MENU

| BR

Campus

Programação

Marketing

UX

Dados

Negócios

Paises

Primeira edição do C-Summit reune mais de 150 executivos na Digital House

Primeira edição do C-Summit reune mais de 150 executivos na Digital House
carreira
12 de junho de 2019
  -  
-min de leitura

Cultura como impulsionador da inovação foi tema do evento


Na primeira edição do C-Summit realizado no dia 10 de junho, Fred Trajano começou o dia nos impressionando sobre a transformação da Magalu para enfrentar o que está por vir. Em seguida tivemos uma "aula" sobre inovação do Pedro Waengertner, CEO da ACE Aceleradora. Ainda ouvimos Eduardo L'Hotellier, fundador e CEO do GetNinjas, e fechamos o dia com um painel com duas grandes empresas que estão avançando em sua transformação digital. Marcelo Tabacchi, CEO da Faber-Castell, e Vanessa Cordaro, Diretora Executiva de RH da AstraZeneca, compartilharam como duas grandes multinacionais estão tomando a liderança em revolucionar não somente a operação local. Confira os principais insights da primeira edição do C-Summit. 

Fred Trajano do Magazine Luiza

Segundo Fred Trajano, CEO do Magazine Luiza, a transformação digital para o Magazine Luiza é partir do varejo tradicional com uma área digital para uma plataforma digital com pontos físicos e calor humano. Ele explicou cada um desses 3 elementos: A plataforma digital é criada a partir do LuizaLabs, um grupo de quase mil profissionais de tecnologia com conhecimento acumulado, já tendo criado mil aplicativos. Esse grupo vem crescendo e acumulando novas competências. Há 2 anos atrás existiam apenas 5 cientistas de dados, hoje já são 50. Fred afirma que o LuizaLabs tem um papel cultural importante na transformação da empresa, inclusive de contaminar as outras áreas. Pontos físicos são ativos importantes para o Magalu e um diferencial versus a competição puramente online. Para Fred, a evolução na transformação deve respeitar o legado: "A loja tem que tocar na banda e não ver a banda passar". Um importante destaque é identificar os principais ativos e quais podem alavancar a experiência digital. Além das lojas, um desses ativos é a operação logística, que teve seu modelo reformulado e otimizado para cada caminhão reabastecer lojas, entregar mercadorias para pick-up in store e na casa dos clientes. "Ainda não entregamos em 30 minutos como já se faz na China, mas estamos evoluindo bastante". Por calor humano Fred destaca a importância da cultura, de pensar fora da caixa e não ter medo de errar. As pessoas são empoderadas a agir com autonomia colocando o cliente em primeiro lugar. Cada loja tem uma fanpage no Facebook para postar videos gravados pelos próprios funcionários, usando a "linguagem do povo, a linguagem daquela cidade". Um participante do evento perguntou como eles conseguiram fazer a transformação da cultura. Fred respondeu que "a gestão de pessoas é uma agenda do CEO". Foco nas pessoas e na cultura são fundamentais para o sucesso de uma grande organização. Ao fazer a transformação digital, tenha em mente o problema que você quer resolver. No caso do Magalu, um cliente demorar 45 minutos para fazer uma compra na loja era um problema. A visão é chegar em 1 minuto. Hoje, com novos processos, novas ferramentas, e funcionários ágeis e conectados, as vendas são feitas em 2 minutos.

Pedro Waengertner da ACE Aceleradora

Pedro Waengertner, CEO da ACE Aceleradora, apresentou os seis princípios da inovação radical:
  • Inovação é design organizacional;
  • Gestão ágil;
  • Mate seu próprio negócio;
  • Pensamento de investidor;
  • Trabalhar com parceiros;
  • Cliente.
Cultura também foi um dos principais temas. Segundo Pedro “existe um gap enorme entre o mindset que as pessoas precisam para inovar e como as pessoas estão acostumadas a trabalhar”. Inovação está muito ligada a execução, e obviamente paredes coloridas, puffs e mesas de ping pong não são catalisadores. As empresas precisam transformar inovação em valor, e existe muito valor sendo criado por startups em garagens na casa dos pais de recém-formados. "Inovação não é tecnologia. Quem inova são as pessoas". Para Pedro o app do Magalu é um sintoma de um jeito diferente de pensar, não é uma causa. É um grande erro achar que ao se criar um app a empresa passa a ser digital. Esses princípios de inovação são detalhados em seu recém lançado livro "Inovação Radical". É uma ótima leitura, recomendo.

Eduardo L´Hotellier do GetNinjas

Eduardo L'Hotellier contou uma experiência frustante que teve quando precisou contratar um pintor em 2010. Recorreu a indicações do zelador do prédio e anúncios de classificado. Depois de gastar muito tempo tentando laçar um profissional, o serviço não ficou bom e ele se viu refém da situação pois não tinha para quem reclamar. Eduardo sabia que muitas pessoas também passam por isso ao contratar profissionais para serviços em casa, daí surgiu a ideia de criar o GetNinjas. Hoje a empresa conta com um time de 90 pessoas e está organizada em células de times ágeis que focam por exemplo na experiência do contratante e na experiência do profissional. Mas no começo, quando era apenas ele e algumas poucas pessoas, as coisas eram bem diferentes. Não existia uma preocupação muito grande com escalabilidade do negócio, o foco era em fazer o modelo dar certo e em aprender com os erros. O negócio do GetNinjas depende de clientes acessando a plataforma para contratar profissionais, e de profissionais cadastrados e disponíveis para realizar serviços. Esse efeito de rede gera benefícios para o dois lados, mas o "problema do ovo ou a galinha" é um desafio no começo. No início, quando um cliente solicitava uma profissional, recebiam a mensagem "nossos robôs estão procurando um profissional para você". Eduardo conta que na verdade essa interface era feita pela Integração Estagiário, um time de estagiários cuja missão era ligar para pintores, encadores, eletricistas, e convencer os profissionais que a plataforma era séria. Eduardo falou também sobre a escolha do time e de alguns erros que cometeu. Disse que as primeiras contratações fez puramente baseada na experiência profissional, considerando as aspectos técnicos. O aprendizado foi que a escolha do time em uma startup deve envolver tanto a parte técnica quanto os objetivos pessoais. "Você vai passar muito tempo com algumas poucas pessoas, é importante ter objetivos comuns de longo prazo. Eu teria conversas mais longas antes de contratar. Conversas em bar".

Marcelo Tabacchi da Faber-Castell e Vanessa Cordaro da AstraZeneca

Assim como Fred Trajano destacou a importância de ter em mente o problema que você quer resolver ao fazer transformação digital, segundo Marcelo Tabacchi, CEO da Faber-Castell, "é preciso pensar nos pain points e colocar tecnologia onde precisa". Pragmatismo e orientação a geração de valor são fundamentais na jornada de transformação digital. Completando o painel, Vanessa Cordaro, Diretora Executiva de RH da AstraZeneca, colocou que "a maior barreira são as pessoas. O desafio é mostrar que todo mundo pode aprender". Isso foi muito bem ilustrado na apresentação do Magazine Luiza com um video que mostrou um vendedor intimidado com o digital, com medo que usar o app de vendas iria atrapalhar o dia-a-dia. Um domingo esse vendedor tomou coragem e ficou determinado a ficar fluente no aplicativo. Perdeu o medo e viu que o digital é uma ferramenta poderosa. Outro aspecto da cultura digital muito pregado é não ter medo de errar. Pedro Waengertner destacou que errar rápido e errar barato são uma oportunidade de aprendizado, e que organizações, por terem aversão ao erro caro, não dão liberdade para os funcionários falharem. Segundo Marcelo, isso é uma disruptura grande pois a gente não pode falhar em casa. Somos criados com a noção de que ter sucesso significa ter acertos. Vanessa descreveu sua expedição na China: "Depois que conversei com Ali Health, cheguei a conclusão que em algum momento a gente vai ser destruído. Por isso começamos nossa transformação digital”. A AstraZeneca hoje é um modelo para as outras filias no mundo e a Vanessa tem sido uma embaixadora de como fazer transformação digital. Na Faber-Castell no Brasil a história é parecida, e o Marcelo tem ajudado a revolucionar as operações no Brasil e na matriz na Alemanha. Marcelo fechou o painel dizendo que “a tecnologia não é prioritária, a transformação é cultural". Permitir erro, dar autonomia aos times, focar nos problemas certos e balancear entrega de resultado no curto prazo e longo prazo são alguns dos principais atributos para se criar um mindset digital. A Digital House chegou no Brasil há 1 ano e já fez treinamentos sobre transformação e práticas digitais para mais de 40 empresas de diversos setores e tamanhos. O momento de transformar o negócio é agora, aqui no C-Summit vimos em todas as conversas o quanto é importante investir nas pessoas. Como disse o Tabacchi, a "transformação é cultural". Quer saber como podemos lhe apoiar nessa jornada? Entre em contato com a gente!  

Outras notícias

Jornada do consumidor: conceito e importância img
mkt

Jornada do consumidor: conceito e importância

Gerar valor para o cliente é a chave para qualquer negócio. No entanto, nem sempre é fácil encontrar o melhor caminho de garantir isso. Por esse motivo que é tão importante conhecer como o consumidor se sente a respeito da sua marca e do seu produto, analisando o ciclo de compra desde a perspectiva dele.Muitas empresas fazem diversos estudos para entender o comportamento do consumidor antes de efetuar uma compra, mas nem sempre elas levam em consideração como esse consumidor se sente, que expectativas ele tem e o que espera da marca desde o primeiro contato com ela.Vamos falar de jornada do consumidor e encontrar as respostas para melhorar a experiência do seu cliente? O que é a jornada do consumidorJá se sabe que, antes de iniciar qualquer processo de compra, o consumidor costuma pesquisar muito. Seja buscando pelos melhores sites, perguntando nas suas redes sociais ou conversando informalmente com amigos e familiares, existe todo um caminho anterior até que se tome a decisão.Também conhecida como jornada de compra, a jornada do consumidor é justamente essa soma de todas as experiências vividas pelos consumidores quando eles interagem com sua marca, produto ou serviço. É um documento que permite monitorar o comportamento, as necessidades e os problemas do seu público durante o processo de compra.Basicamente, quando você tem visibilidade da jornada do cliente, você constrói uma história sobre o usuário, investigando e entendendo como ele se comporta em cada etapa: antes, durante e depois da compra. Isso também ajuda a trazer ideias para melhorar a jornada e a experiência, fazendo com que ele volte sempre e seja fiel à sua marca!Por que a jornada do consumidor é tão importante?Como já explicado anteriormente, definir e mapear essa trajetória do cliente ajuda a compreender melhor todo o processo de compra e as necessidades da buyer persona, ou seja, o público a qual a empresa direciona suas mensagens. Isso também faz com que a empresa conheça melhor o perfil de quem tem interesse nos produtos e serviços oferecidos: quais são suas motivações, desejos, problemas, frustrações, etc. Informações valiosas para que a marca se aproxime ainda mais do seu consumidor, trazendo as soluções certas no momento certo, exatamente do jeito que ele realmente precisa. E esse conhecimento também trará um impacto positivo na estratégia de marketing digital da empresa, pois entendendo o caminho e as necessidades do público, é possível planejar, de maneira muito mais eficiente, quais os canais que mais fazem sentido para a marca trabalhar, e quais os tipos e formatos de conteúdos que devem ser criados.Etapas da jornada do consumidorUm ponto importante a ser lembrado é que o processo não é exatamente linear, pois falamos de experiências com pessoas, logo, existe complexidade. Cada pessoa tem uma vivência diferente e algumas mudanças de comportamento impactam diretamente, por isso, a jornada nem sempre é previsível. Entretanto, pode-se dizer que a jornada do consumidor digital contempla 5 etapas:DescobertaÉ o momento de atração, quando a pessoa entende que precisa de algo e começa a fazer sua busca. Ou seja, imagine que ela está na sua rede social favorita, ou pesquisando no Google e, ao ler os conteúdos, decide começar a fazer academia. Para treinar, ela percebe que talvez precise de um tênis novo.Mas atenção, ainda não é a hora de mostrar o diferencial da sua marca, mas sim, de apresentar as vantagens da aquisição e o quanto isso vai sanar a necessidade do possível consumidor!Uma boa ideia, para esse momento, é ter um blog com conteúdo mais aprofundado sobre os territórios que fazem parte do universo da marca, e que esteja otimizado para SEO, pois o consumidor estará em busca de leituras sobre o tema e tentando entender se realmente há a necessidade de comprar o produto.ConsideraçãoNesta fase, o consumidor já entendeu que precisa do produto ou serviço e, então, precisa tomar a decisão de onde adquirir. Ou seja, esse é o momento onde a pesquisa é para encontrar a melhor empresa, os preços oferecidos, a qualidade do serviço. Sabe aquele momento em que você entra em sites que mostram as reclamações e a reputação de empresas, ou naqueles de pesquisa de preços? Isso representa que você se encontra na etapa de Consideração da jornada do consumidor.É a hora de mostrar as vantagens e os diferenciais da sua empresa, para encantar e garantir a conversão do cliente.CompraEsta é a etapa da ação. Se continuarmos com o exemplo da pessoa interessada no tênis, imagine que é o momento em que ela decide a cor, o tamanho, os meios de pagamentos. Ou seja, uma fase bastante delicada e que precisa do máximo de cuidado por parte da marca. Um cuidado com o estoque é essencial, garantindo que o usuário encontre o produto exatamente como ele deseja. Atente-se também para que seu site ou aplicativo esteja impecável, que não dê problemas ao finalizar a compra.RetençãoQuem disse que a jornada acaba quando o consumidor passou o cartão? Nada disso! A retenção deve ser tão importante quanto a compra, pois é o momento de conclusão. Inclui-se aqui fatores como o transporte do produto e o prazo de entrega, assim como o oferecimento de cupons de desconto especial para uma nova compra, por exemplo.FidelizaçãoSe depois de todo o processo, o cliente estiver satisfeito, ponto para a empresa! A fidelização é um momento de reflexão, quando o consumidor está feliz e com a certeza de que vai comprar novamente, assim como indicar a loja para os amigos e familiares, fazer boas avaliações no site e em redes sociais, etc.A empresa precisa mostrar ao cliente que ele é importante, por isso, um tratamento personalizado é essencial. Nunca deixe o pós-venda de lado, pois é uma estratégia valiosa para fidelizar e manter seu público apaixonado!Criando a jornada do seu consumidor para buscar melhores resultadosExistem diversos templates na internet para te ajudar a criar a jornada do consumidor. Você também pode optar por cursos especializados na área de Marketing Digital, que darão todo o suporte necessário para montar sua estratégia de ponta a ponta. Mas não se esqueça de se colocar no lugar do seu cliente em primeiro lugar! Lembre sempre que ele é o motivo da existência da sua marca e é quem interage com seu site e suas redes, busca as informações e que precisa estar sempre satisfeito com a experiência oferecida.Divida as fases do seu serviço e analise como o cliente deve se sentir em cada uma delas. Verifique os pontos positivos e negativos do seu processo, aponte onde estão suas fortalezas e fraquezas para buscar as devidas melhorias.E, claro, o feedback sempre será um elemento fundamental para que a jornada fique cada vez mais certeira. Por isso, interaja com o cliente, pergunte a ele e encontre as respostas diretamente na fonte, para melhorar ainda mais o relacionamento e garantir o sucesso do seu negócio!

O que vai mudar com a Lei Geral de Proteção de Dados Pessoais (LGPDP)? img
dados

O que vai mudar com a Lei Geral de Proteção de Dados Pessoais (LGPDP)?

Em 2018, o então presidente Michel Temer, sancionou a nova Lei Geral de Proteção de Dados Pessoais, que define regras, direito e deveres relacionados a dados pessoais e como empresas manipulam, tratam e utilizam esses dados. Essa lei é uma tendência mundial, que surgiu em resposta ao vazamento de dados que acontecem em 2017 com o Facebook. Saber que as informações pessoais de tantas pessoas estavam à disposição na internet fez com que todos dessem um passo para trás e refletissem sobre a importância de seus próprios dados – e sobre a responsabilidade de empresas em garantir sua segurança. A nova lei brasileira só entra em vigor em agosto de 2020. Ao aprovar a legislação, o Congresso entendeu que muitas empresas precisariam de tempo para se adaptar às novas regras – e ainda bem! A LGPDP pode causar um grande impacto, principalmente em empresas menores. Para entender melhor o que muda com a Lei Geral de Proteção a Dados Pessoais, você precisa entender como a lei enxerga dados, usuários e o papel das empresas nessa história toda. A partir de 2020, qualquer dado que seja coletado, pode ser do mais simples como nome e endereço de e-mail, entram nas regras da nova lei. E ela se aplica a qualquer tipo de empresa, não só aquelas que, de fato, fazem grande uso de dados, como empresas de Marketing Digital ou bancos, por exemplo. Isso significa que escolas, dentistas, empresas de transporte, qualquer negócio que lide com informações de terceiros em um banco de dados estará submetido à LGPDP. Quem não cumprir as regras terá que pagar uma multa equivalente a 2% do faturamento da empresa, com um limite de R$ 50 milhões, e sofrerá bloqueio imediato dos dados relacionados à infração. Como você, usuário, se beneficia com a Lei? Uma das maiores mudanças está relacionado aos chamados “dados sensíveis”, uma nova categoria criada pela LGPDP que coloca origem racial ou étnica, convicções religiosas, opiniões políticas, saúde ou vida sexual em um maior nível de proteção, a fim de garantir que não haverá discriminação por causa desses dados. Os usuários também poderão perguntar a qualquer empresa se ela possui dados a seu respeito e solicitar quais dados, a quem foram repassados esses dados e com qual finalidade. Ele poderá cobrar a correção de registros incorretos e, em determinador casos, pode se opor a determinado tratamento de seus dados. Como preparar sua empresa para a Lei? Como empresa, você deverá sempre informar, ao coletar um dado, a sua finalidade para o usuário. Se ele aceitar, você deve garantir que o dado será tratado de acordo com a finalidade descrita e acordada. É dever da empresa garantir a segurança dessas informações e informar o usuário se houver qualquer quebra de sigilo ou incidente. Para conseguir garantir tudo o que a lei prevê, será necessário fazer um investimento em estrutura, equipe e treinamento dentro da sua empresa. A segurança do seu sistema precisará ser revisitada, um simples antivírus não é mais garantia de que os dados dos seus clientes estão seguros. De acordo com a lei, é obrigatório que o tratamento de dados seja conduzido por uma equipe de especialistas de TI, que deverá ser contratada caso sua empresa não possua uma. Novas políticas internas e planos de proteção de dados deverão ser desenhados, assim como estratégias de prevenção e gerenciamento de possíveis crises (como vazamento de dados). Por fim, a empresa inteira precisa estar alinhada às novas regras, com um treinamento ou distribuição de comunicados, informando sobre a nova responsabilidade acerca das informações pessoais de seus clientes. Agora que você já tem maiores informações, pode se preparar para quando a lei entrar em vigor e não ser pego desprevenido! Ainda há alguns meses para se organizar, procurar uma empresa de TI que possa te ajudar ou formar seu próprio time, e desenhar sua estratégia para tratar, coletar e utilizar dados com mais responsabilidade e segurança.

Afinal, o que é Business Intelligence? img
dados

Afinal, o que é Business Intelligence?

Se você tem mais do que 30 anos, provavelmente sente que o mundo está ficando “complexo demais”. Antes, tudo parecia mais simples e menos conectado. Pode ter certeza de que muitos empresários pensam da mesma forma, decisões em seus negócios eram tomadas baseadas em experiências e intuição, mas isso não é mais suficiente hoje e suas escolhas precisam ser cada vez mais inteligentes. É aí que entra o tal do business intelligence que tanto ouvimos falar!Se você só conhece BI por meio de anúncios de vagas e sempre se perguntou, “mas afinal, o que é business intelligence?”, pode ficar tranquilo! Estamos aqui não só para responder essa pergunta, mas também para te contar por que ele é fundamental para sua estratégia de marketing e para seus negócios!BI é um conjunto de práticas, conceitos e metodologias que tem como objetivo coletar, gerenciar e distribuir dados. Esses dados são informações valiosas que vão se transformar em insights e dar suporte à tomada de decisões dentro da empresa. Ou seja, BI é aquilo que torna as escolhas de um negócio mais inteligentes, porque são feitas com base em informações de valor.Três importantes pilares sustentam o BI:- Coleta de dados: cada ação dentro da empresa gera um dado, uma informação. Quando reunidos, eles contam diversas histórias sobre seu negócio: a produtividade dos seus funcionários, a sua reputação no mercado, quais oportunidades foram perdidas...- Organização e análise: para conseguir visualizar e entender essas histórias, é preciso organizá-las em um banco de dados e facilitar a sua visualização, para que seja possível analisá-las, compreendê-las e, a partir dessas histórias, tomar decisões;- Ação e monitoramento: mas não para por aí, agora chegou a hora de fazer sua escolha e ficar de olho nos resultados, para entender se ela foi a decisão certa ou se algo ainda precisa melhorar. Os resultados vão gerar novos dados e, portanto, uma nova história, que vai entrar nesse mesmo ciclo.BI e MarketingO Business Intelligence pode oferecer suporto para o planejamento estratégico de todo o seu negócio e seus pilares podem ser aplicados em qualquer área, financeiro, RH, operacional, entre outros.As suas vantagens são diversas, como a otimização de processos, o aumento na eficiência de operações, um processo de tomada de decisões mais ágil e com mais qualidade. Tudo isso deixa o seu negócio mais competitivo dentro do mercado em que atua.Mas queremos dedicar uma parte desse artigo à aplicação de business intelligence na estratégia de Marketing da sua empresa, pois ele também pode destacar oportunidade e apontar falhas dentro do seu processo.Você dentro do seu mercadoA primeira maneira de usar BI em sua estratégia de Marketing é ao analisar o mercado no qual você está inserido, quem são os principais players, quais são as tendências globais, mudanças de consumo e ameaças. Ao cruzar dados de diferentes fontes, você consegue um panorama 360° do mercado. E saberá exatamente qual é sua posição dentro dele.Reconhecer para otimizarNenhuma empresa é perfeita, e a sua certamente não é. Mais de uma campanha sua já teve um resultado abaixo do esperado, por exemplo. Com o BI é possível encontrar a origem das falhas e erros dos seus processos e otimizá-los.Com Business Intelligence tem a premissa de agir rápido em relação aos dados extraídos, as mudanças também acontecem em uma velocidade maior quando precisam ser implementadas em empresas que adotam BI. Como consequência, os resultados também mudam rapidamente, trazendo valor para sua empresa e seus clientes.Oportunidades e riscosÉ hora de investir em uma equipe de marketing maior? Estamos prontos para assumir um compromisso com determinado cliente? Essa nova conta da agência vai ser uma boa oportunidade ou um risco para a estabilidade do meu quadro de funcionários?Essas são perguntas frequentes que sua empresa – e principalmente seu gestor de marketing – faz quando encontra oportunidades. Ou seriam riscos? Afinal, nem sempre conseguimos diferenciar uma do outro!O BI ajuda sua empresa a tomar ações preventivas, que minimizam riscos futuros, e a encontrar insights valiosos no mercado, que ajudam a identificar com mais facilidade suas oportunidades.Podemos concluir que o BI é o próximo passo depois de Big Data dentro de uma empresa. Ao entender a base de dados do seu negócio, você está melhor equipado para tomar decisões que estejam alinhadas com seu objetivo: crescimento, inovação, diferenciação. Agora, é só aplicar esses conhecimentos!Quer saber mais sobre BI ou como começar uma carreira na área? Venha para a Digital House!