MENU

| BR

Campus

Cursos

Programas Executivos

Programas Executivos

Paises

Qual a diferença entre data lake e data warehouse?

Qual a diferença entre data lake e data warehouse?
#Dados
9 de abril - min de leitura

Nos últimos anos, todos os segmentos de mercado têm passado por diversas transformações de ampla magnitude (transformação digital, indústria 4.0, internet das coisas, inteligência artificial entre outros). Desta forma, a diferença entre data lake e data warehouse acaba aparecendo, pois dados e analytics estão no centro destes acontecimentos como viabilizadores e sendo o “novo petróleo”.


Porém, como qualquer problema ou desafio, há diversas formas e estruturas que podem ser utilizadas para solução ou atingimento da estratégia de dados desejada. Neste artigo vamos explicar a diferença entre data lake e data warehouse, componentes, conceitos que são muito utilizadas pelas empresas como fundamentais para permitir a adoção de uma cultura direcionada a dados, o Data Warehouse e o Data Lake.

Antes de entender a diferença entre data lake e data warehouse

Para conseguirmos entender corretamente a diferença entre data lake e data warehouse e por que as empresas adotam uma ou outra solução, ou até ambas, precisamos primeiro entender qual sua origem e de onde estas surgiram. Começaremos pelo Data Warehouse, ou DW, por ser o mais antigo dos dois.

Trajetória Data Warehouse

No início da década de 1970 quando houve uma revolução de acessos e usos para bancos de dados relacionais, as áreas de tecnologia se depararam com um problema complexo na época: sistemas transacionais e modelados para tanto não estão mais sendo suficientes e performáticos para análises e relatórios complexas que as áreas precisam. 

Sendo assim, fazia-se necessário a criação de uma forma nova de armazenamento, modelagem, processamento e disponibilização de dados que fosse capaz de suprir as diferentes necessidades analíticas que os diferentes departamentos (marketing, compras, atendimento ao cliente etc) da empresa tinham.

Segundo o glossário de termos técnicos da empresa de pesquisa Gartner, um Data Warehouse pode ser conceituado como: uma arquitetura de armazenamento designada para deter dados extraídos dos sistemas transacionais, operacionais e fontes externas. 

O Data Warehouse então combina esses dados de formas sumarizadas e adequadas para consumos, análises e relatórios a nível corporativo atendendo a necessidades pré-definidas dos negócios. Porém essa conceituação moderna é a consequência, principalmente, do trabalho de Bill Inmon, conhecido como o pai de Data Warehousing e segundo a revista Computerworld uma das dez pessoas de tecnologia mais significativas dos últimos 40 anos.

Nas décadas de 70 e 80, Bill Inmon dedicou seu trabalho a estudar e criar o que seriam conhecidos como os primeiros modelos de Data Warehouse. Porém apenas em 1992 quando ele publicou o seu livro Building the Data Warehouse, que seu trabalho ganhou notoriedade mundial. 

Em sua abordagem, o design de criação da arquitetura de dados focada no Warehouse é de que haja um forte trabalho de preparação, modelagem e governança de dados para gerar o armazenamento do DW, e uma vez isso estruturado, visões especializadas para cada necessidade (data marts) serão gerados (essa abordagem é conhecida hoje como top-down).

As aplicações e casos no modelo Inmon passaram a crescer, e como qualquer modelo, framework, no mundo de tecnologia, pessoas e empresas começaram a encontrar problemas e dificuldades no modelo teórico proposto pelo autor. Nessa mudança dos tempos entra o “segundo pai do Data Warehousing”, Ralph Kimball.

Ralph Kimball ganhou sua notoriedade por sugerir uma abordagem mais prática em seu livro The Data Warehouse Toolkit publicado em 1996. Nessa publicação, ao contrário da abordagem top-down de Inmon, o autor introduz que o DW na verdade pode ser criado a partir da coleção de Data Marts e uma camada que distribui informação para eles (conhecido como Information Bus ou Information Hub) em uma abordagem “bottom-up”.

De maneira geral, criar um DW é uma jornada complicada, custosa e que requer o alinhamento de diversas áreas. No tocante às abordagens, ambas são padrões para DWs e a preferência por uma ou outra dependerá de questões como: orçamento, conhecimento interno, tempo de desenvolvimento e diversos outros fatores que a estratégia de dados da sua empresa poderá absorver ou não.

A evolução para o Data Lake

Esses modelos de arquitetura sustentaram empresas por anos e foram utilizados em todo o globo. Porém o mundo de dados e analytics evoluiu para ser algo mais dinâmico, flexível, volumoso, veloz, variável, o prelúdio do que conhecemos hoje como Big Data.

Em uma situação de negócios que requer constantes mudanças e evoluções, as abordagens de Kimball e Inmon são complicadas e pouco flexíveis pois precisam promover os dados desde os sistemas transacionais até o DW através de extrações, transformações e cargas que uma vez concluídas, já previsão evoluir novamente. 

Essas necessidades aliadas a novas formas de análises (dados não estruturados, por exemplo), maiores capacidades de armazenamento de baixo custo e maior sinergia entre as áreas de tecnologia e negócios, forçaram a criação de um conceito de Data Lake, explicado pela Gartner como: um conceito que consiste na coleção de vários tipos de dados, em seu formato bruto, ou mais bruto possível, sendo cópias diretas de suas origens.

Nessa conceituação um Data Lake atacava o coração de várias problemáticas dos DWs por garantir maior flexibilidade, velocidade de projetos, facilidades de acessos entre outros. Atualmente esse componente é adotado como um dos padrões das arquiteturas de dados justamente por viabilizar mais facilmente a adoção de culturas de dados, big data e analytics escaláveis a níveis corporativos.

Diferença entre data lake e data warehouse – Qual escolher?

A resposta para essa pergunta não é simples e todas as vezes será acompanhada de um “depende”. Apesar disto há algumas questões que dividem claramente o caminho a seguir:

1) Já tenho um DW. Devo jogá-lo fora e criar um Data Lake?

De maneira alguma. Os esforços empregados na criação do DW não devem ser descartados, mas sim evoluídos. DWs e Data Lakes convivem muito bem juntos, pois possuem funções complementares e agregam as áreas simultaneamente. Com o advento de tecnologias de Cloud Computing, as opções de arquiteturas têm se tornado muito flexíveis e podem abarcar diversas necessidades simultaneamente.

2) Sou uma empresa nova. Crio um DW, um Data Lake ou ambos?

Recomendo a criação de um Data Lake. O custo inicial de tecnologia e mão de obra será menor, além de que este pode crescer de tamanho e capacidade de processamento conforme a sua demanda cresce junto. O DW requer que a sua empresa tenha profissionais com alto conhecimento do ciclo de vida dos dados como um todo, e isso não é algo simples para quem está começando agora.

3) Existe algum problema em comum dos DWs e Data Lakes?

Sim, e muito sério. Governança e Qualidade de Dados serão os calcanhares de Aquiles de ambos. Em um mundo big data que o volume, velocidade e variedade dos dados só aumenta, aliado a necessidades legais como LGPD e como dados de baixa qualidade afetam os serviços e produtos que o cliente final consome, não ter uma estrutura robusta de ambos os temas aniquilará qualquer empreitada mais cedo ou mais tarde.

4) Quero dar mais autonomia para as áreas de minha empresa criarem suas próprias análises ao invés de demandarem tudo para tecnologia construir. Qual devo escolher?

Novamente recomendo o Data Lake. Por possuir o dado bruto e de diversas fontes no mesmo local, há um potencial de data discovery e análise alto para quem detêm o conhecimento do negócio. O papel das áreas de tecnologia aqui será prover as soluções, integrações e conexões que facilitem essa autonomia, auto-serviço.

5) Preciso entregar visões já com dados trabalhados e que tenham alta performance de processamento e capacidade de compreensão pelos usuários de negócio. Qual escolher?

Nessa conjuntura o DW é mais indicado. O Data Lake não possui uma modelagem definida e isso complica as formas de consumo, forçando nas áreas um maior conhecimento no dia-a-dia de dados (queries, análise, acessos, processamento distribuído etc). 

O DW força estruturas de dados com modelagens mais familiares e correlatas de forma a simplificar o entendimento do “leitor”, além de ser algo concentrado para uma necessidade específica (data mart).

A constante metamorfose das arquiteturas de dados

Como falado antes, há diversas formas de resolver o mesmo desafio, problemática. A beleza e as oportunidades que são geradas pelo mundo de dados são praticamente infinitas pois a todo momento novos conceitos, fundamentos e tecnologias são criados que forçam a reformulação das estratégias de negócios e consequentemente as de tecnologia.

Há 10 anos, pensar que um aparelho doméstico como uma geladeira, cafeteira ou microondas poderia possuir um dispositivo que envia dados em tempo real (internet das coisas) para o fornecedor conseguir prover um serviço melhor de manutenção, por exemplo, parecia algo insano. Estar atualizado sobre as tendências de tecnologia e como estas fazem a diferença para os negócios é a linha entre sucesso e o fracasso das empresas.

Para manter-se atualizado, e em constante metamorfose junto ao mercado, que tal se inscrever no curso de Data Analytics da Digital House? Nele você aprenderá a utilizar toda a cadeia de valor dos dados, suas tecnologias, conceitos e componentes para realizar análises robustas e perenes que criem o diferencial competitivo seu como profissional e de sua empresa no mercado, e claro, aprender na prática a diferença entre data lake e data warehouse.

As aulas são ministradas por grandes especialistas do mercado, dinâmicas e 100% ao vivo, capacitando o aluno da melhor maneira. Além disso, os alunos podem fazer o curso de Gestão de Carreira gratuitamente e participar de feiras de recrutamento exclusivas (Recruiting Day).

Garanta agora mesmo seu lugar em uma das áreas que estão em alta e prometem ao futuro! Confira também a nossa biblioteca de conteúdo e o Blog DH, com outros materiais recheados de conteúdos ricos sobre tecnologia e programação.


Leia mais no blog DH:

Banco de dados públicos: conheça 6 repositórios de dados disponíveis

O que é data warehouse e quais são suas principais características

O dia a dia de um analista de dados: responsabilidades, ferramentas e dúvidas

E aí, já segue a gente no Twitter? Vem pra rede, vamos conversar sobre habilidades digitais! ;) 

Outras notícias

 O que está em alta no mercado de trabalho?  img
#Carreira

O que está em alta no mercado de trabalho?

Estamos vivendo uma série de desafios, onde a economia, por exemplo, teve o PIB diminuído em 9,7% no segundo trimestre de 2020. Além disso, o mercado de trabalho também está sofrendo as consequências da crise, com o avanço da taxa de desemprego, que passa dos 14%, segundo o IBGE. Com o efeito deste números, vem a pergunta: o que está em alta no mercado? Ainda existe algum setor que valha a pena ser investido?Os efeitos da crise se espalharam em praticamente todos os setores, com impacto em diversas carreiras. Naturalmente, alguns campos sofreram menos do que outros e o mercado teve que se adaptar ao home office, por conta do isolamento social. No entanto, ainda no ano de 2020, algumas áreas passaram a ter indícios de recuperação e voltaram a operar de forma consistente e até impulsionada.Acompanhe este artigo e, além de entender o que está em alta no mercado, saiba quais são as principais tendências para quem busca ingressar em uma nova carreira e/ou quer estabilidade profissional e financeira.O que mais está em alta no mercado?Está mais do que claro. Ao pesquisar sobre o que está em alta no mercado, existe um setor que sempre predomina em qualquer previsão de tendência para o futuro: a tecnologia. Com a realidade pandêmica, as inovações e os processos digitais foram acelerados.O isolamento social alterou a forma das pessoas viverem. Com a população dentro de casa, todo mundo passou a buscar por entregas rápidas, delivery, entre outras opções. Embora tudo isso já existisse antes da pandemia, o período impulsionou a área, que agora está consolidada no mercado e é irreversível.A digitalização ocorreu em diversos setores e muitas empresas não estavam preparadas para isso. Sendo assim, cresceu  a demanda por profissionais como engenheiros de softwares, analistas de dados, marketing digital, linguagens de programação, para suprir as demandas criadas pelo novo comportamento da população. Conforme as empresas vão passando pelo processo de transformação digital para se manterem firmes no mercado, determinadas habilidades técnicas e competências se tornam mais necessárias.A Digital House oferece diversos cursos que formam especialistas dentro das áreas do futuro que demandam habilidades digitais, em aulas ministradas por professores que estão no mercado. Conheça os cursos de marketing digital, UX, dados, programação e negócios.Quais serão as tendências para os próximos anos no marketing?Não há dúvida. O marketing é uma das áreas que oferecem diversas profissões do futuro. Isso porque a atuação só vem aumentando e, para quem deseja ingressar nesse campo, o melhor momento de se preparar é agora!São muitas empresas existentes no mercado e, ao mesmo tempo, novas organizações, de diferentes portes, surgem constantemente. Isso faz com que haja mais competitividade e os gestores invistam em trabalhar sua imagem para o público, através das mídias digitais e a promoção de seus produtos e serviços.Neste cenário, o marketing digital é a atividade principal do ramo. De acordo com informações da Pesquisa Maturidade do Marketing Digital, desenvolvida pela parceria entre a Resultados Digitais, Mundo do Marketing, Rock Content e Vendas B2B, 94% dos entrevistados afirmaram usar o marketing digital como estratégia para crescer no mercado. E mais: 95% deles comentaram que as suas próprias estratégias ainda precisam de melhorias, abrindo mais demandas para novos profissionais que queiram ingressar na área.A internet é um dos recursos principais da Era Digital, onde a maior parte das pessoas troca informações e se comunica socialmente. Com isso, encontrar uma empresa sem site ou contas nas redes sociais, é praticamente impossível. Elas precisam promover o negócio e prospectar novos leads por meio dessas e outras ferramentas digitais.Este movimento das empresas para o ambiente online foi potencializado pela pandemia, onde até as organizações com pensamentos mais tradicionais entenderam a necessidade de aderir às estratégias digitais para se manterem firmes no mercado. Por isso, podemos concluir que o mercado de marketing está em um ótimo momento.A Digital House entende a importância da área e a sua tendência cada vez maior no mercado de trabalho. Confira as grades dos cursos de Marketing Digital e Marketing Digital Avançado e veja tudo o que você pode aprender, estudando em uma escola referência nas habilidades digitais da América Latina.Quais são as tendências para o futuro do software?Nos últimos anos, a área de desenvolvimento teve muitas mudanças. Novos dispositivos e modelos ditam formas de criar aplicativos e páginas web. A tendência é a tecnologia ficar cada vez mais próxima das pessoas, priorizando uma experiência do usuário cada vez melhor. Se você está questionando o que está em alta no mercado, esta também é uma ótima opção a ser considerada.Neste cenário, as empresas devem estar preparadas para flexibilizar suas rotinas, adotando as novas tendências de TI e no processo de construção das interfaces digitais, pensando em proporcionar o melhor ao cliente em seu resultado final.A computação em nuvem, por exemplo, permite que os desenvolvedores tenham seus processos mais flexíveis e integrados, não precisando necessariamente estar no ambiente de trabalho para elaborar uma ferramenta. Para isso, basta uma boa conexão com a internet para acessar seus frameworks e IDEs.Para a construção de interfaces, a área de User Experience (UX) é cada vez mais essencial. Desde descobrir as reais necessidades do público-alvo, aplicar um design responsivo, informações e conteúdos dispostos estrategicamente até a escolha certa das cores e imagens fazem parte de todo esse processo.Independentemente de qual meio de comunicação ou área, quando o assunto é tecnologia e habilidades digitais, as notícias sempre são sobre o crescimento constante do setor e as inúmeras oportunidades disponíveis no mercado.A Digital House tem consciência de todas essas tendências e oferece os cursos de Desenvolvimento Web Full Stack, Desenvolvimento Mobile Android e Desenvolvimento Mobile iOS, para quem possui interesse na área de programação e o curso de Experiência do Usuário (UX) para os apaixonados em criar produtos e interfaces que oferecem a melhor interação para cada cliente.Principais tendências para a área de dadosJá ouviram falar que o dado é o novo petróleo da atualidade? Pois é, todos os dias, muitas informações são geradas no mundo online. Com isso, as empresas estão sempre buscando informações relevantes nesse infinito universo, para melhorar e otimizar suas demandas e tomar as melhores decisões.A área abarca carreiras mais generalistas, como o analista, que formula novos conceitos e identifica informações em comum entre diferentes informações, vindos de diversas origens, campos e assuntos, para orientar o planejamento das empresas.Ao mesmo tempo, há áreas mais específicas, como o cientista de dados, que precisa de um background maior em determinadas habilidades, como matemática, estatística, computação e o especialista em inteligência artificial, que manipula os diversos softwares que operam e aprendem novos recursos por conta própria.A área é relativamente nova. Porém, quando se pesquisa o que está em alta no mercado, não há dúvida de que ela está superaquecida. Normalmente, as pessoas que ingressam no campo possuem diversas origens profissionais, como Estatística, Engenharia, Administração ou Economia.Em meio a sua trajetória de carreira, todos buscam uma especialização para adquirir os conhecimentos necessários e transitar de área. Sendo assim, qualquer pessoa possui potencial para ingressar no campo.De acordo com um levantamento da Associação Brasileira das Empresas de Tecnologia da Informação e Comunicação (Brasscom), cerca de 420 mil novas vagas no mercado de tecnologia devem ser criadas até o ano de 2024. No entanto, as previsões apontam que 150 mil delas não serão preenchidas por falta de profissionais qualificados.Se você está pensando em ser um profissional da área de dados, este é o melhor momento para começar esta jornada. Com pouca gente qualificada para muita oferta por parte das empresas, quem se interessa por este universo já está à frente da concorrência, considerando a alta possibilidade de alcançar sua estabilidade profissional e financeira.Recomendamos que você confira a grade completa dos cursos de Data Science, Data Analytics e Inteligência Artificial (IA) da DH. Eles preparam o aluno para lidar com os desafios do dia a dia da melhor maneira. Termine o curso com um portfólio completo, contando também com o projeto integrador para se colocar no mercado de trabalho.Nós acreditamos que a educação profissional deve estar sempre aliada com o desenvolvimento pessoal. Temos um departamento de carreiras que oferece cursos complementares, palestras, plantão de dúvidas e apoio na transição de carreira e novas oportunidades aos alunos. Nossos dados confirmam que a Digital House tem 95% de empregabilidade dos alunos.Se você gostou deste artigo, baixe também o nosso mapa de carreiras digitais, e veja quais são as áreas e profissões que estão em alta, além de como é a jornada profissional, os panoramas de mercado e o salário médio de cada uma.Leia mais no blog DH:+ Google Analytics Dashboard: crie e personalize com o nosso passo a passo+ O que é brand equity e como as empresas geram valor de marca em seus produtos e serviços+ Marketing digital para iniciantes: 10 dicas de como começar na carreiraE aí, já segue a gente no Twitter? Vem pra rede, vamos conversar sobre habilidades digitais! ;)

NPS: o que significa e qual a sua importância para a DH img
#Otros

NPS: o que significa e qual a sua importância para a DH

Você provavelmente já deve ter recebido algum tipo de e-mail de pesquisa de satisfação para responder, mas nem sempre ficam claros os motivos e as formas pelos quais os resultados são utilizados. Por esse motivo, resolvemos explicar quais são as ideias por trás do esforço permanente em medir a satisfação com os cursos e, por extensão, na escola.Na Digital House o aluno responde a três tipos de pesquisa: uma na metade do curso e uma no final, ao NPS (Net Promoter Score); a cada três semanas de aula, é aplicado o NSI (Net Satisfaction Index); pôr fim, ao final de cada aula as perguntas vêm na forma do 3Q (que bom, que pena, que tal). A frequência, as métricas e a metodologia de cada uma são diferentes entre si, e a ideia aqui é esclarecer o papel do NPS, suas origens e o que esse indicador revela para nós.NPS é uma sigla que significa Net Promoter Score, uma métrica de lealdade do cliente a uma determinada empresa, baseada na atribuição de uma nota numérica entre 1 e 10 ao produto ou serviço consumido. O indicador foi criado a partir da experiência de uma rede de locadoras de automóveis dos Estados Unidos, e parte do pressuposto de que, mais do que a média de satisfação da clientela, o que interessa aos negócios que visam crescimento e resultados de longo prazo é a quantidade de clientes que, de tão satisfeitos, passam a indicar a empresa a colegas e familiares.Ao empregar a escala de 1 a 10, aqueles que atribuem notas 10 e 9 ao produto ou serviço consumido são os “promotores”; os que deram notas 8 e 7 são “neutros” e, de 6 para baixo, estão os “detratores”. A nota final é dada pela subtração da proporção de promotores e detratores, conforme figura abaixo:Fonte: File:Nps.jpg - Wikimedia CommonsAqui na Digital House, os alunos são chamados com frequência a responder pesquisas de satisfação. Periodicamente são disparadas enquetes via email que são, em última instância, um retrato da escola na visão de seu público-alvo.A invenção do NPSAs ideias por trás do NPS vieram à luz num artigo da Harvard Business Review em 2003, sob o ambicioso título “O único número que você precisa para crescer”. Ciente das limitações e custos envolvidos na realização de grandes e complexas pesquisas de satisfação dos clientes (surveys), Andy Taylor, CEO da Enterprise Rent a Car, introduziu uma pesquisa mensal composta de apenas duas perguntas, uma sobre a qualidade da experiência de locação e outra, sobre a probabilidade do cliente repetir a locação com a empresa. A simplicidade das perguntas possibilitou que a empresa fornecesse um feedback rápido para suas mais de 5 mil filiais, com foco apenas nos clientes mais engajados, ou seja, aqueles que fornecem as notas mais altas.E os demais clientes? Obviamente todos interessavam à Enterprise e interessam a qualquer negócio, mas o foco nos entusiastas parte do pressuposto de que estes, e não a média dos clientes, são aqueles que não apenas voltam a consumir, mas recomendam o produto ou serviço a outros consumidores. Afinal de contas, ao recomendar uma empresa para uma pessoa próxima, estamos não apenas atestando nossa satisfação com o ato de consumo, mas também colocando em risco nossa própria reputação. Usando um exemplo que quase todo mundo já viveu, nada pior do que indicar um encanador, por exemplo, e descobrir que a sua indicação foi responsável pelo alagamento da casa dos amigos.Com base na experiência da Enterprise, o professor Frederick Reichheld sistematizou dados sobre outras companhias e setores de atividade, procurando identificar uma suposta correlação entre a fidelidade do cliente e o crescimento e lucratividade do negócio. Os dados levantados ao longo de dois anos levaram à conclusão de que o único caminho para o crescimento lucrativo baseava-se na habilidade das companhias em tornar seus clientes fiéis a ponto destes recomendarem constantemente seus produtos, captando novos clientes e agindo, na prática, como seus departamentos de marketing.As premissas do NPS colocavam em xeque uma série de outras métricas, especialmente aquelas relacionadas à satisfação do cliente. Taxas de retenção, por exemplo, são um bom indicador de lucratividade, mas não de crescimento, e os níveis de satisfação passada não apresentam evidências fortes de estarem relacionadas com o comportamento atual do consumidor ou com o crescimento do negócio.A pergunta que interessaPara encontrar a pergunta-chave a ser feita aos consumidores e, a partir daí, a métrica ideal para aferir a fidelidade do cliente, o professor Reichheld associou dados de surveys com informações sobre o comportamento real de mais de 4 mil consumidores, especialmente em relação à repetição de compras e padrões de recomendação, usando para isso ferramentas como Satmetrix e um questionário de 20 perguntas chamado Loyalty Acid Test. Esse trabalho possibilitou determinar quais questões apresentavam a mais alta correlação estatística com a repetição de compra e a recomendação. Se inicialmente procurava-se a melhor pergunta para cada setor de atividade, o que se descobriu é que apenas uma pergunta era a ideal para a maioria dos setores: “qual é a probabilidade de você recomendar a empresa X para um amigo ou colega?”.Encontrada a pergunta, era necessário estabelecer a escala de resposta, uma escala que fosse simples, sem ambiguidade e pudesse ser compreendida de forma intuitiva por consumidores, investidores e jornalistas, enfim, pelo grande público. Essa escala serviria como base para o estabelecimento de grupos de consumidores que resumiram a experiência do cliente, servindo como guia de orientação dos esforços da empresa em busca do crescimento sustentado.Dessa forma, quando a Digital House aparece na sua caixa postal perguntando qual é a possibilidade de você nos recomendar para seus familiares e amigos, o que queremos saber é qual é a proporção dos alunos que, de tão satisfeitos, colocam sua reputação em jogo pela qualidade percebida em sua jornada. Sem nunca descuidar dos feedbacks negativos, que são analisados semanalmente por coordenadores, professores e áreas de apoio, nossa preocupação é proporcionar uma experiência de aprendizagem que tenha valor e faça a diferença na sua trajetória.Assim, mais do que nunca, pedimos: responda às pesquisas! A sua opinião que tornará a DH cada vez melhor.Leia mais no blog DH:+ Google Analytics Dashboard: crie e personalize com o nosso passo a passo+ O que é brand equity e como as empresas geram valor de marca em seus produtos e serviços+ Marketing digital para iniciantes: 10 dicas de como começar na carreira

Conheça o curso de Ads e como se tornar um bom profissional img
#Marketing

Conheça o curso de Ads e como se tornar um bom profissional

Os profissionais que trabalham na área de Ads são responsáveis pela promoção da imagem de uma marca para o mercado, a fim de gerar leads, visibilidade, engajamento e mais vendas, ou seja, tudo que é essencial para o seu crescimento. Que tal entender melhor as vantagens de fazer um curso de Ads e as principais habilidades de um bom profissional neste segmento? Continue acompanhando.O que é um curso de Ads?Em um curso de Ads ou mídia paga, como também pode ser chamado, o aluno aprende a atuar com campanhas de publicidade online. Ele adquire habilidades técnicas e competências para construir e gerenciar campanhas de links patrocinados em diferentes canais, como o Google Ads, Facebook Ads, Instagram Ads, LinkedIn Ads, entre muitos outros.Durante sua formação, o aluno também aprende a analisar dados, como métricas e indicadores de performance das campanhas em ação, utilizando ferramentas, como o Google Analytics, além de gerar relatórios personalizados, usando o Google Data Studio, por exemplo. Ao término do curso, o profissional também estará apto para planejar e aplicar estratégias de publicidade online, através de parcerias com influenciadores digitais, redes de afiliados e e-mail marketing.Mídia paga: como funciona?Depois de saber o que é um curso de Ads, você deve estar se perguntando: mas no que consiste a mídia paga? Como funciona? Vamos te explicar.O segmento consiste em qualquer comunicação que uma marca realiza, investindo dinheiro para ter um determinado resultado além do próprio retorno financeiro, como a visibilidade, geração de leads, vendas ou/e engajamento, entre outros objetivos.Parece fácil até aqui, né? Mas não é somente investindo dinheiro em campanhas e anúncios pagos que você terá o retorno esperado. É preciso considerar diferentes fatores ao planejar uma estratégia. Separamos as principais para você. Confira:Plataformas de anúncioSão diversas plataformas disponíveis para utilizar, podendo ser tanto as redes sociais (Facebook, Instagram, YouTube, Twitter, LinkedIn etc.), quanto buscadores e outros sites, como Google, Yahoo, Waze, Bing, entre outros.Formato do anúncio O anúncio será em imagem? Vídeo? Enquete? Slides? Esses são alguns dos diversos formatos disponíveis em cada plataforma, de acordo com as necessidades e objetivos do negócio.Definição do público-alvoA definição do público-alvo é uma das etapas mais importantes e define como será toda a estratégia de uma determinada campanha com mídia paga. É a partir disso que se identifica quais são as oportunidades para a marca, além de orientar todo o planejamento de atuação da marca no mercado. Afinal, para se comunicar da melhor maneira e construir um relacionamento com os clientes, é preciso conhecê-los antes de tudo.Quais as habilidades de um profissional de performance?Ficou interessado em adentrar ainda mais na área e fazer um curso de Ads? Para te ajudar nessa jornada, listamos 3 habilidades de um bom profissional de marketing de performance ao atravessar a nova realidade. Confira a seguir:Análise de dadosA construção de campanhas produz indicadores que geram relatórios e informações relevantes para o negócio. Neste contexto, ter a capacidade analítica com todos esses dados é essencial. Com isso, a empresa terá maior controle e organização, utilizando tudo o que for relevante para tomadas de decisão e ajudando a marca a entender, com mais exatidão, as expectativas de seu público-alvo.LGPDA Lei Geral de Proteção de Dados Pessoais (LGPD) é um assunto essencial para qualquer empresa que trabalhe com dados pessoais de clientes. Sendo assim, surge a necessidade de saber quais são as exigências que se tornam cada vez mais importantes para o profissional de performance.Independência e dinamismoNão é só de hard skills que vive o profissional de performance, pois as soft skills também são essenciais para os desafios do dia a dia. Neste sentido, quem trabalha na área sabe que é preciso resolver as crises o mais rapidamente possível, tendo dinamismo para tomar decisões de forma independente, com o emocional em controle.Dica extra: organizaçãoNão há profissional de marketing de performance que seja bem-sucedido e desorganizado com seu trabalho. Desde o planejamento, até colocar os anúncios pagos no ar, é preciso que tudo seja muito bem pensado e estruturado.Qual curso de Ads fazer?Ao contrário do que muitos pensam, a mídia paga pode ser usada para diferentes objetivos e não somente para anúncios de venda direta. Em um curso de Ads, o aluno adquire toda a base de conhecimentos necessários para aplicar tudo isso, entendendo que uma verba disponibilizada para a elaboração de uma campanha, por exemplo, pode influenciar o rumo que ela terá com seus anúncios, em suas diferentes possibilidades.Além disso, mesmo que as empresas possam investir pouco, elas não deixam de aumentar sua visibilidade, em uma campanha de período curto. Todo esse processo gera métricas e indicadores, que são essenciais para a identificação de oportunidades de melhorias e novas tomadas de decisão.A tecnologia está em constante avanço. Sendo assim, a procura por um curso de Ads também faz parte deste crescimento. Segundo uma pesquisa, em 2018, foram registrados 3,9 bilhões de usuários online. É muita coisa! Ainda na mesma pesquisa, em 2023, esse número deve evoluir para 5,3 bilhões, um aumento de 36%. (Fonte: Cisco, 2020).A Digital House tem consciência de todo esse panorama e todo o poder de retorno que uma boa mídia pode oferecer para uma empresa, mudando seu destino. Caso esteja interessado em ingressar na área, que faz parte do marketing digital, saiba que possuir um diploma de curso é um diferencial para que consiga ingressar na carreira com tudo, pois ele prova toda sua base de conhecimentos.Que tal se inscrever no curso de Marketing Digital Avançado? Ele prepara o aluno para dominar os diferentes tipos de estratégia, incluindo o marketing de performance e as diferentes plataformas e técnicas para criação de anúncios pagos.Se você possui um negócio, saiba também como planejar, otimizar e automatizar as suas estratégias e ferramentas de campanha que você já usa atualmente. Não é demais?Todas as aulas são dinâmicas, 100% ao vivo, nas melhores plataformas digitais para educação e ministradas por profissionais especialistas do mercado. Garanta a sua ascensão profissional no futuro!Não deixe de conferir também nosso post sobre empregos em tecnologia e quais os melhores sites de oportunidades para ingressar na área.Leia mais no blog DH:+ Google Analytics Dashboard: crie e personalize com o nosso passo a passo+ O que é brand equity e como as empresas geram valor de marca em seus produtos e serviços+ Marketing digital para iniciantes: 10 dicas de como começar na carreira