MENU

| BR

Campus

Programação

Marketing

UX

Dados

Negócios

Paises

O que é Arquitetura da Informação e como aplicá-la em seus projetos

O que é Arquitetura da Informação e como aplicá-la em seus projetos
ux
10 de setembro de 2018
  -  
-min de leitura

Organizar o seu conteúdo digital não é tão simples quanto parece, mas faz toda a diferença para a experiência do usuário.


Quanto tempo você demora para encontrar a informação que está procurando em um website ou um aplicativo mobile? Por quantas páginas você precisa passar, quantos cliques tem que dar e o quanto precisa navegar? Se a resposta não é "pouco tempo", você não tem visitado muitos sites que fazem bom uso da Arquitetura da Informação em suas interfaces.

Esse conceito que nasceu com a semiótica em meados da década de 1970 é um dos principais responsáveis por facilitar nossa vida na navegação online, pois a Arquitetura da Informação tem como objetivo organizar as informações de um determinado segmento da maneira mais clara possível, categorizando-as para facilitar e agilizar nossa busca, evitando assim um grande caos.

Quem cunhou o termo foi Richard Saul Wurman, um arquiteto e designer gráfico americano que já escreveu e publicou mais de 80 livros. Um deles, chamado Information Anxiety, marca o início da era da Arquitetura da Informação. Nos idos dos anos 60, Wurman defendia que passávamos por uma avalanche não de informações, mas sim de dados.

E parte do papel de um arquiteto da informação era conseguir transformar esses dados em conteúdos compreensíveis. Wurman, que está vivo e com 83 anos de idade, ainda carrega a mesma bandeira e foi assim que ele se tornou um dos fundadores do TED, aquelas famosas palestras curtas que assistimos no YouTube sobre os mais diversos temas.

É um trabalho de curadoria, seleção e hierarquização conseguir abordar pontos relevantes de um assunto em uma palestra de quinze minutos - e isso é exatamente tudo o que a Arquitetura da Informação representa. Porque o primeiro parágrafo do texto fala sobre navegação, web e aplicativos, é de se imaginar que a Arquitetura da Informação esteja restrita ao ambiente digital.

Engana-se quem pensa assim, pois ela também é altamente aplicável no meio físico, como para organizar bibliotecas, arquivos, grandes bancos de dados, campanhas publicitárias e tudo aquilo que envolve uma grande quantidade de informação concentrada em um local.

No entanto, é no aspecto digital que vamos focar neste artigo, pois Arquitetura da Informação tem tudo a ver com User Experience (UX), já que ela ajuda - e muito - a garantir que o usuário terá uma experiência excelente com seu produto digital, ajudando-o a encontrar e buscar a informação que ele precisa de uma maneira prática e eficiente.

Aplicando a Arquitetura da Informação em seus projetos

De acordo com o Instituto de Arquitetura da Informação (Information Architecture Institute), a arquitetura da informação se define por: design estrutural de ambientes de informação compartilhada; arte e ciência de organização e rotulação de sites web, intranets, comunidades online e software de apoio à encontrabilidade e usabilidade.

É importante destacar que quando falamos de Arquitetura da Informação em um ambiente digital, design e desenvolvimento andam lado a lado e são correlatos. A estruturação do seu banco de dados e a categorização do seu conteúdo podem ser excelentes, mas isso não vale nada se o aspecto visual do site não facilita a navegação.

O inverso também vale. Design, organização e sistema são as palavras-chave para o sucesso da experiência do seu internauta. Abaixo, listamos algumas dicas de como elencar suas informações usando estratégias da Arquitetura da Informação.

Do Abstrato ao Concreto

De acordo com Jesse James Garret, autor do livro The Elements of User Experience, a experiência do usuário começa no plano abstrato, quando o produto ainda está sendo concebido e seus objetivos estão sendo definidos, assim como o que o próprio usuário pode esperar dele. A partir daí, novas camadas surgem, sobrepondo-se, ganhando forma e deixando o projeto cada vez mais palpável.

Define-se o escopo, quais serão as funcionalidades e qualidades do produto e como o projeto será conduzido. Em seguida, é preciso definir a estrutura do produto, como ele será organizado, quais são suas limitações e como ele será encontrado pelos usuários. A penúltima etapa é o esqueleto, quando é colocado no papel a organização da interface, seus elementos e funcionalidades para o usuário. Por fim, a superfície, que nada mais é do que a interface final com a qual o cliente irá interagir.

Modelo mental

Os modelos - ou mapas - mentais são uma forma de organização e hierarquização da informação que privilegia a correlação entre os termos. Por ser muito visual, o Modelo Mental permite que, seguindo esta lógica, você faça uma representação do comportamento de um público específico, representando suas motivações iniciais. A partir daí, fica mais fácil de desenhar os melhores e mais ágeis caminhos para determinadas informações.

Hierarquização

Se você já recorreu alguma vez ao botão "Mapa do Site", você já está familiarizado com a hierarquização e categorização das informações da página acessada. A maneira como essa seção é estruturada, como uma árvore que começa em "Home" e se expande em galhos de outras categorias e subcategorias, é a forma mais comum e familiar de Arquitetura da Informação em ambientes digitais.

E também uma das mais orgânicas para o usuário, pois a ideia é justamente facilitar ao máximo que ele chegue do ponto A ao ponto B. Por isso, rotular suas informações e colocá-las em caixas distintas é muito importante. Imagine-se em uma livraria na qual livros de biologia molecular ficassem na mesma prateleira que literatura africana e livros sobre direito penal.

Obviamente, você demoraria o dobro de tempo para encontrar o livro desejado. Em um website ou aplicativo mobile, a lógica é a mesma. Quando informações relacionadas ao mesmo assunto estão agrupadas em um rótulo, o acesso é mais rápido, prático e requer pouca ou nenhuma ajuda.

Fluxos de navegação

De quantas formas o usuário pode acessar a mesma informação em seu site? Quantos caminhos estão disponíveis? Através de um simples fluxograma, é possível desenhar quais são as possíveis jornadas de navegação: digitar no campo de busca, ele recebeu o link da página pronto, entrou em uma categoria do site, clicou em um banner na página principal, entre tantas outras opções. Independente do caminho, todos devem ser curtos, rápidos e claros, para não confundir e tampouco frustrar a experiência do usuário durante a navegação em sua interface.

Wireframes

Wireframes são protótipos da interface final, onde é possível desenhar, organizar e testar as categorias e funcionalidades do seu website. Aqui, é possível visualizar a arquitetura informacional do conteúdo. É possível criar wireframes em papel, em editores gráficos e até diretamente em HTML.

Apesar de ser mais aconselhável começar com os wireframes de baixa-fidelidade (papel), o meio não é tão importante quanto as possibilidades de visualização. Esta é uma das últimas etapas e uma das mais concretas da Arquitetura da Informação do seu produto. Depois dessa fase, é hora de colocar a mão na massa e garantir a melhor experiência para seu usuário.

Outras notícias

Big Data: os 3 profissionais mais  procurados pelas organizações img
dados

Big Data: os 3 profissionais mais procurados pelas organizações

Concordamos que os dados são fundamentais para uma melhor tomada de decisão de negócio e isso não deve ser mais surpresa pra ninguém, correto? Com informações importantes à disposição, as empresas podem adiantar-se a possíveis cenários e se conectar com o mercado de uma forma mais inteligente. Por este motivo, são contratados perfis profissionais com conhecimentos em Big Data, que conheçam todo o processo do ciclo de vida dos dados: desde a sua coleta até a sua visualização.  Nesse sentido, os especialistas mais requisitados dentro deste campo são:Analista de dadosÉ a pessoa capaz de processar e realizar uma análise estatística de dados entre as diversas fontes de informação relacionadas com o negócio, algo conhecido como business intelligence.Desta maneira, pode basear-se nos dados para tirar conclusões e resolver os problemas que surgirem em uma organização. Para isso, sabe utilizar diferentes ferramentas de data analytics como Power BI, Google Data Studio e Tableu, entre outras. Tem interesse em se aprofundar no assunto? Confira nosso curso de Data Analytics.Data ScientistPara ser cientista de dados é necessário dominar Python, que é uma linguagem de programação que vem crescendo cada vez mais. Basicamente, os Data Scientists possuem conhecimentos em matemática e estatística que lhes permitem explorar e examinar de forma mais profunda os dados que provêm de fontes  variadas e desconectadas e desenvolver métodos analíticos inovadores com algoritmos matemáticos complexos.Além disso, transformam  as conclusões obtidas em informação útil e estruturada que ajuda os diretivos da organização a tomar decisões acertadas. Confira os 5 primeiros passos para quem quer se tornar um cientista de dados.Diretor ou diretora de dados (Chief Data Officer) Apesar de não ser um cargo muito comum nas empresas, o Chief Data Office é o executivo que atua como o maior responsável pelos dados, cuidando inclusive da sua segurança. Entre suas funções está definir as políticas de privacidade, a gestão e o armazenamento dos dados.Também decide quais dados se utilizam, de que maneira e com que objetivo, valida as tecnologias, garante que sejam conhecidas as transformações que sofrem e que usuários ou usuárias os utilizam. Finalmente, ele é consciente da aplicação de negócio que tem que fazer uso desses dados.

Empreendedores: 5 razões para aprender Python img
dados

Empreendedores: 5 razões para aprender Python

Escolher a linguagem de programação adequada ao iniciar um empreendimento não é uma decisão fácil de tomar considerando a variedade de opções disponíveis. Nesta ampla gama, Python pode ser considerada uma linguagem chave nas atividades relacionadas com o Data Science, porque oferece muitíssimas vantagens como:Popularidade: Por um lado, existe há muitos anos, o que quer dizer que não estamos falando de uma linguagem que está de moda. Mesmo assim, continua somando tantos adeptos em todo o mundo que muitos a estão chamando de “a melhor opção para os negócios”.É fácil: Uma das principais particularidades é que é intuitiva e simples em comparação com outras linguagens de programação.  É genial para construir Mínimo Produto Viável (MVPs): O desenvolvimento rápido é um dos princípios básicos de Python. Este assunto é crucial quando se quer criar protótipos rápidos porém funcionais para atrair investidores ou provar ideias.É de código aberto: Surgido nos anos 80, estamos diante de uma das propostas mais versáteis e que, ao ser de código aberto, se repõe constantemente com novas bibliotecas e soluções.Não necessita de uma grande equipe de trabalho: Em comparação com outras linguagens que requerem escrever muitíssimas linhas de código, com Python este assunto se simplifica, com o qual é possível avançar com poucos profissionais, algo fundamental quando estamos falando de uma start up.

Jornada do consumidor: conceito e importância img
mkt

Jornada do consumidor: conceito e importância

Gerar valor para o cliente é a chave para qualquer negócio. No entanto, nem sempre é fácil encontrar o melhor caminho de garantir isso. Por esse motivo que é tão importante conhecer como o consumidor se sente a respeito da sua marca e do seu produto, analisando o ciclo de compra desde a perspectiva dele.Muitas empresas fazem diversos estudos para entender o comportamento do consumidor antes de efetuar uma compra, mas nem sempre elas levam em consideração como esse consumidor se sente, que expectativas ele tem e o que espera da marca desde o primeiro contato com ela.Vamos falar de jornada do consumidor e encontrar as respostas para melhorar a experiência do seu cliente? O que é a jornada do consumidorJá se sabe que, antes de iniciar qualquer processo de compra, o consumidor costuma pesquisar muito. Seja buscando pelos melhores sites, perguntando nas suas redes sociais ou conversando informalmente com amigos e familiares, existe todo um caminho anterior até que se tome a decisão.Também conhecida como jornada de compra, a jornada do consumidor é justamente essa soma de todas as experiências vividas pelos consumidores quando eles interagem com sua marca, produto ou serviço. É um documento que permite monitorar o comportamento, as necessidades e os problemas do seu público durante o processo de compra.Basicamente, quando você tem visibilidade da jornada do cliente, você constrói uma história sobre o usuário, investigando e entendendo como ele se comporta em cada etapa: antes, durante e depois da compra. Isso também ajuda a trazer ideias para melhorar a jornada e a experiência, fazendo com que ele volte sempre e seja fiel à sua marca!Por que a jornada do consumidor é tão importante?Como já explicado anteriormente, definir e mapear essa trajetória do cliente ajuda a compreender melhor todo o processo de compra e as necessidades da buyer persona, ou seja, o público a qual a empresa direciona suas mensagens. Isso também faz com que a empresa conheça melhor o perfil de quem tem interesse nos produtos e serviços oferecidos: quais são suas motivações, desejos, problemas, frustrações, etc. Informações valiosas para que a marca se aproxime ainda mais do seu consumidor, trazendo as soluções certas no momento certo, exatamente do jeito que ele realmente precisa. E esse conhecimento também trará um impacto positivo na estratégia de marketing digital da empresa, pois entendendo o caminho e as necessidades do público, é possível planejar, de maneira muito mais eficiente, quais os canais que mais fazem sentido para a marca trabalhar, e quais os tipos e formatos de conteúdos que devem ser criados.Etapas da jornada do consumidorUm ponto importante a ser lembrado é que o processo não é exatamente linear, pois falamos de experiências com pessoas, logo, existe complexidade. Cada pessoa tem uma vivência diferente e algumas mudanças de comportamento impactam diretamente, por isso, a jornada nem sempre é previsível. Entretanto, pode-se dizer que a jornada do consumidor digital contempla 5 etapas:DescobertaÉ o momento de atração, quando a pessoa entende que precisa de algo e começa a fazer sua busca. Ou seja, imagine que ela está na sua rede social favorita, ou pesquisando no Google e, ao ler os conteúdos, decide começar a fazer academia. Para treinar, ela percebe que talvez precise de um tênis novo.Mas atenção, ainda não é a hora de mostrar o diferencial da sua marca, mas sim, de apresentar as vantagens da aquisição e o quanto isso vai sanar a necessidade do possível consumidor!Uma boa ideia, para esse momento, é ter um blog com conteúdo mais aprofundado sobre os territórios que fazem parte do universo da marca, e que esteja otimizado para SEO, pois o consumidor estará em busca de leituras sobre o tema e tentando entender se realmente há a necessidade de comprar o produto.ConsideraçãoNesta fase, o consumidor já entendeu que precisa do produto ou serviço e, então, precisa tomar a decisão de onde adquirir. Ou seja, esse é o momento onde a pesquisa é para encontrar a melhor empresa, os preços oferecidos, a qualidade do serviço. Sabe aquele momento em que você entra em sites que mostram as reclamações e a reputação de empresas, ou naqueles de pesquisa de preços? Isso representa que você se encontra na etapa de Consideração da jornada do consumidor.É a hora de mostrar as vantagens e os diferenciais da sua empresa, para encantar e garantir a conversão do cliente.CompraEsta é a etapa da ação. Se continuarmos com o exemplo da pessoa interessada no tênis, imagine que é o momento em que ela decide a cor, o tamanho, os meios de pagamentos. Ou seja, uma fase bastante delicada e que precisa do máximo de cuidado por parte da marca. Um cuidado com o estoque é essencial, garantindo que o usuário encontre o produto exatamente como ele deseja. Atente-se também para que seu site ou aplicativo esteja impecável, que não dê problemas ao finalizar a compra.RetençãoQuem disse que a jornada acaba quando o consumidor passou o cartão? Nada disso! A retenção deve ser tão importante quanto a compra, pois é o momento de conclusão. Inclui-se aqui fatores como o transporte do produto e o prazo de entrega, assim como o oferecimento de cupons de desconto especial para uma nova compra, por exemplo.FidelizaçãoSe depois de todo o processo, o cliente estiver satisfeito, ponto para a empresa! A fidelização é um momento de reflexão, quando o consumidor está feliz e com a certeza de que vai comprar novamente, assim como indicar a loja para os amigos e familiares, fazer boas avaliações no site e em redes sociais, etc.A empresa precisa mostrar ao cliente que ele é importante, por isso, um tratamento personalizado é essencial. Nunca deixe o pós-venda de lado, pois é uma estratégia valiosa para fidelizar e manter seu público apaixonado!Criando a jornada do seu consumidor para buscar melhores resultadosExistem diversos templates na internet para te ajudar a criar a jornada do consumidor. Você também pode optar por cursos especializados na área de Marketing Digital, que darão todo o suporte necessário para montar sua estratégia de ponta a ponta. Mas não se esqueça de se colocar no lugar do seu cliente em primeiro lugar! Lembre sempre que ele é o motivo da existência da sua marca e é quem interage com seu site e suas redes, busca as informações e que precisa estar sempre satisfeito com a experiência oferecida.Divida as fases do seu serviço e analise como o cliente deve se sentir em cada uma delas. Verifique os pontos positivos e negativos do seu processo, aponte onde estão suas fortalezas e fraquezas para buscar as devidas melhorias.E, claro, o feedback sempre será um elemento fundamental para que a jornada fique cada vez mais certeira. Por isso, interaja com o cliente, pergunte a ele e encontre as respostas diretamente na fonte, para melhorar ainda mais o relacionamento e garantir o sucesso do seu negócio!