MENU

| BR

Campus

Programação

Marketing

UX

Dados

Negócios

Paises

Marketing Digital: Conceitos e Estratégias

Marketing Digital: Conceitos e Estratégias
mkt
2 de maio - min de leitura

O mundo do Marketing Digital vai muito além de SEO e Redes Sociais, descubra todas as estratégias à sua disposição para alavancar sua empresa


A definição de Marketing Digital pode parecer muito simples: aplicar estratégias de marketing para promoção de marcas, serviços e produtos no meio digital. No entanto, ela também é bastante vaga. Quais são essas estratégias? Como aplicá-las? O que eu considero como "meio digital"? O marketing digital tem uma lógica inversa do que marketing offline (ou, analógico). Isso porque o objetivo não é somente apresentar o produto e exibi-lo ao potencial consumidor em todos os canais: TV, rádio, revistas, jornais e outdoors. O produto é posicionado de tal forma para que os consumidores cheguem até você. Atualmente, 74% da população brasileira prefere fazer suas compras online e existem mais de 230 milhões smartphones ativos e em uso em nosso país. Isso significa que os meios citados acima, como comerciais na televisão e grandes banners, não são mais a principal forma de ganhar novos clientes. Pense assim: quando todos ao seu redor - na rua, no trânsito, no transporte público e até na sua sala de estar - estão olhando fixamente para uma pequena tela em suas mãos, é lá que sua marca deve estar. E é o Marketing Digital que te mostra o caminho.

Principais Conceitos

Para quem nunca ouviu falar em termos como Lead ou SEO, essas palavras não possuem significado algum. Mas no marketing digital, esses são conceitos chave para começar a pensar em sua estratégia. O primeiro passo para compreender e aplicar os conceitos de marketing digital começa entendendo melhor quem é seu consumidor. Em vez de somente definir um público-alvo baseado em características demográficas, o marketing digital cria uma persona. A persona é o seu consumidor ideal, ele tem nome, hobbies, hábitos, personalidade e, principalmente, um problema que só sua empresa pode resolver da melhor maneira. Montar uma persona te ajuda a ser muito mais assertivo em relação ao seu público-alvo. A seguir, você precisa desenhar a jornada do seu consumidor, também conhecido como funil de vendas. Ou seja, quais são as etapas pelas quais seu cliente passará antes de efetuar a compra? E o que acontece depois disso? As etapas geralmente são: aprendizado e descoberta; reconhecimento; consideração; conversão (compra) e fidelização. No meio do funil de vendas, quando clientes começam a considerar sua empresa, estão os Leads. Esse é um termo muito usado no marketing digital para designar clientes e negócios em potencial. Você verá mais à frente que uma das estratégias mais usadas para capturar e converter leads são inbound e e-mail marketing.

Principais Estratégias

Agora que você está familiarizado com alguns dos principais conceitos e ideias utilizados no marketing digital, pode começar a se aprofundar mais.

SEO

Em um mundo dominado pelo Google, o marketing digital precisa transformar as plataformas de busca em suas grandes aliadas. E isso não é difícil quando você usa o chamado SEO: Search Engine Optimization. Ao abrir uma página de pesquisa, os primeiros resultados mostrados são aqueles que a ferramenta de busca julga os melhores, em termo de relevância e navegação para o usuário. Ao aplicar uma estratégia SEO bem-sucedida, o seu site ficará no topo dos resultados de busca de forma orgânica, ou seja, sem pagar nada por isso. Os fatores analisados pelas plataformas de busca são: densidade de palavras-chave em sua página (no texto, no link, na meta descrição, na legenda de imagens), uso de tags, headings e links externos, tempo de carregamento de sua página, parâmetros de seguranças, entre outros. A otimização da sua página envolve seguir os parâmetros descritos acima. O SEO, portanto, é uma estratégia de baixíssimo custo e com crescimento muito eficaz. No entanto, apesar de seus resultados serem sólidos e duradouros, não são tão rápidos quanto os trazidos por meio de anúncios e outras estratégias pagas.

SEM

Outra sigla ligada aos motores de busca: SEM significa Search Engine Marketing. Aqui estamos falando de uma estratégia paga. Ao realizar uma busca no Google, você já deve ter percebido que os primeiros resultados sempre possuem uma tag "anúncio" e depois são os resultados orgânicos (aqueles que você trabalhou com SEO). Quando você exibe anúncios em plataformas de busca, consegue alcançar um número gigantesco de usuários e potenciais clientes. Atualmente, existem diversas ferramentas que fornecem análises e dados valiosos a respeito da interação com seus anúncios, mas vamos falar sobre isso mais adiante.

Marketing de Conteúdo

Não basta ter um bom produto, é preciso conseguir vender também uma boa história. Hoje em dia, os clientes querem mais do que uma solução, eles querem favorecer marcas que estejam alinhadas a seus valores. É aqui que entra o storytelling e um conteúdo envolvente e informativo. Mas cuidado, algumas empresas acham que storytelling é o mesmo que conto de fadas e que tudo bem vender mentiras para seus consumidores. Quem adotou essa estratégia, eventualmente foi pego e o tiro saiu pela culatra. Não é preciso mentir para ser convincente. Ter um bom conteúdo, bem redigido, objetivo e que ajuda seu cliente é uma estratégia que te auxilia em todas as etapas da jornada do consumidor. Para conseguir levar um conteúdo de qualidade até seus leads, você pode usar diversas plataformas: redes sociais, vídeos, e-mails. Mas a mais importante é a sua própria. Invista em um blog dentro do seu site. Isso vai unir três coisas importantes: tráfego em sua página, SEO e conteúdo.

Mídias Sociais

Provavelmente, a primeira estratégia que você conheceu de marketing digital foram as mídias sociais. Este é um dos canais de comunicação mais interativos da nossa era, com um alcance gigantesco. Não estar nas redes sociais é o mesmo que não existir. É aqui que você vai se conectar com quem tem interesse no que sua marca tem a dizer. Nestas plataformas, você pode divulgar seus produtos, compartilhar informações, mostrar bastidores e, literalmente, conversar com seu público. As redes sociais são uma ótima oportunidade para humanizar sua marca e engajar com seus clientes. É aqui que você trabalhará seu branding e storytelling. Assim como as plataformas de busca, as redes sociais também permitem anúncios. Nos quais você consegue atingir um público fora da sua base de fãs e prospectar novos clientes. Com a sofisticação das ferramentas de ads em redes como Instagram e Facebook, muitas vezes o consumidor nem percebe que está sendo impactado por um anúncio, mas sim por um conteúdo bem feito que o atrai.

E-mail Marketing

O e-mail marketing é comprovadamente a estratégia de marketing digital com maiores e melhores índices de conversão e resultados positivos. Se sua empresa não consegue vender com e-mail marketing, algo deve estar muito errado nesta estratégia. Muita gente acha que e-mails são coisa do passado e que não faz sentido apostar nesse recurso. Mas quanto tempo você consegue passar sem checar seus e-mails? O e-mail marketing é uma rede de comunicação direta com seu cliente, sem o filtro de outras plataformas, como redes sociais, que possuem regras próprias e que você não controla. Você pode utilizar este método para fortalecer sua marca e seu relacionamento com o cliente, para enviar conteúdos relevantes e informativos, para prospectar potenciais clientes e para, enfim, realizar vendas. A gama de possibilidades com e-mail marketing é gigantesca, e você consegue extrair dados e informações para melhorar cada vez mais quem está recendo qual conteúdo. Por exemplo, você possui um cliente que só abre suas newsletter e nunca seus e-mails de vendas. Ao identificar esse comportamento, você criará uma lista com seus clientes com comportamento similar e evitará mandar a mesma quantidade de e-mails de venda. Você pode até personalizar um conteúdo criando uma newsletter com uma sugestão de produto ao final. Os e-mails marketing também te permitem entender quem da sua base realmente está interessada em seu produto e, de tempos em tempos, retirar da lista quem não abre seus e-mails.

Inbound Marketing

O inbound marketing é uma estratégia focada em atrair leads até você, em vez de correr atrás deles de forma inconveniente. É uma forma mais sutil de marketing, que não chega oferecendo um produto, mas sim procura primeiro entender quais são as necessidades e os problemas daquele cliente. A seguir, estabelece-se um canal de comunicação, seja através de e-mails marketing, redes sociais ou blog. E só então você está pronto para oferecer sua solução. Pode parecer contraditório investir tempo e recursos em um lead que (ainda) não está buscando comprar nada. Mas este canal de comunicação ativa e constante, com trocas e feedbacks, coloca sua empresa como referência e por dentro das necessidades de sua audiência. Este cliente, no futuro, será um embaixador de sua marca e não só um comprador. A melhor maneira de ter uma estratégia de sucesso em inbound marketing é investindo em marketing de comunicação. Quando você tem informações valiosas à disposição, mais pessoas te encontrarão em busca de respostas.

Métricas e KPIs

Todas as estratégias acima geram dados. Dados de comportamento do seu público, dos clientes, de interação e engajamento, de eficiência de anúncios. São muitos dados que precisam ser selecionados, interpretados e administrados. Nem todos os dados gerados serão relevantes para sua estratégia. Por isso, é preciso saber o que são métricas e porque elas não são o mesmo que KPIs, mas ambos são importantes para sua estratégia de marketing digital. A métrica é o dado bruto, por exemplo: taxa de abertura de e-mails, visitantes únicos no site, cliques na página. Já o KPI (Key Performance Indicator) é uma métrica (ou um conjunto de métricas) que está associada a uma meta de conversão/vendas, ou seja, que mede a performance de uma estratégia criada para atingir um objetivo. Por exemplo: taxa de conversão de vendas, tempo de permanência no site ou número de assinaturas de newsletter. As métricas muitas vezes são somente dados que revelam o comportamento do usuário, enquanto os KPIs refletem o desempenho do seu negócio e das suas estratégias. São os KPIs e as métricas que te apontarão na direção correta.

Conclusão

Criar a sua estratégia de marketing digital não precisa ser um bicho de sete cabeças. A partir do momento que você conseguir definir os objetivos do seu negócio e seu público-alvo, já pode começar a trabalhar na estratégia ideal. Nem sempre todas as estratégias acima serão as melhores para você. Às vezes, seu negócio vende mais nas redes sociais do que com e-mail marketing, e vice-versa. É importante não só seguir tendências, mas conseguir entender através dos relatórios se elas fazem sentido para você. Se você está buscando migrar a sua empresa para o marketing digital ou iniciar uma carreira na área, a Digital House pode te ajudar. Venha conhecer nosso campus, tomar um café e descobrir as nossas soluções para empresas e profissionais do futuro.

Outras notícias

Como aplicar o storytelling ao seu negócio img
mkt

Como aplicar o storytelling ao seu negócio

Muito se fala sobre o storytelling, ou seja, a arte de contar histórias. O termo, normalmente, é associado à publicidade e ao marketing, como uma forma de aumentar o engajamento do público. Mas, então, como contar uma história em seu negócio?Existem muitas formas de trazer o storytelling para sua empresa, seja para quem vai vender pela internet ou apenas divulgar produtos e serviços na web. Antes de apresentar algumas delas, é importante destacar que essa estratégia costuma ser muito positiva na hora de atrair e envolver os potenciais consumidores.Saber como contar uma história conquista a atenção das pessoas desde que os seres humanos começaram a se comunicar. Portanto, aplicar o storytelling ao seu negócio é uma forma de manter seu cliente ligado nos seus conteúdos, sejam eles em que canal for.Portanto, vamos conhecer algumas formas para contar histórias em seu negócio!1. Tenha uma página sobre a empresa no site e capricheUm ótimo espaço para aplicar o storytelling em seu negócio é na página sobre a empresa. Ali, normalmente, há um texto explicando o que você faz, que tipo de serviço presta, desde quando e outras informações do tipo. Por que não utilizar esse espaço para contar uma história?Você pode contar como surgiu a ideia de começar a empresa, os motivos que o levaram a escolher aquele ramo e todo tipo de informação interessante sobre seu negócio. Assim, você desperta a curiosidade do leitor e pode deixá-lo mais envolvido com sua marca!O restaurante Madero é um que explora muito esse tipo de comunicação para apresentar sua história. Este vídeo, por exemplo, mostra como surgiu o cheeseburguer do chef Júnior Durski.Você pode adaptar conteúdos como o vídeo acima para a página sobre a empresa em seu site.Mas atenção! Você não deve, em hipótese nenhuma, inventar uma história que pareça bonita apenas para chamar a atenção. Além de enganar seus potenciais clientes não ser uma atitude correta, ela pode até ser penalizada. Exemplo disso foi uma campanha da fabricante de sorvetes Diletto. Em 2014, a empresa foi punida pelo Conselho de Autorregulamentação Publicitária (Conar) depois que descobriu-se que a história sobre a fundação da empresa era falsa.2. Produza conteúdos com histórias em seu blogSe você já é um adepto do marketing de conteúdo ou pretende começar a aplicá-lo como estratégia em seu negócio, o blog é um ótimo local para aplicar o storytelling!Quando for escrever posts sobre seu nicho de mercado, procure caprichar nos textos e pense em como contar uma história com aquele conteúdo. Por exemplo, se você costuma produzir artigos com dicas de maquiagem no seu site, procure contar a história de alguns dos produtos mais utilizados ou da evolução das tendências das makes ao longo da história.Além disso, você pode fazer estudos de caso de outras empresas ou até mesmo contar experiências pelas quais o seu negócio tenha passado e que possam despertar interesse no público. Dessa forma, você engaja seus potenciais clientes e os mantêm sempre ansiosos pelo seu próximo artigo!3. Atenção às palavras na descrição dos produtosSe você tem ou quer criar uma loja virtual, o espaço da descrição dos produtos pode ser um ótimo espaço para aplicar o storytelling. Sempre prestando atenção às palavras-chave para a estratégia de SEO do seu e-commerce, você pode tornar os textos sobre as mercadorias muito mais atrativos.Se você vende, por exemplo, camisetas com estampas de artistas famosos, não precisa se limitar a uma descrição engessada. Por que não contar um pouco da história do artista ou do desenho retratado na estampa da peça de roupa ali na descrição? Dessa forma, a pessoa que se interessar por aquele produto já se sentirá mais envolvida com ele à medida que lê as informações em seu site.A loja de rações naturais para pets Simple Dog, por exemplo, conta como os alimentos são feitos de forma envolvente nas descrições:Seja sua loja virtual montada por um desenvolvedor ou a partir de uma plataforma de e-commerce, você sempre terá um espaço para descrever seus produtos. Então, utilize-o de forma proveitosa!4. Use as redes sociais para contar históriasAs redes sociais são ótimos espaços para divulgar conteúdos, produtos e serviços da sua marca. E, assim como em outros espaços digitais, nelas os usuários também apreciam e se envolvem com histórias bem contadas!Seja no Instagram, no Facebook ou no YouTube, lembre-se de não fazer os posts e vídeos apenas para mostrar os produtos. Conte como surgiu a ideia de desenvolvê-los ou quais as maiores dificuldades que encontrou para começar seu negócio, por exemplo.Um exemplo simples, porém que já cria uma história na percepção das pessoas ao verem o post é o da loja virtual de acessórios Oficial Accio:No post acima, ao invés de apenas apresentar o kit eco, toda a expectativa de uma viagem à praia no verão é apresentada. Isso tem a capacidade de mexer com as emoções das pessoas, que já se imaginam na situação mostrada pelo post.Se estiver com dificuldades, observe as redes sociais de grandes marcas que você admira e que despertam o engajamento do público. Preste atenção e tente entender como elas fazem isso. Dessa forma, você consegue encontrar formas de aplicar a ideia ao seu negócio!Agora que você já sabe como contar uma história sobre sua marca e produtos, já pode começar a aplicar o storytelling em seu negócio. Seu público, certamente, vai se tornar muito mais engajado com seus conteúdos!---Informações da autoraVictoria Salemi é a editora responsável pelas parcerias de conteúdo da Nuvemshop, a maior plataforma de comércio digital da América Latina, com mais de 30 mil lojas ativas. Formada em Jornalismo, ama escrever e tornar assuntos complicados acessíveis a todos!

As linguagens de programação favoritas, segundo 15.000 desenvolvedores img
tech

As linguagens de programação favoritas, segundo 15.000 desenvolvedores

Milhares de programadores web full stack de todo o mundo se expressaram no Twitter dias atrás para opinar sobre quais são suas linguagens de programação favoritas, com base em seis critérios: A primeira que aprenderam, a que teve mais dificuldade, a que mais usam, a que odeiam, a que mais amam e a que recomendam para principiantes.Após obter dados de uns 15.000 desenvolvedores, Victoriano Izquierdo analisou os tuits com a ferramenta de análise científica de dados Graphext e obteve, como resultado, que Javascript, Python, Java e C# lideram o ranking das linguagens preferidas.Este resultado coincide com outras sondagens em todo o mundo. Por exemplo, a última pesquisa anual de desenvolvedores de JetBrains, realizada no início deste ano, além dos índices TIOBE, o PYPL, entre outros.Este ranking é ideal para aqueles que querem aprender a programar, porque mostra as opiniões em primeira pessoa daqueles que já estão percorrendo seu caminho dentro do campo da programação web.

As habilidades mais demandadas pelas empresas segundo LinkedIn img
carreira

As habilidades mais demandadas pelas empresas segundo LinkedIn

As organizações já estão modificando os perfis que requerem. Isto, bastante demonstrado em todo o mundo, foi comprovado também pelo estudo “The Skills companies need most“, elaborado por LinkedIn em sua edição 2019. Segundo essa pesquisa, o ranking das 25 habilidades hard mais demandadas está composto por:- Cloud Computing- Raciocínio analítico- Gestão de pessoas- UX Design (User Experience Design)- Desenvolvimento de aplicações de celulares- Produção de vídeo- Sales Leadership- Tradução- Produção de áudio- Processamento da linguagem natural (PLN)- Scientific Computing- Game Development- Social Media Marketing- Animação- Business Analysis- Jornalismo- Marketing Digital- Design Industrial- Estratégias competitivasUm dado importante: O documento enfatiza que as organizações estão focando mais no “saber fazer” dos candidatos do que no fato de que tenham título universitário.