MENU

| BR

Campus

Cursos

Programas Executivos

Programas Executivos

Paises

Qual a diferença entre data lake e data warehouse?

Qual a diferença entre data lake e data warehouse?
#Dados
9 de abril - min de leitura

Nos últimos anos, todos os segmentos de mercado têm passado por diversas transformações de ampla magnitude (transformação digital, indústria 4.0, internet das coisas, inteligência artificial entre outros). Desta forma, a diferença entre data lake e data warehouse acaba aparecendo, pois dados e analytics estão no centro destes acontecimentos como viabilizadores e sendo o “novo petróleo”.


Porém, como qualquer problema ou desafio, há diversas formas e estruturas que podem ser utilizadas para solução ou atingimento da estratégia de dados desejada. Neste artigo vamos explicar a diferença entre data lake e data warehouse, componentes, conceitos que são muito utilizadas pelas empresas como fundamentais para permitir a adoção de uma cultura direcionada a dados, o Data Warehouse e o Data Lake.

Antes de entender a diferença entre data lake e data warehouse

Para conseguirmos entender corretamente a diferença entre data lake e data warehouse e por que as empresas adotam uma ou outra solução, ou até ambas, precisamos primeiro entender qual sua origem e de onde estas surgiram. Começaremos pelo Data Warehouse, ou DW, por ser o mais antigo dos dois.

Trajetória Data Warehouse

No início da década de 1970 quando houve uma revolução de acessos e usos para bancos de dados relacionais, as áreas de tecnologia se depararam com um problema complexo na época: sistemas transacionais e modelados para tanto não estão mais sendo suficientes e performáticos para análises e relatórios complexas que as áreas precisam. 

Sendo assim, fazia-se necessário a criação de uma forma nova de armazenamento, modelagem, processamento e disponibilização de dados que fosse capaz de suprir as diferentes necessidades analíticas que os diferentes departamentos (marketing, compras, atendimento ao cliente etc) da empresa tinham.

Segundo o glossário de termos técnicos da empresa de pesquisa Gartner, um Data Warehouse pode ser conceituado como: uma arquitetura de armazenamento designada para deter dados extraídos dos sistemas transacionais, operacionais e fontes externas. 

O Data Warehouse então combina esses dados de formas sumarizadas e adequadas para consumos, análises e relatórios a nível corporativo atendendo a necessidades pré-definidas dos negócios. Porém essa conceituação moderna é a consequência, principalmente, do trabalho de Bill Inmon, conhecido como o pai de Data Warehousing e segundo a revista Computerworld uma das dez pessoas de tecnologia mais significativas dos últimos 40 anos.

Nas décadas de 70 e 80, Bill Inmon dedicou seu trabalho a estudar e criar o que seriam conhecidos como os primeiros modelos de Data Warehouse. Porém apenas em 1992 quando ele publicou o seu livro Building the Data Warehouse, que seu trabalho ganhou notoriedade mundial. 

Em sua abordagem, o design de criação da arquitetura de dados focada no Warehouse é de que haja um forte trabalho de preparação, modelagem e governança de dados para gerar o armazenamento do DW, e uma vez isso estruturado, visões especializadas para cada necessidade (data marts) serão gerados (essa abordagem é conhecida hoje como top-down).

As aplicações e casos no modelo Inmon passaram a crescer, e como qualquer modelo, framework, no mundo de tecnologia, pessoas e empresas começaram a encontrar problemas e dificuldades no modelo teórico proposto pelo autor. Nessa mudança dos tempos entra o “segundo pai do Data Warehousing”, Ralph Kimball.

Ralph Kimball ganhou sua notoriedade por sugerir uma abordagem mais prática em seu livro The Data Warehouse Toolkit publicado em 1996. Nessa publicação, ao contrário da abordagem top-down de Inmon, o autor introduz que o DW na verdade pode ser criado a partir da coleção de Data Marts e uma camada que distribui informação para eles (conhecido como Information Bus ou Information Hub) em uma abordagem “bottom-up”.

De maneira geral, criar um DW é uma jornada complicada, custosa e que requer o alinhamento de diversas áreas. No tocante às abordagens, ambas são padrões para DWs e a preferência por uma ou outra dependerá de questões como: orçamento, conhecimento interno, tempo de desenvolvimento e diversos outros fatores que a estratégia de dados da sua empresa poderá absorver ou não.

A evolução para o Data Lake

Esses modelos de arquitetura sustentaram empresas por anos e foram utilizados em todo o globo. Porém o mundo de dados e analytics evoluiu para ser algo mais dinâmico, flexível, volumoso, veloz, variável, o prelúdio do que conhecemos hoje como Big Data.

Em uma situação de negócios que requer constantes mudanças e evoluções, as abordagens de Kimball e Inmon são complicadas e pouco flexíveis pois precisam promover os dados desde os sistemas transacionais até o DW através de extrações, transformações e cargas que uma vez concluídas, já previsão evoluir novamente. 

Essas necessidades aliadas a novas formas de análises (dados não estruturados, por exemplo), maiores capacidades de armazenamento de baixo custo e maior sinergia entre as áreas de tecnologia e negócios, forçaram a criação de um conceito de Data Lake, explicado pela Gartner como: um conceito que consiste na coleção de vários tipos de dados, em seu formato bruto, ou mais bruto possível, sendo cópias diretas de suas origens.

Nessa conceituação um Data Lake atacava o coração de várias problemáticas dos DWs por garantir maior flexibilidade, velocidade de projetos, facilidades de acessos entre outros. Atualmente esse componente é adotado como um dos padrões das arquiteturas de dados justamente por viabilizar mais facilmente a adoção de culturas de dados, big data e analytics escaláveis a níveis corporativos.

Diferença entre data lake e data warehouse – Qual escolher?

A resposta para essa pergunta não é simples e todas as vezes será acompanhada de um “depende”. Apesar disto há algumas questões que dividem claramente o caminho a seguir:

1) Já tenho um DW. Devo jogá-lo fora e criar um Data Lake?

De maneira alguma. Os esforços empregados na criação do DW não devem ser descartados, mas sim evoluídos. DWs e Data Lakes convivem muito bem juntos, pois possuem funções complementares e agregam as áreas simultaneamente. Com o advento de tecnologias de Cloud Computing, as opções de arquiteturas têm se tornado muito flexíveis e podem abarcar diversas necessidades simultaneamente.

2) Sou uma empresa nova. Crio um DW, um Data Lake ou ambos?

Recomendo a criação de um Data Lake. O custo inicial de tecnologia e mão de obra será menor, além de que este pode crescer de tamanho e capacidade de processamento conforme a sua demanda cresce junto. O DW requer que a sua empresa tenha profissionais com alto conhecimento do ciclo de vida dos dados como um todo, e isso não é algo simples para quem está começando agora.

3) Existe algum problema em comum dos DWs e Data Lakes?

Sim, e muito sério. Governança e Qualidade de Dados serão os calcanhares de Aquiles de ambos. Em um mundo big data que o volume, velocidade e variedade dos dados só aumenta, aliado a necessidades legais como LGPD e como dados de baixa qualidade afetam os serviços e produtos que o cliente final consome, não ter uma estrutura robusta de ambos os temas aniquilará qualquer empreitada mais cedo ou mais tarde.

4) Quero dar mais autonomia para as áreas de minha empresa criarem suas próprias análises ao invés de demandarem tudo para tecnologia construir. Qual devo escolher?

Novamente recomendo o Data Lake. Por possuir o dado bruto e de diversas fontes no mesmo local, há um potencial de data discovery e análise alto para quem detêm o conhecimento do negócio. O papel das áreas de tecnologia aqui será prover as soluções, integrações e conexões que facilitem essa autonomia, auto-serviço.

5) Preciso entregar visões já com dados trabalhados e que tenham alta performance de processamento e capacidade de compreensão pelos usuários de negócio. Qual escolher?

Nessa conjuntura o DW é mais indicado. O Data Lake não possui uma modelagem definida e isso complica as formas de consumo, forçando nas áreas um maior conhecimento no dia-a-dia de dados (queries, análise, acessos, processamento distribuído etc). 

O DW força estruturas de dados com modelagens mais familiares e correlatas de forma a simplificar o entendimento do “leitor”, além de ser algo concentrado para uma necessidade específica (data mart).

A constante metamorfose das arquiteturas de dados

Como falado antes, há diversas formas de resolver o mesmo desafio, problemática. A beleza e as oportunidades que são geradas pelo mundo de dados são praticamente infinitas pois a todo momento novos conceitos, fundamentos e tecnologias são criados que forçam a reformulação das estratégias de negócios e consequentemente as de tecnologia.

Há 10 anos, pensar que um aparelho doméstico como uma geladeira, cafeteira ou microondas poderia possuir um dispositivo que envia dados em tempo real (internet das coisas) para o fornecedor conseguir prover um serviço melhor de manutenção, por exemplo, parecia algo insano. Estar atualizado sobre as tendências de tecnologia e como estas fazem a diferença para os negócios é a linha entre sucesso e o fracasso das empresas.

Para manter-se atualizado, e em constante metamorfose junto ao mercado, que tal se inscrever no curso de Data Analytics da Digital House? Nele você aprenderá a utilizar toda a cadeia de valor dos dados, suas tecnologias, conceitos e componentes para realizar análises robustas e perenes que criem o diferencial competitivo seu como profissional e de sua empresa no mercado, e claro, aprender na prática a diferença entre data lake e data warehouse.

As aulas são ministradas por grandes especialistas do mercado, dinâmicas e 100% ao vivo, capacitando o aluno da melhor maneira. Além disso, os alunos podem fazer o curso de Gestão de Carreira gratuitamente e participar de feiras de recrutamento exclusivas (Recruiting Day).

Garanta agora mesmo seu lugar em uma das áreas que estão em alta e prometem ao futuro! Confira também a nossa biblioteca de conteúdo e o Blog DH, com outros materiais recheados de conteúdos ricos sobre tecnologia e programação.


Leia mais no blog DH:

Banco de dados públicos: conheça 6 repositórios de dados disponíveis

O que é data warehouse e quais são suas principais características

O dia a dia de um analista de dados: responsabilidades, ferramentas e dúvidas

E aí, já segue a gente no Twitter? Vem pra rede, vamos conversar sobre habilidades digitais! ;) 

Outras notícias

O que é tráfego orgânico e como gerar mais conversões no site img
#Marketing

O que é tráfego orgânico e como gerar mais conversões no site

Quando ouvimos falar de tráfego, associamos à circulação de veículos no trânsito. Na internet, a palavra é utilizada para se referir à movimentação de usuários nas páginas online. Este é o principal objetivo dos sites, e por isso você precisa aprender o que é tráfego orgânico, a menina dos olhos das empresas.Há alguns anos, as principais formas de atrair a atenção de visitantes em determinadas páginas eram pagas. A internet foi avançando, o cenário foi mudando e o marketing digital passou a ganhar novas estratégias para atrair pessoas.Métodos para trazer o público certo aos canais digitais, sem precisar pagar caro por eles, foram surgindo, e é por conta disso que vamos falar sobre tráfego orgânico. Entenda como conquistar mais usuários acessando suas páginas, continuando essa leitura.O que é tráfego orgânico?O tráfego orgânico é composto por todos os acessos que um canal digital, como sites, páginas de blog ou landing pages, recebem de maneira espontânea, sem a utilização de propagandas e anúncios pagos. Normalmente, a origem dessas entradas vem dos mecanismos de busca, como o Google, Bing, entre outros.Nesses mecanismos, aplica-se às técnicas de SEO (Search Engine Optimization), que é uma das principais ferramentas de marketing digital para a produção e implementação de conteúdos de valor.Ao pensar nas boas práticas de SEO para blog, por exemplo, o artigo é reconhecido pelo algoritmo e aparece nas primeiras páginas dos resultados das pesquisas de usuários que procuraram uma palavra-chave relevante utilizada no conteúdo.Os buscadores são a base de novos conhecimentos na internet, ou seja, são muito relevantes. Mesmo que existam sites, como redes sociais, que também auxiliam na descoberta de novos conteúdos, os mecanismos de busca são a maneira mais confiável de encontrar pesquisas sobre um determinado assunto.Sendo assim, o tráfego orgânico é muito importante, pois representa uma grande parcela de acessos a um site. Uma organização que investe no aprimoramento dessa estratégia garante melhores resultados para sua marca, além de aumentar sua autoridade e engajamento com o público.Qual a diferença entre tráfego pago e orgânico?Até aqui, nós explicamos o que é tráfego orgânico e sua importância. No entanto, existem outros tipos, como o tráfego pago, que é baseado em um investimento financeiro para poder gerar resultados. Facebook Ads, Google Ads, mídia programática são alguns exemplos de plataformas para tráfego pago.Não dá para afirmar, exatamente, que o tráfego orgânico não demanda custo, até porque qualquer estratégia de marketing digital para atrair novos clientes exige dinheiro e leva tempo para trazer resultados.No entanto, no tráfego orgânico você gastará dinheiro apenas uma vez, para colher resultados constantes, enquanto no pago você sempre precisará investir mais para ter retorno.Exemplo de tráfego orgânico: artigo de blogPara entendermos na prática, utilizaremos como exemplo um artigo de blog. Para produzi-lo, você precisará de tempo e possíveis custos podem surgir, como a contratação de redatores e programadores para realizar a manutenção do site, entre outros.Entretanto, você poderá gerar resultados hoje e daqui alguns meses ou até anos, pois o conteúdo sempre estará disponível para ser visitado e descoberto pelos mecanismos. Por outro lado, o anúncio pago dura o tempo que você pode investir nele, limitando as visitas. Ficou clara essa diferença, não é mesmo?Além disso, a relevância é um ponto muito importante que diferencia os métodos. O orgânico gera conversões de novos visitantes por seu conteúdo ser de valor e estar bem classificado no Google. Já o pago, somente pela sua compensação financeira, o que não garante que a página seja relevante.Como conquistar mais usuários?Agora que você já sabe o que é e qual a diferença entre tráfego pago e orgânico, chegou a hora de entender como atrair mais usuários organicamente, ou seja, com menos esforços financeiros e com estratégias mais assertivas. Confira:Marketing de conteúdoComo um dos pilares do Marketing Digital, o marketing de conteúdo é uma estratégia essencial para a geração de tráfego orgânico. Se você quer atrair visitas qualificadas, saiba como trabalhar o marketing de conteúdo dentro do funil de vendas e redes sociais.SEOO Search Engine Optimization, que falamos acima, é a otimização de mecanismos de busca. Possui o objetivo de melhorar o posicionamento orgânico no Google, gerando conversões e resultados para um negócio.É uma estratégia excelente para trazer mais tráfego orgânico, em conjunto com o marketing de conteúdo. No entanto, leva tempo e requer disciplina para aplicá-la. Não duvide que todo o esforço valerá a pena, pois um site bem ranqueado pelo Google possui grande potencial de gerar tráfego orgânico.E-mail marketingEssa estratégia visa manter um relacionamento com os visitantes que acessam seu conteúdo, com o objetivo de qualificá-los e transformá-los de simples visitantes para leads ou até mesmo clientes, através do envio de e-mails para uma lista de contatos.É uma das melhores maneiras de gerar mais resultados nas vendas e melhorar a retenção, cultivando o interesse do seu público com conteúdo atualizado e relevante.3 dicas para ter tráfego orgânico no InstagramPrimeiro de tudo, se você é iniciante no marketing digital, é importante saber que o Instagram é uma das redes sociais mais utilizadas para gerar leads de maneira orgânica a um site, pois nele é possível trabalhar o marketing de conteúdo de forma assertiva.Desde a época em que a rede foi inaugurada, o aplicativo teve diversas mudanças, tanto esteticamente quanto nos algoritmos. Mas não se preocupe, nós estamos aqui para te ajudar e trazer 3 dicas para ter tráfego orgânico no Instagram que irão te auxiliar nas suas estratégias de marketing digital. Confira:FrequênciaPara aumentar o tráfego orgânico no Instagram, você não pode postar apenas quando der vontade. É necessário ter um planejamento, programando as postagens em dias e horários específicos, de acordo com o perfil do seu público e o horário que estão mais engajados.Conteúdo de qualidade em diferentes recursosUm bom engajamento não acontece somente por conta das postagens no feed. Existem métricas e indicadores como respostas às demais funções do aplicativo, entre os quais stores, reels, IGTV e menções. Explorar todos os recursos traz mais oportunidades de visualização e engajamento, aumentando também o seu tráfego orgânico. Além de desbravar a diversidade de funcionalidades e ferramentas no Instagram, é importante que o conteúdo seja de qualidade em todos eles, atingindo a dor do público-alvo e gerando conversões.Reserve um tempo exclusivo para engajamentoVocê também deve reservar um tempo para engajar nos conteúdos de seus seguidores, deixando comentários nas postagens, respondendo perguntas e compartilhando o que for relevante.Lembre-se também de interagir com o engajamento que eles deixaram em suas postagens, pois isso fortalece o relacionamento entre cliente e marca.Que tal ser um profissional de marketing digital?Agora que você entende o que é tráfego orgânico e suas principais estratégias, deve saber que, devido à ascensão dos meios digitais, elas se tornam cada vez mais essenciais para melhorar os resultados dos negócios.A busca por cursos de marketing digital aumentou exponencialmente por conta das habilidades digitais, sem contar que a área está presente em qualquer empresa, independente do seu tamanho.Sendo assim, considere uma formação e alavanque sua carreira. O mercado está quente e tais conhecimentos podem ser aplicados no seu próprio negócio, em um cargo ou com foco em consultorias para empresas no geral :)Leia mais no blog DH:+ Escola de marketing digital: Conheça os cursos de marketing da Digital House+ Métricas de marketing: como defini-las em um plano de estratégia?+ Marketing digital para iniciantes: 10 dicas de como começar na carreira

O que é UI? Aprenda User Interface através do Yahoo img
#UX

O que é UI? Aprenda User Interface através do Yahoo

A evolução dos produtos digitais traz uma maior exigência dos usuários em relação a eles. Desta forma, as empresas foram forçadas a entregar um produto que não somente atenda as necessidades do usuário, mas que também seja visualmente agradável. Por isso, hoje vamos explicar o que é UI e seu papel dentro de um negócio.Antes de tudo, vamos fazer uma breve análise do antes e depois da página do Yahoo para explicar o que é UI. Veja na imagem a seguir como eram as telas, a primeira página de internet do Yahoo foi criada em 1996, quando a internet não tinha conceito de design e usabilidade definido.E já na segunda imagem, foram 25 anos a mais. Observe as duas imagens e perceba como o modelo de negócios mudou, incluindo a forma que o usuário interage com as páginas, que no caso, não é a mesma de anos atrás. Então, podemos concluir que a evolução da forma que os usuários interagem com o sistema sempre está passando por evoluções.O que é UI?Quando somos chamados para uma visita, esperamos que a casa esteja organizada e com boa aparência. Agora imagine que esta casa estivesse bagunçada como a página do Yahoo, não seria agradável. Desta forma, podemos dizer que um UI Design bem aplicado nos leva ao ditado: “a primeira impressão é a que fica”.De forma mais técnica, UI significa User Interface (Interface do Usuário), ou seja, é um termo que explica como o usuário interage com softwares. Indo além, por trás deste termo tem um estudo muito forte, incluindo análise de tipografia, cores e tamanhos de cada botão e como isso será usado pelas pessoas.Já entrando no impacto direto dentro das empresas, o trabalho de UI no negócio pode ser decisivo. Pense assim, se um cliente não está satisfeito com o produto, com toda certeza ele irá para o concorrente - e ainda tem a possibilidade dele expor a marca negativamente. Então, quanto mais agradável visualmente, melhor, e adicione nesta “receita” a usabilidade do site, pois deve ser fácil para o usuário, estimulando a navegabilidade.Sendo assim, concluímos que toda empresa deve ficar atenta ao UI do site ou app, pois isso fortalece a marca e o usuário enxerga valor quando a empresa se preocupa com a parte visual do produto.O que é UI e UX? Seria a mesma coisa?Com a explosão de UX Design, é muito comum as pessoas falarem que UX Design são as “telinhas bonitinhas” dos sites e apps, mas User Experience é apenas uma parte do projeto por trás do visor.Em uma breve explicação, UX design está mais ligado a parte estratégica do negócio, a equipe de UX realiza pesquisas com usuários para saber a necessidade deles, trabalha com personas com base no público-alvo, entre outras demandas.Já o UI design faz essa ponte entre o usuário e o negócio, quanto mais essa ponte está bem construída, mais o usuário vai ficar satisfeito. É importante que as empresas comecem a dar importância ao visual do seu produto para ter uma marca de sucesso.E por que UX e UI andam juntos?Quando uma equipe de arquitetos recebe um projeto de uma casa, eles precisam de engenheiros para que o projeto saia o mais perfeito possível, correto? Inclusive no curso de UX Design aqui da escola, ensinamos a base de ambos porque é fundamental para qualquer profissional da área.Agora imagine se um arquiteto começar o projeto sem a sustentação das paredes ou planta do projeto. Fica uma casa super estranha e eles teriam um prejuízo, pois o cliente reclamaria e teriam que refazer muitas coisas.Com UX e UI é a mesma coisa, imagine que UX é o engenheiro e UI é o arquiteto, ambos têm que conversar a todo momento. Imagine que UX faz as pesquisas e passa as informações ao UI para que o produto saia de forma coerente.  É comum pessoas que não sabem muito sobre Experiência do Usuário começarem a desenhar a interface sem saber exatamente o que o usuário precisa, e quando vai para o teste de usabilidade, acabam falhando. Pois é, aí resta ficar na tentativa e erro, até acertar o que o usuário quer.Para as empresas, é importante que o UI Designer tenha breves conhecimentos sobre UX, para que o andamento do projeto possa ser muito consistente.Leia mais no blog DH:+ UX Writing: o que é e 5 dicas para ingressar na carreira+ UX e usabilidade: entenda a relação entre eles+ UX Design é uma das profissões mais procuradas e os dados comprovam

Escola de programação: cursos para desenvolver sua carreira img
#Tecnologia

Escola de programação: cursos para desenvolver sua carreira

A escola de programação é um centro de tecnologia que desenvolve aplicações e usabilidades que estão presentes no dia a dia de todos. Repare que para qualquer lugar que olhamos, sempre há alguma coisa que envolve programação. O seu celular é um exemplo disso!Em paralelo, cada vez mais aumenta o número de profissões, o mercado de trabalho torna-se mais aquecido e se você é uma pessoa que busca estar por dentro das profissões do futuro, deve saber que uma escola de tecnologia é uma ótima alternativa para garantir o seu sucesso.No exterior, o cenário também é o mesmo: muitas empresas procurando pessoas qualificadas, tendo em vista que a oferta de programadores capacitados é escassa. Ou seja, os profissionais que dominam as linguagens de programação possuem grandes chances de conseguir oportunidades dentro ou fora do Brasil.Por isso, te explicaremos com mais detalhes como está o panorama de mercado da área e como funciona uma escola de programação. Continue acompanhando e prepare-se para ingressar em um mundo cheio de possibilidades e soluções!O que é uma escola de programação?As escolas de programação são centros de ensino que visam à formação de profissionais que saibam codificar, solucionando problemas de clientes ou outras empresas, além de automatizar determinadas tarefas.Sendo assim, em uma boa escola, é importante que o aluno aprenda as principais linguagens de programação, como HTML, CSS, JavaScript, NodeJS e domine o que chamamos de lógica de programação.Em outras palavras, é a maneira de se estruturar um processo de aplicação, com base em seus principais objetivos. Ao realizar essa estrutura, o programador também determina a melhor linguagem a ser utilizada no trabalho.Geralmente, uma escola de programação oferece cursos que formam profissionais aptos a lidar com os desafios nas diferentes etapas de desenvolvimento em menos de 1 ano, a exemplo da Digital House.3 cursos que você pode fazer em uma escola de programaçãoSe você possui interesse em aprender tecnologia ou é um marinheiro de primeira viagem, confira abaixo 3 cursos que você pode fazer em uma escola de programação:Desenvolvimento Web Full Stack:Neste curso de programação, o aluno aprende como criar sites e sistemas web, usando diversas linguagens de programação, como HTML, CSS, Javascript, entre muitos outros.Na área de TI, é uma função muito requisitada no mercado de trabalho, pois o profissional full stack tem a capacidade de atuar como um especialista em ambas as pontas do desenvolvimento: front-end e back-end. Atualmente, há muitos profissionais especializados em uma das duas frentes e no dia a dia das empresas, situações em que é a interação entre essas duas áreas é muito frequente. Sendo assim, o full stack é um grande diferencial dentro das empresas.Desenvolvimento Mobile AndroidAtualmente, é muito difícil achar uma pessoa que não tenha um celular, pois a variedade de funcionalidades do aparelho é extensa, desde o entretenimento até serviços essenciais, como pagamento de contas.Neste contexto, ao realizar este curso de Android Kotlin, o aluno aprende a desenvolver esses aplicativos para um sistema específico, o Android.Desenvolvimento Mobile iOSEm um curso específico para iOS, o aluno desenvolve o entendimento pleno do programa App Development with Swift, que faz parte da iniciativa Everyone Can Code, da Apple.Ao longo da jornada a pessoa deve aprender sobre introdução ao iOS, programação orientada a objetos, interfaces, arquitetura, APIs e outras habilidades fundamentais para a construção de um aplicativo.Na Digital House, as turmas ainda desenvolvem soft skills, como aprender a trabalhar em equipe, e realizam projetos utilizando metodologia agile.Mercado de trabalho de TI: oportunidade!Sabendo dessas grandes oportunidades e antes de embarcar em uma escola de programação, é importante entender com mais detalhes o mercado de trabalho de TI: oportunidade ou não?De acordo com uma pesquisa realizada pela Catho, no estado de São Paulo, as vagas no setor de tecnologia tiveram um crescimento de 671% no ano de 2020. Com isso, não podemos negar que a programação é uma área promissora para o mercado de trabalho.E para animar mais e consolidar o interesse, o cenário financeiro também se mostra bom para quem busca estabilidade. O salário médio de um desenvolvedor pode variar de R$4.000.00 a R$9.250,00, de acordo com o Guia Salarial 2021, da Robert Half.Se você possui interesse em iniciar numa escola de programação, é importante saber que o processo de aprendizagem das linguagens de programação funciona da mesma forma que aprender um novo idioma. O estudo constante, a dedicação e a prática são necessários, mas qualquer pessoa pode e consegue aprender!Não deixe de conferir também o material que produzimos sobre as 8 linguagens de programação mais faladas no mundo da programação, o guia que vai te ajudar a escolher sua jornada dentro dos códigos de um jeito mais fácil e vantajoso. Vamos nessa?Leia mais no blog DH:+ Aprenda como criar um aplicativo para celular em 6 etapas+ Área da tecnologia: É preciso uma faculdade para ser programador?+Curso Node.js: o que se aprende e quais são as vantagens