MENU

| BR

Campus

Cursos

Programas Executivos

Paises

Primeira edição do C-Summit reune mais de 150 executivos na Digital House

Primeira edição do C-Summit reune mais de 150 executivos na Digital House
#Carreira
12 de junho - min de leitura

Cultura como impulsionador da inovação foi tema do evento


Na primeira edição do C-Summit realizado no dia 10 de junho, Fred Trajano começou o dia nos impressionando sobre a transformação da Magalu para enfrentar o que está por vir. Em seguida tivemos uma "aula" sobre inovação do Pedro Waengertner, CEO da ACE Aceleradora. Ainda ouvimos Eduardo L'Hotellier, fundador e CEO do GetNinjas, e fechamos o dia com um painel com duas grandes empresas que estão avançando em sua transformação digital. Marcelo Tabacchi, CEO da Faber-Castell, e Vanessa Cordaro, Diretora Executiva de RH da AstraZeneca, compartilharam como duas grandes multinacionais estão tomando a liderança em revolucionar não somente a operação local. Confira os principais insights da primeira edição do C-Summit. 

Fred Trajano do Magazine Luiza

Segundo Fred Trajano, CEO do Magazine Luiza, a transformação digital para o Magazine Luiza é partir do varejo tradicional com uma área digital para uma plataforma digital com pontos físicos e calor humano. Ele explicou cada um desses 3 elementos: A plataforma digital é criada a partir do LuizaLabs, um grupo de quase mil profissionais de tecnologia com conhecimento acumulado, já tendo criado mil aplicativos. Esse grupo vem crescendo e acumulando novas competências. Há 2 anos atrás existiam apenas 5 cientistas de dados, hoje já são 50. Fred afirma que o LuizaLabs tem um papel cultural importante na transformação da empresa, inclusive de contaminar as outras áreas. Pontos físicos são ativos importantes para o Magalu e um diferencial versus a competição puramente online. Para Fred, a evolução na transformação deve respeitar o legado: "A loja tem que tocar na banda e não ver a banda passar". Um importante destaque é identificar os principais ativos e quais podem alavancar a experiência digital. Além das lojas, um desses ativos é a operação logística, que teve seu modelo reformulado e otimizado para cada caminhão reabastecer lojas, entregar mercadorias para pick-up in store e na casa dos clientes. "Ainda não entregamos em 30 minutos como já se faz na China, mas estamos evoluindo bastante". Por calor humano Fred destaca a importância da cultura, de pensar fora da caixa e não ter medo de errar. As pessoas são empoderadas a agir com autonomia colocando o cliente em primeiro lugar. Cada loja tem uma fanpage no Facebook para postar videos gravados pelos próprios funcionários, usando a "linguagem do povo, a linguagem daquela cidade". Um participante do evento perguntou como eles conseguiram fazer a transformação da cultura. Fred respondeu que "a gestão de pessoas é uma agenda do CEO". Foco nas pessoas e na cultura são fundamentais para o sucesso de uma grande organização. Ao fazer a transformação digital, tenha em mente o problema que você quer resolver. No caso do Magalu, um cliente demorar 45 minutos para fazer uma compra na loja era um problema. A visão é chegar em 1 minuto. Hoje, com novos processos, novas ferramentas, e funcionários ágeis e conectados, as vendas são feitas em 2 minutos.

Pedro Waengertner da ACE Aceleradora

Pedro Waengertner, CEO da ACE Aceleradora, apresentou os seis princípios da inovação radical:
  • Inovação é design organizacional;
  • Gestão ágil;
  • Mate seu próprio negócio;
  • Pensamento de investidor;
  • Trabalhar com parceiros;
  • Cliente.
Cultura também foi um dos principais temas. Segundo Pedro “existe um gap enorme entre o mindset que as pessoas precisam para inovar e como as pessoas estão acostumadas a trabalhar”. Inovação está muito ligada a execução, e obviamente paredes coloridas, puffs e mesas de ping pong não são catalisadores. As empresas precisam transformar inovação em valor, e existe muito valor sendo criado por startups em garagens na casa dos pais de recém-formados. "Inovação não é tecnologia. Quem inova são as pessoas". Para Pedro o app do Magalu é um sintoma de um jeito diferente de pensar, não é uma causa. É um grande erro achar que ao se criar um app a empresa passa a ser digital. Esses princípios de inovação são detalhados em seu recém lançado livro "Inovação Radical". É uma ótima leitura, recomendo.

Eduardo L´Hotellier do GetNinjas

Eduardo L'Hotellier contou uma experiência frustante que teve quando precisou contratar um pintor em 2010. Recorreu a indicações do zelador do prédio e anúncios de classificado. Depois de gastar muito tempo tentando laçar um profissional, o serviço não ficou bom e ele se viu refém da situação pois não tinha para quem reclamar. Eduardo sabia que muitas pessoas também passam por isso ao contratar profissionais para serviços em casa, daí surgiu a ideia de criar o GetNinjas. Hoje a empresa conta com um time de 90 pessoas e está organizada em células de times ágeis que focam por exemplo na experiência do contratante e na experiência do profissional. Mas no começo, quando era apenas ele e algumas poucas pessoas, as coisas eram bem diferentes. Não existia uma preocupação muito grande com escalabilidade do negócio, o foco era em fazer o modelo dar certo e em aprender com os erros. O negócio do GetNinjas depende de clientes acessando a plataforma para contratar profissionais, e de profissionais cadastrados e disponíveis para realizar serviços. Esse efeito de rede gera benefícios para o dois lados, mas o "problema do ovo ou a galinha" é um desafio no começo. No início, quando um cliente solicitava uma profissional, recebiam a mensagem "nossos robôs estão procurando um profissional para você". Eduardo conta que na verdade essa interface era feita pela Integração Estagiário, um time de estagiários cuja missão era ligar para pintores, encadores, eletricistas, e convencer os profissionais que a plataforma era séria. Eduardo falou também sobre a escolha do time e de alguns erros que cometeu. Disse que as primeiras contratações fez puramente baseada na experiência profissional, considerando as aspectos técnicos. O aprendizado foi que a escolha do time em uma startup deve envolver tanto a parte técnica quanto os objetivos pessoais. "Você vai passar muito tempo com algumas poucas pessoas, é importante ter objetivos comuns de longo prazo. Eu teria conversas mais longas antes de contratar. Conversas em bar".

Marcelo Tabacchi da Faber-Castell e Vanessa Cordaro da AstraZeneca

Assim como Fred Trajano destacou a importância de ter em mente o problema que você quer resolver ao fazer transformação digital, segundo Marcelo Tabacchi, CEO da Faber-Castell, "é preciso pensar nos pain points e colocar tecnologia onde precisa". Pragmatismo e orientação a geração de valor são fundamentais na jornada de transformação digital. Completando o painel, Vanessa Cordaro, Diretora Executiva de RH da AstraZeneca, colocou que "a maior barreira são as pessoas. O desafio é mostrar que todo mundo pode aprender". Isso foi muito bem ilustrado na apresentação do Magazine Luiza com um video que mostrou um vendedor intimidado com o digital, com medo que usar o app de vendas iria atrapalhar o dia-a-dia. Um domingo esse vendedor tomou coragem e ficou determinado a ficar fluente no aplicativo. Perdeu o medo e viu que o digital é uma ferramenta poderosa. Outro aspecto da cultura digital muito pregado é não ter medo de errar. Pedro Waengertner destacou que errar rápido e errar barato são uma oportunidade de aprendizado, e que organizações, por terem aversão ao erro caro, não dão liberdade para os funcionários falharem. Segundo Marcelo, isso é uma disruptura grande pois a gente não pode falhar em casa. Somos criados com a noção de que ter sucesso significa ter acertos. Vanessa descreveu sua expedição na China: "Depois que conversei com Ali Health, cheguei a conclusão que em algum momento a gente vai ser destruído. Por isso começamos nossa transformação digital”. A AstraZeneca hoje é um modelo para as outras filias no mundo e a Vanessa tem sido uma embaixadora de como fazer transformação digital. Na Faber-Castell no Brasil a história é parecida, e o Marcelo tem ajudado a revolucionar as operações no Brasil e na matriz na Alemanha. Marcelo fechou o painel dizendo que “a tecnologia não é prioritária, a transformação é cultural". Permitir erro, dar autonomia aos times, focar nos problemas certos e balancear entrega de resultado no curto prazo e longo prazo são alguns dos principais atributos para se criar um mindset digital. A Digital House chegou no Brasil há 1 ano e já fez treinamentos sobre transformação e práticas digitais para mais de 40 empresas de diversos setores e tamanhos. O momento de transformar o negócio é agora, aqui no C-Summit vimos em todas as conversas o quanto é importante investir nas pessoas. Como disse o Tabacchi, a "transformação é cultural". Quer saber como podemos lhe apoiar nessa jornada? Entre em contato com a gente!  

Outras notícias

Como conseguir vendas através do Instagram Shopping  img
#Marketing

Como conseguir vendas através do Instagram Shopping

É com um clima “descompromissado” e prático que o Instagram Shopping está ganhando cada vez mais espaço na visão dos usuários.A função, que é uma oportunidade e tanto para as marcas, agrega estratégias de marketing digital de negócios menores até grandes empresas. Mas para que a ferramenta seja eficiente, é importante saber como o Instagram Shopping funciona.Instagram Shopping: como vender mais pela rede socialA rede social se tornou uma opção valiosa para a venda remota. Entre as demais, o Instagram pode ser a melhor alternativa para quem tem um e-commerce.Com mais de 64 milhões de usuários, o Brasil é o segundo país com maior número de pessoas no Instagram, atrás apenas dos Estados Unidos. Segundo pesquisa do pesquisa do Opinion Box, 25% dos internautas dizem que ela é sua rede social mais utilizada. 8 em cada 10 de seus usuários seguem perfis de empresas e 50% dizem já ter comprado algum produto ou contratado algum serviço que conheceram no Instagram.Essa, indiscutivelmente, é uma poderosa rede social para os negócios. Mas, para que cumpra bem seu papel, é necessário que seu e-commerce utilize todos seus recursos e da melhor forma possível.Para entender esse sucesso todo, é só seguir o raciocínio, quase tão simples como a lógica da rede: o Instagram é uma grande vitrine pessoal, natural que seja uma vitrine comercial também, que age por identificação direta com as imagens em sinergia com o comportamento e interações do usuário.Ou seja, a compra faz parte desta experiência, muitas vezes quase como uma consequência da jornada.Como configurar o Instagram Shopping da sua marca  O recurso permite vender por meio do próprio aplicativo, e para isso, é utilizada uma nova aba no feed da página. Nesse espaço, são colocados os produtos que estão para compra, já com o preço informado.Para começar a usar a ferramenta, basta linkar o seu perfil do Instagram com um catálogo do Facebook, que vai manter os seus produtos disponíveis na loja. O Instagram vai verificar a sua conta, seus produtos, e com o conteúdo aprovando, já pode começar a ser usado. Essa solução permite às empresas criar, então, suas lojas dentro da própria rede social, com um objetivo claro: facilitar a venda, tanto para quem vende quanto para o cliente. Da mesma forma que os posts patrocinados impulsionaram os anúncios no Facebook, no Instagram Shopping são aproveitadas a naturalidade e a facilidade da rede para aumentar o volume de vendas.Estratégias para conseguir vendas no InstagramPara que entenda mais detalhes de como usar a ferramenta, separamos algumas estratégias para a sua loja no Instagram:➜ Atentem-se às informações básicas do post, por exemplo, qualidade da imagem, legenda, perfil e bio estruturada.➜ Tente variar formatos. É  possível destacar até cinco produtos por fotos no feed, mas existem outros formatos que funcionam bem. O carrossel pode ser uma boa maneira de mostrar os produtos individualmente, um por foto, ou mesmo um volume maior (é possível etiquetar 20 peças).➜ Stories são muito importantes para destacar produtos, promoções etc. Você pode etiquetar os produtos diretamente por eles, ilustrando o uso. Além disso, é uma forma orgânica de divulgar seus produtos.➜ Os posts precisam seguir a estética das fotos naturais. Os com etiquetas devem ser bem trabalhados, pois precisam ser reconhecidos imediatamente, com identificação direta a sua marca.➜ Evite que as etiquetas fiquem muito próximas umas das outras. Isso dificulta o processo de assimilação do usuário. ➜ Confira sempre se suas tags estão indo para o produto certo. Um simples erro aqui pode resultar em uma experiência negativa ao usuário e comprometer a imagem da sua marca, além de contabilizar menos uma venda.Por que você deve usar o Instagram ShoppingEntre as vantagens da função, além das já especificadas ao longo do artigo, ele permite um processo de mensuração e acompanhamento de resultados orgânicos, já que o público interage diretamente com seus posts de vendas.A ferramenta é eficaz, especialmente às pequenas empresas, que vendem diretamente pela rede social. O engajamento com os fãs e a facilidade da experiência de navegação e de compra resultam em um volume maior de  visibilidade e produtos vendidos.No curso de Marketing Digital, da Digital House, você vai dominar a construção de estratégias para esta rede, Facebook, LinkedIn, Google (Search, display e remarketing), e-mail marketing e todas elas juntas, no mesmo sentido. Ao longo das aulas, os alunos aprenderão, com teoria e muita prática: branding, storytelling, SEO & AEO & Link Building, gestão de conteúdo e tudo o que é preciso para se tornar habilitado para os desafios da Transformação Digital e novos hábitos de consumo.

O poder do mindset ágil: como desenvolver a soft skill para ter uma mentalidade flexível img
#UX
#Marketing
#Tecnologia
#Dados

O poder do mindset ágil: como desenvolver a soft skill para ter uma mentalidade flexível

A Transformação Digital já se tornou um 'must-have' da continuidade dos negócios das empresas, independentemente do tamanho delas. Quem não está de olho nesse movimento precisa correr atrás do tempo perdido, e, neste sentido, um mindset ágil pode encurtar distâncias.Esse processo não se resume em levar tecnologia para dentro da companhia. Transformação Digital mexe com toda a estrutura da organização, inclusive na questão comportamental, sempre com foco em excelente desempenho e resultados melhores.Se você está passando por uma situação similar, já compreende como a inovação vai além de tech, atuando na área do comportamento, por exemplo. E mesmo se não entendeu de imediato, vai assimilar neste artigo o que é mindset ágil e como desenvolver esta soft skil.+ Conheça as soft skills mais procuradas no mercadoO que é Mindset ágil, a flexibilidade do pensamentoEm um processo de implementação da Transformação Digital dentro de uma empresa, pessoas serão excelentes executoras de frameworks agile, como o Scrum, e garantirão a entrega no modelo proposto, ou seja, vão seguir receitas prontas do que já está preestabelecido.Porém, quando falamos em desenvolvimento de processo (não da implementação), essas pessoas podem ter dificuldades por não se tratar de ferramenta e execução, mas de mindset, ou seja, flexibilidade de pensamento. É aí que entra a implementação da cultura ágil.Resumindo, a principal missão do mindset ágil é a mudança de comportamento pessoal, muitas vezes, incluindo a quebra de paradigmas. E neste ponto, a mentalidade dentro organização, incluindo a integração da equipe, influenciam muito no objetivo. E qual seria o combustível para este pensamento disruptivo ativar? Não trazemos uma fórmula pronta, muito menos mágica, aqui. Mas exploramos dicas de como ter um pensamento flexível.Cultura do crescimentoA revolução do gerenciamento ágil está transformando o mundo e a forma de se trabalhar em equipe, assim como as lideranças na Era Digital. Nele, o objetivo é aprender e reaprender. Isso quer dizer que fomentar o aprendizado das pessoas é fundamental para se ter um mindset ágil. Aqui, não estamos nos referindo a treinamentos técnicos, mas de permitir errar e aprender com os erros. Fracassos e bons resultados do dia-a-dia são os ensinamentos que fortalecem essa cultura.Metas, erros e acertosMetas, em um time, podem ser consideradas o primeiro pilar de êxito. Sem metas e objetivos, como seu time vai aprender a se auto-organizar? Eles fazem parte do desenvolvimento de um mindset ágil e precisam ser claros e objetivos. Um dos grandes segredos de sucesso dos métodos ágeis são seus ciclos curtos de desenvolvimento. Neles, é possível a oportunidade de errar cedo e, rapidamente, já conseguir resolver. Assim, o erro é relacionado a acerto ou chance de aprimoramento. Não algo irreversível.Teste de resiliênciaTrabalhar comportamento é algo que exige muita consciência, observação, compaixão, logo, é resultado de muito esforço.  Esse é um processo tanto individual quanto da equipe. Se adaptar rapidamente a novos cenários é algo que irá transformar estruturalmente uma empresa, tornando os integrantes dela, seu valor humano, muito mais integrados e fortes/resilientes.Aliás, a reação e adaptação a resultados ruins ou situações desconfortantes são fundamentais para testar se a criação desse mindset ágil realmente está no caminho certo.Design Thinking dentro do mindset ágilO Design Thinking analisa problemas complexos com o olhar da perspectiva de quem realmente os enfrenta no dia a dia. Nele, se propõe um aumento do repertório criativo do profissional por uma imersão que amplia perspectivas e permite ao time atuar na causa raiz dos problemas.Com ele e seus diversos frameworks e métodos, como o design sprint, o mindset ágil é estimulado, já que suas características fundamentais são: empatia para mergulhar com profundidade no contexto, para o qual se busca solução; a cocriação e práticas de criatividade colaborativa para multiplicar a geração de hipóteses de soluções, e a prototipagem para validar conceitos, possibilidades técnicas e viabilidade financeira. Ficou encantado como essas duas palavras - mindset ágil - que podem falar tanto de Transformação Digital quanto inovação na prática, tendo o ser humano como vetor central?No curso Agile for Business da Digital House, você aprenderá as principais metodologias e frameworks para criar, experimentar e testar seus projetos, colocando seus clientes sempre como prioridade, por meio da agilidade e do Design Thinking. O mindset ágil nos move, e queremos que você adquira ele também!

Prototipagem em UX Design: 5 ferramentas de prototipação para tirar ideias do papel img
#UX

Prototipagem em UX Design: 5 ferramentas de prototipação para tirar ideias do papel

Seja você um profissional que acabou de iniciar na carreira em UX e UI ou mesmo se já tem certa experiência na área, (re)pensar sobre opções e funcionalidades das ferramentas de prototipação é sempre fundamental.Tanto para quem dá os primeiros passos na área, com o foco na funcionalidade aplicada, quanto aos mais experientes, quando conta muito a reavaliação sobre métodos já utilizados, a escolha certa da ferramenta de prototipagem fará a diferença. Nesse texto, trazemos cinco ferramentas diferentes, indicadas pelo nosso professor Harold Shcultz Neto, que ministra aulas de UX e Discovery no curso de Gestão em Produtos Digitais. Elas vão ajudá-lo a aumentar a produtividade e eficiência em seu processo de prototipação.Ao final de cada uma, incluímos um link que contém exemplo prático para que você entenda a relevância destas funcionalidades, espelhadas no dia a dia.E porque escolhemos só 5, entre tantas opções de mercado? Pois cremos que não existe “a melhor” ferramenta de todas, mas sim a mais adequada ao projeto, etapa e suas necessidades específicas. Sendo assim, avalie seu contexto, acompanhe nossas opções e bom trabalho com a sua prototipagem!1 - Pencil Before PixelEssa frase é um clássico no UX Design, principalmente no universo das grandes consultorias do Vale do Silício. O motivo é simples: é mais efetivo você começar seu protótipo com lápis e papel do que gastar muito tempo em softwares que demandam conhecimento prévio. Além disso, o papel, quando bem feito, permite interações que nos sistemas digitais demorariam ou simplesmente seriam impossíveis de serem realizadas.Quando usar: dificilmente você vai usar lápis e papel nas etapas finais de um projeto, já que nesta fase é preciso trazer realismo e as diferenças de interações em dispositivos são cruciais para serem validadas. Essa ferramenta, portanto, é recomendada em projetos rápidos ou validações de novas iniciativas, quando o contexto ainda está confuso.Veja um exemplo de prototipagem Pencil Before Pixel 2 - Apple KeynoteEsqueça o PowerPoint. O Keynote (para usuários do Mac) é uma das melhores ferramentas para protótipos rápidos do mercado. Sim você leu bem: basta desenhar um layout com imagens realistas e adicionar links na apresentação et voilà! Eis seu protótipo com interação! “Muitos designers não vão levar isso a sério, mas como a maioria das pessoas tem familiaridade com este tipo de ferramenta, é o melhor primeiro passo. Ah, e pode ser responsivo. Basta você escolher um tamanho de slide personalizado e terá o arquivo em formato para smartphone”, explica Neto.Quando usar: quando você não tem tempo de aprender mais uma ferramenta digital, e precisa testar algumas coisas básicas, como um fundo de site, tipo de menu etc.Veja um exemplo de prototipagem com Apple Keynote 3 - InvisionConsiderada uma das ferramentas que mais cresceu no início do boom do Design Sprint e outras metodologias ágeis. Primeiro, por ter fácil navegação, o que simplifica o entendimento. Segundo, por ter se tornado a queridinha dos designers, em razão da excelente estratégia de conteúdo da empresa fabricante, possuidora de alguns dos melhores relatórios e práticas na área, sendo esta última, talvez, sua principal vantagem.Quando usar: tanto na fase inicial de projetos quanto numa fase mais avançada, onde já se demanda um protótipo de média para alta fidelidade.Veja um exemplo de prototipagem com Invision 4 - FigmaAtualmente, Figma é o número 1 na lista de qualquer UX Designer que se preze. E a resposta para essa predileção é bem aceitável: sua excelente robustez. Essa ferramenta tem tudo que as outras mais robustas, como Adobe XD e Sketch possuem, mas, com muito mais flexibilidade e colaboratividade, já que tem o poder da nuvem, ou pelo menos a forma como o desenvolvido em cloud.Ela permite criar ações fáceis, que não pesam o PC, podendo ser usado até com chromebooks, além de uma completa sessão de compartilhamento, chat, colaboração e integração com outros sistemas.Quando usar: Sempre e em qualquer fase do projeto pois é extremamente flexível.Veja um exemplo de prototipagem com Sigma5 - LEGOComo diz nosso professor Neto, “nem só de digital são os projetos”.No mundo físico, uma das melhores ferramentas pra você prototipar, desde ambientes até serviços completos, é o LEGO.Obviamente, vai demandar certa abstração dos usuários-teste e criatividade da parte do profissional. Mas, o resultado com certeza irá lhe surpreender.Quando usar: em projetos de Design de Serviços onde você precisa simular ambientes e interações no mundo físico.Veja um exemplo de prototipagem com LegoE aí, interessado(a) em entender melhor cada ferramenta destas, tirar dúvidas e aprender as funcionalidades delas mais profundamente? Então, vem conhecer nosso curso de Experiência do Usuário , um dos mais completos do mercado atual.Nele, você vai criar protótipos, das mais variadas maneiras, aprendendo a desenhar e validar linguagem digital, padrões de design e interação, análise heurística e muito mais.