MENU

| BR

Campus

Cursos

Programas Executivos

Paises

Guia de desenvolvimento mobile: como se tornar um programador mobile

Guia de desenvolvimento mobile: como se tornar um programador mobile
#Tecnologia
25 de abril - min de leitura

Cada vez mais, as funções cotidianas estão indo parar nas palmas de nossas mãos, dentro da telinha de um smartphone.


 Muito do que fazemos no nosso dia-a-dia é intermediado por aplicativos, desde o taxi até o banco, passando pelo delivery de comida e pelo jornal que agora lemos em um site ou app. E é justamente pela existência desse mercado promissor que muita gente está interessada em aprender a programar para o universo mobile, ou seja, criar aplicativos e serviços úteis para o maior número de pessoas possível. Muitas dúvidas surgem a respeito desse tipo de programação, e é preciso conhecer alguns conceitos antes de decidir se aventurar nesse ramo.

Programar para web e programar para mobile: o que é mais vantajoso?

Uma das principais diferenças entre um produto para web e um produto para mobile é a forma de captar público. Enquanto na web é possível atingir mais pessoas, no mobile é mais fácil mantê-las dentro do universo criado pela programação. O primeiro fenômeno acontece porque a maioria das pessoas têm um navegador ao seu alcance na maior parte do tempo. Além disso, sem precisar instalar nada, é muito mais rápido e fácil acessar uma aplicação pela web. Por isso, a capacidade de atingir muitas pessoas é maior. Já na questão da retenção de pessoas, o ponto vai para os aplicativos mobile. Quando uma pessoa faz o download de um app, a chance dela permanecer nele é maior do que só clicando em um link. Matheus Costa, coordenador dos cursos de programação da Digital House, explica: "Eu posso abrir um site, simplesmente não gostar e fechar. Geralmente, quando você instala um aplicativo, você teve uma decisão lógica para instalá-lo ou não: você leu comentários, viu algum review dele e, a partir do momento que você o instala, você vai passar um tempo maior nele".

Quero ser um programador mobile: por onde começar?

O primeiro passo para aprender a desenvolver produtos mobile é aprender lógica de programação. E, nesse sentido, fica um pouco mais fácil para quem já tem algum tipo de bagagem no universo da programação, mesmo que seja com web. Matheus compara as linguagens de programação com as diferentes línguas do mundo: a partir do momento que se sabe uma, fica mais fácil aprender as demais. "Se eu sei Português, muita coisa eu vou associar com o Espanhol, ou com o Francês, por exemplo, que têm similaridades. Ou, até para o Inglês, se você entender o que é um verbo, o que é um sujeito, você vai ter uma compreensão melhor do que simplesmente sair falando. Então, linguagem de programação funciona da mesma forma", explica o coordenador.

Mas isso não quer dizer que não dá para começar direto com a programação mobile. Independente do caminho que um profissional seguir, seja começando a construir aplicativos, ou migrando do universo web para o mobile, o primeiro passo é saber lógica de programação. Em seguida, é preciso escolher qual linguagem de programação mobile se deseja aprender. E isso está muito relacionado com a plataforma que será utilizada, visto que cada uma utiliza linguagens diferentes.

Para programar para Android, é utilizado Java, enquanto Swift é a linguagem usada para iOS. Segundo Matheus, independente da escolha, é sempre bom ter alguém com experiência para auxiliar. "As duas não são tão amigáveis quanto a web, digamos assim", explica. Isso ocorre porque, para programar para a web, a maioria dos comandos são memorizáveis. Já no caso do mobile, as linguagens não são tão simples e semânticas, sendo necessária uma noção de lógica maior.

Programando mobile: começo por Android ou iOS?

Matheus acredita que a escolha virá, provavelmente, a partir do dispositivo que o próprio profissional utiliza, justamente pela questão da familiaridade. Mas diante do custo-benefício, a sugestão do coordenador é começar com Android. "Só é possível desenvolver para iPhone em um Mac. Então, diante do investimento em um Mac ou o investimento em um computador para Android, para Android o custo-benefício é melhor". Para programar para Android, qualquer computador com Windows atualizado serve. Além disso, atualmente 85% dos dispositivos mobile do mundo são Android.

Isso significa que, desenvolvendo aplicativos para essa plataforma, o impacto é maior, atingindo um maior número de pessoas. Dentre os cursos que Matheus coordena na Digital House, está o curso de Desenvolvimento Mobile Android. Com duração de cinco meses, o aluno aprende do zero - não é necessário nenhum tipo de conhecimento prévio - e termina com um aplicativo publicado na Google Play Store, pronto para o mercado de trabalho.

Ambientes integrados de desenvolvimento - IDEs

Depois de escolher o sistema operacional ao qual o aprendizado será direcionado, é preciso aprender a linguagem utilizada para programar nesse sistema. E existem ferramentas que ajudam na hora de escrever códigos utilizando a linguagem em questão. Ambientes integrados de desenvolvimento, ou só IDEs, são ferramentas que otimizam a escrita de códigos.

Eles permitem que seja realizada escrita, testes, compilação e execução de códigos. "IDEs te permitem colocar pedaços de códigos que vão facilitar seu desenvolvimento, seja escrevendo pedaços de códigos por você, seja testando o seu site. IDEs nada mais são do que um editores de texto com esteroides, eles têm potencial de fazer mais coisas do que só escrever texto", explica Matheus.

E, para cada linguagem mobile, existe um IDE diferente. Para quem vai programar para Android e, portanto, utilizará a linguagem Java, a ferramenta utilizada é o Android Studio. Além da lógica de programação e da linguagem, é preciso dominar o funcionamento também da ferramenta utilizada.

Qual a diferença entre aplicativos nativos e aplicativos híbridos?

Depois de saber todo o caminho que é necessário percorrer para aprender a programar para mobile, está na hora de pensar nos apps. Mas que tipo de aplicativo escolher para criar? Aplicativos nativos são programas construídos sob medida para determinadas plataformas, como Android ou iOS, e que possuem, portanto, a capacidade de explorar todas as funcionalidades da tal plataforma.

Um aplicativo nativo consegue acessar todo o potencial do dispositivo, como GPS, câmera, áudio e Bluetooth. Já um aplicativo híbrido é algo mais próximo de um PWA (inserir link do artigo) do que de um aplicativo nativo. Para desenvolver um aplicativo híbrido, é preciso criar um site responsivo - aqueles que se adaptam ao tamanho da tela - e utilizar uma ferramenta que faça esse site se comportar como um aplicativo. "Essas ferramentas vão pegar o HTML, CSS e JavaScript com que você fez um site, e vão criar um miniaplicativo dele, vão tornar ele instalável", explica Matheus. Mas, esse aplicativo nada mais é do que a mesma coisa que abrir o site no navegador, mas sem a parte de cima.

O que é executado, na verdade, é o chamado Webview: é como se o aplicativo criasse uma janela de visualização da web e rodasse um site dentro. Segundo Matheus, o ponto positivo disso, em comparação a um PWA, é que um aplicativo híbrido permite mais acesso ao dispositivo, afinal ele funciona como um aplicativo instalado.

Por outro lado, o coordenador explica que o desempenho não será o mesmo que o de um aplicativo nativo ou até mesmo de um PWA, apresentando uma performance mais lenta. "Tanto PWA, quanto um aplicativo nativo vão rodar diretamente do celular; o celular está fazendo as funções. Quando a gente faz um híbrido, o site ou a aplicação mandam um comando para essa Webview que, só então, vai executar no celular. Então, você tem um terceiro elemento ali que dificulta um pouco a coisa", esclarece. "É por isso que a gente ou recomenda fazer um PWA, ou fazer um aplicativo nativo. Evitar ao máximo fazer híbrido".

Como criar um aplicativo de sucesso?

Além de aprender a parte técnica a respeito do desenvolvimento mobile, é importante também pensar na ideia de um novo aplicativo. E a dica que Matheus dá é pensar em um problema real da própria vida. Depois de pensar em um problema, é hora de resolvê-lo, fazendo uso da programação.

"Programação, qualquer uma que seja, seja web, seja mobile, nada mais é do que uma ferramenta para solucionar problemas", opina Matheus. O coordenador usa o exemplo de aplicativos de ônibus. Para ele, muito provavelmente o criador do app teve a ideia em um dia em que ele próprio perdeu o ônibus e ficou muito bravo com isso.

E a solução criada para uma pessoa pode resolver o problema de várias, se tornando um aplicativo de sucesso. E essa é justamente a dica de Matheus. "Então, para você ter um aplicativo, pensa em um problema seu, pelo qual você passa todo dia, e como você pode facilitar aquilo ao máximo. Porque provavelmente outra pessoa tem o mesmo problema, e ela só não achou a solução ainda".

Outras notícias

Design Sprint na prática: como alcançar resultados em menos tempo img
#Marketing

Design Sprint na prática: como alcançar resultados em menos tempo

Resolução de problemas complexos de maneira eficiente é o que as empresas procuram, ainda mais em um mundo dinâmico, que passa por mudanças estruturais com a Covid-19. E é aí que o Design Sprint na prática traz a velocidade nos processos de inovação na medida certa.Essa abordagem é extremamente útil para testar idéias e construir protótipos em poucos dias, indicada em cenários de incerteza, crise ou pouco recursos, como o que vivemos agora. Mas, tudo com pé no chão, não é mesmo? Nosso diretor executivo e especialista no assunto, Juliano Pereira, alerta: “Obviamente, o Design Sprint não é uma solução mágica. Ele é mais rápido e barato, porque leva todas as pessoas relevantes a criar e decidir sobre uma aplicação, site etc, tudo em tempo real, respeitando prazos de etapa da Sprint. Isso, por si só, já reduz o tempo de fila, que em geral, é aquele e-mail que ficou parado sem resposta e atrapalhou o fluxo num projeto comum, por exemplo”.Portanto, essa metodologia ágil, criada pela Google Ventures, não é milagre, é tecnologia agile bem empregada. Veja as vantangens do Design Sprint abaixo e como colocar a mão na massa.Checklist do Design SprintResumidamente, o conceito do Design Sprint desta metodologia é o seguinte: são cinco dias de trabalho intenso em que são reunidas práticas de estratégias de inovação, design thinking, negócios e comportamento, tudo com participação e engajamento de todos os envolvidos.Para chegar a um resultado bacana e tão rápido, é imprescindível que a equipe deste Design Sprint esteja disponível, imersa e determinada a dar o melhor de si.A metodologia permite que uma empresa desenvolva e teste suas ideias em cinco dias. Acompanhe como realizar um Design Sprint:1º dia - Entendimento e definições das metas, identificação do que será realizado e compreensão do problema;2º dia - Estudo de possibilidades, ou seja, o famoso brainstorming;3º dia - A tomada de decisões, que acontece por meio de um processo democrático e abrange todos os participantes do Design Sprint;4º dia - Este dia é o quase lá e é marcado pela criação de protótipo. Geralmente, as equipes contam com oito horas para desenvolver a ideia que, para ser produtiva de fato, exige um time sincronizado e com ações muito bem-definidas;5º dia - Validação. Aqui, o produto desenvolvido é apresentado aos potenciais usuários que podem interagir com o protótipo e preparar o feedback. Esse retorno será a carta branca, ou não, para implementar a solução desenvolvida.Design Sprint e suas vantagensDada a velocidade com que as tecnologias são criadas e implementadas no mercado, o método é uma alternativa vantajosa: além de permitir a validação de ideias em pouco tempo e inovação que abrange a diversidade, há a economia de custos.Por isso, é um recurso muito utilizado por startups e pequenas empresas e remete à disrupção. E as grandes empresas já começam a crescer seus olhos para a metodologia, principalmente no momento atípico que vivemos, onde agilidade e otimização de tempo e recursos prevalecem como diferenciais de sobrevivência.Nesta técnica, o time consegue visualizar a versão final do produto nas mãos dos consumidores, antes de fazer um alto investimento na ideia. Portanto, o risco de prejuízos é menor, ou seja, uma excelente pedida para momentos de crise. “O uso de protótipos e coleta do feedback dos clientes é um caminho mais rápido do que o modelo tradicional. Economiza-se tempo e dinheiro capturando o feedback do cliente final, quando não é preciso construir uma solução de ponta a ponta (incluindo desenvolvimento, testes e implementação)”, completa Juliano.No curso executivo de Agile, da Digital House, ensinamos diversas metodologias ágeis, entre elas, Design Sprint. Você tem aulas com professores que estão no mercado, atuando em grande empresas, e se apoiam na metodologia de sala de aula invertida para uma dinâmica interativa e rica em aprendizados. 

Liderança em UX Design: quais as qualidades essenciais para o líder? img
#UX

Liderança em UX Design: quais as qualidades essenciais para o líder?

A liderança em UX Design tem seus desafios peculiares. Além da empatia à diversidade de opiniões e estilos, a busca por sinergia e resiliência entram na lista de skills importantes a estes profissionais. A verdade é que a liderança na Era Digital é outra.Neste artigo, vamos explicar um pouco como ser um lídera na área de UX Design, e ir além, detalhando como os dirigentes precisam trabalhar na horizontal com o resto da equipe.UX Design e os desafios de liderança na Era DigitalA pandemia vivida em 2020 avançou a Transformação Digital e também fe líderes refletirem sobre ressignificação de propósitos e sua maneira de gerenciar seres humanos. Clientes, usuários dos sites, também passam por esta reflexão diante suas escolhas de consumo e jornada de compras, o que remete ao gestor de UX Design a missão de absorver estas mudanças com atenção ao movimento diário. Neste contexto, a satisfação e adaptação ao home-office é o impacto mais comentado nas manchetes e pesquisas, ultimamente. No Brasil, uma pesquisa recente da Hibou mostra que dos 31% das pessoas que passaram a fazer home office a partir da pandemia, só 30% não gostaram da experiência. Já 36,7% gostariam de trabalhar de casa ao menos uma vez por semana e 32,6% o máximo de dias possíveis. + Leia um e-book exclusivo com ferramentas eficientes para home officeIsso mostra que áreas relacionadas ao Design precisam se adaptar, tanto aos resultados dos gostos destes usuários mais caseiros e seletivos quanto a eles mesmos, trabalhando em equipes mais colaborativas, mesmo de maneira remota. Aí o papel crucial do líder para inspirar este processo e conduzi-lo da melhor forma possível. Novo estilo de liderança No UX Design, é muito claro que não se pode tratar usuários como números. Da mesma forma, seu time não pode ser visto como recursos de projeto, que podem ser descartados ou substituídos, ainda mais no momento de incertezas que passamos.O gestor precisa, de alguma forma, prover segurança, mesmo a distância, além de confiança nestas entregas. Como? Compartilhando experiências, aprendendo com seu time na observação, e, como consequência, explorando todo o potencial de cada um.Nesta linha, vai um exercício prático para você pensar e responder mentalmente:➜ Você inspira confiabilidade em relação ao trabalho do seu time, mesmo remotamente?➜ Consegue ser claro(a) no que precisa deles e no que eles podem contar contigo?➜ Contextualiza seus liderados de que o que eles fazem é realmente importante para a empresa continuar e prosperar?➜ Compartilha conteúdos inspiracionais, relacionados à area?➜ Divide resultados positivos e colabora, colocando a mão na massa, nestes êxitos?Esta última pergunta casa bem com o momento que vivemos, em que colaboração e resiliência são soft skills valiosas. Dentro de um time de Design UX, o líder já domina métodos e ferramentas, podendo ajudar de maneira mais ágil e colaborativa na resolução de problemas complexos, inclusive usando as metodologias ágeis.E, como tudo é digital agora, aderir ao uso de metodologias ágeis e canais de comunicação dinâmicos como chat para tirar dúvidas rápidas, Meet, Zoom ou Skype for Business ajudam em reuniões periódicas. Ou mesmo ajustes de ideias via Google Docs já resolvem muita coisa.As soft skills dentro da liderançaA liderança está ali para executar o macrogerenciamento, tirar impedimentos e facilitar a comunicação entre todos para que executem suas funções. Portanto, agenda cheia, sem espaço para o time, pode levar lideranças ao caminho inverso: o distanciamento prejudicial da equipe e a falta de empatia e engajamento deles.Alguns especialistas de UX citam que a liderança em UX deve acompanhar os níveis de felicidade não só dos clientes, mas do seu time também. “Acredito que a liderança criativa é o que precisamos buscar atualmente. As características mais importantes desse tipo de modelo são: liderar pela inspiração e experimentação, não pelo medo, pela criação de redes de contato, e não pela hierarquia” John Maeda, executivo, designer e tecnólogo americano. A Digital House ajuda na condução e no preparo para este novo momento do mercado de trabalho. E para se aperfeçoar como gestor, você pode investir em um curso de Agile, metodologia ágil eficiente usada por grandes empresas do mercado. Que tal se atualizar sobre a nova liderança na Era Digital?

Como otimizar seu site Wordpress com plugins e funcionalidades da plataforma img
#Marketing

Como otimizar seu site Wordpress com plugins e funcionalidades da plataforma

O WordPress é uma ferramenta flexível, gratuita e com funcionalidades eficientes para a criação de sites, blogs e lojas virtuais. Por isso, é o favorito dos profissionais de marketing digital, agindo como aliado nas estraatégias de inbound e no gerenciamento do conteúdo.Números comprovam essa simpatia. O WordPress ganhou em 2019 a fatia de 61% do mercado de CMS (Sistemas de Gerenciamento de Conteúdo) no mundo todo. Este é apenas um dos bons argumentos para você aprender a criar um site no Wordpress, e mais, como otimizar o seu site na plataforma.Benefícios que o WordPress ofereceO WordPress possui duas versões disponíveis: a plataforma WordPress.com e o WordPress.org, sendo a primeira um serviço que oferece hospedagem gratuita de blogs e sites (com o uso do software deles) e a segunda de código aberto, que permite baixá-lo gratuitamente pelo site oficial e instalar em um servidor de sua escolha. Ambas as versões oferecem vantagens funcionais, como:➜ Uso intuitivo: no geral, o uso do sistema é bastante simples pois é um editor similar ao Word;➜ Fácil instalação: dura de 5 a 10 minutos, no máximo. E o melhor: suas atualizações periódicas também são rápidas;➜ Boa oferta de plugins: o plugin no Wordpress melhora a  experiência de uso de um site, tanto para os administradores quanto para os visitantes. Logo, com eles, seu site pode ficar mais rápido e atrativo. Use-os com estratégia, pois boa parte deles é gratuito;➜ Opção de troca de templates: Você pode trocar o visual da plataforma sem a preocupação de alterar conteúdos já publicados;➜ Dá para usar em dispositivos móveis: com um smartphone ou tablet, sistema Android ou iOS, será possível fazer o download do app do WordPress para gerenciar seu site na palma da sua mão;➜ Seu código é aberto: isso significa que qualquer pessoa da sua  equipe poderá editar, aprimorar e personalizar suas versões, plugins e temas. Nesse ponto, ou você conta com um dev ou aprende a habilidade digital em um curso de programação.Pegando o gancho neste último ponto, saber programar é uma skill que está se popularizando a cada dia que passa entre as áreas do digital. Você pode ver aqui como é relevante para o profissional do marketing saber programar, por exemplo.Plugins para otimizar site WordpressComo dito lá em acima, os plugins são as extensões que acrescentam novas funcionalidades e melhoram a experiência do usuário na plataforma. Como são muitas opções no WordPress, bacana escolher alguns dos plugins essenciais, ou seja, os que valem mesmo a pena usar na sua estratégia. Mas, sempre procure novas opções que atendam bem seus objetivos. Só para exemplificar, vamos citar 4 exemplos de plugins eficientes.Yoast SEONão é mera coincidência. Este plugin foi feito para auxiliar produtores de conteúdo a otimizar suas páginas e textos aos olhos dos motores de busca, tornando-os mais sedutores aos olhos do Google. Ele permite editar títulos, meta description, palavras-chaves, gerar sitemaps e indica se é preciso incluir as tags alt text nas imagens, escrever mais palavras etc.Rock ConvertO Rock Convert tem a missão de impulsionar as conversões do seu site ou blog. Ele tem a funcionalidade de criar CTAs e banners diversos que convertem melhor os visitantes em assinantes. Ótimo para ser integrado às ferramentas de automação de marketing.FlareO Flare é um plugin em que você coloca botões de compartilhamento para as redes sociais no início, meio ou final de seus artigos. Uma ferramenta simples e muito boa, que incentiva os visitantes que gostam do seu conteúdo a pegar carona nas suas redes.Google AnalyticatorSeguindo o mesmo objetivo do conhecido Google Analytics, esse plugin traz análises e métricas mais relevantes do Analytics para o seu dashboard. Assim, você consegue avaliar número de visitas, tempo de permanência médio em cada página e muitos outros dados relevantes.Dica para usar plugins no Wordpress: verifique se os plugins são compatíveis com as novas atualizações de sistema, para que não surjam problemas ao serem usados, quando elas acontecerem. Estas extensões possuem suas próprias atualizações, mas fazê-las manualmente é uma opção. Na Digital House, você pode aprender tudo sobre Wordpress no curso de Marketing Digital, além se de tornar um especialista em uma área que tem grande visibilidade nas empresas. De estratégias de marketing a tendências do mercado e táticas utilizadas pelas empresas, as aulas são dinâmicas e ideais para quem gosta de aprender fazendo.+ Entenda como funcionam as aulas remotas da Digital House