MENU

| BR

Campus

Cursos

Programas Executivos

Paises

Como as mudanças no comportamento afetam a jornada de compra

Como as mudanças no comportamento afetam a jornada de compra
#Marketing
22 de novembro - min de leitura


Ao vender qualquer produto ou serviço, é preciso criar uma estratégia para impactar seus consumidores. E um dos conceitos fundamentais para que se possa criar esse método é o da jornada de compra — também conhecida como jornada do consumidor ou jornada do cliente.

Mais adiante vamos entender um pouco sobre essa jornada clássica, mas, de forma resumida, trata-se do caminho que um cliente faz desde o momento em que ainda nem sabe que quer realizar aquela compra até o momento em que faz a aquisição.

Conhecer cada uma dessas etapas é importante para que se possa criar sua estratégia, seja para vender online ou offline, mas para planejar campanhas digitais. Entretanto, é preciso ter um outro olhar sobre esse processo no mundo superconectado em que vivemos.

Neste artigo, vamos apresentar a jornada de compra clássica e, depois, quais as mudanças às quais os profissionais de marketing digital precisam estar atentos na hora de estruturar suas ações na internet. Vamos lá?

A jornada de compra clássica

A jornada de compra se baseia no modelo do funil de vendas, um modelo criado em 1898 pelo americano E. St. Elmo Lewis. A ideia era mapear os estágios pelos quais uma pessoa passa desde que descobre a existência de um produto até quando, de fato, se torna um cliente.

A imagem é a de um funil porque parte-se do princípio de que muitas pessoas podem conhecer o produto, um número menor pode ser de potenciais clientes, menos gente ainda pode, de fato, se interessar por aquela mercadoria e uma quantidade bem inferior realmente vai adquirir aquele artigo. Dessa forma, o número de pessoas em cada etapa vai se afunilando. 

A partir do funil de vendas, criou-se a jornada de compra. Ela se divide em quatro etapas:

  • Aprendizado e descoberta: quando o cliente começa a se interessar por determinado tema;

  • Reconhecimento do problema: nessa etapa, o consumidor percebe que tem um problema ou uma oportunidade de consumo;

  • Consideração da solução: nesse momento, o cliente já começa a pesquisar ativamente uma solução para o problema que identificou na etapa anterior;

  • Decisão de compra: no último estágio da jornada, o consumidor já decidiu que vai realizar a compra e passa a pesquisar qual produto ou serviço será o mais adequado.

O comportamento do consumidor digital

O modelo clássico da jornada de compra ajuda muito a identificar cada etapa pela qual o consumidor está passando. Dessa forma, fica mais fácil criar o conteúdo e os anúncios para que esse potencial consumidor seja impactado com materiais relevantes para ele.

Todavia, por se basear em um conceito de funil de vendas do fim do século XIX, uma parte da realidade atual é deixada de lado. Por estarmos conectados praticamente o tempo todo com nossos smartphones, somos bombardeados com milhões de estímulos.

Dessa forma, considerar um comportamento linear na jornada de compra se torna muito simplista. Mais uma vez, é claro que esse modelo não deve ser desconsiderado. Entretanto, ele deve ser uma base para que se possa compreender os hábitos do consumidor digital.

Sempre conectado, o comprador será impactado por diversas campanhas, em diferentes pontos da jornada, pelos mais diversos tipos de produtos e serviços — tudo isso tendo apenas um orçamento individual para gastar. Assim sendo, as empresas precisam ter isso em mente na hora de montar sua estratégia, desde as campanhas de marketing até a precificação dos produtos e a análise da concorrência.

Um ponto importante a se considerar é que a jornada do consumidor deve ser cíclica. É sempre positivo focar na manutenção de consumidores engajados com sua marca, seja em seu e-commerce, no blog da sua empresa ou nas redes sociais do seu negócio. Isso porque é mais barato fazer com que um cliente antigo compre novamente do que atrair novos consumidores.

Como se comportar nesse cenário

Tendo os conceitos e a realidade em vista, é hora de saber de algumas ações que sua empresa pode desenvolver para que se sobressaia nesse cenário. Vamos a elas?

Trabalhe sua marca

Um ponto muito importante para atrair o reconhecimento dos clientes é o de trabalhar sua marca. Dessa forma, os consumidores vão associar o nome da sua empresa a algumas características do produto ou serviço que você oferece.

Para isso, foque em conteúdos originais no seu blog e nas redes sociais. Assim, você pode se tornar uma referência no ramo em que atua.

Além disso, você pode trabalhar com anúncios no Google Display e com banners nas redes sociais, de modo a fortalecer o reconhecimento de marca. Outra forma de desenvolver seu nome é levar sua empresa para participar de eventos do seu ramo de atuação.

Entenda o comportamento do seu consumidor

Como já abordamos anteriormente, o consumidor moderno é abordado por milhões de estímulos toda vez que faz uma pesquisa no Google, assiste a um vídeo no YouTube ou navega pelo feed do Instagram, por exemplo. Dessa forma, é preciso saber muito bem o que está fazendo para chamar sua atenção.

Portanto, nada melhor do que conhecer seu público a fundo para saber como despertar seu interesse. Crie personas dos seu clientes ideais e considere o que os faria parar para ver um conteúdo da sua marca.

Proporcione uma ótima experiência

Pode parecer óbvio, mas muitas empresas focam na parte de atrair novos clientes e acabam se esquecendo de proporcionar uma ótima experiência para aqueles que estão, de fato, comprando delas.

Um exemplo de como você pode garantir uma excelente compra para seus clientes é por meio de um atendimento excepcional. Esteja atento às dúvidas e necessidades dos compradores. Procure ajudá-los de verdade. Dessa forma, eles enxergarão valor ao fazer negócio com sua marca.

Considerar as particularidades do mundo moderno na jornada de compra é uma forma de adequar as estratégias do seu negócio à realidade dos seus clientes. Os modelos clássicos nos ajudam a entender como abordar esses potenciais compradores, mas é preciso observar o comportamento da sociedade para se adaptar de forma a impactar as pessoas de forma mais efetiva!

E, então, está pronto para criar sua estratégia?

---

Informações da autora


Victoria Salemi é a editora responsável pelas parcerias de conteúdo da Nuvemshop, a maior plataforma de comércio digital da América Latina, com mais de 30 mil lojas ativas. Formada em Jornalismo, ama escrever e tornar assuntos complicados acessíveis a todos!

Outras notícias

Análise de dados é essencial para tomar decisões inteligentes img
#Dados

Análise de dados é essencial para tomar decisões inteligentes

Análise de dados move nosso mundo. Parte das grandes decisões são feitas com informações consistentes e cartesianas, não apenas com base nas mentes criativas e borbulhantes de ideias. O alento é que a parte mais legal, as ideias, ainda permanece com o ser humano, e a hard, com as máquinas, embora o monitoramento de dados e toda a orquestra do processo seja feita por gente de carne e osso.Dados é inteligência de negócioE o que falar sobre o papel da tecnologia no momento atual, não é mesmo? Você aí, driblando seu isolamento social, provavelmente trabalhando em home office neste momento, já pensou como seria suas demandas sem a tecnologia e o compartilhamento de dados? Sim, na nossa rotina de cidadão comum, eles já são imprescindíveis.Agora, imagine para empresas e governos no monitoramento em tempo real, com tudo o que está acontecendo no mundo, incluindo atualizações de informações de saúde pública, movimentação da economia, política. Neste artigo, a gente explica como os dados podem ajudar o seu negócio, além de mudar sua forma de ver e interpretar o mundo. A importância do monitoramento de dados A regra é clara: quanto mais dados pertinentes ao seu negócio a empresa reunir, mais assertiva será a sua estratégia. E nessa busca relacionada à coleta e análise de dados, alguns conceitos ajudam, como: ➜ Dashboards - painéis de apresentação de dados;➜ Business Intelligence - base de dados que auxilia na tomada de decisões empresariais;➜ Big data ou Big Data Analytic: analisa e obtém informações a partir de conjuntos de dados grandes demais para serem examinados por sistemas tradicionais;➜ Inteligência artificial: similar à humana, mas exibida por mecanismos ou software, que coleta informações e responde a elas. Decisões com base em informações são mais consistentes, minimizam riscos, geram mais confiança nas equipes e possibilitam inovação. Algumas ferramentas de coleta de dados, como os aplicativos e pesquisas de mercado, podem auxiliar. O Google Forms e SurveyMonkey são exemplos na montagem da pesquisa e aplicação. Fato é, que os próximos anos tornarão a análise de dados uma necessidade para qualquer tipo de empresa, independentemente de seu tamanho. Os processos de Business Intelligence (BI) realizam análises e indicam probabilidades de padrões e insights. Já o Big Data Analytics trabalha com diversas fontes, como: ➜ Arquivos de log de servidores web;➜ Relatórios empresariais;➜ Pesquisas de satisfação;➜ Feedback de consumidores da empresa por e-mail ou telefone;➜ Reviews de produtos e serviços nos sites da empresa;➜ Publicações em mídias sociais;➜ Programas de fidelidade;➜ Indicadores macroeconômicos.Os profissionais da área de dados participam no monitoramento e processo de tomada de decisão, pois compreendem toda a base destas informações organizacionais, agindo como uma bússola para nortear os movimentos da empresa. Por isso (mas não só isso), essa será a carreira do futuro, na área de negócios. Mesmo com tanta instabilidade para os próximos anos, dados serão a saída para um resultado mais próximo do ideal que teremos em mãos. Se torne um profissional de dadosQuem tem resiliência e sabe usar a tecnologia como verdadeira aliada e facilitadora de processos, não está com foco só na luta para sobrevivência, mas vai além - na reinvenção de sua carreira e modelos de negócios. Para estar preparado para este futuro cheio de desafios, a Digital House oferece três cursos na área de dados: Inteligência Artificial, Data Science e Data Analytics.Voltados para os mais diversos níveis de conhecimento, esses cursos vão preparar sua carreira para o novo cenário, pensando durante e pós-crise pandêmica. Estamos juntos nessa, por enquanto separados fisicamente. Mas, só por enquanto.

O que eu posso fazer utilizando Javascript? img
#Tecnologia

O que eu posso fazer utilizando Javascript?

O Javascript pode ser a porta de entrada para a era dos códigos mágicos, os mesmos que permeiam a telinha do seu celular. E será que você sabe o que você pode fazer utilizando o Javascript? Então se prepare: é possível usar e abusar de uma variedade enorme de frameworks e aplicações para os mais diversos dispositivos, com certa facilidade de aprendizado. E a bomba que vamos soltar neste post, e que muitos não sabem, é que o Javascript, não é Java (pasme). Calma que a gente explica e decodifica para você.A diferença entre Java e Javascript Ao contrário do primeiro, que é uma linguagem de programação robusta, o segundo se apresenta como uma linguagem de "scripting”, executada e nada compilada. Resumindo como o Javascrip funciona, sua ação é realizada pelo navegador e depende dele para rodar, diferente do Java. De início, o JS foi criado para automatização de processos na web e seguiu evoluindo. Esta linguagem de alto nível, que nasceu em 1996 e foi concedida pela mente brilhante do programador Brendan Eich, um dos fundadores da Mozilla Corporation, tem algumas diferenças do Javascript para a linguagem de programação Java que vão deixar tudo mais claro: ➜ Java tem tipagem estática, JS, tipagem dinâmica; ➜ Java tem orientação a objeto baseado em classes, JS, é baseado em protótipos; ➜ JS costuma ser mais fácil de aprender, Java, nem tanto…; ➜ JS é mais rápido e leve, Java, nem tanto… Mas, como nem tudo é perfeito e aqui somos sinceros, no desenvolvimento web de JS é necessário um investimento responsável em cyber security, já que nele há vulnerabilidades como possíveis brechas de segurança, que podem ser usadas para executar códigos maliciosos no computador do usuário. Mas, segurança digital, quem nunca, né pessoal?As vantagens do Javascript Entre os benefícios de uso, a gente pode citar o desenvolvimento e implementação de itens de alto nível de complexidade em páginas web, como animações, mapas, gráficos ou informações que se atualizam em intervalos de tempo-padrão. JS é a terceira camada do bolo de desenvolvimento web e front-end, junto ao HTML, CSS e PHP. Além disso, com ele você: ➜ Não precisa de um compilador porque os navegadores de internet o leem com HTML; ➜ Localiza mais facilmente os erros e, logo, os corrige mais rapidamente.➜ Consegue escolher certos elementos de páginas de internet ou eventos específicos, como cliques e rolagens de mouse personalizados. ➜ Tem mais liberdade para trabalhar, já que JS é compatível com várias plataformas e navegadores. ➜ Pode validar entradas e reduzir a necessidade de verificações manuais de dados. Aprenda a programar do zero Então, fica claro que JavaScript é um tipo de linguagem de programação de comportamento que dá asas à imaginação do programador, utilizando de recursos de criação de conteúdos dinâmicos, controle de mídias e animações. O que isso representa? Mais possibilidades para deixar seu site incrível, ou seja, interativo e interessante ao freguês. Pois é, inclusive Javascript ajuda em ações de experiência do usuário (UX). E olha que massa: na Digital House você tem a oportunidade de fazer um curso para aprender a programar do zero. Sim, a linguagem dos códigos agora está ao seu alcance. No decorrer do programa, você vai dominar front-end e back-end de um website, com as melhores práticas e professores que dão um show na codificação.

Estratégias de UX para ter um site mais amigável img
#UX

Estratégias de UX para ter um site mais amigável

A arte do UX, de entender e colocar em prática melhorias pensando no usuário, nunca esteve tão na crista da onda para um oceano de mercados pois, dá resultado, simples assim. UX significa investir na experiência do usuário, ficar de olho na forma como o potencial cliente vivencia um serviço, um sistema, um aplicativo, e como é possível melhorar ainda mais esse contato. Este trabalho minucioso utiliza de várias técnicas, incluindo o teste de usabilidade, tudo com aquele olhar de Sherlock no que o freguês está sentindo, indo muito além das telas ou interações virtuais.Ter uma página que atraia clientes e faça ele se sentir à vontade não é uma tarefa das mais fáceis. É aí que o UX pode ajudar a entregar um site amigável para seus usuários. Estratégias com base em análises e dados estão à sua disposição para dar um upgrade na experiência UAU que você quer oferecer. E lembre-se, as pessoas não querem dor de cabeça na hora de comprar um produto, utilizar uma ferramenta ou mexer em um APP, quanto mais mastigado estiver, melhor. Como ter um site amigável e reter mais usuáriosO estudo “Why Web Performance Matters”, realizado com 1.500 internautas, revelou que 88% dos entrevistados alegaram ter menos chance de retornar a um site depois de uma experiência negativa. Jura? Ok, ok, pode parecer óbvio, mas nas estratégias de UX a abordagem, ou seja, a questão é: como saber se os meus usuários estão tendo uma experiência negativa no site. Então, para direcionar mais ainda e afunilar as alternativas, é necessário saber: Descubra qual o seu públicoImagine que você já tem um produto/serviço que seja bom. Agora você precisa dizer isso para o mundo, mostrando o que ele faz e como pode ajudar pessoas e empresas. A  segmentação de mercado é uma forma de conhecer essa galera e otimizar as estratégias de comunicação e marketing. Para isso você precisa um olhar atento a comportamento, demografia, estilo de vida, geografia, personalidade e índice socioeconômico. Faça um diagnóstico de comportamentoO consumidor pode falar uma coisa e agir de outra forma, ou seja, a visita ao seu site pode parecer uma montanha russa. E para que não fique tonto, analisar fatores emocionais, sociais e psicológicos ajudam a decifrar a mensagem que cada atitude desta pessoa pode ter. A criação de uma conexão emocional é o ponto de partida de uma estratégia de comunicação. Mas, pera lá. Para ter certeza de que essas emoções são interpretadas corretamente pelo público-alvo, você precisa de números, dados e do próximo item… Estabeleça MetasJá sabe com quem vai falar? Hora de traçar meios para chegar até elas. Definir metas é ficar mais perto do objetivo, já dizia algum filósofo por aí, seja ele lucro, exposição de marca, e os dois, why not? Invista nos serviços da interfaceO design de interface é ligado à clareza de informações. Precisa funcionar. Então, é interessante investir aqui em usabilidade, sem ignorar a identidade visual da sua marca, obviamente. Seu site precisa ser intuitivo. Depois, impactar positivamente quem está navegando pela aparência. Para isso, é necessário aquele trato com as cores, tipografia e elementos visuais. Tenha um site responsivo, sempre!Ter um site em que a interface e todo conteúdo não se adapte a diferentes resoluções de tela é um tiro no pé. De acordo com pesquisa do Google de 2019, mais de 40% das pessoas preferem fazer sua jornada de consumo pelo celular, da pesquisa à compra. Seu site precisa ser incrível, seja da tela do celular, tablet ou computador. Como se transformar em um profissional de UXNosso artigo traz um modelo de estratégia a ser aplicada para um site ser atrativo. Porém, para desenvolver cada etapa, você precisa daquela bagagem esperta, cheia de dados. Sim, informações na prática combinadas com conhecimento. Inscrevendo-se no curso de UX da Digital House, você tem acesso ao melhor conteúdo, contato com professores que estão no mercado, e para fechar com chave de ouro, desenvolve um projeto 360º focado em experiência do usuário. Aprenda a fazer pesquisas com usuários, analisar modelos mentais e otimizar resultados que geram impacto nos negócios. Crie protótipos e faça testes de usabilidade, além de análise heurística para melhorar interfaces. O curso de experiência do usuário te prepara para este desafio com segurança. Bora?