MENU

| BR

Campus

Cursos

Programas Executivos

Paises

O que os recrutadores querem saber na entrevista de emprego?

O que os recrutadores querem saber na entrevista de emprego?
#Carreira
14 de junho - min de leitura

Confira as dicas de Andrea Tedesco, mentora de carreiras.


Hoje minha conversa com você é sobre fluidez nas entrevistas de emprego. Se você jogar "fluidez" no seu buscador favorito, vai encontrar como significado: "qualidade do que corre ou desliza facilmente". Uma entrevista deve ter como objetivo principal a fluidez. E para que isso aconteça, existe um trabalho de ambos os envolvidos nesse processo e que normalmente não é planejado como deveria ser. Toda entrevista deveria ter sempre, pelo menos, três possíveis resultados super benéficos para o desenvolvimento da sua habilidade de relacionamento e conquistas: o primeiro deles é a contratação, claro!

Aquela conversa que faz sentido para você que busca oportunidade e para o recrutador que busca um profissional resultando no sucesso do encontro. O segundo é o aprendizado, afinal, quanto mais treinamos a arte de conversar com pessoas sobre nós mesmos, mais ficamos fera! E o terceiro é o desenvolvimento da sua rede de relacionamento. Sim, em uma entrevista fluída, o resultado só pode ser ter o recrutador na sua rede de relacionamento!

E para que toda essa fluidez aconteça, você precisa mexer alguns pauzinhos. Tenho certeza que se concentrando nesse "top 5" que eu vou te contar abaixo, a fluidez vai reinar nas suas entrevistas até que aconteça o desejado "matching", o incrível encontro entre necessidades. Selecionei 5 situações que considero as principais perguntas realizadas pelos recrutadores e, afinal de contas, o que eles querem saber com isso. Chega de perder oportunidades legais por insegurança e falta de planejamento!

1) Conte-me sobre a sua carreira

Dá uma certa preguiça de responder essa pergunta, não dá? Mas na verdade, agora que você vai aprender o que o recrutador deseja saber, fica mais fácil responder. Limpe a sua mente sobre antigos conceitos de respostas certas em entrevistas. Lembre-se que temos muitos tipos de recrutadores e, inclusive, em níveis diferentes de conhecimento e experiência.

Portanto, o que você precisa focar aqui é em contar sobre a sua trajetória profissional como se fosse um "trailer" de um filme incrível! Yes! Antes, você contaria a história completa, mencionando a data de entrada e saída (inclusive o dia para que o recrutador veja que você não está mentindo). Para tudo! O recrutador é quem deverá fazer as perguntas certas para montar uma defesa do seu perfil ao gestor solicitante da vaga (sim, fazemos uma defesa literalmente do seu perfil X à vaga). Portanto, ajude o recrutador a montar a melhor defesa!

Faça uma linha do tempo da sua carreira com os momentos mais importantes. Veja: - Como começou na área e se teve influência de alguém da família ou gestor, quais foram as suas motivações para mudar de uma empresa para outra, tipos de empresas e segmento que atuou, o quanto você acredita ter se desenvolvido e isso foi atribuído a quem ou ao quê - Momentos de destaque (ganhou algum prêmio, escreveu artigos, contribuiu para um projeto especial, etc) - Finalize com o seu momento de carreira atual e o quanto ser escolhido para a vaga em questão vai contribuir para o seu desenvolvimento (como isso vai acontecer?) O seu objetivo é manter o recrutador interessado na sua história. Se existiu algum ponto em que o entrevistador tenha ficado em dúvida ou mais interessado, permita que ele faça as perguntas.

2) Por que nós devemos te contratar?

Aqui a galera se enrola bastante! E sabe por que? Porque não fizeram um plano estratégico para fazer com que o recrutador entenda que você é a solução para os seus problemas! Estudar previamente a vaga não é uma questão chata sem sentido. É usar da sua perspicácia para conquistar seus objetivos.

O normal é que as pessoas se candidatem para vagas que elas possam utilizar suas competências atuais. Portanto, a leitura criteriosa das necessidades da vaga e uma relação com as suas competências atuais é extremamente fundamental para ir focado em conquistar a posição. Exemplificando: a vaga pede por profissional Desenvolvedor Mobile com experiência em desenvolvimento de aplicativos nativos na plataforma IOS e Android Studio, linguagem Java com experiência em desenvolvimento de aplicativos para smartphones e tablets.

Também pede que o candidato desenvolva e modifique a lógica de programação de sistemas, modele banco de dados e crie e efetue testes unitários com foco em minimizar bugs no sistema. Até aqui vemos a necessidade de hard skills (habilidades técnicas), mas nada sobre a empresa, cultura, soft skills. Portanto, em um primeiro momento, você vai analisar se o que a vaga pede tem relação com o que você sabe fazer.

Se a vaga está aberta identificando o nome da empresa, você pode fazer muitas pesquisas com o objetivo de ter conteúdo para discutir, perguntar, incluir mais conteúdo em possíveis dinâmicas, ou seja, ter ferramentas necessárias para usar no momento certo a seu favor. Conhecer o desafio, a empresa e a cultura te ajuda a fazer um estudo sobre suas competências (técnicas e comportamentais), fit cultural e desejo de desenvolvimento de carreira.

Quando você tem essas informações, fica infinitamente mais fácil explicar os motivos pelos quais você deve entrar para um determinado time. Agora a versão primeiro emprego ou zero experiência na área que transitou: Levante as ações que você desempenhou em outro segmento ou na sua vida pessoal para transformar em competências possíveis para o desafio em questão. Por exemplo: ajudo os meus pais a organizar as tarefas da nossa casa. Como? Levantando todas as necessidades de organização da casa, pedindo a opinião deles para agregar conteúdo, entendendo o que cada um gosta mais e menos de fazer e dividindo as tarefas". Olha só quantas habilidades de gestão, organização de processos, identificação de perfil e atitude!

3) O que o recrutador espera quando o encontro acontece às escuras

Calma lá! Quando falamos sobre encontro às escuras, significa que a vaga não foi divulgada, o recrutador fez um hunting (busca ativa com técnicas mais avançadas de pesquisa por um perfil mais específico) e te convidou para um café ou uma entrevista tradicional. Contudo, você não sabe nada sobre a vaga ou sobre a empresa.

Normalmente, esse tipo de entrevista acontece com profissionais mais experientes (tanto o candidato quanto o recrutador) pois aqui, é necessário usar muito mais suas habilidades comportamentais. Nesse caso, você precisa fazer perguntas ao recrutador (muito mais do que em qualquer outro tipo de entrevista).

Nesse tipo de conversa, normalmente o recrutador começa apresentando melhor os motivos pelos quais ele fez esse contato com você, fala um pouco sobre o desafio, procura entender melhor o seu momento de carreira, tira algumas dúvida sobre seu perfil técnico e quando o papo começa a fluir melhor, significa que está acontecendo uma conexão.

Saber fazer perguntas ao recrutador é fundamental. Estamos em um momento do mercado (sem volta, na minha opinião) onde as escolhas são bilaterais (a empresa escolhe e o candidato também). Para que isso aconteça, o candidato precisa ter um autoconhecimento mais avançado (independente se está no início da sua carreira ou não), ter clareza dos seus objetivos e uma capacidade de raciocínio lógico. Assim, as escolhas passam a fazer sentido e geram parcerias com muito mais qualidade, independente do tempo que elas durem.

4) Qual a sua percepção sobre seus pontos a serem desenvolvidos?

É o mesmo que dizer: quais são os seus pontos fracos? A grande sacada pessoal não é saber se você é arrogante o suficiente para acreditar que não possui pontos fracos - a relação é sempre com o seu desenvolvimento de carreira. Nesse novo mercado, as pessoas precisam enxergar suas carreiras com um olhar muito mais voltado ao aprendizado constante e que possui um ponto de referência de alcance.

Por exemplo: você está migrando da área de Eventos para Marketing Digital. É super importante que faça levantamentos sobre o que você já tem de incrível para te ajudar a conquistar seu próximo passo e o que você ainda precisa desenvolver. Foque nisso. Quando você sabe aonde deseja chegar, o vento sopra a favor, já ouviu falar nisso? Assim também fica muito mais estratégico dizer o que você ainda precisa desenvolver sem se colocar em uma enrascada falando pontos que podem te prejudicar na posição ou sem o menor sentido, te fazendo pensar depois: "nossa, por que eu falei aquilo?", já passou por isso? Então fique ligado!

5) Por que você quer trocar de emprego?

Pare e entenda: não existe nenhum problema em não ter se adaptado à empresa atual. O problema é a forma como vai expor isso ao novo contratante. Até porque, se você não sabe ao certo que tipo de empresa, cultura e segmento te faz feliz, é bem possível que você corra o risco de estar em outro local que também não te satisfaça. Jamais exponha a empresa antiga, o gestor, os processos.

Nesse momento, mesmo que o selecionador seja muito bacana e a entrevista, informal, ainda é uma entrevista e você está sendo analisado. Portanto, atenção ao autoconhecimento e ao que te satisfaz. Acho que está mais do que provada a necessidade de você se conhecer e saber o que faz sentido ou não para você. Estamos em um momento do mercado que podemos escolher com mais critério o que faz conexão com nossos objetivos e a maneira de sermos felizes.

A fluidez nas entrevistas de emprego acontecem quando pessoas com interesses em comum se conectam e para isso, com eu disse no começo do nosso papo, é preciso que ambas as partes tenham clareza nos seus objetivos e sejam ambos estratégicos nas suas buscas e nas suas trocas. O que os recrutadores querem, no final de tudo, é te contratar.

Todos os alunos da Digital House têm acesso ao nosso serviço de mentoria de carreira. É onde identificamos o perfil profissional, os pontos a serem desenvolvidos para que alcancem seus objetivos, os pontos fortes que devem ser evidenciados e como construir uma imagem profissional que desperte interesse nos recrutadores. Conheça os nossos cursos.


Escrito por Andrea Tedesco, mentora de carreiras da Digital House

Outras notícias

Como a Transformação Digital proporciona o trabalho fora do escritório img
#UX
#Marketing
#Carreira
#Tecnologia
#Dados

Como a Transformação Digital proporciona o trabalho fora do escritório

Acompanhe este artigo e entenda como o uso do ferramental disponível nos ajuda a ter mais domínio das demandas de mercado, que formatam novos modelos de negócios, tendo o trabalho fora do escritório como um de seus pilares principais.O sacode a poeira da Transformação DigitalQuando ainda era uma opção aderir à Transformação Digital, já sabíamos de seus benefícios em otimização e competitividade, mas os mercados ainda tinham o pé atrás em uma de suas características como o trabalho fora do escritório, por uma série de fatores que vão de infraestrutura até questões culturais.A conectividade se restringia ao uso massivo de aplicativos via smartphones para comunicação entre as equipes, com implantação de alguns apps de serviços em setores como transporte, alimentação, hospedagem, entre outros.Hoje, todos estes mercados são obrigados a aderir à comunicação online e trabalho fora de casa para sobreviver. Inclusive, dois dos maiores players de soluções de videoconferência, o Google Hangouts e o Microsoft Teams, até liberaram diversas funcionalidades, até então somente disponíveis nas versões pagas, para versões gratuitas.Mesmo no meio do vendaval de mudanças, reflita como será o mundo corporativo, após o controle da pandemia, depois desta nova forma de trabalho ser integrada às rotinas normais e gerar resultados positivos?Esse período pode mudar perspectivas tradicionais. Lembra daquela palavrinha quase batida, o tal disruptivo. Então, olha a prática dela aí, no exercício da vivência na Transformação Digital e da chegada definitiva das novas profissões. Ou seriam dos novos profissionais?Gerenciamento sem caos - dos males o menor Pensamento positivo. Hoje temos a possibilidade do trabalho remoto. Com organização e ajuda de ferramentas que otimizem a rotina do trabalho fora do escritório, ele pode, sim, tornar o dia muito mais produtivo para as pessoas que se reinventam.Com um mindset digital criativo e ousado, é possível se manter competitivo em meio da crise, liderando projetos e pessoas. E a Digital House, que ministra cursos com as principais habilidades exigidas pelo mercado ( e que espera que você esteja se cuidando e seguindo as orientações de prevenção ao COVID-19), coloca luz e direcionamento para você que quer aderir a esta nova perspectiva e postura.Aprenda com nossos professores especialistas de mercado, ou mesmo atualize conceitos como: Cultura Digital e Discovery, Transformação Digital, Metodologias Ágeis, Experiência do Usuário (UX), Estratégias de Marketing Digital, Data Analytics, Data Science e LGPD.Inscreva-se no curso de imersão em Transformação Digital, atualmente apenas no formato online, e faça do desafio a oportunidade. Mais que frase de efeito, esta atitude é que salvará mercados e empregos. Vem conosco, estamos todos juntos nessa, embora separados!

Melhores ferramentas de gestão de projetos: como ter uma visão do todo em momentos de trabalho remoto img
#UX

Melhores ferramentas de gestão de projetos: como ter uma visão do todo em momentos de trabalho remoto

Nossa pretensão aqui não é ser nenhuma mãe Dinah (que Deus a tenha) ou guru, mas já podemos considerar que um dos marcos da era da Transformação Digital é a adesão do home office por parte da população, mesmo que “forçada”, por medidas de contenção ao alastramento da pandemia do coronavírus.E, nesta fase de adaptação para muita gente, ter uma gestão de projetos mais eficiente, com visão panorâmica das demandas e prazos, mesmo que esta prática seja no meio da sua cozinha, pode render ótimos resultados para suas entregas, agenda e saúde mental.Inovar muito além do techOutro recado desta era é que a supertecnologia XYZ de nada adianta se as pessoas que a utilizam ainda pensam analogicamente, com processos lentos de desenvolvimento de produtos e serviços, burocracia e morosidade nas aprovações. Ainda bem, as ferramentas de gestão de projetos vêm justamente para descomplicar estes modelos engessados.E é agora ou nunca que isso precisa ser feito. Por isso, trace um plano para esta fase dar tudo certo, no seu microcosmo, com o objetivo de trazer excelentes resultados para o macro, incluindo clientes e sociedade. Pois, ser competitivo e evoluir em época de crise é inovar e bem inovado, diga-se de passagem.A caixinha de pandora da gestão de projetosEntre as melhores ferramentas para gerenciar seus projetos,  podemos citar três principais:     > Metodologias ágeis (Scrum x Kanban x Agile x Lean): essa metodologia descomplica o que parece um bicho de sete cabeças, com técnicas e metas que integram equipes, promovendo mais engajamento de todos.     > Experiência do Usuário (UX, User Interface (UI) e Design Thinking): estas técnicas  vão aproximar seu trabalho, tendo uma visão 360 graus do que seu cliente mais deseja, humanizando esta relação e trazendo o encantamento tão necessário nestes tempos que vivenciamos.     > Marketing Digital: facilitar e automatizar seu dia a dia, por meio de ferramentas como Google Ads, Facebook Ads, Analytics e muito mais, trazem resultados quantificados aos seus clientes ou a sua própria empresa, já que impulsionam a marca e geram mais vendas e negócios, tão essenciais desde sempre, não é mesmo?Estas são apenas algumas destas ferramentas. Mas, esta caixinha de soluções pode ser muito mais completa. A Digital House, umas das mais importantes escolas de habilidades digitais do planeta, com um time fera de especialistas, não só ajuda você a desenvolver estas ferramentas como ensina a utilizá-las em época de pandemia e fora dela.Com cursos agora totalmente onlines, a Digital House fará com que você seja protagonista, neste talvez primeiro grande desafio da era da Transformação Digital, para pessoas e organizações - líderes conectados, na prática, com as mudanças, na velocidade em que elas ocorrem.

O que são OKRs e por que elas são importantes img
#Marketing

O que são OKRs e por que elas são importantes

O negócio é que quando se ouve falar em siglas de metodologias do futuro, sua aplicação para pequenos e médios empresários são interpretadas com insegurança, na linha fina entre o crível e os planos infalíveis do Cebolinha. O que é perfeitamente compreensível. As justificativas para este temor vão além de não estar preparado ou nem saber por onde começar. A economia no Brasil é historicamente instável e, nos últimos dias, enfrentamos uma situação inédita de pandemia, o que torna a assimilação de novos processos um bicho de sete cabeças. Mas, credibilidade as OKRs têm e bem comprovadas, diga-se de passagem. Exemplo-mor são profissionais do Google, quando ainda eram simples mortais e implementaram a metodologia, independentemente do tamanho da empresa na época. E olha o resultado aí, escancarado em uma das janelas abertas neste momento, no seu PC ou dispositivo. Um por todos e todos por um Parafraseando os mosqueteiros franceses, as OKRs trabalham bem o conceito de sua frase famosa - um por todos e todos por um. Esta metodologia nada mais é que um conjunto de objetivos inter-relacionados, alcançados de forma individual ou coletiva, e que contribuem para a melhoria e evolução de toda a organização. Nesta metodologia, cada um reconhece a parte que é responsável na empreitada. Sabendo o quão vital é seu trabalho, o profissional entende seu escopo, metas e direciona seus esforços assertivamente, não gastando energia de besteira. OKRs, então, trazem mais produtividade e autoestima aos funcionários, o que impacta positivamente naquela questão difícil chamada falta de motivação. Mais produtividade com consciência de valor, todos ganham Mas, para essa corrente do bem das OKRs, citadas anteriormente, dar certo, é necessário que os objetivos estejam muito claros entre todos (todos mesmo) os envolvidos. Estes objetivos precisam ser quantificados, com números, ou seja, metas estipuladas e acompanhadas. Por exemplo, segundo o Sebrae, cada pessoa deve possuir, no máximo, 5 objetivos macro com 4 resultados-chave para cada um deles. Outro ponto é que ao menos 60% dos objetivos devem ser definidos pelo próprio profissional que trabalhará neles. Nos modelos tradicionais, metas são traçadas de cima pra baixo, parte das vezes, acertadas em reuniões de diretoria, sem envolvimento de todo o grupo de funcionários. Já nas OKRs, 40% poderão ser definidos pelo alto escalão da empresa, enquanto 60% serão desenhados por cada indivíduo envolvido, seja qual for seu cargo. Como todos estão por dentro do processo de elaboração de objetivos, os resultados são muito mais ágeis. Na Digital House, principal escola de habilidades digitais da América Latina, sabe-se bem da importância e eficiência das OKRs, tanto que esta metodologia é ensinada, na prática, em nosso portfólio de cursos. Transformamos profissionais e empresas, por meio da tecnologia aplicada. Aqui também seguimos o conceito de Athos, Porthos, Aramis, integrando D´Artagnan. Faça parte da elite dos profissionais mais requisitados do mercado e inscreva-se em nossos cursos (excepcionalmente por EAD, neste período de contenção da pandemia do coronavírus).