MENU

| BR

Campus

Cursos

Programas Executivos

Programas Executivos

Paises

O que é MVP: tipos de Produto Viável Mínimo e exemplos reais

O que é MVP:  tipos de Produto Viável Mínimo e exemplos reais
#UX
22 de outubro - min de leitura

Descubra os primeiros passos do que é MVP, o famoso Minimum Viable Product nas startups, como criar um de sucesso e exemplos reais que vão te inspirar.


Que ele é essencial para o sucesso de muitas empresas, incluindo as startups, sabemos. Mas hoje é dia de ir a fundo e ler o que é MVP e o que você precisa saber sobre este processo.

O Produto Mínimo Viável, na tradução da sigla em inglês MVP, ajuda empresas a lidar com diversos fatores de risco, como faturamento instável, mercado dinâmico, volátil e concorrência acirrada. Fazer um de qualidade, garante que sua empresa se aproxime mais das metas e se distancie da concorrência em vantagens competitivas.

O que é um MVP e qual a importância dele?

Qual o conceito de MVP? Em linhas gerais, é um processo facilitador. Seu objetivo é reduzir fatores de risco de aceitação de um produto, com menos quantidade de exemplares, tempo e recursos. Além disso, deixa sua empresa mais perto do que se passa na cabeça do público-alvo.

Ou seja, é uma forma mais simples de se testar algo que, o decorrer de todo o processo, tem como identificar de maneira breve erros no desenvolvimento daquela solução, ajustando-a às necessidades e desejos dos usuários.

Mas há alguns fatores que podem dificultar na construção e aplicação de um MVP para os negócios, como a falta de exemplos consolidados e a dificuldade de desenvolver um mindset ágil.

Pensando nisso, trazemos neste guia com tudo que você precisa saber sobre MVP alguns tipos de Mínimo Produto Viável para que você possa se basear, assim como exemplos de empresas que se deram bem e comprovaram a importância desta técnica em seus resultados, com base na experiência de seus usuáros (UX).

Como fazer um bom MVP projeto

Com tempo e dinheiro não se brinca, então se você entendeu o passo a passo do que é MVP, não faz o menor sentido desperdiçar investimentos e horas na criação de um produto que não resolve o problema do seu usuário, descobrindo isso justamente na fase de lançamento.

Por isso, os MVPs são realizados lá no início, na fase de descoberta do cliente, dentro de product discovery, testando e validando hipóteses relacionadas à viabilidade do mercado daquele produto ou serviço, além da aderência do público que realmente interessa ao negócio. 

Tenha em mente que este é um produto desenvolvido com o mínimo de esforço e o menor tempo possível, então não é o momento de pensar em nada complexo. Esta é a versão mais simples da sua ideia.

Tipos de MVP para testar sua ideia

Existe mais de uma maneira de criar um Minimum Viable Product e é analisando a intenção do negócio que você saberá qual escolher. Veja alguns tipos de MVP e suas vantagens:

Alfaiate

Corresponde a um modelo de teste em que se realiza uma ou duas vendas aos primeiros clientes, entregando sua solução como se fosse um prestador de serviço bem personalizado.

Por meio desta aproximação, é possível captar a experiência do usuário, para atender e entender melhor suas necessidades, gerando aprendizados muito úteis para finalizar uma versão escalável do produto ou serviço.

Mágico de Oz

Um modelo interessante (já dá para desconfiar pelo nome), em que o cliente não sabe que você está realizando um MVP. A experiência dele é parecida com a que teria se estivesse adquirindo a versão final. Assim, você tem uma versão fidedigna da resposta do usuário naquela utilização. 

Protótipo

Essa é uma versão que reúne a maior parte das funcionalidades necessárias para que a solução rode, mas sem acabamento, pois até mesmo o design ainda não está definido. A ideia do protótipo é que seja realizado em série, com aperfeiçoamento constante no decorrer da jornada de finalização, após contato com os usuários. Para este processo existem diversas ferramentas de prototipagem.

Lista de e-mail e LPs

Outros canais poderosos para a validação de ideias são a lista de -e-mails e as landing pages.

No primeiro caso, você apresenta sua ideia e percebe como o público reage. No segundo, é possível apresentar de forma detalhada a proposta de valor do seu produto final, convidando o consumidor para uma ação. 

AB teste

O teste AB possibilita criar duas versões de sua campanha, com versões diferentes de pitch, design ou conteúdo para o seu produto.

Com o resultado, a análise dos dados mostrará qual performa melhor. 

Mockups

Crie mockups, as conhecidas maquetes, para mostrar uma versão inicial do produto para o seu público. O Mockup World e o Mockuuups são apps que podem ajudar nesta construção de um mockup para MVP.

5 MVP exemplos que são inspiradores

Talvez a parte mais incrível, depois de descobrir o que é MVP, é ler sobre cases inspiradores de empresas que começaram testando sua ideia e hoje são gigantes.

Groupon

O Groupon iniciou por meio de um blog, onde os cupons eram enviados por e-mail, através de um PDF. A primeira versão do site era manual. Desde os trabalhos com MVP, a solução foi sendo personalizada e aprimorada.

Dropbox

A função do MVP do Dropbox era validar o interesse das pessoas na ferramenta para saber se o modo de funcionamento era aceito por elas.

Para isso, o próprio fundador, Drew Houston, fez um vídeo apresentando o Dropbox para uma comunidade da área.

Uber

No início, a empresa testou seu modelo de negócio e sua plataforma, por meio de  aplicativo que funcionava somente em algumas regiões, nas quais carros de luxo prestavam o serviço de corrida.

A empresa continua com o MVP pelo modelo de validação ativo. Apesar dos impactos da pandemia, a empresa tem perspectiva futura do serviço de transporte com helicópteros, por meio do MVP do UberCOPTER.

Yubb

Após a realização de entrevistas com mais de 200 pessoas, para entender as dores do mercado, o fundador da empresa lançou um vídeo, mostrando a Yubb no futuro.

Depois, foi criada uma landing page e as pessoas se cadastravam na base. Todo dia, a organização procurava investimentos e montava um PDF que era enviado para o cliente, cobrando das pessoas posteriormente.

Essa validação serviu de norte para entender se elas estavam dispostas a pagar pelo produto no mercado e durou cerca de um ano.

Entenda o que é MVP na prática

Esperamos que, com esse guia prático com passos para criar um MVP e como desenvolver um, você tenha inspiração suficiente de como executá-lo!

Mas, caso precise de informações, conceitos e exercícios mais consistentes, você aprende a criar um MVP, com protótipos e testes de usabilidade, no curso de UX, e a definir estratégias e ideias no curso de Marketing Digital da Digital House.  

Leia mais no blog DH:

Guia para criar uma marca do zero através de canvas e exercícios de branding

+ Conheça as habilidades digitais que nortearam o ano de 2020

Saiba tudo sobre a transformação digital nas empresas

Outras notícias

Comportamento do consumidor: como o digital alterou a jornada de compra das marcas? img
#Marketing

Comportamento do consumidor: como o digital alterou a jornada de compra das marcas?

Convenhamos, isso não é novidade para ninguém. Mas você sabe identificar os elementos que mudaram durante a consolidação da jornada de compra digital? Novos conceitos surgiram, como o omnichannel, experiência do cliente, além das inovações em produtos e serviços, entre outras novidades.Se você atua diretamente com a jornada do consumidor digital, continue acompanhando este artigo.Por que se preocupar com o comportamento do consumidor?Compreender o comportamento do consumidor é tão importante quanto garantir a qualidade do seu produto ou serviço. Se pararmos para analisar, esses dois fatores estão relacionados, pois juntos garantem a melhor experiência do cliente.Ao identificar todos os pontos que impactam e direcionam as decisões de seu público-alvo, a empresa foca os seus esforços onde é realmente necessário, antecipando tendências, realizando ações de marketing assertivas e obtendo os resultados desejados, ou seja, mais lucro.Na prática, isso é estruturar ações inovadoras com o objetivo de atrair, prospectar e reter clientes.Quais são os novos hábitos do consumidor?Separamos algumas das principais mudanças de hábito do consumidor para deixar você ainda mais atento(a) com as suas estratégias. Confira:Aumento das compras onlineNão é novidade para ninguém que o brasileiro passou a adotar o costume das compras online durante a realidade pandêmica. De acordo com dados do Índice Cielo de Varejo Ampliado, o aumento das vendas online no período de Natal do ano passado foi de 38%, em comparação com 2020. Com isso, fica claro que as marcas precisam pensar em estratégias que envolvam a presença online.Uma rotina híbridaEm meio a mudanças constantes de rotina, com o avanço da vacinação, as pessoas começaram a retornar aos escritórios, mas não da maneira como acontecia antes da Covid-19. Isso porque o híbrido está em primeiro lugar quando se trata do futuro do modelo de trabalho. Neste caso, o profissional tem a possibilidade de dividir suas atividades entre a sede da empresa, sua casa, em escritórios flexíveis ou coworkings, como também são chamados.Isso também afetará a jornada de consumo, pois as marcas deverão estar presentes em diferentes canais para atender todas as opções.Novas opções de compraNos mercados, tudo está cada vez mais caro e, ao mesmo tempo, a renda do consumidor em geral caiu. Essa é uma realidade dura no novo cenário. Com isso, as pessoas passaram a conhecer e experimentar novas marcas, além de aderir a outras maneiras de economizar, como o cashback (dinheiro de volta) nas compras, promovido por muitas marcas.Fatores que influenciam o comportamento do consumidorCompreender a jornada de compra do cliente é algo bastante complexo. Isso porque são diversos canais, variáveis e pontos que tornam o processo de decisão cada vez menos regular. Sendo assim, antes de tudo, é importante entendermos quais são os principais fatores que influenciam o comportamento do consumidor.Separamos os principais para ajudar você a entender com mais clareza o que influencia as atitudes e decisões relacionadas às compras:Fatores pessoaisAqui estão envolvidos todos os interesses e opiniões de uma pessoa. Eles podem ter alterações de acordo com dados demográficos, como idade, sexo, cultura, profissão, entre outros.Fatores psicológicosO retorno de um público para uma campanha de marketing, por exemplo, pode ser baseado em suas percepções e atitudes, ou seja, como uma pessoa pode compreender determinadas informações, percepção da sua necessidade, atitudes, entre outros pontos.Fatores sociaisO comportamento pode passar por influências vindas da família, amigos, companheiros ou por informações absorvidas nas mídias sociais. Isso também inclui classe social, renda e nível de escolaridade.Compreender esses três fatores é importante para estruturar da melhor forma os processos de venda, as estratégias de marketing, comunicação e atendimento ao cliente. Isso fará com que os consumidores percorram a sua jornada de compra de maneira mais rápida e eficaz.As principais tendências para o comportamento do consumidor na Era DigitalLendo o conteúdo até aqui, não há dúvida de que a internet impactou o comportamento das pessoas e os seus processos de decisão de consumo. Se você é um gestor, separamos algumas tendências para ajudar a estruturar a jornada de compra do seu negócio. Confira:Dê atenção ao mobileNão é novidade que as pessoas usam cada vez mais os seus dispositivos móveis para fazer compras. No entanto, dados da pesquisa "Consumo online no Brasil" comprovam ainda mais esse fato. O smartphone é o dispositivo mais utilizado para esta finalidade pela internet, correspondendo a 87% em 2021. Isso representa um avanço de 20 pontos percentuais em relação ao último estudo realizado em 2019.Os dispositivos móveis são, portanto, uma ferramenta valiosa e essencial para atrair, prospectar e vender produtos e/ou serviços aos seus clientes a qualquer horário e em todo lugar.Não é recomendável que uma empresa negligencie um aliado tão influente nos dias de hoje. Isso pode representar muitas oportunidades de negócio. E para serem assertivas, as lojas virtuais precisam ter o seu design responsivo, ou seja, o layout deve se adaptar a qualquer tipo de tela, proporcionando facilidade e uma boa experiência nas compras.A empresa não precisa ser de grande porte para explorar as oportunidades do meio digital. Um restaurante, por exemplo, mesmo sendo pequeno, pode ter um aumento significativo nas vendas se explorar as oportunidades dos canais móveis. O iFood e o Uber Eats são exemplos de que pequenas empresas podem se aliar, a fim de proporcionar uma boa experiência e o conforto do consumidor em suas casas.Experiência é muito importanteAtualmente, vivemos a era da experiência, onde as pessoas querem ter atendimentos rápidos, eficientes e personalizados. Em um mercado tão competitivo, com diversas opções de produtos semelhantes, esse pode ser o diferencial que os consumidores estão procurando.O consumidor possui o poderAssim como a importância da experiência, o consumidor também possui o seu empoderamento. Ele quer sentir que tem o direito de escolher e o poder de decisão final nas jornadas de compra. Sendo assim, as empresas devem pensar em diferentes opções, ferramentas e usabilidades que tornam esse processo mais assertivo.Para isso, obter dados sobre o comportamento do público-alvo é fundamental. Faça pesquisas de mercado, analise dados coletados a partir de Big Data, entre outras possibilidades, a fim de estudar seu cliente e criar ações que o façam sentir especial e empoderado.Relacionamento com o cliente é essencialÉ importante destacar que os consumidores não querem trocar a experiência maravilhosa com uma empresa por algo incerto. Eles preferem ser fiéis. Por isso, é importante construir relacionamentos fortes entre organizações e clientes para aumentar a fidelização e transformá-los em embaixadores de sua marca. Um bom planejamento estratégico de marketing possui grande influência para tornar todo esse processo ainda mais adequado.O uso de ferramentas que armazenam dados também é uma ótima opção tecnológica e acessível a todos os negócios, podendo ser feito por meio de um CRM.Com conhecimento, é possível mapear percepções e desenhar ações assertivas para melhorar seus resultados. No mercado atual, não basta apenas ter uma entrega de qualidade, mas também saber para quem, quando, onde e como fazer tudo isso. Esse é o verdadeiro valor para os consumidores.A Digital House compreende esse panorama e oferece o curso de Marketing Digital, voltado especialmente para os iniciantes na área. Ela oferece todo o conteúdo necessário para que o(a) aluno(a) seja um(a) grande profissional e saiba as principais habilidades técnicas exigidas pelo mercado, mudando o rumo de todas as empresas que vier a se envolver.As aulas são 100% online, ao vivo e ministradas por professores especialistas que estão no mercado. Dê um novo start para 2022, impulsionando a sua carreira. Inscreva-se!Leia mais no blog DH:+ Google Analytics Dashboard: crie e personalize com o nosso passo a passo+ O que é brand equity e como as empresas geram valor de marca em seus produtos e serviços+ Marketing digital para iniciantes: 10 dicas de como começar na carreiraE aí, já segue a gente no Twitter? Vem pra rede, vamos conversar sobre habilidades digitais! ;)

Benchmark ou benchmarking: entenda o que são, sua diferença e qual a sua importância para as empresas img
#Marketing

Benchmark ou benchmarking: entenda o que são, sua diferença e qual a sua importância para as empresas

No dia a dia das empresas, é comum ocorrer situações em que os líderes precisam implementar novos processos que nunca ouviram falar ou desenvolver um novo produto ou serviço. Para isso, dominar a teoria não é o suficiente. É preciso ir além e buscar as melhores ações de outras organizações no mesmo segmento.Isso porque ao identificar o que funciona em seu mercado, os gestores também compreendem como as suas próprias empresas estão se saindo em relação às outras e o que podem fazer para alcançar o sucesso.Quer saber por onde começar e descobrir se é o benchmark ou benchmarking que deve ser implementado em seu contexto? Continue a leitura e entenda tudo sobre os conceitos.O que é benchmarking e para que serve?Benchmarking é uma técnica de avaliação comparativa entre diferentes empresas, geralmente da mesma área de atuação. Com base em uma pesquisa criteriosa, a ferramenta proporciona, com profundidade, dados valiosos e estratégicos para embasar as tomadas de decisão dos gestores empresariais aos seus próximos passos.Geralmente, a necessidade do benchmark ou benchmarking (entenderemos a diferença mais adiante) parte de uma situação de estagnação ou insegurança de um negócio, quando ele não está obtendo resultados satisfatórios de suas ações no mercado. Portanto, caso exista uma organização se destacando no mesmo nicho, nada melhor do que se inspirar nela.É importante pontuar também que o benchmarking também ocorre com empresas de diferentes áreas. Nestes casos, o objetivo é trazer um novo ponto de vista aos processos organizacionais, como prática de gestão de equipes, recrutamento e seleção, prospecção de clientes, entre outros motivos. Quer saber se você deve usar benchmark ou benchmarking em sua empresa? Veja adiante.Benchmark ou benchmarking: qual a diferença?Vamos direto ao ponto. Como comentamos, benchmarking é a técnica de pesquisar outras empresas e identificar os seus pontos positivos para servir de inspiração e adaptação ao próprio negócio. Já benchmark são essas organizações que servem de exemplo, pois possuem um trabalho e atuação muito bons.Para compreendermos melhor a diferença entre benchmark ou benchmarking, vamos dar um exemplo: imagine duas empresas que atuam no mesmo setor, mas com portes diferentes. A primeira é uma marca local que quer aumentar a sua rede. A segunda possui suas operações em nível nacional, estando presente nos principais centros comerciais do Brasil.Devido ao ótimo desempenho, a segunda é um alvo constante das pesquisas de concorrência, sendo considerado como benchmark em seu nicho de mercado. Quando o pequeno negócio decide fazer essa análise, o processo utilizado é o benchmarking.Benchmarking e o marketing de sua empresaÉ muito importante saber que o benchmarking é também um ótimo meio de otimizar as estratégias de marketing de um negócio, pois este é um grande ponto para qualquer empresa crescer no mercado. Neste sentido, é preciso estar atento a 3 tópicos:Benchmarking não é feito uma única vezA técnica precisa ser um hábito recorrente. Fazê-lo apenas uma vez não trará grandes impactos no negócio e não desenvolverá o processo de otimização e melhoria contínua.Sempre acompanhe os resultadosApós a realização do benchmarking e a análise dos dados, você, como gestor, pode introduzir diversas mudanças, otimizações de processos e ajustes de rota. No entanto, se esses novos resultados não forem medidos e acompanhados, nunca saberá se as alterações trouxeram impactos positivos para a empresa.Treine os times a fim de normalizar a técnica em suas estratégiasCom o treinamento do time e a cultura organizacional orientada ao benchmarking, todos os colaboradores ficam mais seguros dos novos processos e os resultados positivos são atingidos de maneira mais rápida. É essencial que todos possam participar das mudanças e sejam sempre ouvidos.Como comentamos, sabemos que o benchmarking é uma ótima maneira para adequar e otimizar suas estratégias de marketing. No entanto, é preciso complementá-lo com inteligência de mercado, a fim de que a técnica esteja de acordo com a realidade de sua empresa.Se você possui interesse em aprender mais sobre a técnica na prática, além de outras diversas estratégias, a Digital House possui o curso de Marketing Digital, que capacita seus alunos a dominar as principais ferramentas e fazer a diferença no mercado de trabalho.Todas as aulas são remotas, dinâmicas, 100% ao vivo e contam com professores especialistas que estão no mercado. Os alunos também podem obter toda a orientação necessária à sua jornada com o Departamento de Carreiras, acessando diversos conteúdos exclusivos. Inscreva-se agora mesmo e dê um novo start na sua jornada profissional!Por que o benchmarking é essencial para a sua empresa?Para deixar o questionamento mais claro, separamos os principais benefícios do benchmarking para você. Confira:Colabora com o alinhamento da equipeEntender o posicionamento da empresa, seus objetivos e o que pode melhorar com base nos insights de mercado, contribui para que todos do time estejam em sintonia, deixando evidente sobre o que é preciso fazer para alcançar as novas metas.Melhora a cultura organizacionalObservar as melhores práticas da concorrência deixa a organização mais alerta e buscando uma melhoria contínua de seus processos.Melhores práticasÉ possível que a empresa visualize e entenda quais são as melhores práticas para estar alinhada ao seu nicho de mercado e ao público-alvo.Redução de errosCom boas referências, a organização consegue ser mais assertiva em suas estratégias, prevendo tendências e possíveis erros.Aumenta o valor de marcaBoas práticas e estratégias fazem com que o negócio tenha melhores propósitos e sua imagem se destaque no mercado, tornando-a mais valiosa.Relacionamento com o clienteCom o benchmarking dos concorrentes, é possível obter insights para as estratégias de marketing, sobre as necessidades do público-alvo e proporcionar uma melhor experiência do consumidor com os seus próprios produtos e serviços.Depois de ler este conteúdo, ficou claro que o benchmarking é um assunto muito importante para as empresas, não é mesmo? Para se aprofundar nesta temática, não deixe de conferir nosso artigo sobre o que é cultura digital, a sua importância e características dentro de um negócio.Leia mais no blog DH:+ Google Analytics Dashboard: crie e personalize com o nosso passo a passo+ O que é brand equity e como as empresas geram valor de marca em seus produtos e serviços+ Marketing digital para iniciantes: 10 dicas de como começar na carreiraE aí, já segue a gente no Twitter? Vem pra rede, vamos conversar sobre habilidades digitais! ;)

O que é armazenamento em nuvem e quais são as suas vantagens de utilização? img
#Dados

O que é armazenamento em nuvem e quais são as suas vantagens de utilização?

Este é um campo com diversos serviços à disposição e diferentes capacidades de armazenamento para empresas e usuários. Isso acontece porque os dados estão se tornando cada vez mais presentes nas organizações, embasando tomadas de decisão estratégicas em seus planejamentos.É neste contexto que o armazenamento em nuvem surge como uma opção para que os negócios consigam organizar e manipular os seus dados de maneira assertiva. Continue acompanhando este artigo e entenda tudo sobre o conceito.O que é armazenamento em nuvem e como funciona?Se você parar para pensar, o armazenamento em nuvem está bastante inserido no dia a dia das pessoas, mas talvez você não tenha notado. É difícil encontrar aqueles que não usam serviços como Google Drive, iCloud, One Drive, entre outros.Chegou um momento em que encontrar espaço de armazenamento para todos que lidam com muitos arquivos no computador se tornou um desafio, principalmente para empresas.  É neste contexto que entender o que é armazenamento em nuvem ou cloud computing, como também é conhecido, está inserido.Basicamente, ao invés de armazenar todas as informações no disco rígido dos computadores ou outros dispositivos locais, o armazenamento em nuvem proporciona a opção de salvá-las em um banco de dados remoto. É preciso somente uma boa conexão de internet que estabelece a relação entre a máquina utilizada e o banco com todos os arquivos e documentos de diferentes formatos.Isso é possível, pois os serviços em nuvem trabalham a partir de um servidor que faz toda a comunicação dos dispositivos pessoais com os data centers (centros de dados). Esses são locais físicos que contam com um alto nível de segurança e estão espalhados pelo mundo.Quando alguém acessa um serviço de armazenamento em nuvem a partir de um dispositivo, ele está acessando os servidores disponibilizados pelas organizações. Sendo assim, com uma conta cadastrada, é possível compartilhar, conferir, editar ou até mesmo excluir os arquivos que estão na nuvem.Por que se chama armazenamento em nuvem?Você sabia que o termo “nuvem” é utilizado na computação desde a década de 1970? Embora o armazenamento em nuvem seja uma tecnologia acessível para o público há relativamente pouco tempo, a palavra já era utilizada antes como uma metáfora para a internet, sendo usada também, antes disso, em desenhos e diagramas de telefonia.Principais vantagens do armazenamento em nuvemHoje, a segurança da informação é um dos principais desafios da área de Tecnologia da Informação (TI).Neste sentido, boas práticas devem ser aplicadas em todos os processos organizacionais, a fim de beneficiar a empresa na prevenção de ataques e exposição de dados, como o armazenamento em nuvem. Sendo assim, separamos os principais benefícios da ferramenta para você. Veja abaixo:AcessibilidadeO fácil acesso é um dos principais motivos dos gestores optarem pelo armazenamento em nuvem para o seu negócio.Por necessitar somente de uma boa conexão de Internet e um dispositivo de acesso, como computador ou smartphone, as informações mais importantes podem ser acessadas e visualizadas a qualquer momento, agilizando demandas e mantendo a equipe toda atualizada.Otimização de processosA acessibilidade abordada no tópico anterior também otimiza os processos da empresa. Com a funcionalidade de sincronização automática na nuvem, determinadas demandas manuais não são necessárias, facilitando a gestão de informações em uma equipe.Rápida implementação O processo de configurar, adicionar e manipular arquivos no armazenamento na nuvem é rápido e fácil. Qualquer negócio pode adquirir a ferramenta e começar a usá-la em algumas horas, dependendo da capacidade envolvida.Maior produtividadeAtualmente, existem diversos modelos de serviços de armazenamento em nuvem disponíveis para o público. Muitos deles dispõe de funcionalidades que se integram a outros sistemas, o que traz mais agilidade às tarefas do dia a dia dos colaboradores, otimização dos processos manuais e impactos na produtividade das equipes.EconomiaUtilizar o armazenamento em nuvem proporciona muita economia, pois você só paga pelo espaço ocupado pelos dados e não pelo espaço em si, conforme aumentam as necessidades dos negócios.EscalabilidadeA ferramenta substitui diversos equipamentos utilizados como opção em muitas empresas, como pen drives, HDs portáteis, CDs, cartões de memória, entre outras opções. Além disso, os hardwares mais robustos podem ser dispensados da infraestrutura de TI, otimizando também o espaço físico da empresa.Quem opta pelo armazenamento em nuvem pode escalar o quanto precisar, pois há uma capacidade virtualmente ilimitada, sem restrições de crescimento.Essa é uma ferramenta que, certamente, veio para ficar e é uma tendência crescente no mercado. Isso porque implantar uma cultura de dados já é um objetivo claro para muitas organizações. É importante saber que, conforme os negócios avançam nesse campo, os times de profissionais especializados precisam de mais pessoas qualificadas.Se você quer iniciar a sua carreira em dados ou fazer uma transição para a área, a Digital House é a melhor escolha para você aprender da forma correta! Temos os cursos de Data Analytics e Data Science. Escolha a carreira que mais se encaixa com você!Nossas aulas remotas são dinâmicas, 100% ao vivo e contam com os melhores especialistas do mercado. Todos os alunos podem contar com o Departamento de Carreiras e acessar diversos conteúdos exclusivos sobre suas jornadas. Além disso, a DH possui o programa de apoio à recolocação e as feiras de recrutamento exclusivas (Recruiting Day). Tudo gratuito! Inscreva-se agora mesmo e dê um novo start na sua jornada profissional!Caso possua mais interesse sobre a área de dados, temos materiais gratuitos ao seu dispor, como o e-book que desenvolvemos sobre como contornar uma gestão de crise com dados. Nele, explicamos como a cultura data-driven pode mudar a realidade de uma empresa que está passando por dificuldades.Leia mais no blog DH:+ Google Analytics Dashboard: crie e personalize com o nosso passo a passo+ O que é brand equity e como as empresas geram valor de marca em seus produtos e serviços+ Marketing digital para iniciantes: 10 dicas de como começar na carreiraE aí, já segue a gente no Twitter? Vem pra rede, vamos conversar sobre habilidades digitais! ;)