O que é ESG? Entenda o conceito, seu funcionamento e principais características

O que é ESG? Entenda o conceito, seu funcionamento e principais características

Você sabe o que é ESG e como o termo está cada vez mais presente nos conselhos e administração das empresas? Muito se ouve falar sobre, pois ele contribui para a transformação dos negócios e vem influenciando as tomadas de decisões estratégias em organizações por todo o mundo.

Apesar de não ser um tema novo no mercado, recentemente, vem passando por um grande impulso, tornando-se uma tendência por ser uma ótima solução para as empresas frente aos diferentes desafios da sociedade. Se bem aplicado, o ESG gera valor para a organização, com base na preocupação com questões ambientais, sociais e de governança corporativa.

Neste artigo, nós vamos explicar o que é ESG em um verdadeiro guia completo sobre o tema. Quer aprender mais? Continue a leitura.

O que é ESG?

O ESG representa um conjunto de padrões e práticas com o objetivo de conscientizar uma empresa socialmente, no âmbito sustentável e no bom gerenciamento.

O termo é uma sigla que vem da língua inglesa, formada por três pilares que definem o movimento: environmental (meio ambiente), social (de mesmo significado em português) e governance (governança).

Esses três pilares são utilizados como critérios, a fim de entender se uma organização investe e possui sustentabilidade empresarial, abrangendo a perspectiva de análise do negócio mais do que somente seus resultados e métricas financeiras.

O ESG é a validação de que uma empresa possui consciência do seu papel como empregadora e agente social. Ou seja, serve como um balizador que atesta se um determinado negócio entende a influência que exerce na sociedade, independentemente se é pouca, causando impactos positivos e/ou negativos em todo o seu ecossistema de relacionamento.

Por que o ESG é tão importante para as empresas e startups?

Hoje em dia, as pessoas e a própria sociedade costumam destacar as empresas que são comprometidas com uma agenda mundial, por meio de uma governança corporativa. Ou seja, as organizações compreendem as principais tendências e os desafios globais existentes, podendo discernir o que é certo a se fazer em diversas situações e escolhas.

Além disso, a boa imagem de um negócio perante o mercado atrai olhares de empresas maiores ou investidores que podem contribuir ainda mais para o seu crescimento.

Vale destacar que não é porque diferentes empresas são engajadas a favor do ESG, que todas elas possuem o mesmo planejamento de ações nos âmbitos ambiental, social e de governança.

As atuações ESG dependem de diferentes avaliações, como a localização da empresa, o tratamento aos funcionários, o impacto da sociedade e nicho de mercado que está inserida, entre outros pontos importantes a serem levados em conta.

No próximo tópico, te explicaremos com mais detalhes sobre os critérios de avaliação e como eles se aplicam na prática.

Os critérios ESG no Brasil e suas regulamentações

Os pilares do ESG possuem diferentes critérios, cada um com seu significado e diretrizes próprias, que dependem muito do contexto e particularidade do setor onde a empresa está inserida. Abaixo, vamos te explicar cada um deles e como são aplicados de maneira geral:

Ambiental

Na sigla ESG, o E vem de environmental, em inglês, ou ambiental em português. Ou seja, são todas as práticas de uma empresa em prol da preservação do meio ambiente e seu engajamento a favor de diferentes assuntos, como:

  • Aquecimento global.
  • Poluição do ar e da água.
  • Biodiversidade.
  • Desmatamento.
  • Eficiência energética.
  • Gestão de resíduos e recursos.
  • Escassez de água.

Social

Ao falarmos sobre os critérios no âmbito social, há uma grande variedade de questões a serem consideradas. É muito importante, por exemplo, entender como uma empresa preza e contribui pelo bem-estar de seus funcionários.

Normalmente, os principais pontos analisados nesse quesito são:

  • Satisfação de seus clientes.
  • Proteção de dados e privacidade.
  • Diversidade e inclusão na equipe.
  • Engajamento dos funcionários.
  • Transparência no relacionamento com fornecedores.
  • Relacionamento com a comunidade em que está inserida.
  • Respeito aos direitos humanos e às leis trabalhistas.

Governança

Os critérios relacionados à governança se relacionam na maneira como uma determinada empresa é administrada pelos seus gestores e diretores. Ou seja, a avaliação busca compreender se a gestão executiva e o conselho administrativo atendem aos interesses de diferentes partes da organização: funcionários, acionistas e clientes. Veja abaixo os principais pontos;

  • Composição do conselho.
  • Estrutura do comitê para a realização de auditorias.
  • Conduta corporativa.
  • Remuneração dos colaboradores.
  • Relação com entidades do governo e políticos.
  • A existência de um canal para denúncias.


Como e quando surgiu o ESG?

Agora que você já sabe o que é ESG, deve estar se perguntando qual a origem de tudo isso, não é mesmo? Apesar do termo ter ganhado popularidade recentemente, a preocupação com a sustentabilidade empresarial existe há muito tempo.

A prova disso é o termo Socially Responsible Investing (SRI) ou investimento sustentável e responsável, em português, que surgiu entre as décadas de 1970 e 1980, quando os fundos de investimento começaram a considerar questões sociais nas tomadas de decisão sobre quais organizações mereciam receber os seus recursos.

Ainda na mesma época, algumas empresas foram vetadas de receber investimentos por terem negócios na África do Sul, ou seja, relacionando-se com o apartheid. Foi também no mesmo período que foi criado o primeiro fundo de investimento responsável do mundo, o Paz Sustainable Allocation Fund Investor Class (PACWX), do norte da América, o qual não investia em negócios que financiaram a Guerra do Vietnã.

Durante os próximos anos e décadas, outras empresas também foram vetadas de receber investimentos, por conta de catástrofes ambientais, como o desastre de Bhopal na Índia, onde toneladas de gases tóxicos vazaram das fábricas de pesticidas, e o acidente do navio petroleiro Exxon Valdez, da ExxonMobil, no Alasca. Assim, as organizações passaram a perceber a importância de reduzir seus impactos no meio ambiente para não perderem influência no mercado.

Com o passar do tempo, o foco com os investimentos SRI foi se misturando com as novas preocupações de responsabilidade corporativa dos negócios. Dessa forma, a sigla ESG surgiu oficialmente em 2005, a partir do relatório Who Cares Wins (“ganha quem se importa”, em português) e como resultado de uma iniciativa da Organização das Nações Unidas (ONU).

No relatório, diversas instituições financeiras de diferentes países, incluindo o Brasil, se reuniram para definir diretrizes sobre como considerar e avaliar questões de meio ambiente, sociais e de governança em investimentos.

Com isso, os critérios ESG passaram a ser considerados para a tomada de decisão sobre investimentos, além de servirem como incentivo para que as empresas otimizassem seus serviços e condutas com a sociedade.

Ações e iniciativas ESG que as empresas podem fazer

Até aqui, sabemos que as consequências para as empresas que apostam nas boas práticas do ESG são positivas não somente para atração de investidores, mas também para estabelecer uma imagem positiva no mercado.

Sendo assim, separamos algumas iniciativas voltadas para cada um dos pilares e critérios da sigla para te ajudar. Confira abaixo:

Ambiental

  • Desenvolver e/ou utilizar embalagens recicláveis, que poluem menos o meio ambiente.
  • Utilizar materiais reciclados no escritório e digitalizar o que for possível para reduzir o consumo de recursos da natureza, como o papel.
  • Obter energia elétrica a partir de fontes renováveis e que não emitam poluentes, como a eólica e a solar.
  • Fazer a destinação correta de resíduos.

Social

  • Permitir que as mulheres conciliem sua carreira com a maternidade, oferecendo as melhores condições para tal.
  • Aplicar a cultura de feedback e diálogo entre colaboradores e líderes.
  • Realizar projetos sociais com a comunidade local.
  • Promover grupos de diversidade e inclusão dentro da empresa.

Governança

  • Contratar e fazer parceria com fornecedores e/ou colaboradores terceirizados que tenham integridade.
  • Ter uma organização hierárquica bem definida, com cargos e funções determinados.
  • Ser transparente com todas as pessoas, tornando pública suas principais informações.

3 exemplos de startups focadas em ESG

Saber o que é ESG é tão importante para o mercado, que hoje já existem startups com soluções focadas para os seus pilares às empresas, as chamadas ESG techs. Só no Brasil, já são mais de 740 negócios desse tipo, de acordo com o levantamento Inside ESG Tech Report, realizado pelo Distrito Dataminer.

Nós separamos três exemplos de startups focadas em ESG, cada uma dentro de um pilar (ambiental, social e governança). Confira abaixo:

Moss.Earth - Ambiental

A Moss.Earth é uma startup fundada em 2020, cujo foco principal é a redução do impacto das atividades de empresas no meio ambiente.

Na prática, as organizações compensam o impacto ambiental que causam, comprando créditos para buscar "neutralizar" os seus danos. Essa compra é revertida em programas de conservação da floresta amazônica.

Zenklub - Social

Este é um exemplo de startup a favor do bem-estar e saúde emocional para colaboradores de empresas. Criada em 2016, suas atividades possuem o objetivo de conectar psicólogos e possíveis pacientes, a partir do uso da tecnologia e dados.

O app também possui diversos conteúdos educativos, guias, dicas e exercícios para os seus usuários.

Egalitê - Governança

A startup, que se encaixa no pilar de governança, foi fundada em 2009 e auxilia tanto a pessoa com deficiência (PCD) a ingressar no mercado de trabalho quanto as empresas a cumprirem a lei de cotas e realizar recrutamentos assertivos.

A solução é uma plataforma que torna a área de Recursos Humanos mais inteligente, automatizando e digitalizando diferentes processos.

Seja um profissional de negócios consciente!

Hoje em dia, muitas pessoas manifestam o objetivo de iniciar o seu próprio negócio. Dentre as diversas opções existentes, não há como não considerar o meio tecnológico como uma alternativa. A área se tornou algo presente e essencial na vida das pessoas. Além disso, com o passar do tempo, a transformação digital só tende a aumentar.

Neste contexto, é muito importante que os negócios sejam conscientes e, para isso, devem entender o que é ESG e aplicar diferentes iniciativas em prol de colocar esse objetivo em prática.

Juntando todos esses fatos e suas importâncias, a Digital House oferece, em sua grade, o curso de Gestão de Produtos Digitais, onde o(a) aluno(a) aprende como iniciar e gerenciar o seu negócio da melhor forma, aplicando diferentes estratégias e construindo os melhores roadmaps para desenvolvimento de produtos.

As aulas são dinâmicas, 100% ao vivo e ministradas por professores especialistas, que estão no mercado atuando na área de negócios. Impulsione agora mesmo sua carreira e garanta a sua estabilidade profissional!

E lembre-se: para que um projeto saia do papel e entre em prática de maneira assertiva, é fundamental ter em mente o que é ESG, que é um dos assuntos abordados durante o curso.

E se você gostou desse conteúdo, não deixe de conferir o material que produzimos sobre como construir sua marca do zero, com um passo a passo de como desenvolver uma boa brand equity.

Leia mais no blog DH:

+ Google Analytics Dashboard: crie e personalize com o nosso passo a passo

+ O que é brand equity e como as empresas geram valor de marca em seus produtos e serviços

+ Marketing digital para iniciantes: 10 dicas de como começar na carreira

E aí, já segue a gente no Twitter? Vem pra rede, vamos conversar sobre habilidades digitais! ;)