Inteligência de mercado: como tomar decisões a partir da coleta e análise de dados

A inteligência de mercado oferece um estudo sobre o cenário, a partir do qual gestores podem tomar decisões com margens mais altas de acerto.

Inteligência de mercado: como tomar decisões a partir da coleta e análise de dados

Traçar um planejamento estratégico baseado em dados é extremamente necessário, para que líderes empresariais possam estar preparados para tomadas de decisão estratégicas, desenhando um plano baseado em informações confiáveis e ocasionando, assim, vantagens competitivas. Tudo isso considerando, ainda mais, a inundação de informações que, no dia a dia de uma empresa, o Big Data pode acarretar.

Embora seja um conhecimento necessário, nem todos os gestores possuem uma noção aprofundada deste conceito, que é capaz de deixar seu negócio um passo à frente da concorrência. Por isso, para ajudar você a entender melhor sobre o assunto, neste artigo explicamos o que é inteligência de mercado, como aplicá-la e quais dados são precisos para empregar essa metodologia em sua empresa que pode ajudar nas tomadas de decisão. Boa leitura e aprendizado!

O que é a área de inteligência de mercado?

Também chamada de Business Intelligence (BI), a inteligência de mercado é uma estratégia de marketing que consiste na coleta de dados brutos, estruturados ou não, que auxilia as empresas a obter insights para fazer o seu planejamento estratégico, pois disponibiliza informações confiáveis, embasando a tomada de decisões. A companhia deve buscar maneiras de reunir esses dados para poder analisá-los e, a partir disso, obter as ideias para aperfeiçoar o próprio negócio.

A coleta dessas informações, geralmente, se dá por meio de mecanismos e procedimentos sistemáticos e, depois, as transforma em conhecimento. O processo engloba um vasto universo de dados sobre:

Business Intelligence (BI)
Benchmark ou benchmarking: entenda o que são, sua diferença e qual a sua importância para as empresas
No dia a dia das empresas, é comum ocorrer situações em que os líderes precisam implementar novos processos que nunca ouviram falar ou desenvolver um novo produto ou serviço. Para isso, dominar a teoria não é o suficiente. É preciso ir além e buscar as melhores ações de outras organizações

No entanto, muito mais que analisar a concorrência, seu objetivo é entender o que acontece do lado de fora da companhia, a fim de aumentar a competitividade. O tipo de informação captada com inteligência de mercado pode ser de mercado, tendências, concorrentes, produtos, vendas e marketing.

A inteligência de mercado observa o ambiente de negócios no qual a empresa se encaixa e verifica tudo o que pode impactar a performance e o desenvolvimento, contribuindo, assim, para saber como o produto ou serviço é visto pelos clientes e no mercado, avaliando se o preço cobrado está coerente, descobrindo como os consumidores percebem a marca, acompanhando a concorrência, entre outros pontos.

Qual o objetivo da inteligência de mercado?

A área de inteligência de dados é uma importante aliada das empresas, ajudando a tomar melhores decisões. Seu objetivo é permitir que as corporações tenham o máximo de informações qualificadas possíveis sobre o mercado de trabalho. Pois, por meio de uma análise bem feita, ela é capaz de agir rapidamente, prevendo as movimentações do mercado e entendendo como elas vão afetar a empresa.

Além disso, uma das melhores formas de tomar boas decisões é aprendendo com os erros e acertos dos outros. Pois, ao realizar um benchmarking, é possível conhecer a história de outras empresas e descobrir quais estratégias funcionam, encontrar bons exemplos e aplicá-los à própria realidade.

A inteligência de mercado contribui, ainda, para diferenciar sua empresa das demais. Ao observar de perto o seu público, conhecer o perfil e o comportamento dele, você pode usar essas informações para criar uma melhor experiência na jornada de compra e se destacar no mercado, além, é claro, de identificar oportunidades e inovar.

Como aplicar inteligência de mercado?

Para aplicar o conceito na prática da melhor forma e estudar seu público-alvo, é preciso realizar pesquisas digitais automatizadas. Ainda mais considerando que a inteligência de mercado depende, fundamentalmente, de uma infraestrutura adequada desenvolvida com tecnologias e procedimentos específicos para coleta, armazenamento e análise de um grande volume de dados.

O primordial é investir em um departamento que domine ferramentas e dê conta das demandas, bem como softwares e sistemas indispensáveis para a coleta e qualificação dessas informações. Confira algumas ferramentas, consideradas imprescindíveis e configuradas para esse propósito:

Inteligência artificial: utilizada em diversos campos de conhecimento e atividades produtivas, vem sendo usada por empresas em busca de respostas às questões estratégicas e para orientar decisões, em todos os níveis de gestão.

Customer Relationship Management (CRM): embora pareça uma solução meramente voltada para o registro de interações com o cliente, o CRM é muito mais do que um simples aplicativo ou chat. Ele permite coletar dados e, a partir disso, tratá-los e cruzá-los com outros repositórios, para obtenção de informações e até fazer previsões.

Google Analytics: com ele é possível medir a audiência de um site e, a partir disso, saber que tipo de conteúdo atrai um público qualificado.

Tableau: esse software é uma das mais práticas soluções de tratamento de dados. Pois, diferentemente de outros softwares de BI, ele tem comandos totalmente baseados em arrastar e soltar. Trata-se de uma ferramenta visual, intuitiva e extremamente valiosa para quem quer trabalhar com inteligência de mercado.

Quais são os dados que precisam ser coletados para empregar essa metodologia?

De nada adianta coletar informações se estas não forem úteis. É preciso saber quais são os dados analisados na inteligência de mercado para otimizar o tempo de trabalho e fazer a produtividade gerar resultados concretos. E esses dados podem ser divididos em dois tipos: primários e secundários.

Dados primários

Conhecidos como dados brutos, são informações geradas a partir de uma demanda, sendo coletadas pela própria empresa nas pesquisas de público, questionários, entrevistas, estudos de caso, relatórios produzidos pelos setores de uma empresa, entre outros.

Dados secundários

Já os dados secundários não precisam ser gerados, pois constituem o conjunto de informações que já foram coletadas, bastando consultá-los. Ao contrário dos primários, eles já estão disponíveis em sites, bancos de dados, publicações de organizações governamentais, institutos de pesquisa, livros, artigos, entre outros, podendo ser obtidos de forma rápida e barata.

Quanto ganha um profissional de inteligência de mercado?

A profissão de analista de inteligência de mercado está em alta e, segundo relatório da empresa de recrutamento Robert Half, a demanda por especialistas vem crescendo cada vez mais, principalmente em startups, no setor de educação, saúde, logística, varejo e alimentos e bebidas.

Ainda de acordo com o relatório, o salário do analista de inteligência de mercado pode variar conforme o tamanho da companhia e com o nível de experiência do profissional, mas pode ir de R$ 3,4 mil para os profissionais juniores que integram times de pequenas e médias empresas, até R$ 15 mil, para analistas sêniores de organizações com faturamento acima de R$ 500 milhões.

E se você está de olho na carreira de analista de dados em inteligência de mercado, a Digital House oferece duas opções de cursos na área: Data Science e Data Analytics.

As aulas são online, 100% ao vivo e ministradas por professores especialistas que estão no mercado. Além disso, a DH conta com o departamento de Carreiras, onde os alunos podem acessar diversos conteúdos exclusivos sobre suas jornadas. Inscreva-se agora mesmo e garanta o seu futuro profissional!

Fique por dentro das novidades do mercado tech. Assine nossa newsletter.