MENU

| BR

Campus

Cursos

Programas Executivos

Paises

O que é mentoria de carreira e como ela pode impulsionar a sua jornada profissional

O que é mentoria de carreira e como ela pode impulsionar a sua jornada profissional
#Carreira
10 de julho - min de leitura

Segundo pesquisa, os profissionais no Brasil estão desmotivados, e com isso a mentoria de carreira evoluiu rapidamente. Entenda o que é um mentor e como ele pode te ajudar.


Você já deve ter ouvido falar, mas será que sabe realmente o que é mentoria de carreira e como ela pode ajudar naquele momento da vida que a interrogação sobre a jornada profissional bate na porta?

O trabalhador brasileiro é um dos mais desmotivados do mundo. Segundo uma pesquisa, realizado pela McKinsey, a saúde organizacional anda bem debilitada por aqui. Estima-se que a nota média de motivação é de 45, em uma escala que vai de 0 a 100, no país. 

Neste artigo, nossa líder do Departamento de Carreiras da Digital House, Andrea Tedesco, te responde às duas perguntas do primeiro parágrafo e, com estas informações, te mostrar o que é ser um profissional realizado.

O que é mentoria de carreira?

A cada dia, mais pessoas insatisfeitas nas suas carreiras buscam esses profissionais para lhe ajudar a mudar essa situação. 

"O mais bacana é que, atualmente, o número de pessoas que já estão felizes nas suas carreiras e buscam esses profissionais para aprender a manter a sua empregabilidade em alta - dentro de um mercado que muda de maneira extremamente veloz,  também aumenta consideravelmente - o que me deixa muito feliz - pensando em Educação de Carreira", comenta Andrea.

Quando se fala em educação, não se restringe em só resolver problemas pontuais como transição de carreira, recolocação ou promoção, por exemplo. Significa: aprender a aprender sobre gerenciamento de vida e carreira. 

Quando assumimos o poder de tomar as decisões das nossas vidas, também aprendemos a usar um olhar estratégico sobre cada passo que damos em direção aos nossos objetivos. E convenhamos, quantas pessoas não sabem o que faz sentido para elas ou o que desejam atingir? 

É aí que surge a resposta de "para que serve mentoria de carreira".

Ter esse tipo de parceiro na sua vida lhe orienta a navegar por águas turbulentas que mudam constantemente e de maneira muito veloz (mercado), segurando o leme com segurança (você) e mesmo que necessite utilizar outros caminhos (carreira) para atingir seu objetivo, você terá todas as ferramentas necessárias para manter-se firme e estratégico. 

Além disso, pode contribuir para despertar potenciais adormecidos e que podem ser diferenciais, quando aplicados à carreira. Se você estiver se perguntando se existem profissionais (orientadores de carreira) específicos para um segmento profissional, a resposta é: sim! 

Quais os tipos de mentoria?

Quando falamos de mentoria de carreira, encontramos no mercado profissionais especializados em diferentes áreas de desenvolvimento. Todos são orientadores focados na sua jornada profissional. Contudo, é importante explicar a diferença entre mentores.

Consultor de outplacement

Trabalham para consultorias especializadas em apoiar profissionais desligados das suas empresas, para retornarem ao mercado de trabalho. 

Esses profissionais utilizam treinamentos em grupos, atendimentos individuais, disponibilidade de consultoras realizando busca ativa de vagas (job hunting) e apresentação de profissionais para o mercado.

Coach de carreira

Profissionais que apoiam a conquista de um determinado objetivo profissional do indivíduo.

O coach de carreira não vai te falar o que fazer, ele utilizará técnicas, por meio de perguntas, para que o profissional encontre as respostas que já tem, mas que, em muitos momentos, ficam esquecidas e precisam da técnica para despertá-las. 

Esse é um profissional que apoia a conquista de objetivos dentro da carreira. Pode atender pessoa física e jurídica (executivos, times e líderes).

Mentor de carreira

Esse profissional, especialista em uma determinada área, pode se utilizar de várias ferramentas (coaching, outplacement, designer, PNL, entre outros) para apoiar a conquista de objetivos profissionais, mas especialmente dentro de um segmento. 

Por exemplo, o mentor de carreira em tecnologia.

Normalmente, este profissional pode vir de duas frentes importantes: ter atuado na área de Recursos Humanos, como headhunter especializado (caçador de talentos) ou, quando tem bastante experiência, como orientador de carreira (consultor de outplacement, coach de carreira, designer de carreira etc), apoiando outros profissionais a conquistar seus objetivos em segmentos mais específicos. 

O segundo é um profissional que teve sucesso na sua área de atuação e apoia pessoas que lhe admirem e que estão dispostas a percorrer os mesmos caminhos que ele percorreu.

Além dessas diferenças, saiba que ainda poderá encontrar profissionais que atendem um nicho específico de pessoas, como os que estão começando a sua jornada profissional ou exercendo cargos de média gerência e executivos. 

Também existem os orientadores de carreiras que focam o seu atendimento em profissionais disponíveis no mercado ou em transição profissional. Enfim, o mercado da mentoria de carreira é bem diversificado.

A mentoria de carreira na Digital House

Aprender a gerenciar a carreira nunca foi tão valorizado e requisitado pelo mercado. Afinal, se tudo muda de maneira tão intensa e veloz, nós, enquanto seres humanos, não estamos fora disso. 

Contar com um parceiro de carreira é ter na sua equipe de desenvolvimento de vida alguém para iluminar o poder que sempre esteve com você, é por isso que a DH tem um Departamento de Carreira.

Nesta área, nosso time entende qual é o seu perfil profissional e como voocê pode se preparar para o mercado, de acordo com os seus objetivos, por meio de plantão de dúvidas, eventos, painéis com dicas direcionadas à carreira, acesso a plataformas de talentos e oportunidades em empresas parceiras.

Para todas as habilidades digitais da DH, a mentoria está presente, ocupando seu papel importante nestes primeiros passos, rumo ao sucesso da carreira dos alunos.

Leia mais no blog DH:

+ Soft skills: habilidades comportamentais que estão em alta no mercado

+ Como fazer um perfil de destaque no LinkedIn

+ Mudanças no mercado de trabalho: como identificar oportunidades?

Outras notícias

Programação iniciante: como se tornar um profissional da programação img
#Tecnologia

Programação iniciante: como se tornar um profissional da programação

A programação iniciante pode ser desafiadora no começo, já que termos é o que não faltam na hora de estudar a teoria e colocar a mão na massa, mas com o estímulo do lado esquerdo do cérebro, responsável pela lógica e pensamento analítico, o aprendizado flui!Diversos profissionais têm um primeiro contato com códigos e se apaixonam, e é ai que a transição de carreira acontece. Mas como funciona essa jornada?Como começar na programação iniciante?O convite feito para Tatiana Zilio, ex-aluna da Digital House e agora desenvolvedora, para conversar sobre programação foi justamente para compartilhar sua jornada e experiência!Que tal aprender a programar, assim como a Tati? Esta é uma das áreas que mais cresce e é sempre bom investir no mercado de programação.De humanas para exatas?Tati aqui! Em 2020 terminei o curso de Desenvolvimento Web Full Stack na Digital House e vou compartilhar um pouco da minha jornada e o que aprendi com essa experiência.Eu venho de um background completamente diferente. Sou formada em Jornalismo, trabalhei em comunicação, tradução e dei aulas de inglês.Meio por acaso, acabei entrando na área de TI: quando eu trabalhava com tradução técnica e localização de aplicações, surgiu uma oportunidade para trabalhar com curadoria de dados em uma ontologia aplicada à web semântica, que é o meu trabalho atualmente.E foi nesse momento que decidi explorar mais a fundo o que acontecia por trás das telas que eu tanto usava e iniciar uma transição de carreira.Como eu vim parar aqui? Hit rewind!Me lembro até hoje da primeira vez que sentei na frente de um computador. Eu devia ter uns 10 anos, minha tia pediu que eu digitasse um texto no computador do seu trabalho enquanto ela resolvia alguns problemas.Eu estava acostumada a brincar com a máquina de escrever do meu pai, mas aquilo era diferente. Não só era possível desfazer algum erro de digitação (o que já era um avanço tremendo), mas além disso, o próprio computador sinalizava o erro com uma cobrinha vermelha embaixo de uma palavra. Era mágico! Isso foi por volta de 1997. Não demorou muito para que meu pai comprasse um computador para sua pequena empresa. Foi nessa máquina que eu passei muitas madrugadas no mIRC, aproveitando a vantagem de se navegar na incrível velocidade de até 56,6 kbps pagando apenas um pulso de telefone (um conceito provavelmente desconhecido para quem é GenZ).O computador era meu lugar favorito. Eu explorava cada item do menu iniciar, do painel de controle e arriscava executar algumas tarefas básicas via terminal. Apesar de uma certa intimidade e curiosidade com o computador, tudo era mágico e misterioso demais para mim.Segui outros caminhos tendo sempre o computador e a internet como minhas principais ferramentas de trabalho, mas me encontrei quando eles se tornaram o meu objeto de trabalho.A curiosidade de entender melhor o que eu fazia me levou de volta à sala de aula aos 30 anos. Dessa vez, não como professora e muito longe do Jornalismo: me inscrevi em Sistemas de Informação e escrevi meu primeiro algoritmo.Pela segunda vez na universidade, as coisas não estavam evoluindo no ritmo que eu desejava e eu gastava a maior parte do meu escasso tempo livre escrevendo trabalhos de Administração ao invés de, de fato, aprendendo a programar.Tranquei o curso e encontrei a Digital House, que me ofereceu exatamente o que eu buscava naquele momento: aprender na prática e construir alguma coisa com o que eu estava aprendendo. Programação iniciante na Digital HouseNo curso, nós temos contato com os conteúdos teóricos em aulas virtuais e fazemos alguns exercícios. Na aula remota, repassamos esse conteúdo e o aplicamos na prática.Foram inúmeros projetinhos em que colocamos em teste nosso aprendizado em HTML, CSS e JavaScript, NodeJS/Express, banco de dados (SQL e NoSQL), React.Diferentemente da faculdade, onde escrevia os algoritmos meio avulsos, meio sem propósito, ali tudo tinha começo, meio e fim que se integravam em um propósito. Além disso, ainda tivemos o projeto integrador, um desafio que parecia homérico: criar uma aplicação do zero.Os cinco meses de curso foram intensos: foi um desafio conciliar o trabalho em tempo integral, me dedicar às aulas e ainda dar forma e vida ao projeto integrador. Mas também foi um período extremamente enriquecedor: além de ter dado um salto no conhecimento e na experiência, ter tido a oportunidade de programar em equipe e aprender muito com meus colegas, também aprendi muito sobre o meu processo de aprender. Certamente meu curto período na universidade agregou muito na formação de um conhecimento base, entender o que acontecia cada vez que eu digitava aquele conjunto de caracteres em um editor de texto e colocava pra rodar. Mas ser capaz de entender isso não me capacitava para construir muita coisa. Percebi que é na prática que surgem as dúvidas, é na prática que percebemos o que não sabemos e entendemos do que temos que correr atrás. E que o aprendizado não precisa ser em linha reta: é possível intercalar prática e estudo de fundamentos e, frequentemente, um complementa e estimula o outro.Próximos passos como programadoraUm mês após a apresentação do meu projeto integrador (veja como ele ficou aqui), eu continuo estudando e acrescentando mais ferramentas e tecnologias ao meu repertório, mas agora de uma maneira muito mais produtiva do que antes do curso! Estou pegando mais experiência do mundo real contribuindo com a startup de colegas e também tocando meus projetos pessoais até fazer a transição para uma programadora full-time. É uma longa jornada e acredito que a DH me ajudou a acelerar muito esse processo! Se você quiser saber mais sobre a minha experiência com programação e trocar alguma ideia em relação a sua jornada, você me encontra no Twitter (@tatianazilio), LinkedIn ou no Telegram (@tatianazilio). Vou adorar bater um papo e trocar figurinhas!Aprenda a programar!Você pode aprender programação do zero na Digital House, assim como a Tati. É sempre um prazer compartilhar depoimentos como o dela, porque aqui as aulas são mão na massa, e ninguém melhor que nossos alunos para contar a experiência, não é?Topa baixar o programa do curso? Lá você encontra os temas e tópicos das aulas, e ainda tem informações sobre o projeto integrador!Leia mais no blog DH:+ Minha primeira linguagem de programação: como escolher?+ Primeiros passos no Git: o que eu preciso saber?+ Pague só quando possuir renda: conheça o modelo ISA da DHE aí, já segue a gente no Twitter? Vem pra rede, vamos conversar sobre habilidades digitais! ;)

Passo a passo de como criar anúncios no Google Ads: 6 principais etapas dentro da plataforma img
#Marketing

Passo a passo de como criar anúncios no Google Ads: 6 principais etapas dentro da plataforma

Antes de explicar como criar anúncios no Google Ads, cabe dizer como funciona o serviço de publicidade da Google. Sabe o meme que circulava na internet do garoto Cole Sear, de 11 anos, no longa-metragem “O Sexto Sentido”, de 1999? Interpretado pelo ator Haley Joel Osment, o personagem eternizou o filme com a conversa que teve com o Dr. Malcolm Crowe, papel de Bruce Willis. Para resumir o diálogo entre os dois personagens e refrescar a sua memória, você se lembra “Eu vejo gente morta. Com que frequência? A todo tempo”.A internet se aproveitou desse momento épico no cinema, para criar os seus próprios memes. Nós poderíamos adotar um para explicar como funciona o Google Ads e seria algo semelhante: “Eu vejo anúncios. Com que frequência? O todo tempo”. Não é à toa que é uma das maiores fontes de receita da Google.Como criar anúncios no Google Ads: formatosDesde as primeiras versões do Ads, a ferramenta de publicidade online já estava presente a todo instante nas nossas vidas. Quem nunca foi impactado com os links patrocinados que aparecem no topo e no rodapé da página, após fazer uma busca?Mas a plataforma de anúncios da Google não se contenta somente com a rede de pesquisa. Outro exemplo são os anúncios em rede de display, quando você está assistindo a um vídeo no YouTube, mas é interrompido por um comercial. Como se não bastasse os links patrocinados e a rede de display, com a ferramenta também é possível fazer remarketing. São aqueles anúncios que te acompanham a todo tempo em qualquer site visitado com base no seu histórico de navegação e interesse, exibindo os possíveis objetos de desejo nos sites acessados.Quanto é o Google Ads?Antigamente, a divulgação das marcas acontecia utilizando espaços na televisão, rádio, jornais, revistas, outdoors, entre outros meios de comunicação. Além de ser um investimento muito mais caro, não era possível segmentar e mensurar a campanha.Com a explosão da internet, não significa que os meios tradicionais se tornaram irrelevantes, mas as marcas perceberam que os seus esforços em canais digitais (sites, motores de busca, entre outros) são mais assertivos, mensuráveis e rentáveis.O custo do Google Ads depende do quanto a empresa está disposta a investir na campanha, mas a recomendação dos especialistas é começar com um valor baixo e esperar o retorno do público, para somente depois decidir se vale investir mais ou fazer alguma mudança de rota.No entanto, reforçamos que o preço do clique de determinadas palavras-chave não é estático. Isto significa que o seu investimento inicial pode ser alterado ao longo do tempo por causa do aumento de concorrentes em disputa daquela palavra.    Etapas para criar um anúncio no Google AdsSe você quer entender como criar anúncios no Google Ads, precisa ter em mente que a ferramenta online funciona como uma espécie de leilão de palavras-chave, onde os anunciantes fazem suas ofertas para receber cliques em suas páginas.Nem sempre a maior oferta é a que sobressai, pois o Google combina alguns fatores de qualidade para classificar a posição dos anúncios com base no seu AdRank, considerando dois indicadores: Índice de Qualidade (IQ) e o Lance (CPC Máximo). Por esse motivo, é importante ter um profissional de marketing digital na jogada que saiba montar a melhor estratégia para não ser um investimento desperdiçado. Entre as etapas para como começar no Google Ads, destacamos seis passos:1. Vá até o site do Google Ads e se cadastre. Se já tiver uma conta no Google, só informe o seu login e senha;2. Você será encaminhado ao painel da ferramenta. Em seguida, vá na aba “campanhas”, no lado esquerdo da tela. Clique no círculo azul com o sinal de adição e selecione “Nova campanha”;3. Neste terceiro passo, você vai se deparar com diversos formatos de anúncios. É só escolher o que é mais indicado para a sua estratégia.4. Depois de escolher qual será o formato do anúncio, configure sua campanha com informações de local, idioma, orçamento e metas. É importante colocar o endereço do seu site e escolher um nome para a campanha, para ajudar a identificá-la.5. Após preencher os campos, você precisa definir as informações que vão aparecer no título, na descrição do anúncio e na URL.6. O último passo é revisar tudo e dar start na sua campanha.Antes da campanha ir para o ar, o Google inicia uma processo de revisão, que pode levar até 1 dia útil para aprovação. No entanto, quando o anúncio requer uma avaliação mais criteriosa, pode demorar mais. Passando de 2 dias úteis, é recomendado entrar em contato para saber o que houve.O que analisar depois que um anúncio foi publicado no Google Ads?Como uma das vantagens do marketing digital é a possibilidade de mensurar os resultados da campanha, a palavra “achismo” não faz parte do seu vocabulário. Depois de estudar e definir quais são suas métricas de sucesso, está na hora de avaliar qual foi o desempenho delas. Entre as métricas mais importantes que você pode considerar neste momento são:➜ CTR: a taxa de cliques é a quantidade de cliques recebidos pelo seu anúncio dividido pelo número de vezes que ele foi exibido.➜ CPC: o custo médio por clique é o valor médio cobrado por um clique no seu anúncio, sendo dividido pelo custo total pelo número de cliques.➜ CPA: é o valor médio cobrado por uma conversão do seu anúncio, sendo calculado dividindo o custo total das conversões pelo número total de conversões.➜ Índice de qualidade: avalia a qualidade dos seus anúncios, palavras-chave e páginas de destino.➜ Taxa de impressão: é a quantidade em que o seu anúncio foi exibido e visualizado. ➜ Taxa de rejeição: quantidade de visitantes que acessam um site e saem sem interagir ou abrir outras páginas. Quando o assunto é Google Ads, os especialistas recomendam um prazo de 7 dias ou 1.000 impressões para avaliação. Mas que ainda assim pode ser pouco se considerar o comportamento do consumidor, imagine quanto tempo é levado para o cliente decidir qual celular deseja comprar. Antes de montar qualquer campanha, tenha em mente dois aspectos importantes: persona e a área de atuação do seu negócio.     Seja um profissional de performance Se você quer aprender a criar uma estratégia eficiente no Google Ads e estudar mídia na prática, a Digital House tem o curso de Marketing Digital Avançado, que explora esse universo, com aulas teóricas e mão na massa. No nosso curso, você se transforma em um expert em campanhas patrocinadas, aprende sobre tendências, redes sociais, estratégias e se torna um profissional procurado pelas empresas. Que tal investir no seu futuro?Leia mais no blog DH:+ SEO para blog: lista de boas práticas para otimizar seu conteúdo+ Brand Personas: o que são e como fazer?+ Estratégia para gerar leads: do básico ao avançadoE aí, já segue a gente no Twitter? Vem pra rede, vamos conversar sobre habilidades digitais! ;)

Node.js para iniciantes: como usar os primeiros comandos e instalação img
#Tecnologia

Node.js para iniciantes: como usar os primeiros comandos e instalação

Se prepare para entrar no incrível mundo de Node.js para iniciantes, o sonhos dos desenvolvedores na hora de criar sistemas, sites e aplicativos mobile/desktop, pois é possível usar uma única linguagem. Durante um bom tempo, somente a linguagem Java desempenhou esse papel, abarcando quase todos os cenários.O Node.js é baseado em eventos, com um ecossistema aberto e amplamente apoiado pela comunidade, que permite tanto o uso em servidor quanto para execução no terminal (REPL – loop ler-interpretar-imprimir).Quer entender mais? Nosso professor Leonardo Carvalho comenta uma visão geral sobre Node e como você pode dar os primeiros passos.Node.js para iniciantes: o que faz?Com o Node.js, é possível criar aplicações JavaScript para rodar como uma aplicação stand-alone em uma máquina. Assim, ele não depende de um browser para a execução, como é de costume.O Node.js é utilizado por grandes empresas, inclusive pelos players de tecnologia, como Netflix e LinkedIn. Além disso, tem alta capacidade de escala, com arquitetura, flexibilidade e baixo custo, o que o torna uma escolha interessante para implementação de microsserviços e componentes da arquitetura Serverless.Ele é tão independente que os principais fornecedores de produtos e serviços Cloud já têm suporte para desenvolvimento de soluções escaláveis, com sua utilização.Instalação e primeira execução do Node.jsO download é extremamente fácil e a versão LTS é a mais recomendada (que começa com número par), por apresentar maior estabilidade e ter mais suporte em geral.Após sua instalação, é importante verificar se há algum terminal aberto e, se houver, fechá-lo. Em seguida, é preciso abrir uma janela e testar o comando node.Se tudo deu certo, o interpretador do node ficará aguardando um comando. Aqui, podemos colocar códigos em JavaScript, para poder exibir em tela: console.log(“Ola mundo”);.É isso: o mesmo comando para exibir informações no console de desenvolvimento do navegador pode ser usado no terminal, usando o Node. Incrível, não é mesmo?Por se tratar de um laço que lê e executa comando por comando, mostrando a resposta em seguida, você pode tentar executar vários comandos aqui. Na sequência abaixo, mostramos como criar e exibir variáveis no Node, assim como fazemos no navegador:const nome = “Léo Carvalho”;const idade = 25;const altura = 1.71;console.log(`Professor ${nome}, idade ${idade} e altura ${altura}`);Execução de programas completos no Node.jsMas não é nosso objetivo ficar executando vários comandos neste guia de Node.js para iniciantes. Queremos criar arquivos que tenham essas instruções. E o Node nos permite isso!Vamos criar um arquivo chamado meu-arquivo.js, salvá-lo na pasta raiz do seu usuário e depois pedir pro Node executar. Para isso, basta digitar no terminal: node meu-arquivo.js.E agora, algo diferente aconteceu: todo aquele código foi executado e não mostrou os alertas de “undefined” (ignore-os, por enquanto) e revelou como resultado o primeiro comando dado neste artigo (“olá mundo”) e depois o texto com minhas informações.Isso abre um mundo de possibilidades, já que agora podemos criar um único arquivo, que será responsável por fazer o que quisermos!O que vem a seguir no Node.js para iniciantes?Normalmente, o Node é usado para criar sistemas, sites e APIs, em maioria esmagadora, por meio do protocolo HTTP, instalação de pacotes, conexão ao banco de dados, utilização de APIs de terceiros, segurança e colocar o sistema em produção.Na DH, o curso de Desenvolvimento Web Full Stack fornece a você meios de entender melhor a programação e ir de um Node.js para iniciantes rumo ao profissionalismo.Aprenda como criar sites e sistemas incríveis com essa ferramenta que é uma das principais do mercado de programação. Leia mais no blog DH:+ Minha primeira linguagem de programação: como escolher?+ Primeiros passos no Git: o que eu preciso saber?+ Pague só quando possuir renda: conheça o modelo ISA da DHE aí, já segue a gente no Twitter? Vem pra rede, vamos conversar sobre habilidades digitais! ;)