Matriz CSD: o que é e como implementá-la nos seus projetos de UX?

Matriz CSD: o que é e como implementá-la nos seus projetos de UX?

Qualquer profissional envolvido com projetos sabe: o começo é sempre cheio de dúvidas, poucas certezas e algumas suposições, mas, no meio do caminho, tudo vai mudando.

Isso porque o desenvolvimento vai ganhando forma, à medida que trabalhamos e nos dedicamos nele. E, nestas mudanças, a matriz CSD é uma das principais ferramentas utilizadas no acompanhamento e guia para saber o que virá depois.

Acompanhe este artigo e entenda o que é o conceito e como aplicá-lo no dia a dia da melhor forma.

O que é matriz CSD e por que usar nos processos de UX?

A sigla CSD vem exatamente das certezas, suposições e dúvidas que podem existir em um determinado projeto de UX. Sua função é fazer com que uma equipe esteja alinhada e consiga encontrar respostas sobre o futuro do processo, ao se guiar sobre o que deve focar em seu decorrer.

Basicamente, a matriz CSD consiste em três colunas. Em cada uma, são anotadas as certezas, suposições e dúvidas. E essas perguntas ou afirmações podem se referir a qualquer ponto do projeto, como o público-alvo, desejos, aspectos comerciais, processos, motivações etc.

Conforme o projeto for evoluindo e surjam as respostas ou descobertas, as anotações devem mudar de coluna, entendendo, assim, o que são as certezas e diminuindo as suposições e dúvidas.

Para construir essa matriz, diversos formatos e meios podem ser utilizados, como as planilhas de Excel, post-its em uma lousa, ferramentas de organização (Trello, Miro, Mural etc.), entre outros, ou seja, o que a sua equipe se sente mais à vontade para trabalhar e o que se adequa mais à empresa.

Matriz CSD

Quando usar a matriz CSD?

Vamos direto ao ponto: o mais recomendável é fazer a matriz CSD desde o começo de qualquer projeto de UX. Isso porque será possível entender o que cada membro de um time sabe sobre o assunto a ser tratado, como o imagina e quais desafios todos esperam ter.

A matriz representa o direcionamento para as primeiras pesquisas do projeto, tornando tudo mais assertivo para trazer o melhor resultado final. Consequentemente, isso refletirá no público que proporcionará um retorno positivo de tudo o que foi descoberto.

É muito importante que, no decorrer do desenvolvimento, a matriz seja revisada constantemente, até que todas as dúvidas sejam resolvidas, as certezas sejam confirmadas e constatadas e as suposições esclarecidas.

Infográfico UX Design. Baixe agora!

Como usar a matriz CSD?

Como comentamos, a matriz CSD se baseia em três colunas: certezas, suposições e dúvidas. O recomendável é que todas as pessoas de uma equipe participem, inserindo suas próprias considerações em cada campo, de acordo com a sua visão do projeto.

Em seguida, todos precisam conversar e debater sobre os pontos inseridos, a fim de entender o que realmente vai permanecer em cada coluna. Isso porque, às vezes, o que pode ser uma suposição para um membro, é certeza para outro, que possui dados para embasar a afirmação. Sendo assim, é essencial o alinhamento entre todos os profissionais.

Entenda com mais detalhes o que deve ser colocado em cada coluna:

  • Certezas: tudo o que é considerado verdade absoluta.
  • Suposições: aqui ficam as opiniões divergentes e tudo o que as pessoas acreditam ser real, mesmo sem ter como provar, de fato.
  • Dúvidas: tudo o que é desconhecido sobre o projeto.

4 dicas para utilizar a matriz CSD da melhor forma

Para tornar o processo ainda mais assertivo, separamos 4 dicas importantes a serem consideradas. Confira:

Junte o maior número de perspectivas possíveis

No momento de preencher a matriz, não se preocupe em ter consensos entre os membros da equipe. Primeiro, é hora de colocar tudo no papel e deixar todas as informações à vista. Não há problema em ter divergências, pois o objetivo é ter o maior número de perspectivas possíveis.

Divergências são suposições

Ao haver opiniões diferentes sobre um determinado assunto, é preciso inseri-los na coluna de suposições, a fim de evitar longas discussões sobre o tema e tornar o processo mais objetivo e assertivo.

As certezas são mutáveis

O que soar como certeza absoluta para todos pode ser inserida na coluna respectiva. No entanto, durante as pesquisas, elas podem ser transferidas para outras colunas, caso constatações contrárias forem encontradas.

O preenchimento pode ser variado

Todas as colunas da matriz podem ser preenchidas com informações, perguntas, dados comerciais, motivacionais e/ou contextuais, entre outros diferentes tipos de constatações relacionados ao desafio do projeto.

Que tal ser um especialista em UX?

Gostou do conteúdo? Se você possui interesse em adentrar no universo de UX, é importante saber que concluir um curso na área é uma ótima opção para desenvolver diferenciais como profissional deste mercado, pois você constrói uma base sólida de conhecimentos a serem utilizados e aplicados nas empresas.

Na Digital House, temos o curso de Experiência do Usuário (UX). Além de ensinar todo o processo, ele também aborda e explica diferentes metodologias para entender as necessidades dos projetos, como a matriz CSD.As aulas são online, 100% ao vivo e ministradas por professores que estão no mercado. Além disso, todos os alunos podem participar do programa de apoio à recolocação (gratuito) e em feiras de recrutamento exclusivas (Recruiting Day). Inscreva-se agora mesmo e dê um novo start na sua jornada profissional!

Leia mais no blog DH:

+ Google Analytics Dashboard: crie e personalize com o nosso passo a passo

+ O que é brand equity e como as empresas geram valor de marca em seus produtos e serviços

+ Marketing digital para iniciantes: 10 dicas de como começar na carreira

E aí, já segue a gente no Twitter? Vem pra rede, vamos conversar sobre habilidades digitais! ;)

Fique por dentro das novidades do mercado tech. Assine nossa newsletter