MENU

| BR

Campus

Cursos

Programas Executivos

Paises

People Analytics: Dados e Recursos Humanos trabalhando juntos

People Analytics: Dados e Recursos Humanos trabalhando juntos
#Carreira
13 de agosto - min de leitura

Por muito tempo vista como a área menos tecnológica e analítica dos negócios, o RH vem ganhando outras perspectivas e, em tempos que muito se fala em transformação digital, é um dos pilares para que ela realmente aconteça nas empresas.


Se há 10 anos o profissional de RH era uma posição administrativa e burocrática nas empresas, hoje é parte imprescindível das estratégias de negócio e tomadas de decisão. Isso decorre de muitos fatores, entre eles, o impacto da transformação digital nas empresas e nos negócios, os avanços tecnológicos, as mudanças nas relações de trabalho, o surgimento de novos cargos e profissões e, com isso, a mudança na relação das pessoas com o trabalho.

"Se antes ocupava-se uma mesma posição por longos anos e isso era motivo de orgulho, hoje a inquietação é vista com bons olhos: as pessoas, em um contexto geral, se acomodam menos, escalam mais e estão sempre em busca de evolução profissional", afirma Luciana Jungman, diretora de RH e coordenadora do curso de Digital Talent Program da Digital House Brasil. "Em um contexto onde novas áreas e possibilidades de otimização dentro da sua própria área surgem o tempo todo, os "desacomodados" ganham destaque. São pessoas que agregam conhecimento, levantam questões pertinentes e trazem resultados. Para identificar esse perfil no mercado e retê-lo na sua empresa, o RH tem papel indispensável", finaliza.

Até pouco tempo, identificar esse perfil no recrutamento era uma soma de competências e habilidades do recrutador com o que os currículos e portfólios entregavam sobre o recrutado: suas experiências profissionais, formação, soft e hard skills. Hoje, empresas de sucesso como Google, PwC, Nielsen, entre outras, investem em ferramentas e novos setores no RH para encontrar e reter esses profissionais.

E se você está pensando em mudar de carreira, não tema: a tendência é termos mais de uma profissão e, na hora da contratação, muito mais do que a sua área de formação, muitas outras informações sobre você são levadas em conta.

People Analytics - a análise de dados como ferramenta de Recursos Humanos

Em algum momento você imaginou um profissional de dados na equipe de Recursos Humanos? Ou, ainda, imaginou um profissional de Recursos Humanos se especializando em análise de dados? Pois é, essa é só uma das mudanças que a transformação digital tem trazido para as empresas.

People Analytics é a união da análise de dados com a gestão de pessoas. Em linhas gerais, é coletar e analisar dados sobre os funcionários e prospects de uma organização para traçar um perfil profissional aderente à cultura da empresa e criar medidas para retenção desses talentos. O People Analytics possibilita, através de ferramentas de Business Intelligence e estatística, levantar e analisar informações relevantes sobre colaboradores e candidatos e extrair insights sobre comportamento e perfil, como por exemplo, em que tarefas os colaboradores são mais eficientes, quais fatores influenciam na satisfação, quais influenciam na demissão, o que motiva as pessoas.

Em um estágio mais avançado, a ideia é extrair informação de dados históricos e combinar técnicas avançadas de estatística e inteligência artificial para ajudar a prever cenários futuros, por exemplo, quais pessoas tendem a abandonar a empresa, ou ainda, prever performance e produtividade. Com este método, o RH pode atuar baseado em métricas relevantes, realizando a gestão de pessoas de forma estratégica. Além de criar um ambiente onde os colaboradores estão mais motivados e felizes, o RH também contribui para otimizar custos, trazendo análises mais precisas sobre os gastos, sinalizando onde são indevidos e onde há carência de investimento.

O Google, por exemplo, pioneiro no uso de People Analytics, não só otimizou muito seus custos e capital pessoal, como conseguiu manter alta a média de qualidade e produtividade do time mesmo com uma operação gigantesca - o que antes seria considerado inviável já que, teoricamente, é difícil manter as taxas de engajamento, cultura e produtividade quando a equipe se torna muito grande e a operação, global. Realmente, sem uma boa análise de dados e modelos preditivos, parece humanamente impossível.

Cases de sucesso com People Analytics

De 2015 para 2016, a Accenture, consultoria de gestão e tecnologia da informação, aumentou em 50% a retenção e o avanço da carreira de mulheres da organização após uma análise de dados que considerava informações como resultado da avaliação de desempenho, taxa de rotatividade, férias e folgas nos últimos meses, alocação fora da base no último semestre, tempo na função e remuneração e treinamentos realizados.

Também em 2015, a Nielsen, empresa global de pesquisa de mercado, levantou dados sobre fatores que levavam seus colaboradores a pedirem demissão. Usaram um modelo que media os motivos e os impactos que as demissões traziam e gerava ideias sobre como retê-los. As principais conclusões foram que o primeiro ano de empresa é o mais importante e que embora promoções ajudem na retenção, o melhor é fazer movimentos laterais.

Como resultado, 40% dos funcionários apontados no modelo com maior probabilidade de deixar a empresa nos próximos 6 meses, foram transferidos para novos cargos e ficaram na corporação. Para finalizar, a famosa companhia de pesquisas e consultoria McKinsey, depois de fazer análises de People Analytics para incontáveis empresas, decidiu fazer sua própria pesquisa. Workshops, entrevistas, pesquisas em focus group e outras técnicas foram utilizadas no processo para gerar insights que, por sua vez, foram contra-intuitivos.

Enquanto esperavam que os preditores de abandono fossem remuneração ou avaliação de desempenho, a análise revelou que a falta de mentoria e coaching para os funcionários era um dos principais motivos de abandono da companhia. Depois que seus colaboradores passaram a receber coaching e mentoria, o risco de saída caiu entre 20 e 40%.

Oportunidade para mudar (ou enriquecer) a carreira

São inúmeras as possibilidades de atuação para profissionais que se atualizam constantemente em um momento onde as empresas buscam por perfis cada vez mais diversificados e novos cargos e empregos surgem com muita rapidez.

Se você se interessou pelo assunto de People Analytics, a Digital House oferece dois cursos que podem ajudar você a ingressar nessa área: Data Analytics e Digital Talent Program. Conheça os programas dos cursos, estude mais sobre o assunto e entenda qual deles melhor pode atender ao seu objetivo profissional.

Outras notícias

Como aplicar um teste AB eficiente e aumentar conversões img
#Marketing

Como aplicar um teste AB eficiente e aumentar conversões

O marketing digital já é uma realidade para empresas de todos os setores que sacaram a mina de ouro que esta ferramenta de captação de leads pode ser. É dessa luz que o teste AB dá sua graça, sendo, segundo especialistas, a melhor forma de otimizar a taxa de conversão de suas páginas e melhorar resultados em campanhas de marketing.Como funciona o teste AB? O AB leva a fama de eficiente, pois consiste em dividir o tráfego de uma determinada página em duas versões, ou seja, a atual e uma outra com modificações. E para ficar mais tranquilo para o profissional que faz ou pretende fazer os testes, traçamos um exemplo de teste AB para você aplicar e alavancar suas campanhas muito mais rápido. Partiu aprender?Passo a passo para um teste AB eficienteO que vamos testar hoje?O primeiro ato, antes de colocar a mão na massa, é estar ciente que não se deve testar mais de um elemento por vez, já que dessa forma fica difícil saber qual mudança foi a responsável pelos resultados. Não exatamente nesta ordem, mas, geralmente, os elementos que você pode testar em um teste A/B prioritariamente são:> Headline (título em destaque) da página;> Call-to-Action (botões para conversão);> Imagens ou vídeos;> Descrição da oferta; > Tamanho e campos do formulário; > Indicadores de confiabilidade (testemunhos, certificados etc);> Alteração das posições dos elementos, cores ou mesmo aspectos da própria oferta;Volume certo para dar certo Para dar ainda mais certo, você precisa ter um bom volume de acessos. Caso contrário, estatisticamente falando, este teste não terá muita consistência. A falta de volume também leva ao risco de decisões prematuras e - o que ninguém quer nesta brincadeira toda - incorretas. Portanto, determine a amostragem do seu teste.Uma mão na roda Para realizar com eficiência um teste AB, você precisará de uma ajudazinha na automatização. Olha só algumas das melhores ferramentas para teste AB que podem ajudar bastante neste processo, agilizando com o uso da tecnologia:Google Optimize Optimizely VWO RD Station Uma com, outra sem e assim por diante O próximo passo será desenvolver duas variações com apenas um elemento de diferença do mesmo material trabalhado. Traduzindo, se for para testar a eficácia de uma imagem na Landing Page (LP), por exemplo, é preciso criar uma com imagem e a outra sem a imagem, sendo que o restante dos elementos devem continuar os mesmos.A hora do vamos ver... Agora, depois de separar os grupos para testar as duas variações, é hora de cortar o bolo… ou melhor (está parecendo uma receita, nós sabemos, mas vem na nossa), identificar qual a variação que deu mais certo e, bon apetit, a implementação!… mas sem afobaçãoImplementar é uma arte estratégica. Pois bem, o mercado disponibiliza ferramentas que verificam se o teste já recebeu o tráfego suficiente para ter a tal significância estatística. Só com base nelas é que você saberá qual foi a variação mais eficiente, implementando automaticamente a que gerou mais resultados.A riqueza dos detalhes Com base nos resultados deste teste, fique ligado aos pequenos ajustes da página e em que exatamente eles podem aumentar o número de vendas e leads da empresa. Para muitas pessoas, é difícil acreditar que remover um único campo do formulário seja capaz de aumentar as conversões em mais de 150%. Mas sim, é vero.Estude opções Analise opções. Entenda, por exemplo, qual é a melhor cor para um botão de CTA, optando por duas variações, e defina qual delas atendeu o seu objetivo. Tente esta estratégia em outros campos. Portanto, estude os resultados e parta para a ação, mas vá mesmo, pois a taxa média de conversão da página precisa ser seu foco.Respira e pegue um café Monitorar o seu teste de 1 em 1 minuto não vai ajudar a entender o resultado real, além de te deixar paranóico(a). Calma. É importante respeitar o período de tempo que um teste AB leva para mostrar resultados, que pode ser horas ou dias para chegar em uma conclusão mais assertiva.Dica camarada: Essa não faz parte do passo a passo e nem é um conselho - que se fosse bom, você já sabe, né? - é uma dica de parça, mesmo.  Se deu tanto trabalho para ser feito, então não jogue fora os testes anteriores, não é mesmo? Ao invés disso, guarde todos. Tenha um olhar para cada um deles de aprimoramento de resultados que deram certo, faça novos com essa base e descubra novas informações e fatores. Organize todos em uma planilha, com classificação por tipo, métrica, período e resultado.Como se tornar um profissional de marketing digital e expert em testes A/BNo curso de Gestão de Marketing da maior escola de habilidades digitais da América Latina, a nossa Digital House, você vai entender detalhes sobre teste AB, contextualizado com várias ferramentas de marketing.Mas como este tipo de tática é apenas uma pontinha do que é o marketing digital, nosso curso completo sobre Marketing Digital também te ensina sobre storytelling, planejamento de campanhas, estratégias, SEO, Ads, mídia programática e mais. Entenda mais sobre os diferenciais da Digital House.Vem com a gente! Antecipe-se e se prepare para o mercado com a ajuda de experts em marketing digital e também um empurrãozinho da nossa webserie DH Series, focada em transformação digital.

Kanban: a metodologia ágil mais simples para implementar no dia a dia img
#UX
#Marketing
#Tecnologia

Kanban: a metodologia ágil mais simples para implementar no dia a dia

Seja para colecionadores compulsivos de post-its coloridos, para os mais minimalistas, com lousas monocromáticas, ou mesmo pelo meio eletrônico, fato é que a metodologia Kanban é ninja, e não é só pela origem do termo ser da terra dos samurais, mas por seus resultados rápidos e precisos.O que é a metodologia Kanban?Em japonês, Kanban significa cartão ou sinalização.É uma das metodologias ágeis, criada para organizar as tarefas de uma empresa, seja com post-its coloridos ou softwares virtuais, deixando visíveis para todos os envolvidos cada etapa das atividades. Mas como funciona a metodologia agile? A divisão destas etapas, normalmente, segue em pelo menos três colunas, desta forma:To do/para fazer: atividades que não começaram mas precisam ser feitas;Doing/em execução: atividades que estão em andamento;Done/concluídas: atividades que foram finalizadas pela equipe.Além dessas três colunas, as empresas têm como customizar suas etapas, criando as que façam sentido para seus times. Essa metodologia pode ser aplicada em departamentos de marketing, desenvolvedores, indústrias de varejo e uma infinidade de outras áreas. Basta o desejo de agilizar processos, organizando por partes de execução, escancarando aos cérebros humanos envolvidos, pelos recursos visuais, e mostrando que a engrenagem só anda se todos fizerem ela girar. Como implementar a metodologia agile na sua empresaComo estamos em plena era da sustentabilidade, hoje em dia há o Kanban virtual (e-Kanban), que veio para substituir aquele bando de papeizinhos. Essa ferramenta de metodologia ágil evita alguns problemas como a perda (imagine com uma ventania, o estrago que faz!), além da praticidade na atualização do quadro de tarefas. Além disso, o Kanban, aliado ao Trello - plataforma de gestão de equipes e projetos pela web - torna-se uma super mão na roda! É uma ótima dica para agilizar o seu negócio e aumentar a performance do time, sem papel, aliás. O que acontece é que o Trello foi desenvolvido com base na metodologia Kanban, portanto, suas tarefas são apresentadas em um quadro, de forma bastante visual também.As vantagens em aplicar a metodologia KanbanCom tantas mudanças acontecendo ao mesmo tempo, toda empresa será obrigada a passar pela transformação digital, mas existem meios menos doloridos de reinventar o negócio, e aplicar o conceito do agile pode ser um deles. Na metodologia ágil o que importa, realmente, é a assimilação do método por todos os envolvidos, que contarão muito lá, nos resultados finais. Não, isso não é provérbio japonês, mas sim, a resposta de por quê uma metologia de mais de meio século atrás se aplica tão bem, em plena era digital.A origem da Kanban foi na década de 1940, na fábrica de automóveis Toyota, e o objetivo era controlar o estoque de materiais para que os produtos não excedessem ou faltassem, equilibrando então a linha de produção. E foi sucesso. A Toyota teve um resultado excelente e descobriu na prática as vantagens em usar a metodologia Kanban:> Evita a procrastinação e o tempo ocioso dos colaboradores;> Economiza tempo;> É prático e fácil de ser implementado;> Ajuda na hierarquização de tarefas;> Reduz custos e desperdícios;> Ajuda a mensurar a produtividade;> Facilita a comunicação entre os funcionários, já que o mapa de atividades mostra aquelas que já foram realizadas e as que ainda serão produzidas.A jornada de mil milhas que começa com um pequeno passoSim, este é um provérbio japonês. Não só por que não conseguimos nos conter, mas porque se adequa ao contexto. Lendo este artigo você deve ter ficado curioso não apenas para conhecer mais sobre metodologia agile mas, em saber como dar o primeiro passo em sua direção.Se você faz parte de uma equipe, lidera pessoas, quer começar a empreender ou mesmo iniciar a carreira, começar a usar a metodologia ágil para gestão e planejamento de projetos pode render ótimos resultados, em curtos e médios prazos.Na Digital House, maior escola de habilidades digitais da América Latina, temos um curso de Agile, incluindo Kanban. Nele, você aprende as principais metodologias e frameworks para criar, experimentar e testar seus projetos, colocando seus clientes no centro e descobrindo o que torna uma empresa ágil.Empresas já descobriram o valor destas metodologias no dia a dia, e pagam salário médio de R$ 5.000,00 para um profissional de agile master da área. Conheça mais sobre nossos cursos. Ajudamos a agilizar sua jornada ;-)

Do banco de dados à nuvem: o que muda e como se adaptar? img
#Dados

Do banco de dados à nuvem: o que muda e como se adaptar?

O novo petróleo da humanidade, para ser tão valioso, precisa de gerenciamento, segurança, espaço...muito espaço... e armazenamento. O antigo banco de dados, hoje, cede espaço para o armazenamento em nuvem, ou cloud. Mas, então, por que cargas d'água tantas empresas relutam em adotar a tal cloud computing em seu universo operacional? A Transformação Digital prova que há um movimento de mão única para quem quer crescer e não sumir em meio à inovação. Logo, ou o mindset de algumas empresas muda por bem... ou vai pela força das circunstâncias mesmo. Com a pandemia da Covid-19, por exemplo, momento significativo no que se refere a adequação ao digital, trabalhar em casa se tornou imprescindível para todos os tipos de empresa, das pequenas às multinacionais. E aí é que entra a importância do armazenamento em nuvem. Pesquisas mostram o crescimento da nuvem para armazenamento de dadosA pesquisa da Hibou/Indico sobre home office durante o Covid-19 anunciou na semana passada que 59,9% dos brasileiros estão trabalhando home office. Isso não significa menos trabalho. Isso porque 25,2% dos entrevistados dizem que estão trabalhando mais do que antes. Então, o paradigma da menor produtividade em casa já era. Outra informação que deixa muita gente de queixo caído é o quanto armazenamento cloud se tornou essencial. De acordo com estudo sobre armazenamento na nuvem da SAS Brasil, 80% das empresas nacionais avaliadas têm ou terão um projeto baseado em cloud computing nos próximos 12 meses e, até 2025, 80% das companhias já terão migrado para o armazenamento de dados em nuvem. A pergunta que fica é: por que as empresas estão tão preocupadas em mudar o armazenamento para nuvem o mais rápido possível? Pois, além de prezar pela vida de seus negócios, os olhos brilham para as vantagens que aderir à nuvem traz, como: 1. Melhora na experiência de quem depende de recursos tecnológicos em nível pessoal ou profissional, incluindo clientes; 2. Redução de custos com infraestrutura, como compra de software, instalação e manutenção; 3. Economia de espaço, já que os dados permanecem armazenados online; 4. Centralização da informação, o que gera praticidade e rapidez na tomada das decisões; 5. Trabalho remoto viável e não dispendioso ao empregador; 6. Segurança: com monitoramento e atualizações automáticas do servidor, serviços de assistência técnica e backups são inclusos no pacote de cloud. As vantagens do Cloud Computing para as empresas Entre as vantagens de usar cloud computing está melhorar experiência do cliente, incluindo segurança e agilidade nos serviços, além de produtos ofertados a ele. É óbvio que essa movimentação gera demanda por profissionais especializados em cloud computing, ou seja, os pilotos.Você que sonha em evoluir nas áreas de ciência de dados, inteligência artificial, ciência quantitativa ou engenharia de software, a Digital House oferece um curso sobre Cloud Architect com especialistas em criação de armazenamento em nuvem privada, pública ou híbrida. Ministramos os melhores cursos em habilidades digitais, entre eles, o curso voltado para Cloud Computing, que tem o objetivo de te ensinar a manjar muito sobre planejamento estratégico para nuvem. No programa, você aprenderá a construir projetos e arquiteturas eficientes e escalonáveis ​​na AWS, seguindo as melhores práticas do mercado, além de configurar um data lake, criar APIs, fazer entradas de informações em tempo real e usar ETLs no Spark. Acompanhe o blog da Digital House para aprender mais sobre o mundo dos dados e como utilizá-los para alavancar a sua empresa.