MENU

| BR

Campus

Cursos

Programas Executivos

Paises

9 dicas de SEO para seu e-commerce

9 dicas de SEO para seu e-commerce
mkt
19 de setembro - min de leitura


Quando você vai vender pela internet, os anúncios não devem ser a única estratégia utilizada. Isso porque, de acordo com uma pesquisa do site Search Engine Land, 70 a 80% dos usuários ignoram os anúncios na hora que fazem uma busca no Google. Nesse cenário, é fundamental investir em SEO para e-commerce.

Seja para quem está pensando em criar uma loja virtual ou para quem já tem um e-commerce, preparamos algumas dicas para otimizar seu site para buscas orgânicas. 

Pronto para começar?

1 - Planeje as palavras-chave que vai usar

Você deve usar palavras-chave que estejam relacionadas aos produtos que vai vender, é claro. Mas, muitas vezes, apenas sua intuição não basta. Então, é preciso se planejar para saber quais usar.

Se você está pensando em usar palavras-chave genéricas, lembre-se que há gigantes do varejo que vão ranquear melhor nas buscas para essas head tails. Infelizmente, as chances de você ficar melhor colocado do que sites como Amazon, Americanas e afins é pequena para essas palavras, mas você pode fazer um estudo para ver que outras palavras relacionadas às principais podem servir para seu negócio.

Existem algumas ferramentas que podem te ajudar nessa tarefa. O próprio Google tem um Planejador de Palavras-Chave dentro da plataforma do Google Ads que você pode utilizar gratuitamente.

Nele, você insere as palavras-chave mais genéricas e ele vai te dar insights sobre que outros termos também são pesquisados pelos usuários.

Por exemplo, você pode estar querendo usar a palavra-chave “camiseta”. Imagine só quantos sites devem ranquear melhor para essa keyword? Você pode experimentar long tails, ou seja, termos mais longos e específicos. Ao invés de “camiseta”, pode tentar “comprar camisetas femininas personalizadas”.

Além do Google, existem outras ferramentas gratuitas que podem te ajudar nessa tarefa de entender quais palavras-chave podem ser interessantes para seu negócio. Elas também mostram o volume de buscas de cada uma delas e qual a dificuldade para ficar bem classificado em uma pesquisa daquele termo específico.

O site Ubersuggest tem essas funcionalidades grátis. O SEMRush é pago, mas tem uma versão gratuita limitada — uma freemium. Já o Ahrefs é uma ferramenta paga que também te ajuda a planejar suas palavras-chave.

Além das próprias palavras, você pode pesquisar pelo domínio do seu próprio site ou dos seus concorrentes. Essa busca vai te mostrar para quais palavras-chave cada um dos endereços aparece nos resultados do Google e também pode te dar boas ideias.

Organizando as palavras-chave no seu e-commerce

Uma vez escolhidas quais palavras-chave você vai usar, é hora de inclui-las nas suas páginas. Em todas as páginas? Sim, em todas elas. Realmente, isso pode dar um trabalhão se seu site tiver muitas categorias e produtos. Então, você pode começar pelas mais importantes, ou seja, as que recebem mais visitas ou que te rendem mais conversões.

As palavras-chave devem ser usadas com contexto nas páginas e precisam constar nos títulos, descrições e na URL de cada uma delas. Outro ponto importante para levar em consideração é o de não usar o mesmo termo em páginas diferentes. Isso evita a canibalização das keywords, ou seja, que elas compitam entre si para ranquear melhor nas buscas do Google.

2 - Crie conteúdo original e relevante nas descrições

As descrições das suas categorias e produtos devem ser o mais completas possível. Nelas, devem constar as palavras-chaves que você definiu para seu negócio. Isso vai ajudar tanto seus clientes a identificarem quais as características dos artigos que você vende quanto os robôs do Google a entenderem sobre o que aquela página está falando.

Evite copiar as descrições dos fabricantes dos produtos que você vende ou de concorrentes. Se o Google identifica a cópia, seu site pode ser penalizado e isso prejudica a classificação nas pesquisas. Escreva com suas palavras, de forma completa, mas sem encher linguiça!

Escreva para pessoas

Em 2015, o Google lançou uma atualização em suas formas de analisar as páginas da web chamada RankBrain. Esse nome se refere a um algoritmo de inteligência artificial que identifica quais conteúdos são mais interessantes para determinadas buscas dos usuários. Ele faz isso, entre outras coisas, a partir do comportamento das pessoas nos sites. Então, se as pessoas estão passando mais tempo no seu site, isso vai contar pontos para você!

Para que as pessoas se interessem pelo seu site, ele precisa ser amigável. Entre outras coisas, isso significa que não adianta escrever descrições supercompletas e com as palavras-chave, mas que não sejam compreensíveis para seus clientes!

Uma boa forma de testar se as descrições estão boas é pedir para amigos e parentes navegarem pelo seu e-commerce e darem a opinião deles. Assim, você consegue ter um feedback de outras pessoas para saber o que melhorar.

3 - Faça link building

Outro fator que auxilia no SEO é ter outros sites gerando links para o seu. Se você fizer essa troca de links em um volume muito grande, o Google pode identificar como spam. E, atenção, se você topar com alguma venda de links, caia fora! O que você vai fazer é entrar em contato com blogueiros para fazer essa troca de links quando fizer sentido. 

Normalmente, outros sites não gostam de linkar diretamente para páginas de marcas ou produtos. Mas não desanime, existem outras formas de fazer isso!

Crie um blog do seu e-commerce

Os veículos não gostam de linkar para páginas de produtos, mas, se você tiver conteúdos de qualidade, a chance de conseguir backlinks é maior. Quando você entrar em contato com os redatores e editores de outros sites, sugira a troca de links do seu blog com o deles para os conteúdos que forem complementares.

Escreva conteúdo para outros blogs

Independentemente se você tiver um blog da sua marca ou não, pode entrar em contato com outros veículos para propor uma parceria de conteúdo. Você pode se oferecer para escrever um guest post para o outro blog sobre um assunto que domine por causa do seu negócio e, nesse conteúdo, inserir links para o seu site.

Se você tiver um blog, pode oferecer que o parceiro escreva um artigo para seu site também. Assim, além de oferecer uma contrapartida, você terá mais conteúdo para seus clientes no seu blog.

Sites de fornecedores

Outros espaços onde você pode conseguir links para sua loja virtual é no site de fornecedores. Sabe a seção “onde encontrar” em que são listadas lojas que vendem aquele produto? Se você vender algo daquela marca, pode entrar em contato para ter seu link incluído ali.

4 - Utilize URLs amigáveis

Outro fator fundamental do SEO para e-commerce é ter URLs amigáveis. Isso significa que você deve evitar endereços de páginas muito longos e cheios de letras e números desconexos.

Ao invés disso, utilize as URLs mais curtas possíveis, que sejam facilmente identificáveis pelos usuários e pelos robôs do Google e que contenham a palavra-chave da página. Use hífens para separar as palavras e evite parametrizar os links quando possível.

Muito difícil? Trazemos aqui alguns exemplos de como organizar suas URLs:

Página de categoria: seudomínio.com.br/nome-da-categoria

Página de subcategoria: seudomínio.com.br/nome-da-categoria/nome-da-subcategoria

Página de produto: seudomínio.com.br/nome-da-categoria/nome-da-subcategoria/nome-do-produto

5 - Tenha um sitemap otimizado para navegação

Sitemap é a estrutura do seu site, com as páginas que estarão elencadas no menu:


A ideia aqui é tornar a navegação fácil tanto para o usuário quanto para os robôs que analisam seu site. Lembra do RankBrain, utilizado pelo Google para entender se os sites apresentam aquilo que as pessoas estão buscando? Se os clientes acharem difícil navegar pelo seu e-commerce, a chance de desistirem é grande. O tempo de permanência deles vai ser baixo e o Google vai entender que seu site não entrega aquilo que as pessoas estão buscando. Assim, sua classificação nos resultados de pesquisa piora.

Uma forma de tentar simplificar a navegação é deixar todas as páginas do seu site acessíveis em até três cliques a partir da home. Para e-commerces menores, essa é uma tarefa mais fácil.

Se sua loja virtual já tem mais páginas, tente usar a lógica para aquelas páginas mais importantes. Você pode considerar as mais relevantes de acordo com o número de visitantes ou de conversões.

6 - Tenha uma boa landing page

Seguindo a mesma lógica de manter os clientes em seu site, sua página inicial e as landing pages de campanhas devem ser atrativas e ter fácil navegação. Leve isso em consideração na hora de executar sua estratégia de SEO para e-commerce.

Um primeiro problema a ser evitado é a demora para carregar as páginas. Tente se lembrar de quando entrou em um site que demorou muito tempo para exibir todas as funcionalidades. Você esperou que ele carregasse ou foi buscar o que queria em outro lugar?

Para evitar que a página fique pesada, não coloque todos os seus produtos na home. Ter muitas imagens vai torná-la mais complexa e aumentar o tempo de carregamento. Limite-se a 15 produtos, no máximo, na página inicial.

Além de carregar rápido, suas landing pages precisam sinalizar bem as categorias dos seus produtos. Lembre-se da dica anterior, sobre o sitemap, para facilitar a navegação dos seus clientes.

7 - Tenha um e-commerce otimizado para celular

Também em 2015, o Google lançou uma atualização no algoritmo que analisa os sites e leva em consideração se eles estão otimizados para smartphones. O Mobilegeddon, como ficou conhecida essa atualização, ranqueia primeiro os sites que, além de todos os outros requisitos do SEO, têm uma boa navegação em dispositivos móveis.

Tendo isso em vista, é bom testar sua loja virtual em celulares. De acordo com uma pesquisa da empresa Compre&Confie, em 2018, 43% das compras online foram feitas por dispositivos móveis.

Portanto, é bom que o carregamento das páginas seja rápido, a exibição dos produtos tenha qualidade e o processo de checkout seja simples para ser feito pelo celular.

Tenha sempre em mente que o Google observa como os usuários se comportam no seu site. Quanto mais tempo eles passam ali, maior a percepção dos robôs de que aquelas são boas páginas.

8 - Cadastre sua loja virtual no Google Search Console

Apesar de julgar o tempo todo a qualidade dos sites, o Google disponibiliza algumas ferramentas gratuitas para te ajudar a melhorar seus resultados em buscas orgânicas. Uma delas é o Search Console.

Ao cadastrar seu domínio no Google Search Console, você obtém diagnósticos e pontos de melhoria no seu site. Para muitos desses aspectos, é possível que você precise da ajuda de um programador ou webdesigner, mas, para outros, você consegue resolver sozinho.

O primeiro passo para conseguir melhorar é identificar os erros. E, nesse aspecto, o Search Console é um ótimo aliado.

9 - Se você também tem loja física, cadastre-a no Google Meu Negócio

Essa é uma dica bônus para quem, além da loja virtual, tem um ponto físico. Sabe quando você pesquisa um estabelecimento no Google e aparece uma coluna do lado direito com o endereço, horários de funcionamento e várias outras informações?

Isso acontece porque aquele estabelecimento está cadastrado no Google Meu Negócio.

O cadastro na plataforma é gratuito e essa é mais uma forma de você estar presente de forma orgânica nas buscas do Google. Além disso, você facilita o acesso dos clientes a informações sobre sua loja física.

Muitas das dicas de SEO para e-commerce são as mesmas que para sites de outras naturezas. No entanto, se você levar em conta as especificidades da loja virtual, vai melhorar seu ranqueamento nas buscas orgânicas e aumentar o tráfego no seu site. Pronto para começar o trabalho de otimização?

Texto desenvolvido por Victoria Salemi, editora responsável pelas parcerias de conteúdo da Nuvemshop, a maior plataforma de e-commerce da América Latina em lojas ativas. Formada em Jornalismo, ama escrever e tornar assuntos complicados acessíveis a todos!

Outras notícias

Como aplicar o storytelling ao seu negócio img
mkt

Como aplicar o storytelling ao seu negócio

Muito se fala sobre o storytelling, ou seja, a arte de contar histórias. O termo, normalmente, é associado à publicidade e ao marketing, como uma forma de aumentar o engajamento do público. Mas, então, como contar uma história em seu negócio?Existem muitas formas de trazer o storytelling para sua empresa, seja para quem vai vender pela internet ou apenas divulgar produtos e serviços na web. Antes de apresentar algumas delas, é importante destacar que essa estratégia costuma ser muito positiva na hora de atrair e envolver os potenciais consumidores.Saber como contar uma história conquista a atenção das pessoas desde que os seres humanos começaram a se comunicar. Portanto, aplicar o storytelling ao seu negócio é uma forma de manter seu cliente ligado nos seus conteúdos, sejam eles em que canal for.Portanto, vamos conhecer algumas formas para contar histórias em seu negócio!1. Tenha uma página sobre a empresa no site e capricheUm ótimo espaço para aplicar o storytelling em seu negócio é na página sobre a empresa. Ali, normalmente, há um texto explicando o que você faz, que tipo de serviço presta, desde quando e outras informações do tipo. Por que não utilizar esse espaço para contar uma história?Você pode contar como surgiu a ideia de começar a empresa, os motivos que o levaram a escolher aquele ramo e todo tipo de informação interessante sobre seu negócio. Assim, você desperta a curiosidade do leitor e pode deixá-lo mais envolvido com sua marca!O restaurante Madero é um que explora muito esse tipo de comunicação para apresentar sua história. Este vídeo, por exemplo, mostra como surgiu o cheeseburguer do chef Júnior Durski.Você pode adaptar conteúdos como o vídeo acima para a página sobre a empresa em seu site.Mas atenção! Você não deve, em hipótese nenhuma, inventar uma história que pareça bonita apenas para chamar a atenção. Além de enganar seus potenciais clientes não ser uma atitude correta, ela pode até ser penalizada. Exemplo disso foi uma campanha da fabricante de sorvetes Diletto. Em 2014, a empresa foi punida pelo Conselho de Autorregulamentação Publicitária (Conar) depois que descobriu-se que a história sobre a fundação da empresa era falsa.2. Produza conteúdos com histórias em seu blogSe você já é um adepto do marketing de conteúdo ou pretende começar a aplicá-lo como estratégia em seu negócio, o blog é um ótimo local para aplicar o storytelling!Quando for escrever posts sobre seu nicho de mercado, procure caprichar nos textos e pense em como contar uma história com aquele conteúdo. Por exemplo, se você costuma produzir artigos com dicas de maquiagem no seu site, procure contar a história de alguns dos produtos mais utilizados ou da evolução das tendências das makes ao longo da história.Além disso, você pode fazer estudos de caso de outras empresas ou até mesmo contar experiências pelas quais o seu negócio tenha passado e que possam despertar interesse no público. Dessa forma, você engaja seus potenciais clientes e os mantêm sempre ansiosos pelo seu próximo artigo!3. Atenção às palavras na descrição dos produtosSe você tem ou quer criar uma loja virtual, o espaço da descrição dos produtos pode ser um ótimo espaço para aplicar o storytelling. Sempre prestando atenção às palavras-chave para a estratégia de SEO do seu e-commerce, você pode tornar os textos sobre as mercadorias muito mais atrativos.Se você vende, por exemplo, camisetas com estampas de artistas famosos, não precisa se limitar a uma descrição engessada. Por que não contar um pouco da história do artista ou do desenho retratado na estampa da peça de roupa ali na descrição? Dessa forma, a pessoa que se interessar por aquele produto já se sentirá mais envolvida com ele à medida que lê as informações em seu site.A loja de rações naturais para pets Simple Dog, por exemplo, conta como os alimentos são feitos de forma envolvente nas descrições:Seja sua loja virtual montada por um desenvolvedor ou a partir de uma plataforma de e-commerce, você sempre terá um espaço para descrever seus produtos. Então, utilize-o de forma proveitosa!4. Use as redes sociais para contar históriasAs redes sociais são ótimos espaços para divulgar conteúdos, produtos e serviços da sua marca. E, assim como em outros espaços digitais, nelas os usuários também apreciam e se envolvem com histórias bem contadas!Seja no Instagram, no Facebook ou no YouTube, lembre-se de não fazer os posts e vídeos apenas para mostrar os produtos. Conte como surgiu a ideia de desenvolvê-los ou quais as maiores dificuldades que encontrou para começar seu negócio, por exemplo.Um exemplo simples, porém que já cria uma história na percepção das pessoas ao verem o post é o da loja virtual de acessórios Oficial Accio:No post acima, ao invés de apenas apresentar o kit eco, toda a expectativa de uma viagem à praia no verão é apresentada. Isso tem a capacidade de mexer com as emoções das pessoas, que já se imaginam na situação mostrada pelo post.Se estiver com dificuldades, observe as redes sociais de grandes marcas que você admira e que despertam o engajamento do público. Preste atenção e tente entender como elas fazem isso. Dessa forma, você consegue encontrar formas de aplicar a ideia ao seu negócio!Agora que você já sabe como contar uma história sobre sua marca e produtos, já pode começar a aplicar o storytelling em seu negócio. Seu público, certamente, vai se tornar muito mais engajado com seus conteúdos!---Informações da autoraVictoria Salemi é a editora responsável pelas parcerias de conteúdo da Nuvemshop, a maior plataforma de comércio digital da América Latina, com mais de 30 mil lojas ativas. Formada em Jornalismo, ama escrever e tornar assuntos complicados acessíveis a todos!

As linguagens de programação favoritas, segundo 15.000 desenvolvedores img
tech

As linguagens de programação favoritas, segundo 15.000 desenvolvedores

Milhares de programadores web full stack de todo o mundo se expressaram no Twitter dias atrás para opinar sobre quais são suas linguagens de programação favoritas, com base em seis critérios: A primeira que aprenderam, a que teve mais dificuldade, a que mais usam, a que odeiam, a que mais amam e a que recomendam para principiantes.Após obter dados de uns 15.000 desenvolvedores, Victoriano Izquierdo analisou os tuits com a ferramenta de análise científica de dados Graphext e obteve, como resultado, que Javascript, Python, Java e C# lideram o ranking das linguagens preferidas.Este resultado coincide com outras sondagens em todo o mundo. Por exemplo, a última pesquisa anual de desenvolvedores de JetBrains, realizada no início deste ano, além dos índices TIOBE, o PYPL, entre outros.Este ranking é ideal para aqueles que querem aprender a programar, porque mostra as opiniões em primeira pessoa daqueles que já estão percorrendo seu caminho dentro do campo da programação web.

As habilidades mais demandadas pelas empresas segundo LinkedIn img
carreira

As habilidades mais demandadas pelas empresas segundo LinkedIn

As organizações já estão modificando os perfis que requerem. Isto, bastante demonstrado em todo o mundo, foi comprovado também pelo estudo “The Skills companies need most“, elaborado por LinkedIn em sua edição 2019. Segundo essa pesquisa, o ranking das 25 habilidades hard mais demandadas está composto por:- Cloud Computing- Raciocínio analítico- Gestão de pessoas- UX Design (User Experience Design)- Desenvolvimento de aplicações de celulares- Produção de vídeo- Sales Leadership- Tradução- Produção de áudio- Processamento da linguagem natural (PLN)- Scientific Computing- Game Development- Social Media Marketing- Animação- Business Analysis- Jornalismo- Marketing Digital- Design Industrial- Estratégias competitivasUm dado importante: O documento enfatiza que as organizações estão focando mais no “saber fazer” dos candidatos do que no fato de que tenham título universitário.