MENU

| BR

Campus

Programação

Marketing

UX

Dados

Negócios

Paises

Guia de desenvolvimento web: tudo o que você precisa saber antes de começar

Guia de desenvolvimento web: tudo o que você precisa saber antes de começar
tech
18 de abril de 2018
  -  
-min de leitura

Todo mundo já deve ter ouvido, pelo menos uma vez, que aprender a programar vem se tornado cada vez mais necessário. Quanto mais camadas das nossas vidas vão sendo digitalizadas, maior é a demanda do mercado de trabalho por bons profissionais na área e, por isso, muita gente está interessada em aprender desenvolvimento web. Mas, por onde começar?


Primeiramente, é preciso conhecer as partes básicas dessa profissão para escolher aquilo que mais faz sentido para o aprendizado pessoal - seja o que mais agrada ou o que funciona melhor para desenvolver determinada ferramenta.

O que faz um desenvolvedor web?

De maneira bastante resumida, programadores web desenvolvem websites. E isso quer dizer que é possível desenvolver desde o site mais simples até aplicações bastante completas, e-commerces e redes sociais. Esses websites são vários arquivos que ficam armazenados em servidores, que são computadores ligados à internet e responsáveis por hospedar os sites. Ao mesmo tempo, esses websites ficam disponíveis nos navegadores, que carregam esses arquivos e mostram para o computador de quem está acessando aquela informação. E o papel do desenvolvedor, nesse processo todo, é criar os códigos que definem tanto o que fica visível para as pessoas, quanto o que está escondido nos servidores. Estamos falando de front-end e back-end.

Qual a diferença entre front-end e back-end?

Front-end é tudo o que fica visível para as pessoas que utilizam o site. Matheus Costa, coordenador dos cursos de programação da Digital House, usa o exemplo do Facebook para ajudar na explicação. Tudo o que vemos, ou seja, a coluna à esquerda com os dados, a coluna central do feed de notícias e a coluna à direita com o chat, é front-end. "É como as coisas estão ordenadas, como elas têm aparência, cores e fontes", explica Matheus.

Já o back-end é tudo aquilo que não vemos, mas que está presente determinando o funcionamento das coisas; é a parte lógica da aplicação. "Quando eu publico algo no Facebook, a informação está sendo salva num banco de dados, o sistema está vendo quem é meu amigo, e está mostrando essa minha publicação no feed desse amigo", exemplifica Matheus. Então, tudo o que acontece para manter o funcionamento da aplicação, mas que o usuário não vê ou interage, é back-end.

Devo me especializar em front-end ou back-end?

A dica do coordenador para quem está começando é ser full stack, ou seja, o profissional que sabe programar tanto front-end quanto back-end. As justificativas que Matheus utiliza são duas. Em primeiro lugar, quem está começando ainda não sabe muito bem o que interessa mais, então aprender um pouco de ambos pode ser crucial para tomar essa decisão. Em segundo lugar, as possibilidades no mercado de trabalho são maiores quando se sabe programar tanto na parte visual quanto na parte lógica. Um dos cursos que Matheus coordena na Digital House é justamente o de desenvolvimento Web Full Stack. A ideia é que o aluno saia formado em cinco meses, com as habilidades de front-end e back-end exigidas pelo mercado de trabalho.

Mas, por onde começar?

Matheus aconselha iniciar com as linguagens de front-end, sobretudo HTML e CSS. "Porque por mais que você não saiba como interagir com essa página ou fazer a lógica, você vai saber como a página é, qual é a estrutura de uma página", justifica. Ele explica que, depois de aprender a usar essas duas ferramentas, é hora de partir para JavaScript e, depois, escolher uma linguagem de back-end. "Então, muita gente pergunta por que PHP, ou por que Ruby, mas, no fundo, independente dessas linguagens de back-end, o front-end você precisa saber".

HTML, CSS e JavaScript: qual a diferença?

Todas as codificações de front-end, HTML, CSS e JavaScript tem funções diferentes, mas andam juntas. Para explicar melhor esse funcionamento, Matheus dá o exemplo do corpo humano. Nesse caso, HTML seriam os ossos, CSS, a pele e JavaScript, os nervos. HTML é o que define a forma das coisas que os usuários visualizam. Voltando ao exemplo do Facebook, HTML diria que há três colunas principais, e que cada postagem tem o formato de uma caixa.

É como se fosse a linguagem que descreve a estrutura básica do que vemos. "Ele não fala cor, não fala posição, não fala tamanho, ele só dá o esqueleto de como a informação fica", esclarece Matheus. Já CSS é responsável pela parte visual. Cores, fontes e posicionamento são questões definidas por CSS. É como se fosse a pele cobrindo o esqueleto. Juntos, HTML e CSS já constituem um site, e é por isso que Matheus defende que essas codificações devam ser aprendidas primeiro.

JavaScript chega para dar movimento a esse site. "Quando eu clico na caixa de postar do Facebook, o resto fica meio opaco, e onde eu estou fica mais claro. Então, quem detectou esse clique, quem deu essa ação do usuário foi o JavaScript", exemplifica Matheus. Por isso a relação com os nervos do corpo humano.

Avançando um pouco mais: quais as principais linguagens de programação?

Depois de aprender HTML e CSS, e avançar para JavaScript, é hora de escolher uma linguagem de programação para se aprofundar. Como não existe linguagem certa para todo e qualquer projeto, assim como existem diversas linguagens possíveis, é interessante conhecer as principais, a fim de escolher a que mais se adequa ao projeto ou ao gosto pessoal. "Para começar, eu escolheria uma linguagem que me pareça mais divertida, pelo menos, que pareça algo interessante de trabalhar", aconselha Matheus.

Phyton

Por ser bastante compacta e legível, Phyton é mais recomendada para iniciantes. Essa linguagem é muito utilizada em pesquisas acadêmicas, assim como é muito utilizada no mercado também. Google, Yahoo! e NASA utilizam Phyton, além dessa linguagem também ser usada nos aplicativos web de Instagram, Pinterest e Rdio.

PHP

Essa linguagem se tornou muito popular entre os desenvolvedores web porque ela pode ser incorporada em um documento de origem HTML, sem ser preciso utilizar um arquivo externo. Projetada para sites dinâmicos, toda essa popularidade lhe rendeu o uso em mais de 200 milhões de sites, incluindo WordPress.

Ruby

Ruby é uma linguagem de script orientada a objetos, amplamente utilizada no desenvolvimento de sites. Essa linguagem foi projetada para ser simples e fácil de escrever, sendo recomendada para iniciantes.

Qual é o melhor editor de códigos?

Para começar a criar códigos, é preciso utilizar ferramentas que possibilitem essa ação. Estamos falando dos editores de códigos, programas de computador que tornam a criação de códigos mais simples. Matheus Costa indica três principais: o Visual Studio Code, da Microsoft, o Atom e o Sublime Text. Esses editores são os três mais famosos do mercado, e são gratuitos - o Sublime Text tem a versão paga, que exclui os anúncios.

Para Matheus, os editores têm funcionalidades muito parecidas, e a escolha deve levar o gosto do programador em consideração. "Eu, particularmente, tenho os três instalados, aí depende do meu humor no momento para escolher por um deles". O Atom tem uma forma de personalizar o seu uso mais fácil. Enquanto isso, a vantagem do Visual Studio é que ele vem com mais ferramentas, sendo menos necessário fazer instalações. E o Sublime Text, que está há mais tempo no mercado, possui mais soluções existentes que os outros dois.

Banco de dados: o que é essencial saber?

Entre os programadores, é utilizada a sigla CRUD para definir as funções básicas a se executar em um banco de dados. CRUD é o acrônimo para Creat, Read, Update e Delete. Então, em português, o básico necessário para saber operar um banco de dados é criar, ler, atualizar e deletar informações.

"São funções básicas, com quatro ou cinco linhas de código você faz cada uma, independente da linguagem que você usa", explica Matheus. Depois de saber essas funções básicas, é possível ir mais a fundo e manusear bancos de dados de diversas formas. "Você pode ser mais avançado no futuro, mas ler, gravar, atualizar e deletar é o essencial", enfatiza o coordenador.

GitHub: ferramenta essencial

Segundo Matheus, uma das coisas mais importantes para um programador é fazer uso do GitHub. GitHub é uma plataforma que permite que programadores do mundo todo compartilhem seus projetos e códigos. Dessa forma, qualquer pessoa pode colaborar. Se um programador encontra algo que ele faria diferente em um projeto de outro desenvolvedor do outro lado do planeta, ele pode sugerir uma mudança, enviando o pedaço de código em questão. Dessa forma, o criador pode, ou não, atualizar seu projeto.

É uma grande rede de colaboração de criação de código ao redor do mundo. "GitHub hoje é basicamente o currículo do programador do século XXI", diz Matheus.

Criação é o primeiro passo

Uma das principais dicas de Matheus para quem está começando a programar é criar. Ele conta que começou dessa forma: via páginas da web, como Facebook, Magazine Luiza ou Casas Bahia, e as refazia do seu jeito. Para ele, criar e recriar são peças fundamentais para aprender. "Primeiro porque você passa a entender como as coisas funcionam. E, criando, você passa, ao mesmo tempo, a desenvolver seu portfólio. Então, caso você vá se mostrar para uma empresa ou vá procurar um freelancer, você já consegue ter coisas que você pode mostrar para as pessoas".

Outras notícias

Digital House abre sua nova unidade em São Bernardo do Campo img
tech

Digital House abre sua nova unidade em São Bernardo do Campo

Viva a experiência Digital House em São Bernardo do Campo!Nascemos com a missão de capacitar profissionais na área digital. Somos um hub de tecnologia e educação para formação de profissionais de alta performance. Te desafiamos a pensar como realizador de ideias em vez de deixá-las só no papel. Chegamos ao Brasil em 2018 e, nesses 2 anos, já formamos mais de 3 mil alunos em nossos cursos: Marketing Digital, Programação, Dados, UX e Gestão de Negócio Digital. Nosso sucesso é dado graças a nossa metodologia de “aprender fazendo”, nossos conteúdos, que andam em linha com o que há de mais novo no mercado, e nossos professores, que são profissionais de mercado. Isso tudo permite que os nossos alunos se formem em apenas 4 meses, prontos para atuar no mercado de trabalho ou começar o seu próprio negócio.A Digital House já atende a população de São Bernardo do Campo, mas entendemos que não são todas as pessoas que têm disponibilidade de vir até a cidade de São Paulo. Agora com a nova unidade no coração de SBC, no Centro no Jurubatuba Empresarial, vamos poder atender a todos os São-bernardenses. Os interessados em fazer nossos cursos de Programação Web Full Stack e Marketing Digital, que têm início em março, já podem se inscrever no site da Digital House.Preparado para viver essa experiência com a gente?Faça sua inscrição para que possamos entrar em contato com você. #VemSerDigital! 

5 primeiros passos para quem quer se tornar um cientista de dados img
dados

5 primeiros passos para quem quer se tornar um cientista de dados

É difícil começar algo novo quando não se tem ideia do primeiro passo que é preciso tomar para iniciar a jornada. Esse é o questionamento de muitas pessoas que buscam fazer uma transição de carreira, principalmente para aqueles com interesse em se tornar um cientista de dados. Sobre esse tema, já falamos em outro artigo quais são as principais habilidades e competências necessárias (e demandadas pelo mercado de trabalho) para iniciar uma carreira em dados. Mas quais são os passos anteriores ao curso de Data Science, ao treinamento do pensamento lógico ou ao networking?Os professores do curso de Data Science da Digital House se prontificaram a responder uma simples pergunta que faz todo a diferença para quem quer ingressar nesta nova carreira: qual é o primeiro passo para quem quer se tornar um cientista de dados?Quebre paradigmasPara o professor Victor Morganti, o primeiro passo é “desconstruir a ideia de que a profissão é puramente ferramental”. Muitos são atraídos pela profissão por encontrar semelhanças com o dia a dia de profissionais de TI, no entanto, Victor alerta que o cientista de dados possui desafios muito diferentes.“O dia a dia do cientista de dados é permeado por questões e decisões de negócios”, conta o professor. E neste cenário, ser um profissional multidisciplinar e com experiência em áreas diversas não é só um diferencial, como também uma característica essencial da profissão.Sendo assim, ao ingressar nesta carreira é importante ter em mente que, mais do que administrar ferramentas, você administrará problemas e conflitos reais. LeituraNós já indicamos uma lista de leitura para quem quer ingressar na área de dados, mas a professora Caroline Oliveira destaca a editora O’Reilly como a melhor para quem ainda nem começou. “A coleção de livros possui exemplares desde o básico até níveis mais avançados e é uma ótima coletânea para te dar uma base antes de iniciar um curso, por exemplo”. A Editora Novatec distribui os livros da O’Reilly no Brasil em português, mas você pode encontrar versões originais em sites como Estante Virtual (e já pratica o inglês).Assista vídeosUma forma dinâmica e rápida de aprender ou se inteirar é através de vídeos na internet. Ambos os professores, Victor e Caroline, indicaram vídeos para entender melhor a carreira de dados antes de apostar em uma mudança drástica.A professora Caroline recomendou “perder-se” pelos muitos TEDs sobre Dados. Os breves vídeos de até 20 minutos com especialistas não só dão uma dimensão da importância dos dados no mundo atual, como também mostram sua utilização nas mais diversas áreas.Cientistas de dados do mundo inteiro podem ser vistos falando sobre a profissão, seus rumos, o lado positivo e o negativo, e seu papel em nossa sociedade.Pesquise vagasA melhor forma de saber o que você precisa aprender para ser um profissional de dados é indo direto à fonte: o mercado de trabalho. Pesquise por vagas na área em diferente países e níveis: júnior, pleno e sênior, para compreender quais são os principais requisitos exigidos em cada etapa e ganhar uma ideia de como deve ser desenhado seu plano de carreira.Participe da comunidadeUma fonte inesgotável de dicas, informações e aprendizados é a comunidade de cientista de dados, que reúne profissionais e entusiasta da área. Fóruns de discussão, grupos em redes sociais, Summits e Workshops reúnem não só as pessoas que fazem parte da Ciência de Dados, mas que também questionam sua atuação e quebram barreiras. Além de ser informativo, é uma experiência que alivia momentos de ansiedade. Afinal, não é ótimo saber que outras pessoas já enfrentaram determinados problemas na mudança de carreiras e agora possuem experiência para te ajudar e te guiar?Para saber mais sobre ser cientista de dados, faça uma visita à Digital House, conheça nossos professores e as soluções que oferecemos para transições de carreira.

Qual a diferença entre front-end e back-end img
tech

Qual a diferença entre front-end e back-end

Se você decidiu entrar no universo da programação, já está ciente de que essa área contempla inúmeras opções de atuação e diversas linguagens, o que pode deixar tudo um tanto quanto confuso! Quantas vezes você encontrou alguma oportunidade de trabalho na qual você não sabia muito bem qual o papel, como atuar e o que ela significava? Porém, justamente essa diversificação é que faz a carreira de desenvolvedor tão atrativa! E, para esclarecer um pouco e ajudar no seu caminho, vamos falar de uma das maiores dúvidas para quem está começando: o que diferencia o profissional de back-end do profissional front-end? Que habilidades cada um deles requer?O que é Back-EndPara mostrar as diferenças, vale começar com as definições de cada atividade.Basicamente, quando falamos dos “bastidores”, ou seja, o servidor e o banco de dados que ajudam a fornecer as informações ao usuário de uma interface, falamos do back-end. É a parte do site que você não tem contato direto (a não ser que você seja um profissional da área, claro!).O back-end é uma parte fundamental de qualquer site ou aplicação na web. Se você está lendo esse texto, por exemplo, é um sinal de que a comunicação com o servidor obteve sucesso e isso se deve, provavelmente, a um profissional de back-end!Quem prefere se especializar como desenvolvedor back-end vai atuar com lógica, com a funcionalidade do site, regras, segurança e integridade de banco de dados. Ou seja, para viver os “bastidores da internet” requer muita paciência, cuidado e concentração constante!O que é Front-EndSe back-end é o desenvolvimento da parte da web que não vemos, o front-end, por outro lado, é toda a parte visível das aplicações e sites. Essa área não lida diretamente com banco de dados, servidores e todas as aplicações complexas do back-end, mas cuida da usabilidade, efeitos visuais, velocidade de carregamento, etc.De maneira mais direta, o Desenvolvedor de Front-end fica responsável pela interação direta com o usuário, e por isso acaba desenvolvendo cuidando do lado mais visual das aplicações, como o cuidado com cores, botões, links, menus, e tudo o que vemos numa página quando estamos acessando.Justamente por conta disso, um profissional front-end precisa ter um olhar constante para a melhor Experiência do Usuário. Ou seja, as preocupações de front-end e back-end são opostas, porém complementares. Os desenvolvedores de front-end e back-end devem sempre trabalhar em conjunto para que o aplicativo ou site funcione corretamente.Pode atuar com front-end e back-end ao mesmo tempo?Com experiências e habilidades tão opostas, será que é possível trabalhar com interface e servidor ao mesmo tempo? A resposta é sim! Inclusive, uma pessoa qualificada para fazer as duas atividades é bastante demandada no mercado e é bem valorizada!Quando o profissional de programação atua nas mais diversas partes do projeto, ou tem conhecimento tanto de back-end quanto de front-end, ele é chamado de Desenvolvedor Full Stack.O desenvolvedor Full-Stack é um profissional mais flexível, com visão mais completa do negócio, que vai atuar do início ao fim de um projeto. Provavelmente, isso demandará o conhecimento de diferentes tecnologias e linguagens de programação, ainda mais se for o caso de atuar sozinho.Neste caso, a principal dica para quem está começando a programar é estudar muito sobre todas as áreas do Desenvolvimento Web, conhecer as linguagens de programação mais utilizadas atualmente e entender quais habilidades que mais parecem adequadas ao seu perfil.