MENU

| BR

Campus

Cursos

Programas Executivos

Paises

Marketing Digital: Conceitos e Estratégias

Marketing Digital: Conceitos e Estratégias
#Marketing
2 de maio - min de leitura

O mundo do Marketing Digital vai muito além de SEO e Redes Sociais, descubra todas as estratégias à sua disposição para alavancar sua empresa


A definição de Marketing Digital pode parecer muito simples: aplicar estratégias de marketing para promoção de marcas, serviços e produtos no meio digital. No entanto, ela também é bastante vaga. Quais são essas estratégias? Como aplicá-las? O que eu considero como "meio digital"? O marketing digital tem uma lógica inversa do que marketing offline (ou, analógico). Isso porque o objetivo não é somente apresentar o produto e exibi-lo ao potencial consumidor em todos os canais: TV, rádio, revistas, jornais e outdoors. O produto é posicionado de tal forma para que os consumidores cheguem até você. Atualmente, 74% da população brasileira prefere fazer suas compras online e existem mais de 230 milhões smartphones ativos e em uso em nosso país. Isso significa que os meios citados acima, como comerciais na televisão e grandes banners, não são mais a principal forma de ganhar novos clientes. Pense assim: quando todos ao seu redor - na rua, no trânsito, no transporte público e até na sua sala de estar - estão olhando fixamente para uma pequena tela em suas mãos, é lá que sua marca deve estar. E é o Marketing Digital que te mostra o caminho.

Principais Conceitos

Para quem nunca ouviu falar em termos como Lead ou SEO, essas palavras não possuem significado algum. Mas no marketing digital, esses são conceitos chave para começar a pensar em sua estratégia. O primeiro passo para compreender e aplicar os conceitos de marketing digital começa entendendo melhor quem é seu consumidor. Em vez de somente definir um público-alvo baseado em características demográficas, o marketing digital cria uma persona. A persona é o seu consumidor ideal, ele tem nome, hobbies, hábitos, personalidade e, principalmente, um problema que só sua empresa pode resolver da melhor maneira. Montar uma persona te ajuda a ser muito mais assertivo em relação ao seu público-alvo. A seguir, você precisa desenhar a jornada do seu consumidor, também conhecido como funil de vendas. Ou seja, quais são as etapas pelas quais seu cliente passará antes de efetuar a compra? E o que acontece depois disso? As etapas geralmente são: aprendizado e descoberta; reconhecimento; consideração; conversão (compra) e fidelização. No meio do funil de vendas, quando clientes começam a considerar sua empresa, estão os Leads. Esse é um termo muito usado no marketing digital para designar clientes e negócios em potencial. Você verá mais à frente que uma das estratégias mais usadas para capturar e converter leads são inbound e e-mail marketing.

Principais Estratégias

Agora que você está familiarizado com alguns dos principais conceitos e ideias utilizados no marketing digital, pode começar a se aprofundar mais.

SEO

Em um mundo dominado pelo Google, o marketing digital precisa transformar as plataformas de busca em suas grandes aliadas. E isso não é difícil quando você usa o chamado SEO: Search Engine Optimization. Ao abrir uma página de pesquisa, os primeiros resultados mostrados são aqueles que a ferramenta de busca julga os melhores, em termo de relevância e navegação para o usuário. Ao aplicar uma estratégia SEO bem-sucedida, o seu site ficará no topo dos resultados de busca de forma orgânica, ou seja, sem pagar nada por isso. Os fatores analisados pelas plataformas de busca são: densidade de palavras-chave em sua página (no texto, no link, na meta descrição, na legenda de imagens), uso de tags, headings e links externos, tempo de carregamento de sua página, parâmetros de seguranças, entre outros. A otimização da sua página envolve seguir os parâmetros descritos acima. O SEO, portanto, é uma estratégia de baixíssimo custo e com crescimento muito eficaz. No entanto, apesar de seus resultados serem sólidos e duradouros, não são tão rápidos quanto os trazidos por meio de anúncios e outras estratégias pagas.

SEM

Outra sigla ligada aos motores de busca: SEM significa Search Engine Marketing. Aqui estamos falando de uma estratégia paga. Ao realizar uma busca no Google, você já deve ter percebido que os primeiros resultados sempre possuem uma tag "anúncio" e depois são os resultados orgânicos (aqueles que você trabalhou com SEO). Quando você exibe anúncios em plataformas de busca, consegue alcançar um número gigantesco de usuários e potenciais clientes. Atualmente, existem diversas ferramentas que fornecem análises e dados valiosos a respeito da interação com seus anúncios, mas vamos falar sobre isso mais adiante.

Marketing de Conteúdo

Não basta ter um bom produto, é preciso conseguir vender também uma boa história. Hoje em dia, os clientes querem mais do que uma solução, eles querem favorecer marcas que estejam alinhadas a seus valores. É aqui que entra o storytelling e um conteúdo envolvente e informativo. Mas cuidado, algumas empresas acham que storytelling é o mesmo que conto de fadas e que tudo bem vender mentiras para seus consumidores. Quem adotou essa estratégia, eventualmente foi pego e o tiro saiu pela culatra. Não é preciso mentir para ser convincente. Ter um bom conteúdo, bem redigido, objetivo e que ajuda seu cliente é uma estratégia que te auxilia em todas as etapas da jornada do consumidor. Para conseguir levar um conteúdo de qualidade até seus leads, você pode usar diversas plataformas: redes sociais, vídeos, e-mails. Mas a mais importante é a sua própria. Invista em um blog dentro do seu site. Isso vai unir três coisas importantes: tráfego em sua página, SEO e conteúdo.

Mídias Sociais

Provavelmente, a primeira estratégia que você conheceu de marketing digital foram as mídias sociais. Este é um dos canais de comunicação mais interativos da nossa era, com um alcance gigantesco. Não estar nas redes sociais é o mesmo que não existir. É aqui que você vai se conectar com quem tem interesse no que sua marca tem a dizer. Nestas plataformas, você pode divulgar seus produtos, compartilhar informações, mostrar bastidores e, literalmente, conversar com seu público. As redes sociais são uma ótima oportunidade para humanizar sua marca e engajar com seus clientes. É aqui que você trabalhará seu branding e storytelling. Assim como as plataformas de busca, as redes sociais também permitem anúncios. Nos quais você consegue atingir um público fora da sua base de fãs e prospectar novos clientes. Com a sofisticação das ferramentas de ads em redes como Instagram e Facebook, muitas vezes o consumidor nem percebe que está sendo impactado por um anúncio, mas sim por um conteúdo bem feito que o atrai.

E-mail Marketing

O e-mail marketing é comprovadamente a estratégia de marketing digital com maiores e melhores índices de conversão e resultados positivos. Se sua empresa não consegue vender com e-mail marketing, algo deve estar muito errado nesta estratégia. Muita gente acha que e-mails são coisa do passado e que não faz sentido apostar nesse recurso. Mas quanto tempo você consegue passar sem checar seus e-mails? O e-mail marketing é uma rede de comunicação direta com seu cliente, sem o filtro de outras plataformas, como redes sociais, que possuem regras próprias e que você não controla. Você pode utilizar este método para fortalecer sua marca e seu relacionamento com o cliente, para enviar conteúdos relevantes e informativos, para prospectar potenciais clientes e para, enfim, realizar vendas. A gama de possibilidades com e-mail marketing é gigantesca, e você consegue extrair dados e informações para melhorar cada vez mais quem está recendo qual conteúdo. Por exemplo, você possui um cliente que só abre suas newsletter e nunca seus e-mails de vendas. Ao identificar esse comportamento, você criará uma lista com seus clientes com comportamento similar e evitará mandar a mesma quantidade de e-mails de venda. Você pode até personalizar um conteúdo criando uma newsletter com uma sugestão de produto ao final. Os e-mails marketing também te permitem entender quem da sua base realmente está interessada em seu produto e, de tempos em tempos, retirar da lista quem não abre seus e-mails.

Inbound Marketing

O inbound marketing é uma estratégia focada em atrair leads até você, em vez de correr atrás deles de forma inconveniente. É uma forma mais sutil de marketing, que não chega oferecendo um produto, mas sim procura primeiro entender quais são as necessidades e os problemas daquele cliente. A seguir, estabelece-se um canal de comunicação, seja através de e-mails marketing, redes sociais ou blog. E só então você está pronto para oferecer sua solução. Pode parecer contraditório investir tempo e recursos em um lead que (ainda) não está buscando comprar nada. Mas este canal de comunicação ativa e constante, com trocas e feedbacks, coloca sua empresa como referência e por dentro das necessidades de sua audiência. Este cliente, no futuro, será um embaixador de sua marca e não só um comprador. A melhor maneira de ter uma estratégia de sucesso em inbound marketing é investindo em marketing de comunicação. Quando você tem informações valiosas à disposição, mais pessoas te encontrarão em busca de respostas.

Métricas e KPIs

Todas as estratégias acima geram dados. Dados de comportamento do seu público, dos clientes, de interação e engajamento, de eficiência de anúncios. São muitos dados que precisam ser selecionados, interpretados e administrados. Nem todos os dados gerados serão relevantes para sua estratégia. Por isso, é preciso saber o que são métricas e porque elas não são o mesmo que KPIs, mas ambos são importantes para sua estratégia de marketing digital. A métrica é o dado bruto, por exemplo: taxa de abertura de e-mails, visitantes únicos no site, cliques na página. Já o KPI (Key Performance Indicator) é uma métrica (ou um conjunto de métricas) que está associada a uma meta de conversão/vendas, ou seja, que mede a performance de uma estratégia criada para atingir um objetivo. Por exemplo: taxa de conversão de vendas, tempo de permanência no site ou número de assinaturas de newsletter. As métricas muitas vezes são somente dados que revelam o comportamento do usuário, enquanto os KPIs refletem o desempenho do seu negócio e das suas estratégias. São os KPIs e as métricas que te apontarão na direção correta.

Conclusão

Criar a sua estratégia de marketing digital não precisa ser um bicho de sete cabeças. A partir do momento que você conseguir definir os objetivos do seu negócio e seu público-alvo, já pode começar a trabalhar na estratégia ideal. Nem sempre todas as estratégias acima serão as melhores para você. Às vezes, seu negócio vende mais nas redes sociais do que com e-mail marketing, e vice-versa. É importante não só seguir tendências, mas conseguir entender através dos relatórios se elas fazem sentido para você. Se você está buscando migrar a sua empresa para o marketing digital ou iniciar uma carreira na área, a Digital House pode te ajudar. Venha conhecer nosso campus, tomar um café e descobrir as nossas soluções para empresas e profissionais do futuro.

Outras notícias

Saiba como funcionam as aulas remotas da Digital House img
#Carreira

Saiba como funcionam as aulas remotas da Digital House

As buscas por aulas remotas aumentaram drasticamente após o isolamento, e a verdade é que a procura por aulas remotas vai crescer ainda mais. Hoje, as pessoas podem se especializar profissionalmente onde quer que estejam, o que importa é a dedicação e a qualidade do curso remoto.A Digital House desde o início busca transformar a vida das pessoas através da educação, e a nova modalidade de cursos remotos traz este propósito na prática: aulas dinâmicas, disruptivas e 100% ao vivo.Nosso aluno de UX Design, Vinicius Maciel, contou no detalhe como funcionam as aulas remotas da Digital House. Acompanhe este bate-bola que fizemos com ele e entenda como está sendo sua experiência e as dicas para melhor aproveitamento do método de ensino a distância.DH: Como conheceu a DH e como surgiu seu interesse pelo curso de UX Design, Vinícius?VM: Conheci a Digital House pelo programa Estação Hack e através do Santander Coders. Fiquei curioso e visitei o site. Lá, gostei da estrutura e localização (SP). Além disso, muita gente elogia a metodologia de vocês. Inicialmente, escolhi a área de Programação. Depois, optei por UX Design, curso que iniciei em maio deste ano. DH: E como é fazer o curso de maneira remota, questão de organização, aproveitamento e assimilação do conteúdo, desafiador? VM: Então, foi minha primeira experiência com aulas remotas. O desafio está em lidar com excessivo conforto em casa (cama, sofá, videogame etc ). Mas, é só se organizar direitinho. Em menos de um mês, já me acostumei com o ritmo das aulas remotas. Antes do curso, eu já tinha o costume de estudar por mim mesmo, o que facilita acompanhar o programa.DH: Você tem alguma dica para quem deseja começar, para que consiga seguir este ritmo saudável de aproveitamento?VM: A minha dica é estudar um ou dois dias antes a matéria da aula, para  facilitar o entendimento e fixação de conteúdo. DH: Você disse que esta é sua primeira experiência em aulas remotas. Qual a sua impressão antes de fazer o curso da DH, por este método, e agora? VM: Confesso que também tinha o paradigma sobre as aulas remotas, preferindo o presencial. Mas a DH superou as minhas expectativas. O nível de ensino de vocês é de outro mundo. Inspiram confiança em nós, sabe.DH: Como é a dinâmica das aulas?VM: Os professores são muito acessíveis. As aulas são dinâmicas e claras, as dúvidas são respondidas rapidamente pelo chat. Eles costumam mandar a leitura recomendada e o slide. Eu estudo antes e acho bem mais produtivo assim.DH: E depois do curso, quais serão seus próximos passos? VM: Pretendo ingressar na carreira como UX Design Jr. Nesta área, nunca se sabe o produto que vai ser desenvolvido. O profissional precisa ser questionador e gostar de observar, estudar, ser autodidata. E eu gosto disso. Portanto, recomendo muito o curso. Sinto que estou em boas mãos. Os professores de UX são excepcionais. Continuem transformando vidas, agora o resto é por meio de meus esforços.  E você, quer fazer como o Vinícius e aprender com especialistas do mercado de onde estiver? Conheça os diferenciais das aulas remotas da DH e venha bater um papo com os coordenadores, eles estão à disposição para tirar suas dúvidas e te ajudar a se tornar um profissional ainda melhor.

A área de UX Design é oportunidade imperdível para designers img
#UX

A área de UX Design é oportunidade imperdível para designers

O área de design ganhou um 'upgrade', e hoje, o designer pode se tornar um dos profissionais mais buscados pelo mercado: o UX Designer . Bruno Barreto, que fez o curso de UX na Digital House, explica bem esta afirmação.“Fiz design gráfico, na faculdade. Mas, quando encontrei o curso de UX, achei a profissão que fazia sentido, vi valor nela. Por quê? Porque lidar com produto e com pessoas é fantástico. Você entende elas. Além disso, ver o resultado do seu trabalho lá na frente, completo, com as pessoas usando ele, também é fantástico. Foram essas coisas que fizeram eu me apaixonar por UX. Aprendi que UX está em tudo, ele transcende o digital”.Inspirador, não?! E neste artigo, vamos contar pra você, designer, como se transformar em um designer de experiências.+ 5 motivos que vão te fazer entrar de vez para a área de UXOportunidades para profissionais na área de DesignSe sua ideia é transição e ampliar as possibilidades da carreira, a área de User Experience é a escolha certa. Para um designer gráfico, o caminho para esta especialidade pode ser mais natural, pois, muitas vezes, este profissional já trabalha alinhado com publicidade, lidando e compreendendo conceitos das marcas, arquétipos, personas e determinantes de marketing. Como estas áreas são todas interligadas a negócios, o UX Design se torna um dos protagonista nos processos de decisão de um produto ou serviço. Por exemplo, no design thinking se utiliza de práticas de gerenciamento de produtos para aprimorar a experiência do usuário. E, embora em UX Design a formação seja constante e construída na prática do dia a dia e da observação, o curso é imprescindível, pois dará as base sólida nesta evolução.O designer gráfico atua no planejamento e execução de conceitos e idéias, portanto, seu papel é transmitir as mensagens da solução por meio de símbolos, posters, catálogos, animações, sites, jogos, eventos, entre outros exemplos. Quando o designer trabalha com UX Design, ele irá mais profundamente nessa base de atuação. Ele interpretará a relação com o produto ou serviço, se aproximando mais do usuário, tornando sua experiência mais fluida, assertiva e prazerosa. Por isso, participará mais ativamente do planejamento e execução de todo o processo, nas atividades, individuais e coletivas.Transição de carreira para UX, dá certo?O mundo está em plena transformação, e isso se dá bem antes da pandemia, diga-se de passagem. Essa (re)evolução impacta nas necessidades básicas das pessoas, assim como na forma que se entrega qualquer solução para este novo consumidor. Você mesmo, leitor, percebe-se mais exigente na resposta e expectativas do que consome?Então, por este motivo, os profissionais de comunicação precisam entregar experiências e satisfação, resolução de problemas, e não só produtos e serviços. A partir daí, fica claro por que UX Design está em alta. Sua principal função é entender e traduzir as questões, decifrando o que agrada aos olhos do freguês. Na Digital House, você aprende cada vírgula do UX com a ajuda de especialistas do mercado, e com o novo formato, que conta com aulas remotas e 100% ao vivo, dá para se tornar um profissional de UX sem sair de casa. Bacana, não?! Faça como o Barreto e venha conhecer um mundo novo e transformador.“Acho que duas coisas foram fundamentais para mim ao entrar na DH: conhecer pessoas novas (acho que isso é fundamental nessa área) e conhecer gente que possa te ensinar. Eu procurava há muito tempo mentores com experiência que pudessem me ensinar sobre UX, Design Thinking, mas não encontrava. Quando entrei aqui, conheci um monte de gente incrível. Isso me motivou a procurar e aprender, cada vez mais.” + Assista a webserie DHSeries e se atualize sobre as mudanças que estão acontecendo no mercado

Exemplos reais de como Data Science ajuda a resolver problemas img
#Dados

Exemplos reais de como Data Science ajuda a resolver problemas

O profissional da área de Data Science, também conhecido como Data Scientist, é expert na resolução de problemas, auxiliando empresas na redução de custos, no aumento de produtividade, no fornecimento de dados para tomada de decisão - inclusive durante as crises econômicas. Que escopo, não é mesmo?! Por isso (e mais um pouco) o cientista de dados é uma das profissões que estão em alta.+ Gostou do assunto? Leia nosso e-book sobre como a análise de dados pode ajudar a gerir uma criseO profissional, objetivamente, tem o papel principal de transformar dados em inteligência para o negócio. Como assim, DH? Acompanhe o artigo e entenda da melhor maneira, com exemplos.Exemplos de como Data Science ajuda a tomar deciçõesAs armas do Data Scientist tem uma ligação direta com a inteligência lógica, monitoramento e interpretação correta e precisa dos algoritmos.Abaixo, vamos trazer perguntas e situações que servem muito como exemplos de aplicações da Data Science, para que você entenda sua importância:➜ Mostrar quais produtos realmente interessam aos clientes de uma empresa.➜ No próximo bimestre, quais clientes provavelmente deixarão de pagar?➜ No pós-crise, quanto tempo uma determinada empresa levará para restabelecer seus negócios?  ➜ Para que isso aconteça, quais atitudes elas precisam tomar, antecipadamente?➜ Melhor investir em ações ou na compra/aluguel de equipamentos mais modernos para a produção?➜ Melhor contratar mais pessoas no próximo ano? Se sim, em quais áreas o retorno será rentável? Como um Data Scientist entrega resultadosDiante de tamanhos desafios, tão vitais para a sobrevivência da empresa, este profissional se apoia em na tecnologia e desenvolvimento de habilidades digitais para analisar dados e entregar soluções para o negócio.Com elas, o cientista de dados tem conhecimento necessário para compreender integralmente o problema, identificar que tipo de método utilizar e ajudar a resolver a situação, iniciando pelo tratamento dos dados.Nesta etapa, o objetivo é fornecer ao método escolhido só informações úteis para a resolução do problema. Concluída, ele aplica a solução resultante, avaliando ela com métricas específicas, as mesmas que vão evidenciar limitações contidas na solução. Daí, com tudo certo, é hora de levar a solução para a diretoria, ou seja, os donos do problema. O relatório State of the CIO 2020 da IDG indica que estes donos já compreenderam a importância destes profissionais. A pesquisa mostra que 37% dos líderes de TI têm consciência de que a análise de dados para seus negócios será o vetor de maior investimento este ano.Mais exemplos reais do uso da Data ScienceO Data Science também pode resolver problemas ligados à vida humana, fora dos negócios. Suas soluções podem ser desenvolvidas para melhorar a vida das pessoas, reduzindo impactos ambientais, aumentando a inclusão financeira, deixando ruas mais seguras, criando redes de combate à corrupção, entre outros exemplos.Pela coleta, processamento e análise de dados de usuários na rede, isso é possível. Pensando nisso, o Social Good Brasil e a Fundação Telefônica Vivo  lançaram em 2019 o movimento Data for Good Brasil. O movimento convida empresas privadas, terceiro setor e governos para se apropriar de dados disponíveis, usando-os de maneira ética e responsável e causando impacto social nas áreas de Saúde e Educação. É a inovação e a tecnologia a favor do que há de mais humano nas pessoas, a preocupação com o bem-estar do próximo.Seja você um Cientista de DadosE você, que tal aprimorar seus conhecimentos nesta habilidade digital, fazendo parte deste boom da Data Science, reconhecido por diversos setores? Na Digital House você pode investir nos cursos com aulas remotas, tanto de Data Science, como Data Analytics e Inteligência Artificial. Prepare-se para um futuro comandado por dados e profissionais digitais!