MENU

| BR

Campus

Cursos

Programas Executivos

Paises

O que os recrutadores querem saber na entrevista de emprego?

O que os recrutadores querem saber na entrevista de emprego?
carreira
14 de junho - min de leitura

Confira as dicas de Andrea Tedesco, mentora de carreiras.


Hoje minha conversa com você é sobre fluidez nas entrevistas de emprego. Se você jogar "fluidez" no seu buscador favorito, vai encontrar como significado: "qualidade do que corre ou desliza facilmente". Uma entrevista deve ter como objetivo principal a fluidez. E para que isso aconteça, existe um trabalho de ambos os envolvidos nesse processo e que normalmente não é planejado como deveria ser. Toda entrevista deveria ter sempre, pelo menos, três possíveis resultados super benéficos para o desenvolvimento da sua habilidade de relacionamento e conquistas: o primeiro deles é a contratação, claro!

Aquela conversa que faz sentido para você que busca oportunidade e para o recrutador que busca um profissional resultando no sucesso do encontro. O segundo é o aprendizado, afinal, quanto mais treinamos a arte de conversar com pessoas sobre nós mesmos, mais ficamos fera! E o terceiro é o desenvolvimento da sua rede de relacionamento. Sim, em uma entrevista fluída, o resultado só pode ser ter o recrutador na sua rede de relacionamento!

E para que toda essa fluidez aconteça, você precisa mexer alguns pauzinhos. Tenho certeza que se concentrando nesse "top 5" que eu vou te contar abaixo, a fluidez vai reinar nas suas entrevistas até que aconteça o desejado "matching", o incrível encontro entre necessidades. Selecionei 5 situações que considero as principais perguntas realizadas pelos recrutadores e, afinal de contas, o que eles querem saber com isso. Chega de perder oportunidades legais por insegurança e falta de planejamento!

1) Conte-me sobre a sua carreira

Dá uma certa preguiça de responder essa pergunta, não dá? Mas na verdade, agora que você vai aprender o que o recrutador deseja saber, fica mais fácil responder. Limpe a sua mente sobre antigos conceitos de respostas certas em entrevistas. Lembre-se que temos muitos tipos de recrutadores e, inclusive, em níveis diferentes de conhecimento e experiência.

Portanto, o que você precisa focar aqui é em contar sobre a sua trajetória profissional como se fosse um "trailer" de um filme incrível! Yes! Antes, você contaria a história completa, mencionando a data de entrada e saída (inclusive o dia para que o recrutador veja que você não está mentindo). Para tudo! O recrutador é quem deverá fazer as perguntas certas para montar uma defesa do seu perfil ao gestor solicitante da vaga (sim, fazemos uma defesa literalmente do seu perfil X à vaga). Portanto, ajude o recrutador a montar a melhor defesa!

Faça uma linha do tempo da sua carreira com os momentos mais importantes. Veja: - Como começou na área e se teve influência de alguém da família ou gestor, quais foram as suas motivações para mudar de uma empresa para outra, tipos de empresas e segmento que atuou, o quanto você acredita ter se desenvolvido e isso foi atribuído a quem ou ao quê - Momentos de destaque (ganhou algum prêmio, escreveu artigos, contribuiu para um projeto especial, etc) - Finalize com o seu momento de carreira atual e o quanto ser escolhido para a vaga em questão vai contribuir para o seu desenvolvimento (como isso vai acontecer?) O seu objetivo é manter o recrutador interessado na sua história. Se existiu algum ponto em que o entrevistador tenha ficado em dúvida ou mais interessado, permita que ele faça as perguntas.

2) Por que nós devemos te contratar?

Aqui a galera se enrola bastante! E sabe por que? Porque não fizeram um plano estratégico para fazer com que o recrutador entenda que você é a solução para os seus problemas! Estudar previamente a vaga não é uma questão chata sem sentido. É usar da sua perspicácia para conquistar seus objetivos.

O normal é que as pessoas se candidatem para vagas que elas possam utilizar suas competências atuais. Portanto, a leitura criteriosa das necessidades da vaga e uma relação com as suas competências atuais é extremamente fundamental para ir focado em conquistar a posição. Exemplificando: a vaga pede por profissional Desenvolvedor Mobile com experiência em desenvolvimento de aplicativos nativos na plataforma IOS e Android Studio, linguagem Java com experiência em desenvolvimento de aplicativos para smartphones e tablets.

Também pede que o candidato desenvolva e modifique a lógica de programação de sistemas, modele banco de dados e crie e efetue testes unitários com foco em minimizar bugs no sistema. Até aqui vemos a necessidade de hard skills (habilidades técnicas), mas nada sobre a empresa, cultura, soft skills. Portanto, em um primeiro momento, você vai analisar se o que a vaga pede tem relação com o que você sabe fazer.

Se a vaga está aberta identificando o nome da empresa, você pode fazer muitas pesquisas com o objetivo de ter conteúdo para discutir, perguntar, incluir mais conteúdo em possíveis dinâmicas, ou seja, ter ferramentas necessárias para usar no momento certo a seu favor. Conhecer o desafio, a empresa e a cultura te ajuda a fazer um estudo sobre suas competências (técnicas e comportamentais), fit cultural e desejo de desenvolvimento de carreira.

Quando você tem essas informações, fica infinitamente mais fácil explicar os motivos pelos quais você deve entrar para um determinado time. Agora a versão primeiro emprego ou zero experiência na área que transitou: Levante as ações que você desempenhou em outro segmento ou na sua vida pessoal para transformar em competências possíveis para o desafio em questão. Por exemplo: ajudo os meus pais a organizar as tarefas da nossa casa. Como? Levantando todas as necessidades de organização da casa, pedindo a opinião deles para agregar conteúdo, entendendo o que cada um gosta mais e menos de fazer e dividindo as tarefas". Olha só quantas habilidades de gestão, organização de processos, identificação de perfil e atitude!

3) O que o recrutador espera quando o encontro acontece às escuras

Calma lá! Quando falamos sobre encontro às escuras, significa que a vaga não foi divulgada, o recrutador fez um hunting (busca ativa com técnicas mais avançadas de pesquisa por um perfil mais específico) e te convidou para um café ou uma entrevista tradicional. Contudo, você não sabe nada sobre a vaga ou sobre a empresa.

Normalmente, esse tipo de entrevista acontece com profissionais mais experientes (tanto o candidato quanto o recrutador) pois aqui, é necessário usar muito mais suas habilidades comportamentais. Nesse caso, você precisa fazer perguntas ao recrutador (muito mais do que em qualquer outro tipo de entrevista).

Nesse tipo de conversa, normalmente o recrutador começa apresentando melhor os motivos pelos quais ele fez esse contato com você, fala um pouco sobre o desafio, procura entender melhor o seu momento de carreira, tira algumas dúvida sobre seu perfil técnico e quando o papo começa a fluir melhor, significa que está acontecendo uma conexão.

Saber fazer perguntas ao recrutador é fundamental. Estamos em um momento do mercado (sem volta, na minha opinião) onde as escolhas são bilaterais (a empresa escolhe e o candidato também). Para que isso aconteça, o candidato precisa ter um autoconhecimento mais avançado (independente se está no início da sua carreira ou não), ter clareza dos seus objetivos e uma capacidade de raciocínio lógico. Assim, as escolhas passam a fazer sentido e geram parcerias com muito mais qualidade, independente do tempo que elas durem.

4) Qual a sua percepção sobre seus pontos a serem desenvolvidos?

É o mesmo que dizer: quais são os seus pontos fracos? A grande sacada pessoal não é saber se você é arrogante o suficiente para acreditar que não possui pontos fracos - a relação é sempre com o seu desenvolvimento de carreira. Nesse novo mercado, as pessoas precisam enxergar suas carreiras com um olhar muito mais voltado ao aprendizado constante e que possui um ponto de referência de alcance.

Por exemplo: você está migrando da área de Eventos para Marketing Digital. É super importante que faça levantamentos sobre o que você já tem de incrível para te ajudar a conquistar seu próximo passo e o que você ainda precisa desenvolver. Foque nisso. Quando você sabe aonde deseja chegar, o vento sopra a favor, já ouviu falar nisso? Assim também fica muito mais estratégico dizer o que você ainda precisa desenvolver sem se colocar em uma enrascada falando pontos que podem te prejudicar na posição ou sem o menor sentido, te fazendo pensar depois: "nossa, por que eu falei aquilo?", já passou por isso? Então fique ligado!

5) Por que você quer trocar de emprego?

Pare e entenda: não existe nenhum problema em não ter se adaptado à empresa atual. O problema é a forma como vai expor isso ao novo contratante. Até porque, se você não sabe ao certo que tipo de empresa, cultura e segmento te faz feliz, é bem possível que você corra o risco de estar em outro local que também não te satisfaça. Jamais exponha a empresa antiga, o gestor, os processos.

Nesse momento, mesmo que o selecionador seja muito bacana e a entrevista, informal, ainda é uma entrevista e você está sendo analisado. Portanto, atenção ao autoconhecimento e ao que te satisfaz. Acho que está mais do que provada a necessidade de você se conhecer e saber o que faz sentido ou não para você. Estamos em um momento do mercado que podemos escolher com mais critério o que faz conexão com nossos objetivos e a maneira de sermos felizes.

A fluidez nas entrevistas de emprego acontecem quando pessoas com interesses em comum se conectam e para isso, com eu disse no começo do nosso papo, é preciso que ambas as partes tenham clareza nos seus objetivos e sejam ambos estratégicos nas suas buscas e nas suas trocas. O que os recrutadores querem, no final de tudo, é te contratar.

Todos os alunos da Digital House têm acesso ao nosso serviço de mentoria de carreira. É onde identificamos o perfil profissional, os pontos a serem desenvolvidos para que alcancem seus objetivos, os pontos fortes que devem ser evidenciados e como construir uma imagem profissional que desperte interesse nos recrutadores. Conheça os nossos cursos.


Escrito por Andrea Tedesco, mentora de carreiras da Digital House

Outras notícias

Como aplicar o storytelling ao seu negócio img
mkt

Como aplicar o storytelling ao seu negócio

Muito se fala sobre o storytelling, ou seja, a arte de contar histórias. O termo, normalmente, é associado à publicidade e ao marketing, como uma forma de aumentar o engajamento do público. Mas, então, como contar uma história em seu negócio?Existem muitas formas de trazer o storytelling para sua empresa, seja para quem vai vender pela internet ou apenas divulgar produtos e serviços na web. Antes de apresentar algumas delas, é importante destacar que essa estratégia costuma ser muito positiva na hora de atrair e envolver os potenciais consumidores.Saber como contar uma história conquista a atenção das pessoas desde que os seres humanos começaram a se comunicar. Portanto, aplicar o storytelling ao seu negócio é uma forma de manter seu cliente ligado nos seus conteúdos, sejam eles em que canal for.Portanto, vamos conhecer algumas formas para contar histórias em seu negócio!1. Tenha uma página sobre a empresa no site e capricheUm ótimo espaço para aplicar o storytelling em seu negócio é na página sobre a empresa. Ali, normalmente, há um texto explicando o que você faz, que tipo de serviço presta, desde quando e outras informações do tipo. Por que não utilizar esse espaço para contar uma história?Você pode contar como surgiu a ideia de começar a empresa, os motivos que o levaram a escolher aquele ramo e todo tipo de informação interessante sobre seu negócio. Assim, você desperta a curiosidade do leitor e pode deixá-lo mais envolvido com sua marca!O restaurante Madero é um que explora muito esse tipo de comunicação para apresentar sua história. Este vídeo, por exemplo, mostra como surgiu o cheeseburguer do chef Júnior Durski.Você pode adaptar conteúdos como o vídeo acima para a página sobre a empresa em seu site.Mas atenção! Você não deve, em hipótese nenhuma, inventar uma história que pareça bonita apenas para chamar a atenção. Além de enganar seus potenciais clientes não ser uma atitude correta, ela pode até ser penalizada. Exemplo disso foi uma campanha da fabricante de sorvetes Diletto. Em 2014, a empresa foi punida pelo Conselho de Autorregulamentação Publicitária (Conar) depois que descobriu-se que a história sobre a fundação da empresa era falsa.2. Produza conteúdos com histórias em seu blogSe você já é um adepto do marketing de conteúdo ou pretende começar a aplicá-lo como estratégia em seu negócio, o blog é um ótimo local para aplicar o storytelling!Quando for escrever posts sobre seu nicho de mercado, procure caprichar nos textos e pense em como contar uma história com aquele conteúdo. Por exemplo, se você costuma produzir artigos com dicas de maquiagem no seu site, procure contar a história de alguns dos produtos mais utilizados ou da evolução das tendências das makes ao longo da história.Além disso, você pode fazer estudos de caso de outras empresas ou até mesmo contar experiências pelas quais o seu negócio tenha passado e que possam despertar interesse no público. Dessa forma, você engaja seus potenciais clientes e os mantêm sempre ansiosos pelo seu próximo artigo!3. Atenção às palavras na descrição dos produtosSe você tem ou quer criar uma loja virtual, o espaço da descrição dos produtos pode ser um ótimo espaço para aplicar o storytelling. Sempre prestando atenção às palavras-chave para a estratégia de SEO do seu e-commerce, você pode tornar os textos sobre as mercadorias muito mais atrativos.Se você vende, por exemplo, camisetas com estampas de artistas famosos, não precisa se limitar a uma descrição engessada. Por que não contar um pouco da história do artista ou do desenho retratado na estampa da peça de roupa ali na descrição? Dessa forma, a pessoa que se interessar por aquele produto já se sentirá mais envolvida com ele à medida que lê as informações em seu site.A loja de rações naturais para pets Simple Dog, por exemplo, conta como os alimentos são feitos de forma envolvente nas descrições:Seja sua loja virtual montada por um desenvolvedor ou a partir de uma plataforma de e-commerce, você sempre terá um espaço para descrever seus produtos. Então, utilize-o de forma proveitosa!4. Use as redes sociais para contar históriasAs redes sociais são ótimos espaços para divulgar conteúdos, produtos e serviços da sua marca. E, assim como em outros espaços digitais, nelas os usuários também apreciam e se envolvem com histórias bem contadas!Seja no Instagram, no Facebook ou no YouTube, lembre-se de não fazer os posts e vídeos apenas para mostrar os produtos. Conte como surgiu a ideia de desenvolvê-los ou quais as maiores dificuldades que encontrou para começar seu negócio, por exemplo.Um exemplo simples, porém que já cria uma história na percepção das pessoas ao verem o post é o da loja virtual de acessórios Oficial Accio:No post acima, ao invés de apenas apresentar o kit eco, toda a expectativa de uma viagem à praia no verão é apresentada. Isso tem a capacidade de mexer com as emoções das pessoas, que já se imaginam na situação mostrada pelo post.Se estiver com dificuldades, observe as redes sociais de grandes marcas que você admira e que despertam o engajamento do público. Preste atenção e tente entender como elas fazem isso. Dessa forma, você consegue encontrar formas de aplicar a ideia ao seu negócio!Agora que você já sabe como contar uma história sobre sua marca e produtos, já pode começar a aplicar o storytelling em seu negócio. Seu público, certamente, vai se tornar muito mais engajado com seus conteúdos!---Informações da autoraVictoria Salemi é a editora responsável pelas parcerias de conteúdo da Nuvemshop, a maior plataforma de comércio digital da América Latina, com mais de 30 mil lojas ativas. Formada em Jornalismo, ama escrever e tornar assuntos complicados acessíveis a todos!

As linguagens de programação favoritas, segundo 15.000 desenvolvedores img
tech

As linguagens de programação favoritas, segundo 15.000 desenvolvedores

Milhares de programadores web full stack de todo o mundo se expressaram no Twitter dias atrás para opinar sobre quais são suas linguagens de programação favoritas, com base em seis critérios: A primeira que aprenderam, a que teve mais dificuldade, a que mais usam, a que odeiam, a que mais amam e a que recomendam para principiantes.Após obter dados de uns 15.000 desenvolvedores, Victoriano Izquierdo analisou os tuits com a ferramenta de análise científica de dados Graphext e obteve, como resultado, que Javascript, Python, Java e C# lideram o ranking das linguagens preferidas.Este resultado coincide com outras sondagens em todo o mundo. Por exemplo, a última pesquisa anual de desenvolvedores de JetBrains, realizada no início deste ano, além dos índices TIOBE, o PYPL, entre outros.Este ranking é ideal para aqueles que querem aprender a programar, porque mostra as opiniões em primeira pessoa daqueles que já estão percorrendo seu caminho dentro do campo da programação web.

As habilidades mais demandadas pelas empresas segundo LinkedIn img
carreira

As habilidades mais demandadas pelas empresas segundo LinkedIn

As organizações já estão modificando os perfis que requerem. Isto, bastante demonstrado em todo o mundo, foi comprovado também pelo estudo “The Skills companies need most“, elaborado por LinkedIn em sua edição 2019. Segundo essa pesquisa, o ranking das 25 habilidades hard mais demandadas está composto por:- Cloud Computing- Raciocínio analítico- Gestão de pessoas- UX Design (User Experience Design)- Desenvolvimento de aplicações de celulares- Produção de vídeo- Sales Leadership- Tradução- Produção de áudio- Processamento da linguagem natural (PLN)- Scientific Computing- Game Development- Social Media Marketing- Animação- Business Analysis- Jornalismo- Marketing Digital- Design Industrial- Estratégias competitivasUm dado importante: O documento enfatiza que as organizações estão focando mais no “saber fazer” dos candidatos do que no fato de que tenham título universitário.