MENU

| BR

Campus

Cursos

Programas Executivos

Paises

Representatividade no mercado: como podemos, juntos, dar voz e poder aos profissionais negros

Representatividade no mercado: como podemos, juntos, dar voz e poder aos profissionais negros
#Marketing
#Carreira
3 de setembro - min de leitura

Projetos de inclusão e representatividade negra estão em alta, mas as empresas realmente estão tirando do papel e acreditando nas mudanças? Convidamos nosso ex-aluno, Gregory Lima, para mostrar a sua visão sobre o tema e atual cenário.


Protagonistas. Palavra forte e representativa. Por esta razão, ela é o tema do programa de bolsas de estudo da Digital House, voltado a pessoas negras que busca aumentar a representatividade no mercado.

O mercado de trabalho carrega a marca do preconceito racial e das barreiras sociais por séculos, e para entender o impacto do passado nos dias de hoje, convidamos nosso ex-aluno, Gregory Lima de Souza, a responder questões pertinentes a esse tema, tão importante e necessário.

Falando sobre representatividade no mercado de trabalho

DH - Atualmente, quais as principais barreiras a serem derrubadas em relação ao preconceito racial no mercado de trabalho no digital?

Primeiramente, se fazer existente nas periferias (onde é maior concentração do povo preto). É difícil falar que existe o mercado de tecnologia lá, quando em boa parte desses lugares as empresas do setor não se fazem presentes. Tem muito local que não funciona um aplicativo de entrega de comida, ou transporte. Poucas pessoas sabem o que é uma fintech.

Por exemplo, como dizer que há uma vaga na empresa X para um determinado grupo, se ele não sabe que essa empresa existe?

Além disso, outras coisas têm que acontecer, como a consciência de líderes sobre o racismo estrutural, a importância do papel dessas lideranças para diminuir os abismos sociais e das empresas em entender a importância da diversidade em todos os níveis hierárquicos.


DH - Qual tipo de ação você acredita ser importante para derrubar estas barreiras?

- Discussões e treinamentos internos sobre o tema;

- Assumir compromissos com a sociedade em relação ao racismo (KPIs, comitês de diversidade e metas);

- Buscar profissionais diversos (diferentes faculdades, perfis demográficos etc).

DH - O mercado digital está mais adepto a respeitar e integrar diversidades e minorias que os demais ou é similar?

Aparentemente, o respeito às diferenças pode ser melhor visto no mercado digital. Porém, quando se trata de integração e compromisso social, boa parte das empresas – digitais e tradicionais – estão muito aquém do necessário. Se isso não fosse verdade, já teríamos dado passos mais largos em relação à representatividade de gênero, raça etc.

DH - Quem são os profissionais negros que você tem como representante/referência?

Nina Silva, Lázaro Ramos, Emicida, Rachel Maia, Luana Genot.

DH - Como foi sua experiência de ensino na DH?

Eu fui bolsista na DH. Consegui a bolsa através de uma parceria do Movimento Black Money. Eu estava em um período de transição de carreira, saindo do mercado tradicional da logística e arriscando no digital como programador.

Se hoje estou trabalhando como programador em uma empresa legal, um dos motivos foi ter feito o curso de programação Full Stack na DH, por meio dessa bolsa.

O relato do Gregory retrata o que as pesquisas afirmam. Segundo BID e Ethos, negros e mulheres ocupam menos de 20% dos cargos altos das empresas.

Pensando em mudar este contexto, a DH traz o programa de bolsas para o curso de Marketing Digital, voltado a pessoas negras.

Nele, você aprende a desenvolver estratégias, com especialistas, contando com as melhores ferramentas para implementar um plano de marketing online, usando as mídias sociais com eficiência na conversão de visitantes em clientes.

Na Digital House ainda temos o departamento de carreiras, a área presta todo o suporte necessário para o aluno conseguir suas primeiras oportunidades de trabalho, recolocação no mercado ou concluir uma transição de carreira.

Ocupe seu lugar de direito, seja protagonista da sua carreira. 

Outras notícias

Como começar em UX Design e entrar para a área de User Experience img
#UX

Como começar em UX Design e entrar para a área de User Experience

A principal dúvida que ronda a cabeça de quem está querendo se tornar um profissional de User Experience é como começar em UX Design.Como em qualquer carreira, a hora de iniciar ou migrar para uma área nova é difícil e envolve diversos fatores. E por mais que as vagas em UX só aumentem, assim como os salários e a visibilidade, faz bem entender tudo sobre User Design para se sentir seguro sobre a escolha.Como começar em UX Design - um panorama sobre o mercado atual É possivel migrar para UX Design independente da sua atual profissão, hoje o maior movimento para a área são de designers, visto que estes profissionais já tem alguma familiaridades com User Experience.Embora grana não seja o fator decisório de uma escolha profissional, sabemos que conta bastante, e o salário médio de um UX designer é de R$ 4.549 / mês.Além disso, a demanda é grande. A tendência é que este boom seja ainda maior nos próximos 30 anos, segundo estudo da NN/g.E por quê?  Simples, esta é uma área extremamente estratégica, onde esses profissionais ajudam empresas a ter uma visibilidade planejada, perspectiva mais atrativa aos olhos do usuário, e, consequentemente, maior presença online. Por essa razão, muitos designers migram para a área, pela abrangência e relevância dela no mundo Digital First em que vivemos.Dicas para migrar para UX DesignCrie uma rotina de pesquisa e leitura sobre a áreaO primeiro passo que vai te ajudar a entender como começar na área de UX Design é estar em contato diário com com profissionais e comunidades para entender os desafios e as melhores referências no assunto.Assim, você vai saber como é o dia a dia de um UX designer, além de todas as possibilidades de atuação dentro das áreas de UX.O que um UX Designer precisa saber?É importante que você identifique, desde já, três atividades que contribuem para que a rotina de um UX designer seja mais assertiva: pesquisa com usuário, design de interação e arquitetura de informação. De qualquer forma, a área de UX é muito maior que estas pontuações e você poderá atuar em:➜ UX Strategist;➜ Usability;➜ Product Owner;➜ UX Writer;➜ UX Research;➜ User Interface.Siga grupos nas redes sociais e faça um upgrade do seu LinkedInPara estar mais a par da área, faça parte de comunidades de UX, fale sobre o tema no seu LinkedIn e troque figurinhas com quem já está trabalhando com User Experience. Algumas das nossas sugestões são:Sugestões de grupos de UX:UXPASP: a Associação de Profissionais de Experiência do Usuário é um espaço de apoio para todos os UX Designers do estado. Por lá você encontra informações sobre a área, próximos eventos e troca de experiências;Ladies That UX BR: uma comunidade informal totalmente #girlpower. Mulheres talentosas que atuam na área e estão de braços abertos para receber outras profissionais que buscam entrar para UX;Jovens UX/UI: um encontro no LinkedIn daqueles que estão buscando respostas sobre como começar em UX Design. Bem-vindo, UX Júnior!Por falar em LinkedIn, é importante que seu perfil esteja atualizado por lá. Siga empresas e profissionais que admira, consuma suas opiniões, tendências e não se esqueça de criar um bom perfil para o LinkedIn.Para o UX designer, esta rede facilita na divulgação do portfólio de UX, pois mostra às empresas o seu trabalho e a linha de raciocínio utilizada para resolver os problemas, ou seja, sua personalidade profissional.Ok que você está começando e não tem nada concreto para mostrar. Mas pode utilizar projetos ilustrativos que demonstrem sua capacidade de resolução e criatividade.Não tenha receio sobre seu backgroundPossuir experiências anteriores diferentes, ou seja, um background diverso, é um ponto positivo para quem se pergunta como começar em UX Design. A área permite essa diversidade, por exemplo, alguém que tenha trabalhado em um call center pode agregar esse conhecimento na comunicação e na empatia na hora de aplicar testes com usuários.Desenvolva soft skillsEssas habilidades comportamentais ajudam na concretização de entregas mais ágeis, melhores resultados em todas as fases do projeto e no relacionamento com o time. Por isso é tão importante conhecer as soft skills de um UX Designer. Inclusive, veja alguns exemplos abaixo:➜ Comunicação assertiva e clara;➜ Colaboração;➜ Autonomia;➜ Trabalho em equipe;➜  Empatia;➜  Curiosidade.O que é curso de UX?Em UX, ser autodidata é quase uma regra, mas o aperfeiçoamento por meio de um curso específico da área é muito importante e valorizado pelas empresas contratantes.A Digital House tem um curso de UX atualizado e completo sobre esta nova profissão. Nele, você aprenderá a fazer pesquisas com usuários, analisar modelos mentais e otimizar resultados que geram impacto nos negócios, além de criar protótipos, fazer testes de usabilidade e análise heurística para melhorar interfaces.Um diferencial importante da escola é o Departamento de Carreiras, liderado por Andrea Tedesco, profissional que te ajuda a realizar uma transição de carreira com sucesso!Leia mais no blog DH:+ Guia de Product Discovery: passo a passo e importância do processo para o seu Produto+ Etnografia no UX: como entender a relação do consumidor com produtos e serviços+ Prototipagem: 5 ferramentas de prototipação que você precisa conhecer

Gestão remota: ferramentas de gestão de equipes e dicas de liderança img
#Marketing

Gestão remota: ferramentas de gestão de equipes e dicas de liderança

O ano de 2020 reuniu inúmeros desafios para os profissionais, incluindo lideranças, aprendendo a lidar com gestão remota, da noite para o dia, e ainda serem assertivos em suas decisões.Uma equipe remota precisa de ferramentas, para ser produtiva, precisa de comunicação clara e objetiva, alinhamento regular entre os envolvidos e uma boa gestão para facilitar e orientar o trabalho do time.Para ajudar a gerenciar uma equipe, preparamos este artigo, com algumas dicas práticas para incrementar na sua rotina, assim como ferramentas de gestão de equipes para automatizar processos.  Gestão remota: como manter a produtividade da equipeSeparamos seis dicas objetivas para manter seu time unido, embora separado, inclusive no alinhamento das demandas e propósito da empresa.Reuniões objetivasMesmo tendo telefone, WhatsApp e outros recursos de chat, use serviços como Zoom e Google Hangouts para que as pessoas se vejam e faça bom uso das metodologias ágeis nesses bate-papos. Adeque a frequência, conforme as necessidades, determinando uma agenda ok para todos. E que elas sejam breves, para não atrapalhar, ao invés de ajudar. Anote os pontos a serem discutidos e peça para que todos façam o mesmo, antes da reunião.Tecnologias que encurtam distânciasEscolha as ferramentas que atendam as suas demandas, não apenas as tradicionais, como o e-mail e as mensagens de WhatsApp. O Asana é uma ferramenta de comunicação em grupo, baseado em nuvem, que evita os montes de e-mails trocados. Já o Trello é uma plataforma de gerenciamento e organização de tarefas individuais ou em equipe. Seu funcionamento básico consiste em quadros, incluindo objetivos, que são distribuídos entre colunas. Possui muitas opções de customização e pode se adaptar, conforme as demandas de cada usuário.Há também o Buffer, voltado principalmente para as áreas de comunicação e marketing, pois permite gerenciamento de redes sociais e publicações programadas com antecedência.Se você precisa saber mais sobre ferramentas que facilitam o trabalho remoto, temos um guia de ferramentas para otimizar seu home office que traz muitas opções e ainda explica o uso delas em diferentes contextos.Na gestão remota: ajuste as expectativasAjude a equipe a organizar o que eles devem fazer e crie expectativas realistas para o trabalho deles. Isso também se aplica a você, gestor. Diga claramente quais são as tarefas e as motivações por trás delas, e ajude os funcionários a entender exatamente como o sucesso será medido. Defina escopo, entregas e datas para cada tarefa do projeto.E não se esqueça da cultura de feedback, uma gestão remota também precisa impulsionar este hábito mesmo que virtualmente.Foco nos resultados da equipe, e não em cada atividadeEsta nova configuração do mercado de trabalho evidencia como não ser possível administrar todos os aspectos do trabalho não é o fim do mundo.Se concentrar na atividade ou no número de horas trabalhadas passa a não ser uma prioridade da gestão, mas sim prestar atenção nos resultados, usando suas métricas de sucesso apoiadas nisso.Assim, você demonstra a sua equipe que autonomia tem muito a ver com responsabilidade e foco.Providencie os recursos necessáriosImportante ter atenção se os recursos tecnológicos ao seu time são supridos, como computadores, software, dispositivos móveis ou até conexão de banda larga. Lembre-se de que a responsabilidade de fazer essa checagem é sua, que representa a empresa para eles, seus valores e missão.Gestão remota requer resiliência e empatiaEis um ano para desenvolver soft skills, não é mesmo? Uma boa gestão remota, especialmente nas condições atuais, olha para a produtividade das pessoas com mais resiliência. Permita a seu time liberdade e flexibilidade de fazer o trabalho em uma rotina mais saudável. Lembre-se: o foco é a excelente entrega, e não o período do “expediente”.No blog da DH você encontra conteúdos focados em liderança, negócios, e claro, habilidades digitais. Com a gente, você também consegue fazer uma Imersão em Transformação Digital e se tornar um profissional ainda melhor.Leia mais no blog DH+ Dica dos especialistas: 5 livros inspiradores sobre transformação digital+ Futuro do trabalho: o que a tecnologia não substitui?+ Foco no cliente: entenda o que é um negócio customer centric

Catálogo com mais de 40 APIs mais usadas por desenvolvedores img
#Tecnologia

Catálogo com mais de 40 APIs mais usadas por desenvolvedores

Nem sempre os usuários se dão conta de sua existência e benefícios, mas elas estão lá, facilitando a vida de todos. Porém, se soubéssemos quais as APIs mais usadas por desenvolvedores, provavelmente seria mais fácil reconhecer sua relevância.Application Programming Interface (em português, Interface de Programação de Aplicações) pode não ser lá muito popular por nome - API - mas, torna a experiência do usuário(UX) em sistemas e sites muito mais satisfatória, segura e completa. Pensando nisso, neste artigo, convidamos o professor de programação, Leonardo Carvalho, para nos contar um pouco sobre as APIs mais utilizadas atualmente e qual o motivo desta popularidade toda.APIs mais usadas por desenvolvedores e sua importânciaMuitos dos apps usados todos os dias acessam diversas APIs. Graças a elas, podem oferecer diversos serviços, tais como pagamentos, mapas, armazenamento na nuvem, redes sociais etc. Leonardo Carvalho cita abaixo algumas delas, divididas por categorias, contextualizando a experiência:Logins com redes sociaisPara evitar o desgaste do usuário em ter que se cadastrar em todo santo app, site e sistemas, é possível usar logins de terceiros, como o das redes sociais. “Geralmente, são usados em redes sociais, mas não se limitam a elas. O Facebook Login é o mais utilizado mas, temos, também, Google, Twitter e Apple (esse último é obrigatório, caso você desenvolva apps para dispositivos da Apple e tenha login com outras redes). Além destes, existe o GitHub, GitLab, Slack, Discord e Jira”, explica o professor.Logins com redes sociais aceleram a criação/login de perfis no seu app, fazendo com que a experiência do usuário seja mais fluida possível. Dessa forma, possíveis KPIs do app podem ser melhoradas com elas.MapasDesde os primórdios, pessoas precisam memorizar caminhos para chegar aos lugares ou usar um mapa. O problema é que esses mapas geralmente são extensos, desatualizados e de difícil manuseio. Mas, não hoje em dia, como diria a música, ponto para a internet.Aí que entram APIs interessantes, como as focadas em mapas. “Sem dúvida, entre as APIs mais usadas para mapas está o Google Maps. Dá para determinar rotas, distâncias, encontrar locais, criar mapas personalizados, geolocalização. Além da API do Google, tem o Bing Maps, Here Maps (um dos mais atualizados do mundo, na minha opinião), Apple Maps e OpenStreetMaps” enfatiza.Bônus de mapas: CEPLeonardo Carvalho explica que, se não fossem as APIs de CEP, a chatice e demora em preencher cadastros em sites e sistemas no Brasil, campo por campo,seria uma realidade não muito prática.Para consultar dados relacionados aos CEPs, é possível usar o serviço do ViaCEP, Buscar CEP e WebmaniaBR. ClimaSe antes, dependíamos da previsão do tempo fornecida pela TV, rádio e jornais diários, hoje temos aplicações completas para clima, com dados detalhados, que podem ser utilizados, por exemplo, em aplicações agrícolas, planejamento logístico ou mesmo para saber quando lavar roupa.Entre as APIs mais usadas, o professor cita o OpenWeatherMap API, Climatempo, HG Weather e CPTEC/INPE.Pagamentos“Não dá para falar de internet sem pensar nas possibilidades de compra online que existem atualmente”, enfatiza o especialista, pois, em tempos de pandemia, seria impossível a existência de apps de delivery, marketplace e supermercados, com a devida segurança e distanciamento social, sem a existência dos serviços de pagamentos online.Entre eles, é possível citar:➜ Mercado Pago➜ PagSeguro➜ PayPal➜ GerenciaNet➜ Wirecard (anteriormente Moip)➜ Vindi➜ Ebanx➜ PagBrasil (e sua tecnologia Boleto Flash)➜ StripeArmazenamentoO professor ressalta que uma das revoluções trazidas pela internet foi a possibilidade de guardar arquivos em servidores e poder acessá-los de qualquer lugar, por meio de uma interface customizada. E essa é uma das possibilidades com as APIs de armazenamento em nuvem. “Entre muitas, as que mais se destacam são a do Google Drive e Amazon S3. Ambas possuem interface própria para realizar o armazenamento e recuperação dos dados via app ou web, mas também permitem o uso através de APIs.”Carvalho cita ainda outros serviços, como Google Cloud Storage (o Drive é focado em usuários domésticos e esse no uso em escala), Azure Storage, OneDrive e Dropbox.Informações financeirasEnquanto você lê este artigo, milhares (senão milhões) de transações financeiras estão acontecendo em algum lugar do mundo, seja no mercado tradicional dos bancos, na economia digital ou no mundo das criptomoedas. “E, para acessar informações sobre os valores transacionados pelo mundo, usamos (adivinhe só) APIs do mercado financeiro. Aqui, o destaque é para a API do Yahoo, com o serviço Yahoo Finance. Outras muito utilizadas são Currency Layer, o Open Exchange Rates, APIs da B3 e a HG Finance API”, explica.APIs mais usadas para informações CovidUma das APIs mais usadas por desenvolvedores, principalmente nos últimos tempos, são as relacionadas com a Covid-19.O professor conta que, no Brasil, o destaque vai para o admirável trabalho do Turicas, o Álvaro Justen (e muitos outros), no Brasil.io. Os dados desta API gratuita são provenientes das 26 Secretarias Estaduais de Saúde e da Secretaria de Saúde do Distrito Federal. Compilados, eles fornecem informações de casos para análise, consolidadas e detalhadas, sobre a doença em território nacional. Conta com a documentação aberta, que pode ser editada por aqueles que queiram contribuir com o projeto. “Ainda em terras tupiniquins, tem a COVID-19 Brazil API. Olhando para os dados globais, há a COVID19 API, o Bing COVID-19 Data (com os dados organizados neste incrível mapa interativo), a  NovelCOVID API e muitos outros, disponíveis nesta página especial do Postman”.Caso você tenha se interessado pelas mais pedidas, globalmente falando, a startup americana RapidAPI (um marketplace de APIs) listou as 50 APIs mais utilizadas por seus clientes. Já em terras brasileiras, a startup LinkAPI fez o mesmo serviço por aqui. Vale a pena conferir.O catálogo de APIs que impulsionam a experiência do usuário é extenso, mas este é apenas uma das habilidades desejáveis dentro da área de programação. Caso queira se especializar no mundo dos códigos, invista em um curso de Web Full Stack completo para aprender na prática o que o mercado procura.