Paradigmas de programação: saiba quais são as mais usadas e como solucionar problemas

Os paradigmas de programação são atributos que expressam como uma linguagem funciona, qualificando-a com base em sua funcionalidade.

Paradigmas de programação: saiba quais são as mais usadas

Os paradigmas são modelos de escrita de código que podem ser aplicados a várias linguagens, desde que estas permitam. É possível aplicar mais de um paradigma a uma mesma solução em uma linguagem previamente escolhida.

Resumidamente, eles permitem que você resolva um problema com diferentes soluções, mas cada recurso exigirá diferentes esforços e maneiras de pensar logicamente a resolução deste mesmo problema, recorrendo a metodologias distintas para alcançar um mesmo objetivo.

Neste artigo, você verá o que são paradigmas de programação, sua importância e entenderá seus diferentes tipos. Ao final da leitura, saberá diferenciá-los e aplicá-los corretamente de acordo com o problema a ser resolvido. Acompanhe este artigo e saiba mais. Boa leitura!

O que é paradigma de programação?

Um paradigma é um estilo de programação, uma metodologia. Não se trata de uma linguagem, mas a forma como você soluciona problemas usando determinado código. Existem muitas linguagens de programação conhecidas, mas todas elas precisam seguir algumas regras quando implementadas. E essas regras são os paradigmas.

Para exemplificar, imagine a seguinte situação: você precisa ir da sua casa ao trabalho. O problema é a locomoção e a forma como você pode ir (a pé, de bicicleta, de carro ou transporte público) será o paradigma. Logo, a denominação paradigma é a maneira como você resolve uma questão.

Todas as formas (paradigmas) envolvem um esforço e demandam tempo, alguns mais (ir a pé ou de bicicleta), outros menos (ir de transporte público ou de carro), podendo ser algo simples e rápido de resolver ou mais trabalhoso e moroso. Assim é na programação: você possui diversas soluções, basta escolher a que resolverá o problema da melhor forma, preferencialmente da maneira mais rápida, fácil e eficiente.

Mas, para escolher bem, é preciso antes conhecer as alternativas. Desta forma, quando uma nova linguagem de programação é desenvolvida, conforme suas peculiaridades, ela tende a se enquadrar em um paradigma.

Qual a diferença de paradigmas de programação e linguagem de programação?

Em alguns casos, as pessoas confundem linguagem com paradigmas de programação devido às similaridades, mas, eles não tratam da mesma coisa.

Os paradigmas são modelagens de escrita de código que podem ser aplicados a várias linguagens. É possível ainda usar mais de um paradigma a uma mesma solução em uma linguagem previamente escolhida.

Já a linguagem de programação é o meio que os humanos usam para instruir e comunicar os computadores a fazer diferentes tarefas e ações. Elas também possuem seus próprios vocabulários e regras gramaticais para desenvolver essas instruções.

A importância de aprender sobre os paradigmas de programação

Cada problema pode ter mais de uma solução, logo existem diversos paradigmas para resolvê-los. Por isso, um paradigma pode ser mais vantajoso do que outro, conforme o desenvolvimento de determinado sistema, oferecendo técnicas apropriadas para uma aplicação específica.

Ao escolher o paradigma de desenvolvimento adequado ao projeto, é possível que sejam desenvolvidas aplicações com maior produtividade, possibilitando a singularidade na orientação de escrita do código entre a equipe, tornando-o mais legível e facilitando a manutenção ao longo de sua existência.

Além disso, manter o mesmo paradigma determinará o objetivo do dev sobre a composição da estrutura e execução do sistema. Isso permite que as técnicas adequadas sejam utilizadas. E é essencial manter essa metodologia durante todo o trabalho.

Por isso é importante entender sobre os diferentes tipos de paradigmas, pois fará com que você - e o projeto - seja ainda mais profissional. Saber qual tipo escolher na resolução de um problema tornará seu raciocínio diferenciado. Dessa forma, antes de refletir sobre a solução de um problema, você pensará na modelagem dessa solução e sobre o paradigma a ser utilizado.

Quais são os principais paradigmas de programação?

Basicamente, existem seis principais tipos de paradigmas. Cada um deles criado para cumprir diferentes finalidades no desenvolvimento web e, portanto, com prós e contras distintos, conforme a aplicação. Dependendo da linguagem de programação utilizada, você pode usar mais de um.

Os principais paradigmas de programação, basicamente, pertencem a dois grupos: imperativos ou declarativos. Para entender melhor, separamos os principais:

Paradigma imperativo

No paradigma imperativo, também chamado de procedural, o foco da execução ou da solução de um problema está em como ele deve ser feito. Nesse tipo de construção, as instruções devem ser passadas ao computador na sequência em que devem ser executadas, onde o programador ou programadora descreve um passo a passo detalhado do que deve ser cumprido pela máquina.

Nesse caso, a solução do problema será muito dependente da experiência e criatividade de quem trabalha com a programação. O foco da resolução estará em “como” deve ser feito.

Esse paradigma tem a vantagem de ser eficiente e de permitir uma modelagem tal qual o mundo real, além de ser bem estabelecido e flexível. Por outro lado, o código-fonte gerado é de difícil legibilidade.

Por se tratar de um paradigma relativamente complexo, não é indicado para a construção de aplicações que necessitam de manutenção no curto prazo ou mudanças muito frequentes. Vários tipos de linguagem de programação suportam esse tipo de paradigma, sendo Cobol, Pascal e Fortran as principais.

Paradigma orientado a objetos

O paradigma orientado a objetos é o mais popular devido aos seus benefícios, como a modularidade do código e a capacidade de associar diretamente problemas reais em termos de código. Com o objetivo de facilitar o desenvolvimento de aplicações web, este foi o primeiro paradigma a permitir a programação multiplataforma.

Com ele, não é necessário criar uma mesma aplicação de maneiras diferentes de acordo com o sistema operacional onde ele rodará: os sites, aplicativos e softwares são desenvolvidos uma única vez e são interpretados por diferentes plataformas sem obstáculos. Neste caso, o programa é escrito como uma coleção de classes e objetos para uma boa comunicação. A entidade menor e básica é objeto e todo tipo de cálculo é realizado apenas nos objetos.

As principais linguagens de programação que utilizam este paradigma são Python, C++ e Java, PHP e Ruby. É indicado a sua utilização quando vários programadores atuam juntos e não precisam entender tudo sobre cada componente ou quando são previstas muitas mudanças no projeto.

Paradigma orientado a eventos

Os paradigmas orientados a eventos são usados por toda linguagem de programação que tem uso de recursos gráficos, como jogos e formulários, e depende de uma ação prévia do usuário para efetuar um movimento.

Dessa forma, a execução do programa se dá à medida que determinados eventos são disparados. Portanto, quem usa é responsável pelo momento em que o programa é executado.

As principais linguagens de programação que utilizam este paradigma são: Visual Basic e Delphi.

Paradigma funcional

O paradigma funcional é aquele que destaca o uso das funções onde o problema é dividido em blocos e, para sua resolução, são implementadas atribuições que definem variáveis em seu escopo que podem ou não retornar resultados.

É indicado quando a solução requerida depende de uma base matemática. Assim, subdivide-se o problema proposto e as funções implementadas farão os cálculos matemáticos. Ao final, o programador ou programadora deve integrar a solução entregue.

As principais linguagens de programação que utilizam este paradigma são Haskell, Scheme e LISP.

Paradigma declarativo

O paradigma declarativo, ao contrário do imperativo, está mais focado em “no que” deve ser resolvido do que em “como” isso será feito.

Ele leva este nome porque, ao utilizá-lo, o programador ou programadora declara verdades lógicas imutáveis para as quais os resultados serão sempre os mesmos após suas interações.

O nível de abstração aqui é muito maior e as principais linguagens declarativas são também de marcação: HTML, XML, XSLT e XAML.

Paradigma lógico

O paradigma lógico, também conhecido como restritivo, é um pouco distinto dos demais e deriva do declarativo. Muito popular no setor de Inteligência Artificial por obter resultados através da análise lógico-matemática, ele utiliza formas de lógica simbólica como padrões de entrada e saída. A partir daí, realiza inferências para produzir os resultados. Os principais elementos deste paradigma são: proposições, regras de inferência e busca.

Dentre as linguagens de programação que utilizam esse paradigma, podemos citar QLISP, Mercury e Prolog.

Além dos paradigmas citados, a computação paralela é uma forma de resolução de problemas onde vários computadores trabalham simultaneamente para chegar a um mesmo objetivo, permitindo que muitos processadores executem um programa em menos tempo, dividindo-os. Essa solução, muitas vezes, exige um esforço de trabalho maior, por isso podem ser aplicações mais robustas e que sirvam a muitos usuários.

Essa abordagem é recomendada, geralmente, quando você tem um sistema que possui mais de uma CPU ou processadores multinúcleos ou precisa resolver problemas computacionais que podem levar até dias para serem resolvidos. As linguagens que suportam a abordagem de processamento paralelo são C e C++.

Pelo que você pôde ler até aqui, os paradigmas de programação são uma ótima fonte de conhecimento adicional. Certamente, conhecê-los bem e dominar sua aplicabilidade coloca quem trabalha com desenvolvimento de softwares em um nível acima da média.

E se você quer ser esse profissional e ter um diferencial, conheça os cursos Programação Certified Tech Developer e Desenvolvimento Web Full Stack da Digital House. A melhor maneira de aprender e se destacar. Com aulas online, 100% ao vivo e ministradas por professores que são especialistas em grandes empresas do mercado. Inscreva-se agora mesmo!