Como ser um freelancer de programação? Saiba construir o seu próprio portfólio

Como ser um freelancer de programação? Saiba construir o seu próprio portfólio

A demanda por um freelancer de programação só cresce! O processo de transformação digital e modernização de processos é algo presente nas empresas que buscam se atualizar tecnologicamente, não ficar para trás em relação aos seus concorrentes e se manter em alta no mercado. Com isso, a área de programação tem sido cada vez mais procurada.

Nesse contexto, muitas empresas que não estão diretamente ligadas à tecnologia também buscam o desenvolvimento de suas ferramentas esporadicamente. Sendo assim, a área de programação acaba entrando em formato de freelancer PJ ou CLT.

Para quem busca iniciar a carreira de programação ou tem conhecimentos e quer trabalhar de forma remota, essa pode ser uma ótima opção. Mas por onde começar? Entenda neste artigo.

Como é o mercado para um freelancer de programação?

O primeiro ponto que devemos destacar é que, em algumas situações, pode ser que o contratante queira que o freelancer de programação atue diretamente na sede da empresa e não 100% remotamente. Pode ser de forma híbrida também, não precisando se deslocar todos os dias à organização.

São diversos tipos de vagas e possibilidades de trabalho disponíveis em site de freelancer de programação. O profissional pode encontrar, por exemplo, oportunidades em uma empresa de comércio, criando um sistema de controle de compra, até em uma multinacional, desenvolvendo uma atualização de software.

Como atuar como programador freelancer e fazer o seu portfólio?

Primeiro de tudo, para começar a ser um freelancer de programação, é necessário ter um bom portfólio, onde consiga mostrar todas as suas habilidades e convencer os contratantes, como em uma entrevista técnica, de que você é a pessoa certa para realizar os serviços que eles necessitam.

O portfólio deve mostrar todas as suas competências técnicas, os trabalhos já realizados e os resultados obtidos. É interessante ter várias versões do mesmo portfólio, para diferentes tipos de clientes. Assim, você pode encaminhar o que mais se adequar às necessidades solicitadas, possuindo mais chances de ser contratado.

Não é necessário colocar todos os trabalhos que você já fez na vida. Sintetize os trabalhos mais importantes e relevantes. Neste momento, tome muito cuidado com os direitos autorais!

Ferramentas para hospedar o seu portfólio

Até aqui nós te explicamos no que consiste seu portfólio e o que incluir nele, mas onde hospedar todos esses trabalhos?

Escolher a plataforma para hospedar seu portfólio é uma etapa que exige um pouco de paciência. São diversas opções disponíveis e, com certeza, uma delas se encaixa com o que você procura, a qual você entende que se adapta melhor. Para isso, é necessário realizar testes e visitar páginas de portfólios dessas plataformas para ter certeza de que está optando pelo lugar certo.

Para te ajudar, listamos abaixo algumas plataformas utilizadas por muitos profissionais na área de programação:

Carbonmade

A plataforma permite a organização de trabalho por álbuns e divididos por temas. Uma ótima opção para programadores. Existem planos pagos e gratuitos para seu uso.

DevianArt

São milhões de usuários que utilizam essa plataforma para expor seus trabalhos. Seu uso é simples e há possibilidades de personalização dos layouts de sua página. Existem planos pagos e gratuitos para seu uso.

Cargo Collective

A plataforma oferece opções de personalização, caso o usuário já entenda de programação. Não é perfeito? Seu uso é gratuito!

LinkedIn

É possível utilizar as redes sociais para divulgar o seu trabalho. Pelo LinkedIn, o programador também consegue divulgar seus trabalhos e projetos, lembrando que um plus é criar um bom perfil no LinkedIn para chamar a atenção de recrutadores.

Qual o valor de um freelancer de programação?

Quanto cobrar por hora? Quanto ganha um profissional freelancer por mês? Essas são questões que provavelmente você deve estar pensando agora e que muitas pessoas pensam também.

Essa é uma questão sem uma resposta certa. Por exemplo, os programadores freelancers que trabalham com tecnologias mais comuns, como o PHP, possuem mais concorrência. Consequentemente, o preço por hora de trabalho pode ser menor, para que possam escolher sua oferta.

Por outro lado, existem muitas áreas e linguagens da programação em que não há muita gente qualificada e o preço sobe.

Outros diferenciais, como falar mais de um idioma, contam bastante. O programador pode conseguir trabalhar no exterior, atuando remotamente e ganhando muito bem em outras moedas.

Normalmente, os projetos são acordados por entregas, ou seja, o valor de remuneração tem ligação com a capacidade de entrega. Ao final, você pode fazer as contas para saber o quanto você ganhou por hora e se valeu a pena.

Por exemplo: um freelancer foi contratado para um trabalho de programação por R$ 3.000,00. Ele finalizou e entregou tudo em duas semanas, trabalhando 44 horas por semana, ou seja, 88 horas no total. Com isso, ele ganhou R$ 34,10 por hora. Isso pode ser bastante lucrativo se você analisar os salários das pessoas contratadas por salário fixo e dividir pela quantidade de horas.

Sites para anunciar o seu trabalho

Existem diversos sites de oportunidades, onde os freelancers buscam por clientes e vice-versa. Conheça 3 deles abaixo:

Freelancer

É um dos maiores do mundo! São inúmeras ofertas em diferentes áreas da programação.

99freelas

A plataforma é brasileira, mas também oferece uma gama enorme de oportunidades. Quando o freelancer de programação conclui um job, ele ganha scores pelo desempenho, aumentando sua visibilidade no site para outras empresas e contratantes.

Workana

São milhares de projetos e oportunidades com foco nos países da América Latina. No site, você pode pesquisar por projetos que se adequem as suas habilidades técnicas.

Ficou com vontade de ingressar na área que é uma promessa ao futuro? Quer aprender sobre programação e se tornar um freelancer?

Na Digital House, temos o curso de Desenvolvimento Web Full Stack, utilizando as melhores ferramentas de educação digital do mercado e possibilitando um processo de aprendizagem eficiente.

Leia mais no blog DH:

+ Minha primeira linguagem de programação: como escolher?

+ Primeiros passos no Git: o que eu preciso saber?

+ Pague só quando possuir renda: conheça o modelo ISA da DH

E aí, já segue a gente no Twitter? Vem pra rede, vamos conversar sobre habilidades digitais! ;)