Como migrar os dados para a nuvem e quais problemas podem aparecer

Como migrar os dados para a nuvem e quais problemas podem aparecer

Será mesmo que o armazenamento de dados na nuvem é a porta de entrada para uma empresa decolar? Não exatamente, pois essa condição hoje em dia passou de diferencial para necessidade.

Com os dados armazenados em nuvem um negócio consegue acompanhar e suportar todas as mudanças do cibermundo que vivemos, com segurança e disponibilidade de rede. A migração de informações, também conhecida como cloud computing, é a área que mais grandes players investem ultimamente, por conta dos benefícios de armazenar na nuvem, como economia de custos em atualizações e manutenções (de equipamentos e espaços físicos).

E a demanda por serviços em cloud deve crescer nos próximos meses por conta da quarentena e das necessidades das empresas em se adaptarem ao trabalho remoto. Segundo pesquisa sobre migração para a nuvem, divulgada pela Hibou, empresa de monitoramento de mercado, em parceria com a plataforma de dados Indico, 6 a cada 10 brasileiros estão de home office. Os dados são do início de abril de 2020 com base em 2,4 mil pessoas.

Esse resultado só endossa o que acabamos de contar. Olha aí um céu azul de oportunidades, pensando nas carreiras ligadas em habilidades digitais.

E como migrar dados para a nuvem, na prática?

De uma maneira geral, o processo de migração e armazenamento de dados na nuvem é uma verdadeira jornada que envolve toda a rotina de uma empresa e mobiliza sua estrutura atual de TI. Para exemplificar, separamos alguns pontos de um plano do gênero. São eles:

O estudo sobre viabilidade e vulnerabilidades

O start partirá do levantamento das informações, o que significa entender a fundo o cenário atual da infra de TI e ter noção dos desafios para se chegar lá.

Planejamento

Sendo bem realista, aqui a análise precisa ser com base nas informações levantadas no estudo anterior. Só a partir delas é que será possível compreender os recursos disponíveis para migrar todas as informações da empresa, inclusive definir o tipo de nuvem (se pública, privada ou híbrida).

Construção do plano e validação

A hora do mãos à obra não apenas é o momento do xeque-mate do planejamento, mas envolve a compreensão e o ok das mais diversas áreas da empresa, como RH e Negócios. Todos precisam estar cientes de informações, como período do projeto e possíveis perrengues de produtividade em seu decorrer.

Etapa final

Nesse ponto, cabe um diagnóstico sobre a nova estrutura. Para que essa etapa aconteça, todas as outras precisam de desenvolvimento completo, com equipe engajada, alinhamentos necessários e o suporte de profissionais habilitados em gestão de cloud computing.

Importante lembrar que, quando parte desse passo a passo do projeto de migração para a nuvem que exemplificamos der o chamado ruim, problemas podem acontecer no meio do caminho e será preciso eficiência do time de TI para solucionar. Fique esperto para estas dificuldades durante a migração para a nuvem:

➜ Impacto negativo na performance da rede;
➜ Custo com prejuízos por paralisações de sistemas e rotinas por tempos mais estendidos que o necessário;
➜ Vulnerabilidade e brechas de segurança digital;
➜ Versões de software descontinuada;
➜ Falta de garantia dos hardwares.

Cresce o investimento em computação em nuvem

Como a migração para a nuvem é uma necessidade para empresas de qualquer tamanho e segmento, já que o nosso mundo atual é orientado por dados, no futuro essa habilidade será ainda mais solicitada.

Pensando em ajudar na evolução e democratização das habilidades digitais no país, a Digital House tem um curso sobre armazenamento em nuvem, onde o aluno aprende a elaborar planejamentos estratégicos para nuvens, sejam elas públicas, privadas ou híbridas. r

Direcionado para os profissionais de DevOps, Ciência de Dados, IA, Full Stacks e engenheiros de software, o programa de CloudArchitect inclui o aprendizado da projeção e construção de arquiteturas eficientes e escalonáveis ​​na AWS, seguindo as melhores práticas do mercado.

Nele, você vai dominar desde a configuração de um data lake, criar APIs, fazer entradas de informações em tempo real e usar ETLs no Spark. Se surgir qualquer dúvida, conte com a gente para te explicar melhor sobre esse mundo digital!