a escolher aquele ramo e todo tipo de informação interessante sobre seu negócio. Assim, você desperta a curiosidade do leitor e pode deixá-lo mais envolvido com sua marca!O restaurante Madero é um que explora muito esse tipo de comunicação para apresentar sua história. Este vídeo, por exemplo, mostra como surgiu o cheeseburguer do chef Júnior Durski.Você pode adaptar conteúdos como o vídeo acima para a página sobre a empresa em seu site.Mas atenção! Você não deve, em hipótese nenhuma, inventar uma história que pareça bonita apenas para chamar a atenção. Além de enganar seus potenciais clientes não ser uma atitude correta, ela pode até ser penalizada. Exemplo disso foi uma campanha da fabricante de sorvetes Diletto. Em 2014, a empresa foi punida pelo Conselho de Autorregulamentação Publicitária (Conar) depois que descobriu-se que a história sobre a fundação da empresa era falsa.2. Produza conteúdos com histórias em seu blogSe você já é um adepto do marketing de conteúdo ou pretende começar a aplicá-lo como estratégia em seu negócio, o blog é um ótimo local para aplicar o storytelling!Quando for escrever posts sobre seu nicho de mercado, procure caprichar nos textos e pense em como contar uma história com aquele conteúdo. Por exemplo, se você costuma produzir artigos com dicas de maquiagem no seu site, procure contar a história de alguns dos produtos mais utilizados ou da evolução das tendências das makes ao longo da história.Além disso, você pode fazer estudos de caso de outras empresas ou até mesmo contar experiências pelas quais o seu negócio tenha passado e que possam despertar interesse no público. Dessa forma, você engaja seus potenciais clientes e os mantêm sempre ansiosos pelo seu próximo artigo!3. Atenção às palavras na descrição dos produtosSe você tem ou quer criar uma loja virtual, o espaço da descrição dos produtos pode ser um ótimo espaço para aplicar o storytelling. Sempre prestando atenção às palavras-chave para a estratégia de SEO do seu e-commerce, você pode tornar os textos sobre as mercadorias muito mais atrativos.Se você vende, por exemplo, camisetas com estampas de artistas famosos, não precisa se limitar a uma descrição engessada. Por que não contar um pouco da história do artista ou do desenho retratado na estampa da peça de roupa ali na descrição? Dessa forma, a pessoa que se interessar por aquele produto já se sentirá mais envolvida com ele à medida que lê as informações em seu site.A loja de rações naturais para pets Simple Dog, por exemplo, conta como os alimentos são feitos de forma envolvente nas descrições:Seja sua loja virtual montada por um desenvolvedor ou a partir de uma plataforma de e-commerce, você sempre terá um espaço para descrever seus produtos. Então, utilize-o de forma proveitosa!4. Use as redes sociais para contar históriasAs redes sociais são ótimos espaços para divulgar conteúdos, produtos e serviços da sua marca. E, assim como em outros espaços digitais, nelas os usuários também apreciam e se envolvem com histórias bem contadas!Seja no Instagram, no Facebook ou no YouTube, lembre-se de não fazer os posts e vídeos apenas para mostrar os produtos. Conte como surgiu a ideia de desenvolvê-los ou quais as maiores dificuldades que encontrou para começar seu negócio, por exemplo.Um exemplo simples, porém que já cria uma história na percepção das pessoas ao verem o post é o da loja virtual de acessórios Oficial Accio:No post acima, ao invés de apenas apresentar o kit eco, toda a expectativa de uma viagem à praia no verão é apresentada. Isso tem a capacidade de mexer com as emoções das pessoas, que já se imaginam na situação mostrada pelo post.Se estiver com dificuldades, observe as redes sociais de grandes marcas que você admira e que despertam o engajamento do público. Preste atenção e tente entender como elas fazem isso. Dessa forma, você consegue encontrar formas de aplicar a ideia ao seu negócio!Agora que você já sabe como contar uma história sobre sua marca e produtos, já pode começar a aplicar o storytelling em seu negócio. Seu público, certamente, vai se tornar muito mais engajado com seus conteúdos!---Informações da autoraVictoria Salemi é a editora responsável pelas parcerias de conteúdo da Nuvemshop, a maior plataforma de comércio digital da América Latina, com mais de 30 mil lojas ativas. Formada em Jornalismo, ama escrever e tornar assuntos complicados acessíveis a todos!

As linguagens de programação favoritas, segundo 15.000 desenvolvedores img
tech

As linguagens de programação favoritas, segundo 15.000 desenvolvedores

Milhares de programadores web full stack de todo o mundo se expressaram no Twitter dias atrás para opinar sobre quais são suas linguagens de programação favoritas, com base em seis critérios: A primeira que aprenderam, a que teve mais dificuldade, a que mais usam, a que odeiam, a que mais amam e a que recomendam para principiantes.Após obter dados de uns 15.000 desenvolvedores, Victoriano Izquierdo analisou os tuits com a ferramenta de análise científica de dados Graphext e obteve, como resultado, que Javascript, Python, Java e C# lideram o ranking das linguagens preferidas.Este resultado coincide com outras sondagens em todo o mundo. Por exemplo, a última pesquisa anual de desenvolvedores de JetBrains, realizada no início deste ano, além dos índices TIOBE, o PYPL, entre outros.Este ranking é ideal para aqueles que querem aprender a programar, porque mostra as opiniões em primeira pessoa daqueles que já estão percorrendo seu caminho dentro do campo da programação web.

As habilidades mais demandadas pelas empresas segundo LinkedIn img
carreira

As habilidades mais demandadas pelas empresas segundo LinkedIn

As organizações já estão modificando os perfis que requerem. Isto, bastante demonstrado em todo o mundo, foi comprovado também pelo estudo “The Skills companies need most“, elaborado por LinkedIn em sua edição 2019. Segundo essa pesquisa, o ranking das 25 habilidades hard mais demandadas está composto por:- Cloud Computing- Raciocínio analítico- Gestão de pessoas- UX Design (User Experience Design)- Desenvolvimento de aplicações de celulares- Produção de vídeo- Sales Leadership- Tradução- Produção de áudio- Processamento da linguagem natural (PLN)- Scientific Computing- Game Development- Social Media Marketing- Animação- Business Analysis- Jornalismo- Marketing Digital- Design Industrial- Estratégias competitivasUm dado importante: O documento enfatiza que as organizações estão focando mais no “saber fazer” dos candidatos do que no fato de que tenham título universitário.