O que faz um desenvolvedor front-end: tudo o que você precisa saber para ter sucesso nesta carreira

O que faz um desenvolvedor front-end: tudo o que você precisa saber para ter sucesso nesta carreira

Desenvolvendo as habilidades certas, você terá uma gama de opções de trabalho no mercado. Neste artigo, trazemos todas as informações necessárias sobre a carreira de front-end e como ingressar na área da melhor forma.

O que faz um desenvolvedor front-end?

Como o nome já sugere, o desenvolvedor front-end está na frente com o usuário, ou seja, na parte visível das aplicações e sites. O profissional é responsável por toda a experiência de interação, desenhando e desenvolvendo as interfaces das páginas web com as quais, posteriormente, as pessoas terão contato.

Sabendo que envolve a experiência, a área cuida da usabilidade, da disposição de todos os elementos que determinam a identidade visual e velocidade de carregamento. Sendo assim, é importante saber que isso vai além do conhecimento de linguagens de programação específicas, mas também é importante que o desenvolvedor tenha noções sobre os processos de experiência do usuário (UX).

Quais são os principais requisitos de um desenvolvedor front-end?

A comunicação é uma habilidade importante para o desenvolvedor front-end. Isso porque a carreira é bastante colaborativa, havendo muitas situações de trabalho com pessoas e equipes de outras áreas, como designers, profissionais de marketing, entre outros.

Outro ponto importante é a adaptação. Pois, em cada empresa, há direcionamentos específicos, aos quais os profissionais precisarão se adequar. Um exemplo é o ambiente de trabalho, podendo ser remoto, presencial ou híbrido, que é o principal modelo de trabalho da atualidade.

Quando pensamos sobre o que faz um desenvolvedor front-end e suas habilidades técnicas, é preciso ter um conhecimento funcional dos princípios fundamentais do design, além de algumas linguagens de programação que são aplicadas no dia a dia da construção de sites e aplicativos. Os principais idiomas são HTML, CSS e JavaScript.


Como está o panorama desse profissional no mercado?

Se você possui dúvidas ou alguma insegurança sobre oportunidades de trabalho para desenvolvedores front-end, não precisa se preocupar. Em 2021, o site Glassdoor anunciou mais de 45 mil empregos nessa área somente na América do Norte e no Reino Unido.

Nos EUA, de acordo com dados do Bureau of Labor Statistics, o número de vagas deverá crescer, pelo menos, 8% até 2029. Isso representa milhares de novas oportunidades.

No Brasil, informações de um levantamento da Associação Brasileira das Empresas de Tecnologia da Informação e Comunicação (Brasscom) mostram que, anualmente, o país está formando 46 mil novos profissionais de Tecnologia da Informação (TI), que abrange a área de desenvolvimento. No entanto, a demanda do mercado é de 70 mil novos profissionais. Ou seja, há um déficit de 24 mil trabalhadores, o que representa muita coisa.

E, para consolidar a grandiosidade dessa grande chance de jornada profissional, o cenário financeiro também se mostra favorável para quem quer sua independência. O salário médio de um desenvolvedor pode variar de R$4.000.00 a R$9.250,00, de acordo com o Guia Salarial 2021, da Robert Half.

Em outras palavras, se você quer seguir a carreira, não faltarão oportunidades para ser contratado e ter uma jornada profissional estável.

Atue com front-end e back-end ao mesmo tempo!

Existem diferenças entre as atuações do front-end e back end, sendo habilidades opostas que se complementam. Além de todas as vantagens já destacadas, é possível também trabalhar com esses dois campos ao mesmo tempo, trazendo um diferencial de mercado ainda maior e garantindo mais oportunidades.

Quando o profissional desenvolvedor atua em diferentes partes do projeto e possui conhecimento tanto em back-end quanto em front-end, ele é chamado de Desenvolvedor Full Stack, por conta de ter uma visão mais completa de todo o projeto, podendo atuar de ponta a ponta.

Para quem é um desenvolvedor iniciante, estudar sobre essas áreas do desenvolvimento web é importante, mas, mesmo sendo um autodidata, ter um aprendizado consistente, que equilibre conceito e prática, é essencial.

A Digital House tem consciência disso e proporciona todo esse suporte. Confira a grade do curso de Web Full Stack, em que o aluno desenvolve um site para chamar de seu e deixar seu portfólio atrativo aos olhos do mercado.


Todas as aulas são online, 100% ao vivo e ministradas por professores que são especialistas em grandes empresas do mercado. Além disso, temos o Departamento de Carreiras, onde os alunos podem acessar e conferir diferentes conteúdos exclusivos sobre suas jornadas.