"

SEO: saiba como conquistar o topo do Google

Se você quer melhorar o posicionamento orgânico de seu site em buscadores como o Google, gerando tráfego e autoridade, você precisa conhecer a estratégia de SEO.

Como conquistar o topo do Google?

Um dos principais procedimentos do Marketing Digital, o SEO, é a tática perfeita para quem deseja aparecer nas primeiras posições da busca orgânica do Google. Afinal, é lá que estão os links mais visualizados e clicados pelos usuários, que não costumam passar da primeira página para encontrar o que procuram.

Alcançando o topo, seu site, blog ou loja virtual se torna um dos primeiros resultados e isso pode ajudar, e muito, para que sua marca se torne mais conhecida, ganhando autoridade no mercado, recebendo mais visitantes e aumentando as chances de conversões.

E o melhor: você não precisa investir em mídia. Basta otimizar seu site, bem como o relacionamento com outras páginas. Assim você melhora a experiência do usuário, tanto em busca quanto navegação.

Acompanhe este artigo e saiba como otimizar os resultados de busca, usando os algoritmos do Google a seu favor. Boa leitura e aprendizado!

O que é SEO?

SEO é a sigla de Search Engine Optimization que, em tradução literal, significa otimização para mecanismos de busca. Ele é o conjunto de estratégias e técnicas de otimização para sites, blogs e páginas na web, com o objetivo de melhorar o tráfego orgânico, volume de busca e, consequentemente, os resultados do Google ou outro buscador.

Na prática, significa que você pode - e deve - ajustar seu conteúdo para ser exibido nos primeiros resultados de uma pesquisa online. E isso é possível usando termos relacionados à sua marca, produtos e serviços, chamados de palavras-chave. Elas correspondem à busca feita pelos usuários e, com técnicas de SEO, você as trabalha em suas páginas.

Como consequência, o buscador faz uma combinação entre o conteúdo que você oferece e a pesquisa feita pelo usuário, classificando, desta forma, a sua página entre as sugestões de resultados para aquela busca específica.

O caminho a ser trilhado para chegar ao topo do Google, em especial para termos mais concorridos, exige dedicação. No entanto, vale a pena, pois você terá a chance de ser encontrado na internet de forma orgânica, sem pagar por isso.

Afinal, a regra é clara: um comércio que possui uma página na internet, seja site, blog ou e-commerce, quer fazer com que mais pessoas cheguem até ela, pois é a porta de entrada para qualquer empreendimento. E isso aumenta a importância de trabalhar o SEO.

Um pouco da história do SEO

Era uma vez, entre as décadas de 1980 e 1990, quando surgia a World Wide Web, uma coleção de documentos interligados por meio de links e URLs, com layouts de gosto duvidoso e informações estáticas restritas a grandes empresas e veículos de comunicação, conectadas pela fatídica internet discada.

Um pouco da história do SEO

Com o passar dos anos, ela passou a agregar milhares de páginas, com uma infinidade de informações, ainda mais com a evolução da Web 1.0, passando para a Web 2.0 e, finalmente, chegando à Web 3.0. Começava aí a história do SEO. À medida que a quantidade de informações na internet aumentava, crescia também a necessidade de organizar as páginas no ambiente virtual, já que elas se tornaram fonte de pesquisa para as pessoas no mundo inteiro.

Com isso, surgiram os primeiros mecanismos de busca que organizavam as páginas na mesma lógica de catálogos impressos: em ordem alfabética ou por assunto. Empresas como Excite, Alta Vista e Yahoo foram pioneiras na categorização e exibição de informações na internet. No entanto, o SEO deslanchou com Sergey Brin e Larry Page, que lançaram o Google.

Isso foi feito a partir da criação de um mecanismo de busca bem avançado para a época: o BackRub que, em pouco tempo, se transformou no bom e velho Google. É interessante destacar que, apesar de o termo ser altamente associado com o maior buscador do mundo, outros sites também se apoiam no SEO. Entre os principais disponíveis na internet, destacamos:

  • Google;
  • Yahoo!;
  • Bing;
  • Ask;
  • AOL;
  • MSN Search;
  • Boing;
  • Terra;
  • Planet Search;
  • Searchtheweb2.

A partir do desenvolvimento do SEO, profissionais de marketing encontraram uma série de maneiras de privilegiar seus conteúdos nos mecanismos, com práticas como a produção de conteúdo relevante, quantidade assertiva de palavras-chaves e troca de links de maneira combinada entre sites.

Um conteúdo bem posicionado deve oferecer a melhor informação possível para o usuário, além de um site responsivo, com carregamento rápido e baseado nas boas práticas, não somente do Google, mas também de outros mecanismos de busca disponíveis na internet.

Quais são as técnicas de SEO?

Existem milhares de páginas sendo publicadas todos os dias na internet, não é mesmo? E é justamente isso que faz a concorrência ser tão grande para aparecer nas primeiras posições de uma pesquisa. Neste contexto, você deve estar se perguntando: como começar uma estratégia de SEO para fazer com que uma determinada página apareça na frente de outras?

A resposta é até simples, mas vai precisar de dedicação. Para obter o tráfego orgânico que tanto deseja, é essencial que o conteúdo publicado em seu blog ou site seja relevante. E, para que as pessoas encontrem o seu conteúdo, como em qualquer outra estratégia de marketing, será preciso planejamento.

Além disso, você também deve saber que um plano de SEO, geralmente, dá resultados a médio e longo prazo. Portanto, diferentemente de anúncios e links patrocinados, não espere um retorno imediato. Confira as principais técnicas de SEO que você precisa saber para uma prática assertiva:

Pesquisa de palavras-chaves

A primeira coisa que deve fazer antes de criar um conteúdo é escolher a palavra-chave que deseja classificar no buscador. Para isso, você pode utilizar ferramentas gratuitas (como o Keyword Planner, planejador de palavras-chave do Google Ads, Keyword Tool, Ubersuggest, Google Search Console e Google Trends) ou pagas (como o Semrush, Ahrefs e Moz Keyword Explorer). Em seguida, com base nos termos que outros usuários utilizam para pesquisar, o mecanismo fornece uma lista de sugestões a serem utilizadas.

Outra forma de saber o que as pessoas estão procurando é digitar no Google suas principais palavras-chaves e verificar as sugestões, com base nas pesquisas mais populares. O importante é escolher uma ou duas palavras-chaves principais para não saturar ou especificar demais o conteúdo.

Conteúdo de qualidade

Após escolher os principais termos, você deve criar um conteúdo relevante e útil para os leitores baseado neles. Pesquise outros artigos que estão bem classificados no Google, mas faça um texto original, de fácil leitura e que responda às dúvidas dos usuários.

Além disso, o ideal é investir em listas, tabelas, gráficos e formatos de perguntas e respostas, pois os motores de buscas reconhecem esses elementos que facilitam a leitura e transformam o conteúdo em algo mais relevante.

URL amigável

A URL das páginas do seu site precisa ser amigável, explicando no link o conteúdo que será encontrado. Ao categorizar a URL, você informa aos leitores onde eles estão no site ou blog e qual é o tema do texto. Portanto, nada de símbolos, números ou qualquer construção que impeça o entendimento.

Título da página

O título é uma das principais formas de chamar a atenção do usuário, sendo o primeiro passo, não só para o motor de pesquisa, mas também para o próprio leitor. Dessa forma, é imprescindível inserir nele uma palavra-chave importante para o seu negócio. E não se esqueça de que a recomendação para o tamanho do título ideal é de, no máximo, 60 caracteres, com a palavra-chave sempre no início.

Meta description

A meta description é a descrição, uma espécie de resumo que serve para dar uma prévia do conteúdo abordado de modo a atrair o leitor. E, assim como ocorre com o título, a recomendação é que ela seja simples e direta, não ultrapassando 160 caracteres. Lembrando que esse é o texto que aparece logo abaixo do título, como descrição no Google.

Adicione títulos e subtítulos

Eles contextualizam o leitor sobre seu conteúdo, além de ajudar a organizar e hierarquizar toda a informação, do mesmo modo que as manchetes nos jornais. Lembrando ainda que a marcação adequada de informações importantes, como data de publicação, autor e categoria, também ajudará a posicionar bem o seu site em resultados de pesquisa.

Insira links ao longo do texto para outras páginas do seu site, pois dessa forma você vincula um conteúdo que se relaciona com o que está abordando e fortalece as palavras-chaves internamente, possibilitando que os visitantes naveguem mais a fundo pelo site e, de quebra, reduzindo as taxas de rejeição.

Outra ação que ajuda na busca é ter um sitemap, espécie de mapa do seu site, contendo os links para todas as páginas, pois ele ajuda o Google a rastrear facilmente suas páginas e indexar o seu conteúdo

Nome das imagens e atributo alt

Não se esqueça de incluir o nome das imagens ou o atributo alt quando carregar fotos e ilustrações para o seu conteúdo, pois o Google não consegue “ver” as imagens. Ele apenas "lê" seu texto alternativo. Por isso, ao descrever adequadamente seu alt text, você está explicando ao buscador qual é o assunto daquela imagem.

Principais processos de SEO

Os três principais processos de retorno de pesquisa de SEO são: rastreamento, indexação e exibição de resultados.

Rastreamento: é o processo em que os robôs dos sites de buscas identificam as páginas para enviá-las ao índice do buscador, usando os algoritmos para definir a priorização e a frequência de indexação das páginas. Esse processo tem início com as URLs geradas a partir de processos anteriores de rastreamento e enriquecidas com os sitemaps. Conforme os robôs visitam as páginas, eles identificam links existentes e também as inclui na lista de rastreamento. Novos sites, alterações e exclusões são detectados e atualizados durante o processo.

Indexação: nessa fase, os robôs processam cada uma das páginas rastreadas para incluí-las em um gigantesco banco de dados, onde são indexadas informações como conteúdo da página, data da publicação, região da publicação, título, descrição e dados estruturados.

Exibição dos resultados: após a consulta, uma pesquisa de páginas correspondentes é feita no índice do site buscador, mostrando os resultados mais relevantes. Tudo determinado por mais de 200 fatores de ranqueamento.

Quais são os principais tipos de busca?

Ao buscar algo, as pessoas podem adotar diferentes tipos de busca para resolver suas dúvidas. Por isso, para criar suas estratégias de conteúdo e SEO, você precisa entender com qual intenção cada pesquisa é feita, para então alinhar as consultas dos usuários ao que a sua marca tem a entregar para eles. Os principais tipos de busca são:

  • Navegacional: acontece quando o usuário já sabe em qual site deseja navegar e dificilmente mudará seu destino final, mas ele utiliza o Google como um atalho para lembrar a URL completa.
  • Transacional: quando o usuário busca comprar um produto, encontrar o endereço de uma loja ou comparar preços, por exemplo. Esse tipo de busca pode direcionar diretamente para a compra, já que o usuário está com a decisão mais avançada.
  • Informacional: quando o usuário busca informações sobre algum assunto, produto ou marca. Aqui, ele ainda não sabe muito bem o que quer, diferentemente da etapa transacional.
  • Local: buscas com um componente geográfico, dentro de determinada região. Acontecem quando o usuário busca por restaurantes, cinemas, lojas, hotéis, entre outros tipos de estabelecimentos com uma localização física.

Além das listadas acima, existem outros tipos de busca, como:

  • Notícias;
  • Institucionais;
  • Músicas;
  • Buscas acadêmicas;
  • Informações pontuais (clima, data etc.);
  • Imagens;
  • Vídeos.

E, para cada tipo de busca, o Google se esforça para entregar resultados específicos. Por exemplo, em buscas transacionais, ele apresenta os resultados do Google Shopping. Já nas buscas por músicas, traz o YouTube e por aí vai. A intenção é melhorar a experiência com respostas mais ágeis e precisas.

Junto aos tipos de busca, existem também os tipos de palavras-chaves. Chamados de head tail e long tail, eles fazem referência a uma cauda e correspondem a diferentes etapas da jornada. Quanto mais na ponta da cauda a palavra-chave estiver, mais específica ela será e mais próximo da decisão de compra o usuário estará.

Head tail: essas palavras-chaves são abrangentes, genéricas e costumam ser usadas no início da jornada de compra. Geralmente, esses termos apresentam um alto volume de buscas, o que tende a gerar bastante tráfego, mas também atrair um público muito amplo, com poucas chances de conversão.

Long tail: também chamadas de cauda longa, são mais específicas e costumam ser usadas no final da jornada. Nessa altura, o consumidor já pesquisou melhor sobre o que precisa para resolver sua necessidade e conhece melhor as soluções, mas ainda busca informações para tomar sua decisão final. Diferentemente do head tail, as palavras-chave de cauda longa não tendem a gerar tanto tráfego, por terem menor volume de busca e atraírem visitantes que estão mais maduros para a compra e tendem a gerar mais conversões.

Como o algoritmo do Google funciona

Atrair clientes não acontece por um passe de mágica, embora os resultados obtidos de um bom posicionamento nos motores de busca sugiram isso. Mas, para chegar lá, é essencial que sua estratégia contemple ótimas técnicas de SEO, adequando os seus conteúdos aos algoritmos dos mecanismos de busca.

Mas o que nem todo mundo sabe é que o Google faz mudanças constantes em seus algoritmos, com o objetivo de melhorar a experiência do usuário. Inclusive, a experiência é tão importante que existem diversos recursos da ferramenta que diminuem a autoridade de sites que utilizam práticas de manipulação para conseguir boas colocações nas pesquisas.

Por isso é tão importante você saber como funciona o maior buscador do mundo para se preparar e otimizar o seu site para alcançar posições de destaque nas pesquisas.

Como a quantidade de informações disponíveis na internet são quase imensuráveis, para que os usuários possam encontrar facilmente as respostas para o que procuram, o Google criou sistemas de classificação, compostos por diversos algoritmos. Além disso, o buscador aplica um peso diferente a cada fator, levando em conta a natureza da consulta.

Em cada busca, o Google organiza os conteúdos em um ranking que oferece as melhores respostas nas primeiras posições, sendo que os três primeiros links orgânicos recebem cerca de 30% dos cliques. Entre os principais fatores que servem para determinar quais resultados aparecem para os usuários, os cinco principais são:

Análise de palavras

Quem nunca ouviu o ditado popular “escolha bem suas palavras”? Além de um excelente conselho para vida, ele se encaixa perfeitamente nessa situação, pois o Google possui uma tecnologia capaz de entender as sutilezas em nosso vocabulário, até mesmo reconhecer significados, mesmo com erros de digitação. Dessa maneira, quando um usuário pesquisa termos e palavras específicas, consegue receber exatamente o que deseja.

Correspondências de pesquisa

Segundo o próprio Google, quando você pesquisa algo, não está à procura de um site que repita a palavra centenas de vezes, mas sim que contenha o conteúdo referente a sua consulta. Por isso, as palavras-chaves utilizadas nos conteúdos são muito importantes para o ranqueamento.

Classificação de páginas úteis

A preocupação do Google é mostrar páginas com boa reputação, que possuem outros conteúdos de qualidade para o usuário ou já estão com alguma página em boa colocação em seu ranking. Aqui os pontos considerados são aqueles que agregam na experiência do usuário, entre eles:

Pontos para ter uma boa colocação no ranking do google.

Exibição de melhores resultados

Tentando garantir que todos os usuários tenham acesso às informações de maneira positiva, o buscador avalia se o conteúdo é completo, se a página possui responsividade para dispositivos móveis e se o mesmo padrão de qualidade atende diferentes navegadores e velocidade de conexões de internet.

Interpretação de contexto

Esse fator possui grande relação com a personalização da experiência do usuário, pois quem permite que a ferramenta tenha acesso a sua localização (por exemplo, o Google) consegue indicar resultados que façam mais sentido para seus perfis.

Ao longo deste guia, você pôde perceber todas as variáveis para executar uma estratégia de SEO, conforme as melhores práticas. Mas lembre-se sempre de que um conteúdo de qualidade é um dos ativos mais valiosos para obter relevância nos mecanismos de busca.

Agora que você já sabe o que é preciso, que tal implementar todas as ações em sua empresa e gerar tráfego orgânico, atrair visitantes e iniciar um relacionamento com eles?

Como você deve ter notado, ele pode parecer um tanto desafiador em um primeiro momento, mas é necessário persistir e aprimorar as suas páginas. E ter um conhecimento básico de programação pode ajudar muito nesta jornada, te fazendo compreender sobre o funcionamento de todos esses algoritmos do SEO na prática.

A Digital House pode ajudar você nessa caminhada. Com o curso de Desenvolvimento Web Full Stack, que capacita o(a) aluno(a) a criar sites e sistemas web, utilizando diferentes linguagens de programação. Com aulas online, 100% ao vivo e ministradas por professores especialistas que estão no mercado.

Além disso, a DH conta com o departamento de Carreiras, onde os(as) alunos(as) podem acessar diversos conteúdos exclusivos sobre suas jornadas. Inscreva-se agora mesmo e garanta o seu futuro profissional!

E-Book Guia Full Stack Developer. Descubra como é a jornada de um dev full stack. Baixe agora!