MENU

| BR

Campus

Cursos

Programas Executivos

Paises

10 livros para começar bem 2019

10 livros para começar bem 2019
#Carreira
7 de janeiro - min de leitura

Nada como começar o ano e o planejamento para as novas metas com bons livros às mãos. E se você também é aficionado por tecnologia, essa é a lista que você procurava


Futuros distópicos e reflexões sobre a ética e responsabilidade por trás de avanços tecnológicos são os temas preferidos dos maiores autores de ficção científica do último século. Não por menos, estes também têm sido assuntos debatidos no cotidiano de quem trabalha ou estuda assuntos ligados à tecnologia.

Apesar de densos, alguns autores e livros nos mostram que é possível refletir a respeito desses dilemas com bom humor e, quem sabe, uma pitada de ironia e ação, mesmo quando o futuro da ficção parece demasiadamente sombrio.

O surgimento de robôs e outras formas de inteligência artificial, biotecnologia, exploração de outros planetas, a história de um grande cientista, um homem que deixou a matemática divertida e uma sátira sobre costumes atuais (e futuros) são algumas das coisas que você vai encontrar na lista de clássicos livros que escolhemos a dedo para você ler nesse início de ano. Esperamos que tenha uma boa diversão!

1. Androides Sonham com Ovelhas Elétricas?, por Philip K. Dick

Este foi o livro de Philip K. Dick que inspirou o aclamado filme Blade Runner: Caçador de Androides. A história gira em torno de um futuro distópico no qual o planeta Terra é habitado por aqueles que não conseguiram escapar das devastadoras consequências de uma guerra nuclear. A forma de vida orgânica como conhecemos hoje ganha outro sentido e significado, tornando-se extremamente valiosa.

No livro, Rick Deckard é um caçador de recompensas cujo sonho é trocar sua ovelha mecânica por uma de verdade. Sua chance de subir na vida surge com a oportunidade de caçar 6 androides rebeldes. Esse clássico da ficção científica lançado em 1968 se mostra bastante atual e dialoga diretamente com os constantes avanços da Inteligência Artificial e até onde ela pode chegar, deixando difusos os limites entre homem e máquina e trazendo questionamentos filosóficos sobre o que de fato significa ser humano e estar/ser vivo.

2. 2001: Uma odisseia no espaço, por Arthur Clark

Outro livro que inspirou Hollywood, 2001: Uma Odisseia no Espaço dialoga com duas simples, porém grandes perguntas da humanidade: "De onde viemos?" e "Para onde vamos?". A narrativa de ficção científica começa com o também início da humanidade e avança para milhares de anos à frente, quando um misterioso monolito é encontrado na Lua e uma equipe é enviada em uma missão espacial para descobrir a origem desse enigma. Um personagem igualmente enigmático é HAL 9000, o computador de bordo altamente inteligente que controla toda a nave.

3. Alan Turing: The Enigma, por Douglas Hofstadter e Andrew Hodges

O único desta lista que é uma obra biográfica e que também não possui versão traduzida para o português, mas que vale muito a pena estar aqui. Alan Turing é muito mais do que o personagem interpretado por Benedict Cumberbatch nas telas do cinema, ele é considerado o pai da ciência da computação e do que conhecemos hoje como computadores e inteligência artificial. Sua vida, além de brilhante, foi envolta de drama em uma época que sua homossexualidade era considerada um crime pela coroa britânica.

4. Eu, Robô, por Isaac Asimov

Considerado um dos grandes mestres da ficção científica literária, Isaac Asimov reuniu nove contos, alguns dos quais já haviam sido publicados em revistas, no seu Eu, Robô. O tema, obviamente, é a robótica (termo cunhado pelo próprio autor) e seus desdobramentos.

Apesar de independentes entre si, as histórias falam do surgimento de robôs, sua integração no cotidiano humano, as famosas Leis da Robótica e de um futuro distópico que obriga humanos a colonizar outros planetas. Cada conto traz um reflexão diferente que circulam em torno de temas como religião, apego, substituição de humanos por robôs e conflitos éticos tanto entre humanos quanto entre máquinas. Mesma com a temática densa, os contos são leves, divertidos, sensíveis e cheios de bom humor.

5. Encontro com Rama, Arthur Clark

Mais uma obra de Arthur Clark está na lista e esta fala sobre um meteorito que atinge o continente europeu e, anos depois, a catástrofe ameaça se repetir. Mas desta vez, líderes mundiais estão preparados e enviam uma missão para impedir que Rama se choque com nosso Sol.

É então que os mistérios e enigmas envolvendo Rama começam e os exploradores passam a se questionar se ele é realmente uma ameaça ou a fonte de muitas respostas para a humanidade. Uma trama definitivamente envolvente e que consagrou Clark como um dos autores mais criativos de sua época.

6. Jurassic Park, Michael Crichton

Você já conhece o filme e suas muitas sequências, mas o mundo fantástico no qual Michael Crichton colocou dinossauros andando novamente na Terra tem muito mais dilemas no papel do que nas telonas. Os avanços da biotecnologia chocam-se com a ética e o pano de fundo para toda a história são as engrenagens da teoria do caos.

Em meio a programadores, geneticistas e engenheiros, o livro foca mais no experimento em si e na ciência por trás desse feito incrível. A descrição realista e detalhada de Crichton chega a fazer o leitor acreditar que tudo aquilo é tão possível quanto um episódio de Black Mirror.

7. O homem que calculava, Júlio Cesar de Mello e Souza

Apesar de ser um livro considerado infanto-juvenil, a descontração e leveza da obra fazem valer a pena sua presença nesta lista, principalmente para quem não tem uma relação muito amistosa com a matemática.

Dificilmente autores acertam tão em cheio ao unir ciência e ficção de maneira instrutiva quanto o professor Júlio Cesar de Mello e Souza (sim, um brasileiro) conseguiu. O livro conta de maneira lúdica e divertida as histórias de Bereniz Samir, um viajante com dom para matemática. Igualmente indicado para aqueles que se deliciam com jogos matemáticos.

8. Duna, Frank Herbert

Se seu estilo de leitura se assemelha às narrativas de Tolkien ou de George R. R. Martin e leituras leves te cansam rápido, Duna é o livro ideal para você. O primeiro de uma saga que conta com mais cinco livros, a trama gira em torno de Paul Atreides, herdeiro da Casa de Atreides que se vê no meio de uma trama política e religiosa quando sua família assume controle do planeta feudo Arrakis, única fonte no universo de um elemento chamado melange.

Frank Herbert fez questão de povoar a aventura com paradoxos filosóficos, religiosos e psicológicos, algo considerado inovador na época do lançamento do livro. Temas como ecologia, biologia e exploração excessiva de recursos naturais também permeiam os conflitos da história. Vale destacar que, ao contrário da maioria dos livros de ficção científica, Duna não possui computadores, robôs nem inteligência artificial para auxiliar humanos, pois esses são proibidos pela religião do império.

9. O andar do bêbado, Leonard Mlodinow

Longe de ser ficção, esse best-seller tem uma mensagem muito simples: não estamos preparados para o aleatório. Essa é a tese que Leonard Mlodinow defende de forma divertida e lúdica, citando exemplos e pesquisas que vão desde o mercado financeiro à Hollywood. Com tom irreverente, o autor nos leva a questionar muitas certezas a respeito do funcionamento do mundo ao nosso redor, afinal, segundo ele "muitas coisas são tão previsíveis quanto o próximo passo de um bêbado depois de uma noitada".

10. O Guia do Mochileiro das Galáxias, Douglas Adams

Não só considerado um dos maiores clássicos da ficção científica, mas também queridinho da cultura geek, O Guia do Mochileiro das Galáxias conta a história do terráqueo Arthur Dent, quando ele se vê forçado a abandonar a Terra minutos antes dela ser destruída para a construção de uma estrada intergaláctica.

Seus salvadores são Ford Prefect, um ET que vivia disfarçado como terráqueo, e o próprio Guia do Mochileiro, que traz os fatos mais inusitados sobre os muitos habitantes de nossa e outras galáxias (e que seria considerado case de sucesso no mundo do marketing).

Cheio de ironias e sátiras, Douglas Adams cria as situações mais absurdas para debochar dos costumes e instituições da nossa sociedade - principalmente da burocracia - unindo suas maiores paixões: humor, animais selvagens e tecnologia. Em meio a diversas aventuras, Arthur Dent também está constantemente se deparando com a busca pelo sentido da vida. Uma leitura certamente hipnótica. Preparado para 2019? Pegue o seu café e boa leitura!

Outras notícias

A Inteligência Artificial já faz parte do seu dia a dia, saiba como img
#Dados

A Inteligência Artificial já faz parte do seu dia a dia, saiba como

Esse termo tech descolado foi dado, oficialmente, em 1956, durante uma conferência na Dartmouth College, universidade da terra do tio Sam, em New Hampshire. Na ocasião, os moderninhos da época  definiram a inteligência artificial, ou IA para os íntimos, como a "ciência e engenharia de produzir máquinas inteligentes". Uau! Se parece futurista hoje, imagine há mais de meio século atrás. Mas, só nos anos 2000 que a inteligência artificial realmente começou a decolar, passando a tomar forma e integrar a vida e o cotidiano dos humanóides.IA à vista! E olha a inteligência artificial ganhando cada vez mais espaço no Brasil. Recentemente, a Microsoft anunciou a criação de um AI Industry Board (Comitê da Indústria para Inteligência Artificial) junto a outras empresas e organizações, aqui no país. A meta é se reunir trimestralmente para discutir o uso ético e responsável da IA, além dos desafios e oportunidades trazidos por esta tecnologia. A conferência contou com a presença de executivos de empresas como Bradesco, Vivo, Grupo Fleury, Sulamérica e Car10, além da participação de Miriam Wimmer, do Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações (MCTIC). O encontro, realizado online, teve palestra de Lisa Tanzi, vice-presidente corporativa da Microsoft Corporation. O AI Industry Board tem foco no uso responsável desta tecnologia, compartilhando boas práticas adotadas por empresas e organizações de vários segmentos, aprendendo todos juntos a promover o desenvolvimento da inovação no Brasil. Bola dentro no que se refere à competitividade do país por meio da IA e seu impacto na transformação digital.Fizemos uma lista abaixo com 8 indícios de IA, presente no dia a dia, para você não achar que estamos viajando no desenho dos Jacksons (jóvens talvez nem entendam a brincadeira). Acompanhe. 1 - Assistentes virtuais A criação de assistentes pessoais virtuais é uma das aplicações de IA mais utilizadas, atualmente. Seja a Siri, Cortana, Alexia, eles funcionam em diversos celulares e auxiliam em tarefas básicas como definir alarmes, lembrar compromissos, ligar para outros números, informar a previsão do tempo, entre outras funcionalidades. O Google Maps e muitos outros também entram nos assistentes que salvam rotinas e agendas por aí. 2 - Medicina Exames e diagnósticos sofisticados dependem de IA para serem mais precisos. Tratamentos contra alguns tipos de câncer também se desenvolvem com a ajuda dela. Um exemplo atual de IA na medicina é a Stratasys, que anunciou mobilização global dos recursos e experiência em impressão 3D da empresa para ajudar no combate à pandemia atual da Covid-19. A empresa pretende fornecer milhares de Equipamentos de Proteção Individual (EPI) descartáveis para os profissionais da saúde. 3 - Segurança Mundo conectado, com encurtamento de distâncias entre pessoas, empresas, países e continentes. Em contrapartida, o lado negro da força também tira vantagens disso, independentemente da pandemia ou não. Os cibercriminosos, cada vez mais presentes e sem escrúpulos, se aproveitam de situações de crise e vulnerabilidade, com novas e mais sofisticadas ameaças digitais. No sentido de se precaver contra este perigo, além do bom senso (práticas de uso cauteloso de acessos e compartilhamento de dados), existem sistemas e softwares, com tecnologia baseada em IA, que ajudam a detectar problemas de invasão e não conformidade, abrangendo usuários, dados e perímetro. 4 - Transporte Aqui a atuação da IA é soberana, atualmente. Você, ou o motorista de transporte, público ou não, que você utiliza para se locomover, usam inteligência artificial. No caso do transporte público, de rastreamento. No caso de particular, para escolher melhor rotas, evitando trânsito e estradas acidentadas, chamando o próximo passageiro e por aí vai. Já no transporte rodoviário de cargas, essa tecnologia ajuda a aumentar a lucratividade das empresas e impulsionar a logística por terra, água e ar, ajudando aquela sua compra pela internet a chegar, linda e rastreada, em suas mãos, no menor tempo possível. Como? Robôs com inteligência artificial fazendo um sofisticado trabalho de gerenciamento de cargas para alcançar os melhores resultados em entregas. 5 - Alimentação Aqui, IA não se restringe apenas nos apps que entregam alimentos, mas revolucionando a forma como os procedimentos da indústria de alimentos e bebidas são realizados, na relação ao atendimento ao consumidor, processos de fabricação, manuseio, gestão da cadeia de suprimentos e embalagens. Para que você entenda o tamanho da evolução, algumas empresas especializadas contam com um acervo de algoritmos fundamentados em IA, que tornam capaz a obtenção de grandes volumes de dados para aprender os mais variados padrões de processos logísticos, incluindo campanhas de marketing, sazonalidades, produtos mais vendidos, entre muitas outras informações deste mercado, tudo com foco no bon appefit do freguês. 6 - Entretenimento Fora os aplicativos que mudam avatares, fotos, edições destas fotos, tudo ao alcance de nossos dedinhos em dispositivos móveis, podemos colocar neste barco do entretenimento também os serviços de streaming, cinema e uma outra infinidade de aplicações incríveis na produção de conteúdo, com algoritmos tratando textos, imagens, áudio e vídeo. E, calma, pois aqui não esquecemos de citar o universo dos games, outro espaço onde a inteligência artificial está mudando a forma como jogamos. Com a chegada de acessórios como os óculos de realidade virtual, a imersão do usuário só aumenta, proporcionando experiências nunca antes vividas. 7 - Mercado de trabalho A tecnologia de IA já tem como reformular o processo de contratação, coletando os dados para ajudar a colocar as pessoas certas nas posições certas. O uso de dados, com os programas de IA, aprimoram a experiência humana, em vez de substituí-la. E é nessa aposta que plataformas de experiência de talentos oferecem ferramentas para mudar a maneira como as empresas gerenciam o desenvolvimento dos funcionários. Essa tecnologia acompanha o progresso e dá a oportunidade de medir o sucesso dos colaboradores de uma maneira muito mais ágil e tangível. 8. Casa inteligente Os eletrodomésticos chamados inteligentes, ou seja, com base em dados de IA, devem crescer quase 20% até 2023. Esse mercado já mostra como as casas inteligentes caminham para ser realidade em poucos anos. Nesse campo fértil, o aprendizado de máquina e a conectividade de aparelhos são a base para fornecer uma experiência de ambientes integrados. Por exemplo, uma cozinha integrada com dispensas que se “comuniquem” com as geladeiras, evitando desperdício, entre outros tipos de automação. Hoje, as luzes, câmeras e garagem de seu prédio talvez sejam o mais próximo que você tenha de experiência com este tipo de tecnologia, mas os assistentes de voz ganham cada vez mais espaço e sua máquina de lavar, por exemplo, toda programável, é sinal de que sua casa caminha para esta trend. Quer saber mais sobre como fazer parte destas mudanças que o mundo passa, sendo protagonista delas. Conheça os cursos em habilidade digitais da Digital House. Nosso time-fera de especialistas pode te ajudar nesta missão. Projete sua carreira para o futuro que já começou.

LGPD e a cyber segurança: como a lei abre caminho para um novo mercado img
#Dados

LGPD e a cyber segurança: como a lei abre caminho para um novo mercado

LGPD colocando ordem no parquinhoCom o avanço da hiperconexão, nossos dados navegam por vários destinos, seja em sites, cadastros de acessos, apps, jogos, etc. Essa superexposição deixa empresas e cidadãos vulneráveis e na mira de cibercriminosos que roubam informações e disseminam vírus a torto e a direito.A Lei Geral de Proteção de Dados Pessoais vem justamente para colocar ordem nesta antes terra de ninguém. A LGPD é a regulamentação brasileira, baseada na GRPD europeia, que garante o direito da proteção de dados, exigindo mais transparência das empresas quanto ao tratamento de informações confidenciais. Isso quer dizer que qualquer informação sua só será coletada com prévia autorização, assim como guardada por terceiros somente pelo tempo que você definir.A LGPD entra em vigor a partir de agosto de 2020. Mesmo com a pandemia mudando as rotinas e destinos, essa data de início permanece até segunda ordem. E quando gritarem valendo, quem desobedecer às regras ficará de castigo! Antes fosse… na real, as empresas que não seguirem a norma estarão sujeita a duras e altas multas - algumas equivalentes a 2% do faturamento da empresa, com teto de R$ 50 milhões por ocorrência. Sim, como diria aquele meme raiz, que dó da formiguinha...Portanto, cyber segurança passa a não ser um serviço apenas opcional. Vira questão de prioridade, sobrevivência e base de qualquer negócio da era digital.Cyber Segurança - a realidade do virtualParte dos casos de vazamentos de dados acontece por falhas humanas, olha que beleza. E isso aumentou após o uso de dispositivos móveis no ambiente corporativo e no trabalho remoto dos usuários. Nesse sentido, a cyber segurança fornece ferramentas de proteção que acompanham o movimento das informações e conscientizam usuários sobre os riscos no ciberespaço.É digital, mas é real. Por isso, proteger dados com boas práticas de utilização, softwares de monitoramento, backup e firewalls de segurança são saídas para a sobrevivência das empresas. E não só para não pagar altas multas, mas também para manter a chamada reputação da marca, que, se manchada, pode acabar com anos de construção.Ter um sistema de proteção cibernética em uma empresa engloba:     > Evitar e barrar ataques virtuais; Identificar riscos;      > Proteger dados;      > Determinar diretrizes para gerenciamento de informações;      > Controlar o acesso dos usuários aos dados;      > Recuperá-los em caso de vazamentos. Chegou a hora do Data Protection OfficerO novo mercado que surge precisa se adequar às regras do jogo, investindo em sistemas de segurança e em um profissional voltado para a proteção de dados que saiba gerenciar estas ferramentas, assim como educar as pessoas para seu uso. E esse movimento é mais uma das características da revolucionária Transformação Digital, que traz várias oportunidades de carreira para quem tem coragem e quer aprender a reaprender.A Digital House, uma das maiores escolas de habilidades digitais do planeta, possui um curso de Cyber Segurança. Nele, você entende sobre Sistemas Operacionais, Topologia de Rede e Bancos de Dados, e tudo o que é indispensável para controlar a segurança de uma empresa, criando e monitorando um plano de ação.Como? Manjando muito de:     1. Redes TCP/IP      2. Aplicações Web e Banco de Dados      3. Criptografia      4. Identidade de Acesso      5. Cloud      6. Normativas e Análise de Risco      7. Plano de Segurança da Informação Nossos especialistas estão ministrando aulas remotas neste período de quarentena, para que você invista seu tempo em capacitação e entre neste novo momento, qualificado. Vem com a gente para o novo, nada desconhecido.

Passe seu isolamento social muito bem acompanhado com os novos conteúdos da DH Series  img
#UX
#Marketing
#Carreira
#Tecnologia
#Dados

Passe seu isolamento social muito bem acompanhado com os novos conteúdos da DH Series

Sendo assim, a Digital House, maior escola de habilidades digitais da América Latina e uma das principais do mundo, orgulhosamente anuncia o lançamento de sua página de conteúdos em formato de vídeo, pensando em deixar seu isolamento social muito mais interessante e agregador, a DH Series. Lá, você encontra assuntos atuais e incríveis (sem falsa modéstia), como as mudanças que virão com a LGPD, Customer Experience, Inteligência Artificial, Cultura de Inovação e Indústria 4.0, Diversidade no Digital e muito mais. Tudo explicado no nosso jeitinho de ser - dinâmico, objetivo e descomplicado - com nossos professores como mediadores e seus convidados. Coisa fina, não? Nesses bate-papos, você se contextualiza sobre muitos assuntos importantes do universo da era digital, de maneira abrangente e comportamental. Nosso propósito nada singelo com esse canal é que o “bichinho da desconstrução” toque seu DNA criativo e te impulsione a sair do lugar, mesmo em quarentena. Assista estes diálogos, reflita as perspectivas dos especialistas, absorva suas histórias e experiência e vamos aprender, todos juntos! Se ficar interessado em se aprofundar ainda mais sobre cada um deles, sendo também um protagonista destas áreas, conheça as profissões do futuro e impulsione sua carreira, em home office e fora dele (em breve).