MENU

| BR

Campus

Cursos

Programas Executivos

Paises

10 tecnologias de filmes e séries que viraram realidade

10 tecnologias de filmes e séries que viraram realidade
tech
31 de janeiro - min de leitura

A vida imita a arte ou a arte imita a vida?


No caso da ficção científica, essa relação é bastante confusa e a linha que separa realidade de fantasia muitas vezes deixa de existir ao passo que nossa tecnologia concretiza avanços inovadores. Não é incomum que gadgets e dispositivos antes somente reais nas telinhas e telonas tenham ganhado espaço em nossas vidas e lares. Desde comunicadores portáteis a hologramas, veja nossa lista de 10 tecnologias da ficção que se transformaram realidade.

Touchscreen - 2001: Uma odisseia no Espaço, Star Trek, Minority Report e De Volta para o Futuro 2

Conseguir realizar múltiplos comandos e tarefas com um simples toque em uma tela plana foi uma ideia perpetuada por muitos filmes e séries futurísticos. Em De Volta Para o Futuro 2 e 2001: Uma Odisseia no Espaço vemos dispositivos muito similares ao Tablet. Enquanto que em Minority Report a grande tela high tech quase holográfica que respondia aos mais sutis toques era o sonho de consumo de qualquer aficionado por tecnologia.

Video Chat - Os Jetsons

As agora tão comuns e triviais conversas por vídeo que começaram com a webcam e hoje estão na palma de nossas mãos foram "previstas" pelo desenho animado Os Jetsons, exibido entre as décadas de 80 e 90. Nele, a família se comunicava através de pequenas telas que apareciam pela casa ou em seus carros.

Telefone celular - Tempos Modernos e Star Trek

O personagem de Charles Chaplin no filme Tempos Modernos cruza na rua com uma mulher que segura um aparelho perto do ouvido dando a entender que está conversando com alguém. E durante a série Star Trek, a principal forma de comunicação entre a tripulação da nave Enterprise era um dispositivo muito parecido com os extintos celulares de flip.

Automóvel com GPS - 007 (1964)

Os filmes da série 007 sempre foram recheados de gadgets futuristas e até engraçados, mas muito pouco prováveis de se tornarem realidade, até que em 1964 o icônico Aston Martin de James Bond ganhou um GPS, muito antes de sonharmos com a existência de Waze ou Google Maps.

Assistente pessoal de voz - 2001: Uma Odisseia no Espaço, Blade Runner e Star Trek

Siri, Cortana, Alexa e tantos outros assistentes pessoais de voz provavelmente só estão entre nós porque muitos filmes de ficção científica adoravam a noção de poder controlar tudo ao seu redor com um comando simples, sem precisar apertar botões ou digitar códigos.

Carros com piloto automático - O Exterminador do Futuro

Em O Exterminador do Futuro, os táxis dirigiam-se sozinhos possuindo somente o boneco Johnny para fazer as vezes de um simpático e decorativo motorista. Atualmente, carros que andam sem a necessidade de um condutor são realidade, mas ainda uma tecnologia bastante cara.

Impressora 3D - Star Trek

Durante a série Star Trek era comum ver “replicadores” sendo usados para criar desde comida a peças para reparos na nave. Apesar de ainda não conseguir produzir uma lasanha, impressoras 3D já realizam feitos bastante impressionantes que seriam certamente úteis na Enterprise.

Celular com biometria- 007: Um novo dia para morrer

Leitura de impressões digitais em telefones ou dispositivos móveis era considerado algo realmente do futuro, mas hoje faz parte do nosso dia a dia. Interpretado por Pierce Brosnan, James Bond no filme 007- Um novo dia para morrer apareceu com um telefone que identificava sua digital.

Holograma - Star Wars e Blade Runner

Os hologramas que aparecem espalhados pelo cenário de Blade Runner em forma de anúncios e, de uma forma mais icônica, nas comunicações em Star Wars hoje ganharam os palcos de shows de lendas de rock que são ressuscitadas com a tecnologia.

Kinect - De Volta para o Futuro 2

Existem muitos gadgets que foram previsões certeiras do futuro no filme De Volta para o Futuro 2, mas poucas cenas são tão emblemáticas para gamers quanto o momento em Marty McFly está em um fliperama do futuro e descobre que controles não são mais necessários para jogar videogame, já que no ano fictício de 2015 é possível fazê-lo somente com seus movimentos. O conceito remete ao Kinect, que consegue ler os movimentos do jogador. Confira também 7 filmes de cabeceira para quem é apaixonado por tecnologia.

Outras notícias

Como aplicar o storytelling ao seu negócio img
mkt

Como aplicar o storytelling ao seu negócio

Muito se fala sobre o storytelling, ou seja, a arte de contar histórias. O termo, normalmente, é associado à publicidade e ao marketing, como uma forma de aumentar o engajamento do público. Mas, então, como contar uma história em seu negócio?Existem muitas formas de trazer o storytelling para sua empresa, seja para quem vai vender pela internet ou apenas divulgar produtos e serviços na web. Antes de apresentar algumas delas, é importante destacar que essa estratégia costuma ser muito positiva na hora de atrair e envolver os potenciais consumidores.Saber como contar uma história conquista a atenção das pessoas desde que os seres humanos começaram a se comunicar. Portanto, aplicar o storytelling ao seu negócio é uma forma de manter seu cliente ligado nos seus conteúdos, sejam eles em que canal for.Portanto, vamos conhecer algumas formas para contar histórias em seu negócio!1. Tenha uma página sobre a empresa no site e capricheUm ótimo espaço para aplicar o storytelling em seu negócio é na página sobre a empresa. Ali, normalmente, há um texto explicando o que você faz, que tipo de serviço presta, desde quando e outras informações do tipo. Por que não utilizar esse espaço para contar uma história?Você pode contar como surgiu a ideia de começar a empresa, os motivos que o levaram a escolher aquele ramo e todo tipo de informação interessante sobre seu negócio. Assim, você desperta a curiosidade do leitor e pode deixá-lo mais envolvido com sua marca!O restaurante Madero é um que explora muito esse tipo de comunicação para apresentar sua história. Este vídeo, por exemplo, mostra como surgiu o cheeseburguer do chef Júnior Durski.Você pode adaptar conteúdos como o vídeo acima para a página sobre a empresa em seu site.Mas atenção! Você não deve, em hipótese nenhuma, inventar uma história que pareça bonita apenas para chamar a atenção. Além de enganar seus potenciais clientes não ser uma atitude correta, ela pode até ser penalizada. Exemplo disso foi uma campanha da fabricante de sorvetes Diletto. Em 2014, a empresa foi punida pelo Conselho de Autorregulamentação Publicitária (Conar) depois que descobriu-se que a história sobre a fundação da empresa era falsa.2. Produza conteúdos com histórias em seu blogSe você já é um adepto do marketing de conteúdo ou pretende começar a aplicá-lo como estratégia em seu negócio, o blog é um ótimo local para aplicar o storytelling!Quando for escrever posts sobre seu nicho de mercado, procure caprichar nos textos e pense em como contar uma história com aquele conteúdo. Por exemplo, se você costuma produzir artigos com dicas de maquiagem no seu site, procure contar a história de alguns dos produtos mais utilizados ou da evolução das tendências das makes ao longo da história.Além disso, você pode fazer estudos de caso de outras empresas ou até mesmo contar experiências pelas quais o seu negócio tenha passado e que possam despertar interesse no público. Dessa forma, você engaja seus potenciais clientes e os mantêm sempre ansiosos pelo seu próximo artigo!3. Atenção às palavras na descrição dos produtosSe você tem ou quer criar uma loja virtual, o espaço da descrição dos produtos pode ser um ótimo espaço para aplicar o storytelling. Sempre prestando atenção às palavras-chave para a estratégia de SEO do seu e-commerce, você pode tornar os textos sobre as mercadorias muito mais atrativos.Se você vende, por exemplo, camisetas com estampas de artistas famosos, não precisa se limitar a uma descrição engessada. Por que não contar um pouco da história do artista ou do desenho retratado na estampa da peça de roupa ali na descrição? Dessa forma, a pessoa que se interessar por aquele produto já se sentirá mais envolvida com ele à medida que lê as informações em seu site.A loja de rações naturais para pets Simple Dog, por exemplo, conta como os alimentos são feitos de forma envolvente nas descrições:Seja sua loja virtual montada por um desenvolvedor ou a partir de uma plataforma de e-commerce, você sempre terá um espaço para descrever seus produtos. Então, utilize-o de forma proveitosa!4. Use as redes sociais para contar históriasAs redes sociais são ótimos espaços para divulgar conteúdos, produtos e serviços da sua marca. E, assim como em outros espaços digitais, nelas os usuários também apreciam e se envolvem com histórias bem contadas!Seja no Instagram, no Facebook ou no YouTube, lembre-se de não fazer os posts e vídeos apenas para mostrar os produtos. Conte como surgiu a ideia de desenvolvê-los ou quais as maiores dificuldades que encontrou para começar seu negócio, por exemplo.Um exemplo simples, porém que já cria uma história na percepção das pessoas ao verem o post é o da loja virtual de acessórios Oficial Accio:No post acima, ao invés de apenas apresentar o kit eco, toda a expectativa de uma viagem à praia no verão é apresentada. Isso tem a capacidade de mexer com as emoções das pessoas, que já se imaginam na situação mostrada pelo post.Se estiver com dificuldades, observe as redes sociais de grandes marcas que você admira e que despertam o engajamento do público. Preste atenção e tente entender como elas fazem isso. Dessa forma, você consegue encontrar formas de aplicar a ideia ao seu negócio!Agora que você já sabe como contar uma história sobre sua marca e produtos, já pode começar a aplicar o storytelling em seu negócio. Seu público, certamente, vai se tornar muito mais engajado com seus conteúdos!---Informações da autoraVictoria Salemi é a editora responsável pelas parcerias de conteúdo da Nuvemshop, a maior plataforma de comércio digital da América Latina, com mais de 30 mil lojas ativas. Formada em Jornalismo, ama escrever e tornar assuntos complicados acessíveis a todos!

As linguagens de programação favoritas, segundo 15.000 desenvolvedores img
tech

As linguagens de programação favoritas, segundo 15.000 desenvolvedores

Milhares de programadores web full stack de todo o mundo se expressaram no Twitter dias atrás para opinar sobre quais são suas linguagens de programação favoritas, com base em seis critérios: A primeira que aprenderam, a que teve mais dificuldade, a que mais usam, a que odeiam, a que mais amam e a que recomendam para principiantes.Após obter dados de uns 15.000 desenvolvedores, Victoriano Izquierdo analisou os tuits com a ferramenta de análise científica de dados Graphext e obteve, como resultado, que Javascript, Python, Java e C# lideram o ranking das linguagens preferidas.Este resultado coincide com outras sondagens em todo o mundo. Por exemplo, a última pesquisa anual de desenvolvedores de JetBrains, realizada no início deste ano, além dos índices TIOBE, o PYPL, entre outros.Este ranking é ideal para aqueles que querem aprender a programar, porque mostra as opiniões em primeira pessoa daqueles que já estão percorrendo seu caminho dentro do campo da programação web.

As habilidades mais demandadas pelas empresas segundo LinkedIn img
carreira

As habilidades mais demandadas pelas empresas segundo LinkedIn

As organizações já estão modificando os perfis que requerem. Isto, bastante demonstrado em todo o mundo, foi comprovado também pelo estudo “The Skills companies need most“, elaborado por LinkedIn em sua edição 2019. Segundo essa pesquisa, o ranking das 25 habilidades hard mais demandadas está composto por:- Cloud Computing- Raciocínio analítico- Gestão de pessoas- UX Design (User Experience Design)- Desenvolvimento de aplicações de celulares- Produção de vídeo- Sales Leadership- Tradução- Produção de áudio- Processamento da linguagem natural (PLN)- Scientific Computing- Game Development- Social Media Marketing- Animação- Business Analysis- Jornalismo- Marketing Digital- Design Industrial- Estratégias competitivasUm dado importante: O documento enfatiza que as organizações estão focando mais no “saber fazer” dos candidatos do que no fato de que tenham título universitário.