Roadmap de produto: como fazer para construir um de forma eficiente

Roadmap de produto: como fazer para construir um de forma eficiente

Para que você entenda o que é um roadmap de produto da maneira mais natural, pense em um guia visual, meio mapa do tesouro. A diferença é que o “baú”, do final da história, aqui é o melhor caminho que sua empresa vai tomar para lançar um novo produto ou projeto.

Um roadmap estratégico é fundamental para alcançar objetivos e agregar valor ao negócio durante a jornada. Acompanhe o caminho que traçamos neste artigo, com a colaboração do nosso professor e especialista no assunto, Rafael Burity, e entenda para que serve esta valiosa ferramenta.

O que é roadmap de produto?

Na árdua - e incrível - jornada do lançamento de um produto ou em um projeto, o roadmap ajuda a organizar toda a trajetória necessária para atingir determinado objetivo.

Essa ferramenta dá uma visão geral de cada ação e oferece as direções que devem ser tomadas. Prática, como o próprio nome já sugere, o roadmap utiliza recursos visuais, para que todos se situem em uma espécie de  mapa.

Pra que serve o roadmap?

Então, qual o objetivo principal de utilizar um roadmap de produto? Justamente manter você e sua equipe focados, com acesso às melhores direções para conquistar o target.

Ele deve ser elaborado no momento em que um novo produto ou projeto é idealizado, e continuar a ser usado, mesmo após o lançamento do produto, com as seguintes informações bem claras: seu mercado, seu público, prazos, recursos, responsáveis e tarefas por ordem de prioridade.

“Todo processo de construção de produto tem como ingredientes fases de discovery, definição de MVP(Minimum Viable Product) e junto a priorização de features através de um roadmap. Se formos olhar de forma bem crítica, tanto o MVP quanto o roadmap são parte integrante do discovery, porém já em fase final, sendo, sem dúvida, um momento de grande desafio”, explica Burity, que frisa a relevância da visão 360 graus do projeto.

“Estamos falando em dividir um conceito, ou uma ideia, em uma lista priorizada de itens ainda pendentes e, assim, pensar nos próximos possíveis lançamentos. Só com uma visão geral do produto é que podemos nos guiar diante das interações com usuários”.

Exemplo de roadmap de produto

Saber para que serve o roadmap no conceito ajuda. Mas, nada como exemplos, não é mesmo? Durante a estreia de um novo produto ou projeto, o responsável precisa administrar muitas atribuições, como divisão de tarefas entre os envolvidos, prazos e atividades.

E, seguindo nosso exemplo do mapa do tesouro, uma ilha deserta é imensa e uma sequência de ações para a busca pode dar mais segurança, para que tudo saia conforme o esperado - achar o tesouro.

O roadmap estratégico sincroniza essas diferentes perspectivas, organizando informações para que você priorize e mensure os resultados, garantindo que as tarefas sejam realizadas de maneira a que todas as ações sejam cumpridas.

Roadmap: como fazer

A construção do roadmap deve se concentrar nos próximos incrementos que você deve entregar como equipe. Não importa se é um produto sendo construído do zero, ou se já em uso pelo cliente, você precisa encontrar as técnicas ideias para a sua realidade que o ajudem nessa tarefa.

“Saiba que perguntar para os stakeholders se uma funcionalidade é importante não vai lhe dar as informações necessárias para uma priorização. O ideal, é que seja analisado o nível de prioridade de cada item”, explica o professor.

Logo, use os problemas de usuário mais urgentes como suas diretrizes prioritárias, em vez de opiniões pessoais sobre ideias de recursos favoritos, assim como na sua estratégia de produto ou os objetivos e resultados-chave (OKRs) da empresa.

Podemos concluir que o Discovery, backlog, estratégia de produto e roadmaps estão relacionados. E, para tirá-lo do papel a dica do Burity é que se compreenda um roadmap além de algo baseado em tempo, como no modelo em cascata que se assemelha a um cronograma, pois, quando falamos de uma cultura ágil, o interessante é que ele seja organizado em temas.

Dessa maneira, você priorizará iniciativas mais amplas, em vez de conjuntos de recursos fixos, reconhecendo o aumento da incerteza, à medida que se olha para o futuro.

“O roadmap não tem como objetivo ser preditivo, ou adivinhar o que vai dar certo. O uso de roadmaps precisa facilitar as conversas e ser o mais direcional possível com o time, tendo consciência que tudo pode mudar”, completa.

Assim, podemos dividir um roadmap em três categorias:

NOW - No que você está trabalhando atualmente;

NEXT - O que você vai trabalhar em breve e que vai estar em discovery;

LATER - O que você gostaria de trabalhar no futuro, mas precisa pesquisar um pouco mais antes de seguir em frente.

Tipos de roadmap

A definição de um formato depende das particularidades desse projeto. Não há um ideal. Mas, vamos citar alguns utilizados no mercado para que compreenda a dinâmica e propósitos.

Roadmap de software

O roadmap de software é muito comum, pois parte de uma análise mais profunda sobre o levantamento das necessidades do mercado.

Com ele, após os aprendizados obtidos, é feita a descrição do produto e de sua arquitetura, seguida do desenvolvimento em si. Depois, há um período de testes para que, finalmente, o software seja lançado no mercado.

Roadmap tecnológico

Já o roadmap tecnológico, funciona bem quando a empresa precisa atingir um objetivo em longo prazo. Ele permite aplicar a tecnologia de forma correta e estratégica, ajudando em questões técnicas e que exigem diagnóstico mais preciso.

Roadmap de coaching

No roadmap de coaching, o foco é o desenvolvimento pessoal. Partindo do cenário atual, a ferramenta serve para traçar atividades que precisam ser realizadas para o desenvolvimento daquele profissional, como soft skills ou em uma transição de carreira.

Roadmap de produto template

Você já sabe o que é roadmap, para que funciona e já teve dicas do especialista para os primeiros passos. Agora, chegou a hora de tentar fazer um template do zero.

Separamos alguns direcionamentos para te ajudar.

Tenha claro seu objetivo estratégico

Na analogia inicial, todo mapa do tesouro precisa do X bem explícito, certo? No roadmap, também. A ele damos o nome de objetivo estratégico. Ele precisa ir direto ao ponto. Por exemplo: aplicativo pronto para rodar na data xyz.

Investigue os problemas e a visão do produto

Pesquise o que representa a solução para as pessoas que vão usar aquele produto. Na sequência, alinhe as necessidades dos clientes aos objetivos da empresa. Aí que está a tão falada “visão do produto”.

Ela é a idealização do que o produto deve ser/fazer para ser lançado no mercado e prosperar. Neste ponto, pesquisas de mercado, testes AB, tendências de consumo e de comportamento são importantes.

Tenha conhecimento sobre todos os prazos e recursos necessários

Defina quem serão os responsáveis por cada uma das atividades, quanto tempo eles vão levar para isso e os investimentos ao longo do período.

Com isso, você tem controle sobre a viabilidade do projeto e evita prejuízos.

Revise seu roadmap com frequência

Crie uma periodicidade para rever a trilha de seu roadmap e lembre-se de que ele não deve ser algo imutável. Pelo contrário, precisa ser aprimorado conforme o desenvolvimento do projeto, no caso de novas funcionalidades do produto não estarem alinhadas ao objetivo, por exemplo.

Seja um Product Manager

O roadmap é uma ótima ferramenta para guiar projetos e fundamental no dia a dia de um Product Manager. Mas, só faz sentido se o negócio tiver os objetivos muito claros, orquestrados por um PM que tenha segurança para esta tarefa.

Na Digital House você pode se tornar um Product Manager de sucesso. Nosso curso passa por todas as habilidades que este profissional precisa ter, incluindo metodologias ágeis e desenvolvimento de soft skills. Vamos nessa?

Foto dp professor Rafael Burity e uma descrição sobre sua carreira que é Especialista em transformação digital com foco em inovação, pesquisa, experiência do usuário e design thinking na área de Discovery e UX.


Leia mais no blog DH:

+ Gestão remota: como manter times engajados em tempos de home office?

+ Futuro do trabalho: o que a tecnologia não substitui?

+ Foco no cliente: entenda o que é um negócio customer centric

E aí, já segue a gente no Twitter? Vem pra rede, vamos conversar sobre habilidades digitais! ;)