MENU

| BR

Campus

Cursos

Programas Executivos

Paises

Habilidades digitais: quais as melhores para investir em 2020

Habilidades digitais: quais as melhores para investir em 2020
#Carreira
17 de fevereiro - min de leitura

As empresas estão de olho nas competências digitais. Saiba como transformar a sua carreira olhando para o futuro, afinal, as novas profissões já apareceram. Você sabe quais são elas?


Conheça as 10 habilidades digitais mais valorizadas pelas empresas atualmente e como aprender alguma delas pode ser vantajoso para sua carreira

A partir de 2020, valorizar sua carreira vai muito além da formação acadêmica, aquela do diploma da universidade tradicional. Nos dias de hoje, conhecer as habilidades mais procuradas pelas empresas e investir nelas pode ser o que faltava para você crescer ainda mais profissionalmente.

Isso é o que afirma quem entende bem do negócio. O LinkedIn, referência em rede social profissional que, em sua recente pesquisa "What skills does the workforce value most?" lista as habilidades que estão em alta no mercado de trabalho.

O surgimento de novas profissões

A pesquisa traz informações importantes, entre elas, a prova de que a necessidade do consumidor é quem dita as regras, inclusive nas tendências de inovação e tecnologia. Muitas delas continuarão a evoluir, com rapidez e tomando parcelas consideráveis de mercado. Por exemplo, pela primeira vez, este ano, o blockchain não apenas faz parte da lista, mas também ocupa o primeiro lugar.

Outro ponto que explica a dinâmica desse ranking é que à medida que o mundo é orientado por dados, há a necessidade da análise deles, ou melhor, de pessoas que possam ajudar não só a interpretá-los, mas a executar ações com base nestas informações de maneira estratégica. Em outras palavras, análise de dados representa lucratividade.

Desenvolver essas skills, ou pelo menos ter conhecimento da necessidade delas, já coloca você um passo à frente na busca por uma nova oportunidade de trabalho, qualificação ou até mudança de profissão, por que não? Mas vamos ao que interessa!

Competências e habilidades que as empresas procuram

#1 Blockchain

Pra quem se pergunta o que é blockchain, ele teve sua origem lá atrás, em 2009, para implementar o uso das criptomoedas. Atualmente, a forma de sua utilização é no armazenamento, validação, autorização e movimento dos dados pela internet com evolução nos processos, ajudando no envio seguro de qualquer ativo digital.

#2 Computação em nuvem

Só a computação em nuvem comporta todas as inovações tecnológicas da Era Digital. Por isso, as empresas precisam de talentos com habilidades necessárias para ajudar na arquitetura, design e na entrega de sistemas em nuvem.

# 3 Raciocínio analítico

Já que os dados são a base dos negócios, as organizações valorizam talentos que consigam entendê-los e descobrir insights que conduzam às melhores decisões, com um olhar observador e assertivo.

#4 Inteligência Artificial

A Inteligência Artificial já faz parte do nosso dia a dia, ela aumenta a capacidade de força do trabalho humano e pode ser potencializada se aliada ao aprendizado de máquina e ao processamento de linguagem natural. Com essa grandiosa carta na manga, organizações geram produtos e serviços muito mais relevantes, personalizados e inovadores.

#5 UX Design

O tempo médio de atenção dos consumidores diminui a cada ano e eles têm pouca paciência para produtos não intuitivos. Com este desafio, as organizações precisam de mais observação e conhecimento para ajudar na experiência do usuário. E esta é uma competência bem rentável.

#6 Análise de negócios

Uma das habilidades que todo profissional deveria ter, independentemente da sua área. A maioria das funções exige algum nível de análise de negócios para tomar decisões e ser certeiro nessa tarefa pode resultar em crescimento estrutural. Isso significa: todos saem no lucro.

#7 Marketing digital

Com a fase drástica de mudanças na publicidade tradicional e a ascensão das mídias sociais, o marketing digital se tornou uma habilidade essencial, com o grande diferencial de ser segmentado e pensado para públicos específicos, com ferramentas também específicas.

#8 Vendas

É difícil encontrar uma empresa que não precise de ótimos profissionais de vendas, certo? Mas, estas pessoas hoje precisam ter, além da habilidade de gerenciar efetivamente suas demandas, equipes, entender com clareza sobre o funil de vendas, ter também facilidade com programas e ferramentas digitais que os ajudem a vender nos mais altos níveis de negócios.

#9 Computação científica

As habilidades de computação científica são realizadas por profissionais de ciência de dados, engenheiros e arquitetos de software, entre outros. Eles são requisitados para o desenvolvimento de modelos de aprendizado de máquina, aplicação de abordagens estatísticas e analíticas entre outros.

#10 Produção de vídeo

Consumidores têm um apetite voraz por conteúdo de vídeo. Por isso, faz sentido que a produção de vídeo continue uma prioridade para as empresas. A Cisco estima que o vídeo representará 82% do tráfego global da internet, até o final de 2022.

Futuro das profissões na Era Digital

Diante das informações desta pesquisa, fica um convite à reflexão quanto a quais dessas habilidades se enquadram no seu propósito profissional.

A Digital House é a maior escolha de habilidades digitais da América Latina, e junto com um time de professores especialistas que estão no mercado, te ajuda a transformar sua carreira. Conheça nossos cursos focados em habilidades digitais, vamos juntos construir seu futuro :)

Outras notícias

Scrum Master: o que é, responsabilidades e como se tornar um profissional ágil img
#UX
#Marketing
#Carreira
#Tecnologia

Scrum Master: o que é, responsabilidades e como se tornar um profissional ágil

Figura de destaque no universo dos projetos ágeis complexos e de prazo curto para entrega, o Scrum Master trabalha em parceria com o Product Owner e seu time de desenvolvimento.De um lado, o Product Owner fica ligado em construir o produto correto, em sintonia com a equipe de desenvolvimento, sempre focada em produzir corretamente esse produto. Do outro, o Scrum Master integra e ajuda todas essas pessoas a compreender o propósito do método.Neste texto, explicaremos sobre o que é, a dinâmica de trabalho e como se tornar esse maestro de projetos miraculosos, ou seja, alinhados, possíveis e incríveis. O que é um profissional Scrum Master?O Scrum, por si só, tem como principal missão descomplicar projetos complexos em prazos de entrega reduzidos, com a possibilidade de adaptação de mudanças durante as etapas produtivas.Se você tem dúvidas sobre o método, já falamos sobre ele em “Metodologia Scrum: como o framework cria times mais colaborativos e ágeis”.E o Scrum Master é o nome dado ao profissional que personifica esse método. Ele é o responsável por ajudar toda a equipe a compreender a metodologia na prática, desenvolvendo seus valores e princípios, além de eliminar cada obstáculo que impede o progresso e a produtividade do time.Sim, só tudo isso. Esse cargo surgiu durante os experimentos de Jeff Sutherland, co-criador do Scrum, e sua equipe de desenvolvedores. Na época, seu time identificou que precisava de uma pessoa para auxiliá-los e liderá-los, nos moldes do rúgbi, o esporte.Essa pessoa seria uma espécie de líder-servidor, ou seja, um treinador. Batizado de Scrum Master (ou Mestre Scrum), esse indivíduo conduziria todas as reuniões, se certificaria da transparência do trabalho e o que estivesse atrapalhando o grupo durante o andamento do projeto, incluindo dificuldades de relacionamento interno, aperfeiçoamentos do processo e combate aos pontos fracos.Por esse motivo, a função é essencial para que os valores e práticas não se percam durante o dinamismo e pressões externas sobre a equipe, o projeto, bem como prazos e refrações.Por que ser Scrum Master?Assim, o Scrum Master deve estar sempre à disposição de todos os desenvolvedores e do Product Owner. Abaixo, alguns  exemplos de impedimentos que o Scrum Master precisa estar atento:➜ Gap de conhecimento: para resolver, a liderança pode transferir conhecimento, indicar outras pessoas para fazer isso, promover treinamentos etc;➜ Problemas com infraestrutura: o Scrum Master pode interceder junto as outras áreas da empresa para resolver o problema o mais rápido possível, buscando soluções definitivas, emergenciais ou até mesmo preventivas;➜ Intervenções externas: nesse caso, ele precisa identificar ou ser comunicado pela equipe desta intervenção vinda de fora do time Scrum (por outras áreas, por exemplo), que estejam prejudicando o andamento das atividades. Mesmo que as metodologias ágeis precisem da colaboração e comunicação de todos os envolvidos, o Scrum Master é a pessoa que vai garantir que isso esteja acontecendo, facilitando a comunicação e moderando discussões.Nas reuniões do Scrum, como a Daily Meeting e a Sprint Review, ele não apenas dará seu parecer, como entre as tarefas do Scrum Master está garantir o lugar de fala de todos, democratizando o diálogo. Assim, as tomadas de decisões ficam muito mais assertivas e humanas. Como se tornar um Scrum MasterSe você já participou de vários processos assim, ou está ingressando no primeiro, e tem interesse nesta posição, precisa compreender que esta pessoa será a principal referência do time sobre a metodologia. Portanto, observe sua postura, estude suas ações.Para se tornar um deles, além de ampla experiência em projetos ágeis, com um portfólio que comprove a trajetória, ter uma certificação de Scrum Master é interessante, ou mesmo um curso de Agile.Acompanhe nossos artigos diários no blog da DH e atualize seus conhecimentos. Nós simplificamos a forma de compreender a Era Digital para você, na velocidade que ela acontece.Leia mais no blog DH:+ Futuro do trabalho: o que a tecnologia não substitui?+ Dica dos especialistas: 5 livros sobre transformação digital que vão mudar sua carreira+ Quero mudar de carreira, e agora?

SEO para E-commerce: estratégias para sua loja aparecer na busca orgânica img
#Marketing

SEO para E-commerce: estratégias para sua loja aparecer na busca orgânica

Sim, a gente sabe que você conhece SEO, também sabemos que prefere usar mídia paga e deixa ele de lado no dia a dia do seu negócio. Neste artigo vamos mostrar porque você precisa trabalhar o SEO para e-commerce com a ajuda do nosso especialista no assunto, Luiz Gallo.SEO para e-commerce: importante e muitas vezes desvalorizado  A cobrança sobre resultados imediatos gera pressão e faz com que, muitas vezes, o SEO seja deixado de lado por grandes empresas e lojas virtuais. Isso porque os investimentos de mídia paga geram resultado na hora, ou seja, você paga e recebe aquele acesso ou clique em um curto espaço de tempo.Com SEO para e-commerce, você recebe o retorno em médio e longo prazo, faz investimentos que serão colhidos com o passar do tempo, e justamente por isso, são extremamente consistentes. Uma pesquisa recente realizada pela Conversion mostra que 77% dos brasileiros preferem clicar nos resultados da busca orgânica do que da busca paga. Se você não investir em SEO para ter um bom posicionamento no Google, chamará a atenção apenas de 23% dos clientes em potencial, o que nos leva a uma importante pergunta: você quer abrir mão de 77% de seus clientes em potencial?Se você não é louco, sua resposta foi não e vamos falar de como fazer o SEO do site para alcançar um bom posicionamento.Se você está chegando no blog pela primeira vez, já demos algumas dicas importantes de organização de SEO em posts anteriores, como o “9 dicas de SEO para o seu e-commerce” e o “15 dias de SEO para otimizar o seu site para os motores de busca” que irão complementar as dicas que daremos a seguir.Estratégias de SEO para e-commerce que você precisa saberSe SEO é um conjunto de práticas e estratégias para que nossas páginas sejam relevantes para o Google, nada melhor do que chamar esse gigante da internet para discutir a relação e entender como podemos melhorar nosso posicionamento. Temos diversas ferramentas que o próprio Google oferece para que possamos mensurar nosso desempenho e garantir melhorias. Fique sempre atento ao Google Search Console, onde você saberá tudo sobre a busca orgânica do site. O Google Meu Negócio também ajudará você a apresentar informações importantes sobre sua loja que serão exibidas para seus clientes, gerando mais confiabilidade e, consequentemente, conversão.Outra ferramenta importante do Google é o Page Speed Insights, uma análise em detalhes do tempo de carregamento do seu site e o que você precisa fazer para ter um site mais rápido e garantir uma melhor experiência para os usuários.De nada adianta uma boa estratégia de palavras-chave para e-commerce, ótimos textos e páginas bem otimizadas se o seu cliente precisar esperar 10 segundos para suas páginas carregarem.Problemas com tempo de carregamento arruinam boas estratégias de SEO para e-commerce, pois como consumidores, somos exigentes e impacientes, se uma página que clicamos não carrega, iremos rapidamente para uma segunda opção.Como fazer o SEO do site?Mobile é fundamentalPensou que este seria o primeiro post de SEO de 2020 que não falaria de mobile? Pensou errado!Sabemos que é um tema muito debatido, mas desde 2015, a maioria das experiências online são feitas por meio de celular e você precisa se adaptar ao seus clientes para oferecer uma melhor experiência. Inclusive já escrevemos um infográfico contando porque estamos na Era Mobile Only e não Mobile First.Involuntariamente, muitas vezes por hábito ou tradição, desenvolvemos nossos sites sempre pensando em desktop quando temos 70 a 80% dos usuários acessando por celular.Entenda sua audiência e construa a melhor experiência para ela a partir de dados e comportamentos para que o processo de compra seja natural. Se a maioria dos meus clientes em potencial acessam meu site por celular, isso significa que preciso pensar primeiro em minha versão mobile e depois no desktop.Experiência, experiência, experiênciaVocê já deve ter percebido que falamos muito sobre oferecer a melhor experiência para o seu cliente. Esta é basicamente a função do SEO para e-commerce.Se trabalhamos palavras-chave de interesse para nosso público-alvo em nossas páginas, temos bom tempo de carregamento e uma página atraente, a possibilidade da audiência se interessar mais e navegar pelo site é maior, a associação entre interesse e navegação são um ótimo caminho para as vendas.Para isso, é preciso analisar o comportamento do usuário quando acessa seu site. O Google Analytics oferecerá números preciosos, como o tempo de permanência do usuário no site, quantas páginas ele navega e quais são as páginas mais acessadas.Outro recurso importante são os mapas de calor, como o Hotjar e o Mouseflow, eles mostram o comportamento das pessoas quando acessam seu site, por onde navegam, onde mais clicam e quais as áreas que chamam mais atenção. Quando se tem um relatório sobre qual a navegação do usuário dentro das páginas, as páginas mais acessadas e o tempo e perfil de navegação dentro do site, temos recursos para melhorar a experiência para conseguir mais clientes.Mudanças de design, navegação, distribuição de conteúdos e botões de clique para venda podem fazer muita diferença na hora de fechar negócio.Relacionamento com a audiênciaQuando se inicia um negócio online, é preciso entender que a internet não é uma via de mão única, quando publicamos conteúdos ou vendemos produtos, estamos sujeitos a comentários de terceiros, críticas, elogios e sugestões.Estabelecer um relacionamento próximo com seus clientes indo além dos conteúdos para redes sociais pode ajudar muito na qualificação orgânica do seu site.Estratégias de inbound marketing, envios de e-mails marketing com recomendações de produtos e conteúdos poderão gerar mais acessos de uma audiência que já teve uma boa experiência em seu e-commerce e podem efetuar novas compras.O incentivo vai além dos produtos, solicitar comentários e recomendações no Google sobre a experiência de compra que tiveram poderá ajudar não apenas em sua qualificação na busca orgânica como também no convencimento de novos clientes que buscam validação e confiabilidade dos sites por meio de comentários e publicações de terceiros. SEO para e-commerce: Atualizações do algoritmo do GooglePresente e futuro: AEO e BERTO AEO, answer engine optimization é a parte do SEO responsável pelas buscas feitas por voz, um comportamento que vai crescer ainda mais nos próximos anos e já está provocando mudanças não só no algoritmo de buscas do Google como também no comportamento das pessoas ao realizar uma busca e em consumir produtos e conteúdo.O BERT,  como o Google batizou sua atualização do algorítimo de busca, muda o resultado de 1 a cada 10 pesquisas feitas no Google. A mudança privilegia tanto o mobile como as pesquisas realizadas por voz. Para oferecer um resultado mais preciso para as buscas de voz, o Google começou a considerar não apenas as palavras-chave como também as preposições e conjunções, ou seja, com o BERT, as frases ganham mais importância. O BERT também aumenta o destaque para quem oferecer uma experiência baseada na qualidade de informação. E-commerces com conteúdo de qualidade, focados especificamente no público-alvo ganharão mais destaque nas buscas, pois quanto mais qualificado e específico se torna o seu conteúdo, mais destaque ele terá com o novo algoritmo.Sites adaptados para todas as plataformas ganham ainda mais relevância, o Google Maps e o YouTube também entraram na atualização do algoritmo. Um dos objetivos da atualização do algoritmo do Google foi se adaptar às novas tendências de pesquisas feitas por voz, dados da KPCB mostram que cerca de 50% das pesquisas até o final de 2020 serão feitas por voz.Para quem vai trabalhar SEO para e-commerce, oferecer uma boa experiência mobile, explorar ainda mais conteúdos em áudio e vídeo e organizar os dados estruturados do site são o caminho para sair na frente dos concorrentes.Quer saber mais sobre SEO? Fique por dentro dos cursos de marketing da Digital House, temos aulas específicas para te mostrar como aumentar suas vendas com Search Engine Optimization e criar estratégias para a busca orgânica.Leia mais no blog DH:+ Como ter um site mais amigável?+ Customer Centric: como moldar sua estratégia com foco no cliente+ Como gerar leads: estratégias de marketing para ter uma base qualificada

Customer Centric: como moldar sua estratégia com foco no cliente img
#Marketing

Customer Centric: como moldar sua estratégia com foco no cliente

A primeira vez que ouvi falar sobre o que é estratégia Customer Centric foi acompanhando a trajetória de Jeff Bezos, atualmente o homem mais rico do mundo.Em um vídeo de 1999, Bezos explica que a Amazon tinha como missão não ser apenas uma das empresas customer centric (centrada no cliente) do planeta, mas sim a número 1 (missão que eles mantém até hoje).E a Amazon tem uma definição muito precisa para Customer Centric: ouça, invente e personalize.Customer Centric: passo a passo segundo a AmazonOuvirPrimeiro, você precisa ouvir os clientes. Empresas que não os ouvem, falham.Ouvir o cliente vai muito além de dar atenção quando ele reclama, não é apenas sobre ter um SAC eficiente.Este hábito envolve olhar todos os dados que esse cliente gera nas interações com a empresa. Ouvi-lo significa fazer pesquisas regulares de satisfação e resolver seus problemas antes dele ficar insatisfeito.Algumas perguntas chave para entender se você ouve o seu cliente:➜ Seus clientes indicariam o seu produto para outros?➜ Quando sua empresa perde uma venda para a concorrência quais são os principais motivos de desistência?➜ Quando seus clientes trocam sua empresa por um concorrente qual é a principal reclamação?➜ Qual é a principal proposta de valor da sua empresa reconhecida pelos seus clientes satisfeitos?➜ Que recursos do seu produto ou serviço os clientes mais usam?➜ O que os clientes atuais sentem faltam no relacionamento com sua empresa?Se você sabe responder a maioria delas parabéns, você é uma empresa customer centric, se você consegue responder 3 ou menos ainda tem um bom caminho a percorrer.InventarSegundo, você tem que inventar para os clientes porque as empresas que apenas ouvem, falham. Não é o trabalho do cliente inventar para si mesmo.É muito comum as empresas trabalharem de forma reativa, sob demanda. Atender só quando se pede, criar algo mediante solicitação.O cliente não é o especialista no campo de atuação da sua empresa, aliás ele te procurou justamente por acreditar que você pode resolver um problema melhor do que ele faria sozinho.É trabalho da empresa criar novas soluções, produtos e serviços para atender o cliente plenamente. E para ser realmente inovador, você precisa resolver problemas que o consumidor nem sabia que tinha. E você deve fazer isso, obviamente, sem criar novos problemas!Após ouvir o cliente, faça um workshop de design thinking interno para projetar soluções para seus problemas. Qual foi a última vez que sua empresa se uniu para criar uma solução para o cliente?Se a empresa toda se une para apresentar os resultados do quarter ou fazer o orçamento do ano seguinte, mas não se une para resolver problemas do cliente, então definitivamente essa não é uma empresa customer centric.PersonalizarE o terceiro é personalizar, pegue cada cliente individualmente e coloque ele no centro do seu próprio universo.Você já fez uma análise cohort da sua carteira de clientes? Explicando de forma simplificada, uma análise cohort consiste em organizar seus clientes por características similares, as possibilidades são quase infinitas: produto consumido, ticket médio, frequência de consumo, canais preferidos de comunicação, dados geográficos, faixa etária, etc.Obviamente que para fazer isso os dados de todas as áreas que têm contato com o cliente devem estar disponíveis e relacionados de forma organizada. Observando diferentes segmentações de clientes é possível pensar em soluções específicas para cada grupo, recursos, funcionalidades, formas de pagamento ou outros aditivos específicos para a necessidade daquele grupo.Você já pensou se o seu produto, seus canais de comunicação e venda são acessíveis?Personalização não é apenas escolher a cor do seu carro ou a estampa da camiseta. Personalização envolver comprar, ser atendido e usar seu produto ou serviços como se aquilo tivesse sido pensado especialmente pra ele.Se o consumidor sente que todas as suas necessidades são atendidas, porque ele vai procurar a concorrência?Métricas para implementar uma estratégia customer centric na empresaSe você quer implantar uma estratégia customer centric na sua empresa precisará medir o seu desempenho, seguem algumas formas de medir seu sucesso com os clientes:Taxa de Churn - Conquistar novos clientes é bom, mas se você não está fazendo o mesmo esforço para mantê-lo provavelmente está faltando uma dose de foco no cliente. Quanto mais próximo de zero melhor.NPS - Net Promoter Score - Esse número varia de 100 a -100. O mundo perfeito encontra-se entre 75 e 100, de 25 a 75 em geral é considerado um desempenho muito bom. Se está negativo então vocês está encrencado! Saiba mais sobre como calcular o NPS aqui.LTV - Lifetime Value - O valor que o cliente gera dentro da sua empresa ao longo do tempo. Quanto maior melhor, esse número demonstra sua capacidade de manter esse cliente fiel.Então agora que você sabe como implantar e medir uma estratégia Customer Centric, mãos à obra! Quem sabe você não se torna o novo Jeff Bezos daqui 20 anos? ;)Leia mais no blog DH+ De olho no novo consumidor Digital First+ Inovação: como reinventar a minha empresa?+ Marketing com influenciadores: saiba como fazer sua marca bombar com influencers(*) Edney “InterNey” Souza é Diretor Acadêmico na Digital House Brasil, Organizador da Social Media Week São Paulo, Editor e Tradutor do WordPress.com para o Brasil, Colunista do ProXXima, Diretor da ABP (Associação Brasileira de Propaganda) e Conselheiro da ABRADi (Associação Brasileira de Agentes Digitais).