MENU

| BR

Campus

Programação

Marketing

UX

Dados

Negócios

Paises

Guia de desenvolvimento mobile: como se tornar um programador mobile

Guia de desenvolvimento mobile: como se tornar um programador mobile
tech
25 de abril de 2018
  -  
-min de leitura

Cada vez mais, as funções cotidianas estão indo parar nas palmas de nossas mãos, dentro da telinha de um smartphone.


 Muito do que fazemos no nosso dia-a-dia é intermediado por aplicativos, desde o taxi até o banco, passando pelo delivery de comida e pelo jornal que agora lemos em um site ou app. E é justamente pela existência desse mercado promissor que muita gente está interessada em aprender a programar para o universo mobile, ou seja, criar aplicativos e serviços úteis para o maior número de pessoas possível. Muitas dúvidas surgem a respeito desse tipo de programação, e é preciso conhecer alguns conceitos antes de decidir se aventurar nesse ramo.

Programar para web e programar para mobile: o que é mais vantajoso?

Uma das principais diferenças entre um produto para web e um produto para mobile é a forma de captar público. Enquanto na web é possível atingir mais pessoas, no mobile é mais fácil mantê-las dentro do universo criado pela programação. O primeiro fenômeno acontece porque a maioria das pessoas têm um navegador ao seu alcance na maior parte do tempo. Além disso, sem precisar instalar nada, é muito mais rápido e fácil acessar uma aplicação pela web. Por isso, a capacidade de atingir muitas pessoas é maior. Já na questão da retenção de pessoas, o ponto vai para os aplicativos mobile. Quando uma pessoa faz o download de um app, a chance dela permanecer nele é maior do que só clicando em um link. Matheus Costa, coordenador dos cursos de programação da Digital House, explica: "Eu posso abrir um site, simplesmente não gostar e fechar. Geralmente, quando você instala um aplicativo, você teve uma decisão lógica para instalá-lo ou não: você leu comentários, viu algum review dele e, a partir do momento que você o instala, você vai passar um tempo maior nele".

Quero ser um programador mobile: por onde começar?

O primeiro passo para aprender a desenvolver produtos mobile é aprender lógica de programação. E, nesse sentido, fica um pouco mais fácil para quem já tem algum tipo de bagagem no universo da programação, mesmo que seja com web. Matheus compara as linguagens de programação com as diferentes línguas do mundo: a partir do momento que se sabe uma, fica mais fácil aprender as demais. "Se eu sei Português, muita coisa eu vou associar com o Espanhol, ou com o Francês, por exemplo, que têm similaridades. Ou, até para o Inglês, se você entender o que é um verbo, o que é um sujeito, você vai ter uma compreensão melhor do que simplesmente sair falando. Então, linguagem de programação funciona da mesma forma", explica o coordenador.

Mas isso não quer dizer que não dá para começar direto com a programação mobile. Independente do caminho que um profissional seguir, seja começando a construir aplicativos, ou migrando do universo web para o mobile, o primeiro passo é saber lógica de programação. Em seguida, é preciso escolher qual linguagem de programação mobile se deseja aprender. E isso está muito relacionado com a plataforma que será utilizada, visto que cada uma utiliza linguagens diferentes.

Para programar para Android, é utilizado Java, enquanto Swift é a linguagem usada para iOS. Segundo Matheus, independente da escolha, é sempre bom ter alguém com experiência para auxiliar. "As duas não são tão amigáveis quanto a web, digamos assim", explica. Isso ocorre porque, para programar para a web, a maioria dos comandos são memorizáveis. Já no caso do mobile, as linguagens não são tão simples e semânticas, sendo necessária uma noção de lógica maior.

Programando mobile: começo por Android ou iOS?

Matheus acredita que a escolha virá, provavelmente, a partir do dispositivo que o próprio profissional utiliza, justamente pela questão da familiaridade. Mas diante do custo-benefício, a sugestão do coordenador é começar com Android. "Só é possível desenvolver para iPhone em um Mac. Então, diante do investimento em um Mac ou o investimento em um computador para Android, para Android o custo-benefício é melhor". Para programar para Android, qualquer computador com Windows atualizado serve. Além disso, atualmente 85% dos dispositivos mobile do mundo são Android.

Isso significa que, desenvolvendo aplicativos para essa plataforma, o impacto é maior, atingindo um maior número de pessoas. Dentre os cursos que Matheus coordena na Digital House, está o curso de Desenvolvimento Mobile Android. Com duração de cinco meses, o aluno aprende do zero - não é necessário nenhum tipo de conhecimento prévio - e termina com um aplicativo publicado na Google Play Store, pronto para o mercado de trabalho.

Ambientes integrados de desenvolvimento - IDEs

Depois de escolher o sistema operacional ao qual o aprendizado será direcionado, é preciso aprender a linguagem utilizada para programar nesse sistema. E existem ferramentas que ajudam na hora de escrever códigos utilizando a linguagem em questão. Ambientes integrados de desenvolvimento, ou só IDEs, são ferramentas que otimizam a escrita de códigos.

Eles permitem que seja realizada escrita, testes, compilação e execução de códigos. "IDEs te permitem colocar pedaços de códigos que vão facilitar seu desenvolvimento, seja escrevendo pedaços de códigos por você, seja testando o seu site. IDEs nada mais são do que um editores de texto com esteroides, eles têm potencial de fazer mais coisas do que só escrever texto", explica Matheus.

E, para cada linguagem mobile, existe um IDE diferente. Para quem vai programar para Android e, portanto, utilizará a linguagem Java, a ferramenta utilizada é o Android Studio. Além da lógica de programação e da linguagem, é preciso dominar o funcionamento também da ferramenta utilizada.

Qual a diferença entre aplicativos nativos e aplicativos híbridos?

Depois de saber todo o caminho que é necessário percorrer para aprender a programar para mobile, está na hora de pensar nos apps. Mas que tipo de aplicativo escolher para criar? Aplicativos nativos são programas construídos sob medida para determinadas plataformas, como Android ou iOS, e que possuem, portanto, a capacidade de explorar todas as funcionalidades da tal plataforma.

Um aplicativo nativo consegue acessar todo o potencial do dispositivo, como GPS, câmera, áudio e Bluetooth. Já um aplicativo híbrido é algo mais próximo de um PWA (inserir link do artigo) do que de um aplicativo nativo. Para desenvolver um aplicativo híbrido, é preciso criar um site responsivo - aqueles que se adaptam ao tamanho da tela - e utilizar uma ferramenta que faça esse site se comportar como um aplicativo. "Essas ferramentas vão pegar o HTML, CSS e JavaScript com que você fez um site, e vão criar um miniaplicativo dele, vão tornar ele instalável", explica Matheus. Mas, esse aplicativo nada mais é do que a mesma coisa que abrir o site no navegador, mas sem a parte de cima.

O que é executado, na verdade, é o chamado Webview: é como se o aplicativo criasse uma janela de visualização da web e rodasse um site dentro. Segundo Matheus, o ponto positivo disso, em comparação a um PWA, é que um aplicativo híbrido permite mais acesso ao dispositivo, afinal ele funciona como um aplicativo instalado.

Por outro lado, o coordenador explica que o desempenho não será o mesmo que o de um aplicativo nativo ou até mesmo de um PWA, apresentando uma performance mais lenta. "Tanto PWA, quanto um aplicativo nativo vão rodar diretamente do celular; o celular está fazendo as funções. Quando a gente faz um híbrido, o site ou a aplicação mandam um comando para essa Webview que, só então, vai executar no celular. Então, você tem um terceiro elemento ali que dificulta um pouco a coisa", esclarece. "É por isso que a gente ou recomenda fazer um PWA, ou fazer um aplicativo nativo. Evitar ao máximo fazer híbrido".

Como criar um aplicativo de sucesso?

Além de aprender a parte técnica a respeito do desenvolvimento mobile, é importante também pensar na ideia de um novo aplicativo. E a dica que Matheus dá é pensar em um problema real da própria vida. Depois de pensar em um problema, é hora de resolvê-lo, fazendo uso da programação.

"Programação, qualquer uma que seja, seja web, seja mobile, nada mais é do que uma ferramenta para solucionar problemas", opina Matheus. O coordenador usa o exemplo de aplicativos de ônibus. Para ele, muito provavelmente o criador do app teve a ideia em um dia em que ele próprio perdeu o ônibus e ficou muito bravo com isso.

E a solução criada para uma pessoa pode resolver o problema de várias, se tornando um aplicativo de sucesso. E essa é justamente a dica de Matheus. "Então, para você ter um aplicativo, pensa em um problema seu, pelo qual você passa todo dia, e como você pode facilitar aquilo ao máximo. Porque provavelmente outra pessoa tem o mesmo problema, e ela só não achou a solução ainda".

Outras notícias

Como as mudanças no comportamento afetam a jornada de compra img
mkt

Como as mudanças no comportamento afetam a jornada de compra

Ao vender qualquer produto ou serviço, é preciso criar uma estratégia para impactar seus consumidores. E um dos conceitos fundamentais para que se possa criar esse método é o da jornada de compra — também conhecida como jornada do consumidor ou jornada do cliente.Mais adiante vamos entender um pouco sobre essa jornada clássica, mas, de forma resumida, trata-se do caminho que um cliente faz desde o momento em que ainda nem sabe que quer realizar aquela compra até o momento em que faz a aquisição.Conhecer cada uma dessas etapas é importante para que se possa criar sua estratégia, seja para vender online ou offline, mas para planejar campanhas digitais. Entretanto, é preciso ter um outro olhar sobre esse processo no mundo superconectado em que vivemos.Neste artigo, vamos apresentar a jornada de compra clássica e, depois, quais as mudanças às quais os profissionais de marketing digital precisam estar atentos na hora de estruturar suas ações na internet. Vamos lá?A jornada de compra clássicaA jornada de compra se baseia no modelo do funil de vendas, um modelo criado em 1898 pelo americano E. St. Elmo Lewis. A ideia era mapear os estágios pelos quais uma pessoa passa desde que descobre a existência de um produto até quando, de fato, se torna um cliente.A imagem é a de um funil porque parte-se do princípio de que muitas pessoas podem conhecer o produto, um número menor pode ser de potenciais clientes, menos gente ainda pode, de fato, se interessar por aquela mercadoria e uma quantidade bem inferior realmente vai adquirir aquele artigo. Dessa forma, o número de pessoas em cada etapa vai se afunilando. A partir do funil de vendas, criou-se a jornada de compra. Ela se divide em quatro etapas:Aprendizado e descoberta: quando o cliente começa a se interessar por determinado tema;Reconhecimento do problema: nessa etapa, o consumidor percebe que tem um problema ou uma oportunidade de consumo;Consideração da solução: nesse momento, o cliente já começa a pesquisar ativamente uma solução para o problema que identificou na etapa anterior;Decisão de compra: no último estágio da jornada, o consumidor já decidiu que vai realizar a compra e passa a pesquisar qual produto ou serviço será o mais adequado.O comportamento do consumidor digitalO modelo clássico da jornada de compra ajuda muito a identificar cada etapa pela qual o consumidor está passando. Dessa forma, fica mais fácil criar o conteúdo e os anúncios para que esse potencial consumidor seja impactado com materiais relevantes para ele.Todavia, por se basear em um conceito de funil de vendas do fim do século XIX, uma parte da realidade atual é deixada de lado. Por estarmos conectados praticamente o tempo todo com nossos smartphones, somos bombardeados com milhões de estímulos.Dessa forma, considerar um comportamento linear na jornada de compra se torna muito simplista. Mais uma vez, é claro que esse modelo não deve ser desconsiderado. Entretanto, ele deve ser uma base para que se possa compreender os hábitos do consumidor digital.Sempre conectado, o comprador será impactado por diversas campanhas, em diferentes pontos da jornada, pelos mais diversos tipos de produtos e serviços — tudo isso tendo apenas um orçamento individual para gastar. Assim sendo, as empresas precisam ter isso em mente na hora de montar sua estratégia, desde as campanhas de marketing até a precificação dos produtos e a análise da concorrência.Um ponto importante a se considerar é que a jornada do consumidor deve ser cíclica. É sempre positivo focar na manutenção de consumidores engajados com sua marca, seja em seu e-commerce, no blog da sua empresa ou nas redes sociais do seu negócio. Isso porque é mais barato fazer com que um cliente antigo compre novamente do que atrair novos consumidores.Como se comportar nesse cenárioTendo os conceitos e a realidade em vista, é hora de saber de algumas ações que sua empresa pode desenvolver para que se sobressaia nesse cenário. Vamos a elas?Trabalhe sua marcaUm ponto muito importante para atrair o reconhecimento dos clientes é o de trabalhar sua marca. Dessa forma, os consumidores vão associar o nome da sua empresa a algumas características do produto ou serviço que você oferece.Para isso, foque em conteúdos originais no seu blog e nas redes sociais. Assim, você pode se tornar uma referência no ramo em que atua.Além disso, você pode trabalhar com anúncios no Google Display e com banners nas redes sociais, de modo a fortalecer o reconhecimento de marca. Outra forma de desenvolver seu nome é levar sua empresa para participar de eventos do seu ramo de atuação.Entenda o comportamento do seu consumidorComo já abordamos anteriormente, o consumidor moderno é abordado por milhões de estímulos toda vez que faz uma pesquisa no Google, assiste a um vídeo no YouTube ou navega pelo feed do Instagram, por exemplo. Dessa forma, é preciso saber muito bem o que está fazendo para chamar sua atenção.Portanto, nada melhor do que conhecer seu público a fundo para saber como despertar seu interesse. Crie personas dos seu clientes ideais e considere o que os faria parar para ver um conteúdo da sua marca.Proporcione uma ótima experiênciaPode parecer óbvio, mas muitas empresas focam na parte de atrair novos clientes e acabam se esquecendo de proporcionar uma ótima experiência para aqueles que estão, de fato, comprando delas.Um exemplo de como você pode garantir uma excelente compra para seus clientes é por meio de um atendimento excepcional. Esteja atento às dúvidas e necessidades dos compradores. Procure ajudá-los de verdade. Dessa forma, eles enxergarão valor ao fazer negócio com sua marca.Considerar as particularidades do mundo moderno na jornada de compra é uma forma de adequar as estratégias do seu negócio à realidade dos seus clientes. Os modelos clássicos nos ajudam a entender como abordar esses potenciais compradores, mas é preciso observar o comportamento da sociedade para se adaptar de forma a impactar as pessoas de forma mais efetiva!E, então, está pronto para criar sua estratégia?---Informações da autoraVictoria Salemi é a editora responsável pelas parcerias de conteúdo da Nuvemshop, a maior plataforma de comércio digital da América Latina, com mais de 30 mil lojas ativas. Formada em Jornalismo, ama escrever e tornar assuntos complicados acessíveis a todos!

Digital House abre sua nova unidade em São Bernardo do Campo img
tech

Digital House abre sua nova unidade em São Bernardo do Campo

Viva a experiência Digital House em São Bernardo do Campo!Nascemos com a missão de capacitar profissionais na área digital. Somos um hub de tecnologia e educação para formação de profissionais de alta performance. Te desafiamos a pensar como realizador de ideias em vez de deixá-las só no papel. Chegamos ao Brasil em 2018 e, nesses 2 anos, já formamos mais de 3 mil alunos em nossos cursos: Marketing Digital, Programação, Dados, UX e Gestão de Negócio Digital. Nosso sucesso é dado graças a nossa metodologia de “aprender fazendo”, nossos conteúdos, que andam em linha com o que há de mais novo no mercado, e nossos professores, que são profissionais de mercado. Isso tudo permite que os nossos alunos se formem em apenas 4 meses, prontos para atuar no mercado de trabalho ou começar o seu próprio negócio.A Digital House já atende a população de São Bernardo do Campo, mas entendemos que não são todas as pessoas que têm disponibilidade de vir até a cidade de São Paulo. Agora com a nova unidade no coração de SBC, no Centro no Jurubatuba Empresarial, vamos poder atender a todos os São-bernardenses. Os interessados em fazer nossos cursos de Programação Web Full Stack e Marketing Digital, que têm início em março, já podem se inscrever no site da Digital House.Preparado para viver essa experiência com a gente?Faça sua inscrição para que possamos entrar em contato com você. #VemSerDigital! 

5 primeiros passos para quem quer se tornar um cientista de dados img
dados

5 primeiros passos para quem quer se tornar um cientista de dados

É difícil começar algo novo quando não se tem ideia do primeiro passo que é preciso tomar para iniciar a jornada. Esse é o questionamento de muitas pessoas que buscam fazer uma transição de carreira, principalmente para aqueles com interesse em se tornar um cientista de dados. Sobre esse tema, já falamos em outro artigo quais são as principais habilidades e competências necessárias (e demandadas pelo mercado de trabalho) para iniciar uma carreira em dados. Mas quais são os passos anteriores ao curso de Data Science, ao treinamento do pensamento lógico ou ao networking?Os professores do curso de Data Science da Digital House se prontificaram a responder uma simples pergunta que faz todo a diferença para quem quer ingressar nesta nova carreira: qual é o primeiro passo para quem quer se tornar um cientista de dados?Quebre paradigmasPara o professor Victor Morganti, o primeiro passo é “desconstruir a ideia de que a profissão é puramente ferramental”. Muitos são atraídos pela profissão por encontrar semelhanças com o dia a dia de profissionais de TI, no entanto, Victor alerta que o cientista de dados possui desafios muito diferentes.“O dia a dia do cientista de dados é permeado por questões e decisões de negócios”, conta o professor. E neste cenário, ser um profissional multidisciplinar e com experiência em áreas diversas não é só um diferencial, como também uma característica essencial da profissão.Sendo assim, ao ingressar nesta carreira é importante ter em mente que, mais do que administrar ferramentas, você administrará problemas e conflitos reais. LeituraNós já indicamos uma lista de leitura para quem quer ingressar na área de dados, mas a professora Caroline Oliveira destaca a editora O’Reilly como a melhor para quem ainda nem começou. “A coleção de livros possui exemplares desde o básico até níveis mais avançados e é uma ótima coletânea para te dar uma base antes de iniciar um curso, por exemplo”. A Editora Novatec distribui os livros da O’Reilly no Brasil em português, mas você pode encontrar versões originais em sites como Estante Virtual (e já pratica o inglês).Assista vídeosUma forma dinâmica e rápida de aprender ou se inteirar é através de vídeos na internet. Ambos os professores, Victor e Caroline, indicaram vídeos para entender melhor a carreira de dados antes de apostar em uma mudança drástica.A professora Caroline recomendou “perder-se” pelos muitos TEDs sobre Dados. Os breves vídeos de até 20 minutos com especialistas não só dão uma dimensão da importância dos dados no mundo atual, como também mostram sua utilização nas mais diversas áreas.Cientistas de dados do mundo inteiro podem ser vistos falando sobre a profissão, seus rumos, o lado positivo e o negativo, e seu papel em nossa sociedade.Pesquise vagasA melhor forma de saber o que você precisa aprender para ser um profissional de dados é indo direto à fonte: o mercado de trabalho. Pesquise por vagas na área em diferente países e níveis: júnior, pleno e sênior, para compreender quais são os principais requisitos exigidos em cada etapa e ganhar uma ideia de como deve ser desenhado seu plano de carreira.Participe da comunidadeUma fonte inesgotável de dicas, informações e aprendizados é a comunidade de cientista de dados, que reúne profissionais e entusiasta da área. Fóruns de discussão, grupos em redes sociais, Summits e Workshops reúnem não só as pessoas que fazem parte da Ciência de Dados, mas que também questionam sua atuação e quebram barreiras. Além de ser informativo, é uma experiência que alivia momentos de ansiedade. Afinal, não é ótimo saber que outras pessoas já enfrentaram determinados problemas na mudança de carreiras e agora possuem experiência para te ajudar e te guiar?Para saber mais sobre ser cientista de dados, faça uma visita à Digital House, conheça nossos professores e as soluções que oferecemos para transições de carreira.