Extreme Programming: uma metodologia ágil para simplificar o dia a dia do desenvolvedor

Extreme Programming: uma metodologia ágil para simplificar o dia a dia do desenvolvedor

Com a constante transformação digital que vivemos, as empresas estão entendendo e descobrindo os benefícios dos softwares para oferecer uma melhor experiência aos seus clientes. Com isso, a demanda não para de crescer e as equipes acabam se sujeitando à sobrecarga de tarefas, caso não estejam devidamente preparadas para essa situação. É aí que surge a Extreme Programming como uma solução ao contexto.

Acompanhe este artigo para aprender mais sobre esse conceito e suas principais práticas.

O que é Extreme Programming?

Extreme Programming é uma metodologia na área de programação, que possui o objetivo de otimizar as rotinas das equipes. Neste contexto, cada profissional é capaz de cumprir todas as suas tarefas de maneira eficaz, sem gerar atrasos ao projeto. No dia a dia, algumas práticas são necessárias, para que tudo aconteça da melhor forma. Te explicaremos as principais delas ainda neste artigo. Continue acompanhando.

É importante saber que a XP apresenta resultados mais eficazes e assertivos quando aplicados em times com as seguintes condições:

• Em times pequenos, com menos de 12 participantes.

• Quando há algum prazo mais apertado no processo de implementação de uma nova tecnologia.

• Quando o projeto dispõe da possibilidade de realizar testes automatizados de funcionalidade.

• Em projetos de pesquisa com uma alta incidência de mudanças.

• Quando o projeto pode sofrer modificações dinâmicas em relação aos requisitos do software.

• Quando há a possibilidade de contato a todo momento com os clientes, que resulta em diferentes feedbacks.

O Extreme Programming acaba se tornando uma valiosa ferramenta, considerando o mercado atual, onde os softwares são considerados vantagens competitivas para as empresas. Sendo assim, os clientes são cada vez mais exigentes em relação a custos de todo o projeto, prazos e qualidade de serviço.


Qual é a diferença entre metodologia ágil e Extreme Programming?

As metodologias ágeis são as diferentes técnicas utilizadas nos processos de criação e desenvolvimento, que antecipam a necessidade de flexibilidade, tornando tudo mais prático, simples e direto para a entrega dos projetos finalizados.

Dentro dessas diferentes técnicas, está o Extreme Programming. Ou seja, uma faz parte da outra. Agile, Scrum, Kanban são alguns de outros diversos exemplos de metodologias ágeis existentes e usadas no mercado. Devemos ressaltar que diferentes tipos podem apresentar determinadas semelhanças conceituais e de aplicação, além de poderem ser utilizadas simultaneamente, para um resultado muito mais poderoso em projetos de desenvolvimento de softwares.

Na Digital House, maior escola de habilidades digitais da América Latina, temos o curso de Agile. Nele, o aluno aprenderá as principais metodologias e frameworks para criar, experimentar e testar seus projetos, colocando os clientes no centro de todo o processo e descobrindo o que torna uma empresa ágil.

Para os que possuem interesse na área de programação, temos os cursos de Desenvolvimento Web Full Stack, Desenvolvimento Mobile iOS e Desenvolvimento Mobile Android, nos quais os alunos se tornam especialistas e dominam as principais habilidades técnicas para a construção de páginas e aplicativos incríveis ao mercado.

Quais são as principais práticas do Extreme Programming?

Como comentamos, o Extreme Programming conta com um conjunto de boas práticas. Elas foram construídas com o objetivo de garantir a boa qualidade dos projetos e a assertividade da metodologia. Separamos as principais para você. Confira:

Cliente sempre presente

Durante o processo, é necessário que o cliente participe do projeto, acompanhando todas as etapas e dando feedbacks constantes. Com esse contato mais direto, a equipe é orientada sobre erros ou possíveis alterações em um tempo mais curto, evitando os atrasos.

Entregas curtas

Para que o projeto esteja sempre alinhado às expectativas do cliente, o Extreme Programming possui, como uma de suas práticas, a construção dos chamados releases, que são versões menores do sistema que contam com as principais funcionalidades oferecidas.

Isso permite que o cliente acesse o software que contratou de maneira mais rápida e abre mais espaço para novos feedbacks, os quais deixam todo o processo ainda mais assertivo.

Jogos de planejamento

Para garantir que todas as etapas de desenvolvimento do projeto estejam alinhadas com as expectativas do cliente, é preciso que haja um planejamento constante. Antes que cada release seja elaborado, a equipe de desenvolvedores pede para que o cliente deixe bastante claro quais são as funções que deseja para o sistema.

Com todas as informações, a equipe responsável pelo projeto deve analisar todas elas, orientando o cliente a respeito dos custos e do tempo necessário, para que tal funcionalidade seja construída. Isso contribui para que todo o processo seja elaborado de acordo com as prioridades e necessidades, tornando tudo mais assertivo.

Metáfora

A comunicação é uma das questões mais cruciais durante o desenvolvimento de um projeto. Para que tudo seja bastante claro, tanto para a empresa quanto para o cliente, a XP coloca como uma das principais práticas o uso de metáforas para nomear tanto o projeto em si quanto as suas principais etapas.

Isso exemplifica as ideias a serem implementadas de maneira mais clara e evita que todo o trabalho acabe seguindo o caminho errado.

Programação em pares

A programação elaborada em pares também é uma das principais práticas do Extreme Programming. Um dos profissionais é o(a) desenvolvedor(a) responsável pela construção do código, enquanto a outra pessoa deve acompanhá-la, certificando se existe algum erro ou maneiras melhores de desenvolver algo de maneira mais simples, garantindo a qualidade do algoritmo.

A incidência de erros acaba sendo muito menor do que com códigos desenvolvidos por uma única pessoa, trazendo programas mais limpos e eficientes como resultados dessa estratégia.

Refactoring

O refactoring é uma prática que consiste na análise de algoritmos de leitura mais difícil para simplificá-los e facilitar a sua compreensão. É preciso que a pessoa responsável por esse processo tenha toda a base de conhecimento necessária para fazer isso, de maneira que a funcionalidade não seja afetada.

Para que o código mantenha sua eficiência, o programa tenha uma boa qualidade e as eventuais mudanças possam ocorrer com mais facilidade, essas práticas do Extreme Programming precisam que os algoritmos menos legíveis sejam otimizados e se tornem intuitivos aos profissionais.

O desenvolvimento de sistemas não é um processo simples. Mas aplicando estratégias e metodologias, como a Extreme Programming, tudo pode se tornar muito mais fácil. Se você possui interesse na área de desenvolvimento, confira o nosso artigo em que te contamos qual linguagem de programação é a melhor para se aprender primeiro.

Leia mais no blog DH:

+ Google Analytics Dashboard: crie e personalize com o nosso passo a passo

+ O que é brand equity e como as empresas geram valor de marca em seus produtos e serviços

+ Marketing digital para iniciantes: 10 dicas de como começar na carreira

E aí, já segue a gente no Twitter? Vem pra rede, vamos conversar sobre habilidades digitais! ;)