MENU

| BR

Campus

Programação

Marketing

UX

Dados

Negócios

Paises

People Analytics: Dados e Recursos Humanos trabalhando juntos

People Analytics: Dados e Recursos Humanos trabalhando juntos
carreira
13 de agosto de 2018
  -  
-min de leitura

Por muito tempo vista como a área menos tecnológica e analítica dos negócios, o RH vem ganhando outras perspectivas e, em tempos que muito se fala em transformação digital, é um dos pilares para que ela realmente aconteça nas empresas.


Se há 10 anos o profissional de RH era uma posição administrativa e burocrática nas empresas, hoje é parte imprescindível das estratégias de negócio e tomadas de decisão. Isso decorre de muitos fatores, entre eles, o impacto da transformação digital nas empresas e nos negócios, os avanços tecnológicos, as mudanças nas relações de trabalho, o surgimento de novos cargos e profissões e, com isso, a mudança na relação das pessoas com o trabalho.

"Se antes ocupava-se uma mesma posição por longos anos e isso era motivo de orgulho, hoje a inquietação é vista com bons olhos: as pessoas, em um contexto geral, se acomodam menos, escalam mais e estão sempre em busca de evolução profissional", afirma Luciana Jungman, diretora de RH e coordenadora do curso de Digital Talent Program da Digital House Brasil. "Em um contexto onde novas áreas e possibilidades de otimização dentro da sua própria área surgem o tempo todo, os "desacomodados" ganham destaque. São pessoas que agregam conhecimento, levantam questões pertinentes e trazem resultados. Para identificar esse perfil no mercado e retê-lo na sua empresa, o RH tem papel indispensável", finaliza.

Até pouco tempo, identificar esse perfil no recrutamento era uma soma de competências e habilidades do recrutador com o que os currículos e portfólios entregavam sobre o recrutado: suas experiências profissionais, formação, soft e hard skills. Hoje, empresas de sucesso como Google, PwC, Nielsen, entre outras, investem em ferramentas e novos setores no RH para encontrar e reter esses profissionais.

E se você está pensando em mudar de carreira, não tema: a tendência é termos mais de uma profissão e, na hora da contratação, muito mais do que a sua área de formação, muitas outras informações sobre você são levadas em conta.

People Analytics - a análise de dados como ferramenta de Recursos Humanos

Em algum momento você imaginou um profissional de dados na equipe de Recursos Humanos? Ou, ainda, imaginou um profissional de Recursos Humanos se especializando em análise de dados? Pois é, essa é só uma das mudanças que a transformação digital tem trazido para as empresas.

People Analytics é a união da análise de dados com a gestão de pessoas. Em linhas gerais, é coletar e analisar dados sobre os funcionários e prospects de uma organização para traçar um perfil profissional aderente à cultura da empresa e criar medidas para retenção desses talentos. O People Analytics possibilita, através de ferramentas de Business Intelligence e estatística, levantar e analisar informações relevantes sobre colaboradores e candidatos e extrair insights sobre comportamento e perfil, como por exemplo, em que tarefas os colaboradores são mais eficientes, quais fatores influenciam na satisfação, quais influenciam na demissão, o que motiva as pessoas.

Em um estágio mais avançado, a ideia é extrair informação de dados históricos e combinar técnicas avançadas de estatística e inteligência artificial para ajudar a prever cenários futuros, por exemplo, quais pessoas tendem a abandonar a empresa, ou ainda, prever performance e produtividade. Com este método, o RH pode atuar baseado em métricas relevantes, realizando a gestão de pessoas de forma estratégica. Além de criar um ambiente onde os colaboradores estão mais motivados e felizes, o RH também contribui para otimizar custos, trazendo análises mais precisas sobre os gastos, sinalizando onde são indevidos e onde há carência de investimento.

O Google, por exemplo, pioneiro no uso de People Analytics, não só otimizou muito seus custos e capital pessoal, como conseguiu manter alta a média de qualidade e produtividade do time mesmo com uma operação gigantesca - o que antes seria considerado inviável já que, teoricamente, é difícil manter as taxas de engajamento, cultura e produtividade quando a equipe se torna muito grande e a operação, global. Realmente, sem uma boa análise de dados e modelos preditivos, parece humanamente impossível.

Cases de sucesso com People Analytics

De 2015 para 2016, a Accenture, consultoria de gestão e tecnologia da informação, aumentou em 50% a retenção e o avanço da carreira de mulheres da organização após uma análise de dados que considerava informações como resultado da avaliação de desempenho, taxa de rotatividade, férias e folgas nos últimos meses, alocação fora da base no último semestre, tempo na função e remuneração e treinamentos realizados.

Também em 2015, a Nielsen, empresa global de pesquisa de mercado, levantou dados sobre fatores que levavam seus colaboradores a pedirem demissão. Usaram um modelo que media os motivos e os impactos que as demissões traziam e gerava ideias sobre como retê-los. As principais conclusões foram que o primeiro ano de empresa é o mais importante e que embora promoções ajudem na retenção, o melhor é fazer movimentos laterais.

Como resultado, 40% dos funcionários apontados no modelo com maior probabilidade de deixar a empresa nos próximos 6 meses, foram transferidos para novos cargos e ficaram na corporação. Para finalizar, a famosa companhia de pesquisas e consultoria McKinsey, depois de fazer análises de People Analytics para incontáveis empresas, decidiu fazer sua própria pesquisa. Workshops, entrevistas, pesquisas em focus group e outras técnicas foram utilizadas no processo para gerar insights que, por sua vez, foram contra-intuitivos.

Enquanto esperavam que os preditores de abandono fossem remuneração ou avaliação de desempenho, a análise revelou que a falta de mentoria e coaching para os funcionários era um dos principais motivos de abandono da companhia. Depois que seus colaboradores passaram a receber coaching e mentoria, o risco de saída caiu entre 20 e 40%.

Oportunidade para mudar (ou enriquecer) a carreira

São inúmeras as possibilidades de atuação para profissionais que se atualizam constantemente em um momento onde as empresas buscam por perfis cada vez mais diversificados e novos cargos e empregos surgem com muita rapidez.

Se você se interessou pelo assunto de People Analytics, a Digital House oferece dois cursos que podem ajudar você a ingressar nessa área: Data Analytics e Digital Talent Program. Conheça os programas dos cursos, estude mais sobre o assunto e entenda qual deles melhor pode atender ao seu objetivo profissional.

Outras notícias

Digital House abre sua nova unidade em São Bernardo do Campo img
tech

Digital House abre sua nova unidade em São Bernardo do Campo

Viva a experiência Digital House em São Bernardo do Campo!Nascemos com a missão de capacitar profissionais na área digital. Somos um hub de tecnologia e educação para formação de profissionais de alta performance. Te desafiamos a pensar como realizador de ideias em vez de deixá-las só no papel. Chegamos ao Brasil em 2018 e, nesses 2 anos, já formamos mais de 3 mil alunos em nossos cursos: Marketing Digital, Programação, Dados, UX e Gestão de Negócio Digital. Nosso sucesso é dado graças a nossa metodologia de “aprender fazendo”, nossos conteúdos, que andam em linha com o que há de mais novo no mercado, e nossos professores, que são profissionais de mercado. Isso tudo permite que os nossos alunos se formem em apenas 4 meses, prontos para atuar no mercado de trabalho ou começar o seu próprio negócio.A Digital House já atende a população de São Bernardo do Campo, mas entendemos que não são todas as pessoas que têm disponibilidade de vir até a cidade de São Paulo. Agora com a nova unidade no coração de SBC, no Centro no Jurubatuba Empresarial, vamos poder atender a todos os São-bernardenses. Os interessados em fazer nossos cursos de Programação Web Full Stack e Marketing Digital, que têm início em março, já podem se inscrever no site da Digital House.Preparado para viver essa experiência com a gente?Faça sua inscrição para que possamos entrar em contato com você. #VemSerDigital! 

5 primeiros passos para quem quer se tornar um cientista de dados img
dados

5 primeiros passos para quem quer se tornar um cientista de dados

É difícil começar algo novo quando não se tem ideia do primeiro passo que é preciso tomar para iniciar a jornada. Esse é o questionamento de muitas pessoas que buscam fazer uma transição de carreira, principalmente para aqueles com interesse em se tornar um cientista de dados. Sobre esse tema, já falamos em outro artigo quais são as principais habilidades e competências necessárias (e demandadas pelo mercado de trabalho) para iniciar uma carreira em dados. Mas quais são os passos anteriores ao curso de Data Science, ao treinamento do pensamento lógico ou ao networking?Os professores do curso de Data Science da Digital House se prontificaram a responder uma simples pergunta que faz todo a diferença para quem quer ingressar nesta nova carreira: qual é o primeiro passo para quem quer se tornar um cientista de dados?Quebre paradigmasPara o professor Victor Morganti, o primeiro passo é “desconstruir a ideia de que a profissão é puramente ferramental”. Muitos são atraídos pela profissão por encontrar semelhanças com o dia a dia de profissionais de TI, no entanto, Victor alerta que o cientista de dados possui desafios muito diferentes.“O dia a dia do cientista de dados é permeado por questões e decisões de negócios”, conta o professor. E neste cenário, ser um profissional multidisciplinar e com experiência em áreas diversas não é só um diferencial, como também uma característica essencial da profissão.Sendo assim, ao ingressar nesta carreira é importante ter em mente que, mais do que administrar ferramentas, você administrará problemas e conflitos reais. LeituraNós já indicamos uma lista de leitura para quem quer ingressar na área de dados, mas a professora Caroline Oliveira destaca a editora O’Reilly como a melhor para quem ainda nem começou. “A coleção de livros possui exemplares desde o básico até níveis mais avançados e é uma ótima coletânea para te dar uma base antes de iniciar um curso, por exemplo”. A Editora Novatec distribui os livros da O’Reilly no Brasil em português, mas você pode encontrar versões originais em sites como Estante Virtual (e já pratica o inglês).Assista vídeosUma forma dinâmica e rápida de aprender ou se inteirar é através de vídeos na internet. Ambos os professores, Victor e Caroline, indicaram vídeos para entender melhor a carreira de dados antes de apostar em uma mudança drástica.A professora Caroline recomendou “perder-se” pelos muitos TEDs sobre Dados. Os breves vídeos de até 20 minutos com especialistas não só dão uma dimensão da importância dos dados no mundo atual, como também mostram sua utilização nas mais diversas áreas.Cientistas de dados do mundo inteiro podem ser vistos falando sobre a profissão, seus rumos, o lado positivo e o negativo, e seu papel em nossa sociedade.Pesquise vagasA melhor forma de saber o que você precisa aprender para ser um profissional de dados é indo direto à fonte: o mercado de trabalho. Pesquise por vagas na área em diferente países e níveis: júnior, pleno e sênior, para compreender quais são os principais requisitos exigidos em cada etapa e ganhar uma ideia de como deve ser desenhado seu plano de carreira.Participe da comunidadeUma fonte inesgotável de dicas, informações e aprendizados é a comunidade de cientista de dados, que reúne profissionais e entusiasta da área. Fóruns de discussão, grupos em redes sociais, Summits e Workshops reúnem não só as pessoas que fazem parte da Ciência de Dados, mas que também questionam sua atuação e quebram barreiras. Além de ser informativo, é uma experiência que alivia momentos de ansiedade. Afinal, não é ótimo saber que outras pessoas já enfrentaram determinados problemas na mudança de carreiras e agora possuem experiência para te ajudar e te guiar?Para saber mais sobre ser cientista de dados, faça uma visita à Digital House, conheça nossos professores e as soluções que oferecemos para transições de carreira.

Qual a diferença entre front-end e back-end img
tech

Qual a diferença entre front-end e back-end

Se você decidiu entrar no universo da programação, já está ciente de que essa área contempla inúmeras opções de atuação e diversas linguagens, o que pode deixar tudo um tanto quanto confuso! Quantas vezes você encontrou alguma oportunidade de trabalho na qual você não sabia muito bem qual o papel, como atuar e o que ela significava? Porém, justamente essa diversificação é que faz a carreira de desenvolvedor tão atrativa! E, para esclarecer um pouco e ajudar no seu caminho, vamos falar de uma das maiores dúvidas para quem está começando: o que diferencia o profissional de back-end do profissional front-end? Que habilidades cada um deles requer?O que é Back-EndPara mostrar as diferenças, vale começar com as definições de cada atividade.Basicamente, quando falamos dos “bastidores”, ou seja, o servidor e o banco de dados que ajudam a fornecer as informações ao usuário de uma interface, falamos do back-end. É a parte do site que você não tem contato direto (a não ser que você seja um profissional da área, claro!).O back-end é uma parte fundamental de qualquer site ou aplicação na web. Se você está lendo esse texto, por exemplo, é um sinal de que a comunicação com o servidor obteve sucesso e isso se deve, provavelmente, a um profissional de back-end!Quem prefere se especializar como desenvolvedor back-end vai atuar com lógica, com a funcionalidade do site, regras, segurança e integridade de banco de dados. Ou seja, para viver os “bastidores da internet” requer muita paciência, cuidado e concentração constante!O que é Front-EndSe back-end é o desenvolvimento da parte da web que não vemos, o front-end, por outro lado, é toda a parte visível das aplicações e sites. Essa área não lida diretamente com banco de dados, servidores e todas as aplicações complexas do back-end, mas cuida da usabilidade, efeitos visuais, velocidade de carregamento, etc.De maneira mais direta, o Desenvolvedor de Front-end fica responsável pela interação direta com o usuário, e por isso acaba desenvolvendo cuidando do lado mais visual das aplicações, como o cuidado com cores, botões, links, menus, e tudo o que vemos numa página quando estamos acessando.Justamente por conta disso, um profissional front-end precisa ter um olhar constante para a melhor Experiência do Usuário. Ou seja, as preocupações de front-end e back-end são opostas, porém complementares. Os desenvolvedores de front-end e back-end devem sempre trabalhar em conjunto para que o aplicativo ou site funcione corretamente.Pode atuar com front-end e back-end ao mesmo tempo?Com experiências e habilidades tão opostas, será que é possível trabalhar com interface e servidor ao mesmo tempo? A resposta é sim! Inclusive, uma pessoa qualificada para fazer as duas atividades é bastante demandada no mercado e é bem valorizada!Quando o profissional de programação atua nas mais diversas partes do projeto, ou tem conhecimento tanto de back-end quanto de front-end, ele é chamado de Desenvolvedor Full Stack.O desenvolvedor Full-Stack é um profissional mais flexível, com visão mais completa do negócio, que vai atuar do início ao fim de um projeto. Provavelmente, isso demandará o conhecimento de diferentes tecnologias e linguagens de programação, ainda mais se for o caso de atuar sozinho.Neste caso, a principal dica para quem está começando a programar é estudar muito sobre todas as áreas do Desenvolvimento Web, conhecer as linguagens de programação mais utilizadas atualmente e entender quais habilidades que mais parecem adequadas ao seu perfil.