MENU

| BR

Campus

Cursos

Programas Executivos

Programas Executivos

Paises

9 dicas de SEO para seu e-commerce

9 dicas de SEO para seu e-commerce
#Marketing
19 de setembro - min de leitura


Quando você vai vender pela internet, os anúncios não devem ser a única estratégia utilizada. Isso porque, de acordo com uma pesquisa do site Search Engine Land, 70 a 80% dos usuários ignoram os anúncios na hora que fazem uma busca no Google. Nesse cenário, é fundamental investir em SEO para e-commerce.

Seja para quem está pensando em criar uma loja virtual ou para quem já tem um e-commerce, preparamos algumas dicas para otimizar seu site para buscas orgânicas. 

Pronto para começar?

1 - Planeje as palavras-chave que vai usar

Você deve usar palavras-chave que estejam relacionadas aos produtos que vai vender, é claro. Mas, muitas vezes, apenas sua intuição não basta. Então, é preciso se planejar para saber quais usar.

Se você está pensando em usar palavras-chave genéricas, lembre-se que há gigantes do varejo que vão ranquear melhor nas buscas para essas head tails. Infelizmente, as chances de você ficar melhor colocado do que sites como Amazon, Americanas e afins é pequena para essas palavras, mas você pode fazer um estudo para ver que outras palavras relacionadas às principais podem servir para seu negócio.

Existem algumas ferramentas que podem te ajudar nessa tarefa. O próprio Google tem um Planejador de Palavras-Chave dentro da plataforma do Google Ads que você pode utilizar gratuitamente.

Nele, você insere as palavras-chave mais genéricas e ele vai te dar insights sobre que outros termos também são pesquisados pelos usuários.

Por exemplo, você pode estar querendo usar a palavra-chave “camiseta”. Imagine só quantos sites devem ranquear melhor para essa keyword? Você pode experimentar long tails, ou seja, termos mais longos e específicos. Ao invés de “camiseta”, pode tentar “comprar camisetas femininas personalizadas”.

Além do Google, existem outras ferramentas gratuitas que podem te ajudar nessa tarefa de entender quais palavras-chave podem ser interessantes para seu negócio. Elas também mostram o volume de buscas de cada uma delas e qual a dificuldade para ficar bem classificado em uma pesquisa daquele termo específico.

O site Ubersuggest tem essas funcionalidades grátis. O SEMRush é pago, mas tem uma versão gratuita limitada — uma freemium. Já o Ahrefs é uma ferramenta paga que também te ajuda a planejar suas palavras-chave.

Além das próprias palavras, você pode pesquisar pelo domínio do seu próprio site ou dos seus concorrentes. Essa busca vai te mostrar para quais palavras-chave cada um dos endereços aparece nos resultados do Google e também pode te dar boas ideias.

Organizando as palavras-chave no seu e-commerce

Uma vez escolhidas quais palavras-chave você vai usar, é hora de inclui-las nas suas páginas. Em todas as páginas? Sim, em todas elas. Realmente, isso pode dar um trabalhão se seu site tiver muitas categorias e produtos. Então, você pode começar pelas mais importantes, ou seja, as que recebem mais visitas ou que te rendem mais conversões.

As palavras-chave devem ser usadas com contexto nas páginas e precisam constar nos títulos, descrições e na URL de cada uma delas. Outro ponto importante para levar em consideração é o de não usar o mesmo termo em páginas diferentes. Isso evita a canibalização das keywords, ou seja, que elas compitam entre si para ranquear melhor nas buscas do Google.

2 - Crie conteúdo original e relevante nas descrições

As descrições das suas categorias e produtos devem ser o mais completas possível. Nelas, devem constar as palavras-chaves que você definiu para seu negócio. Isso vai ajudar tanto seus clientes a identificarem quais as características dos artigos que você vende quanto os robôs do Google a entenderem sobre o que aquela página está falando.

Evite copiar as descrições dos fabricantes dos produtos que você vende ou de concorrentes. Se o Google identifica a cópia, seu site pode ser penalizado e isso prejudica a classificação nas pesquisas. Escreva com suas palavras, de forma completa, mas sem encher linguiça!

Escreva para pessoas

Em 2015, o Google lançou uma atualização em suas formas de analisar as páginas da web chamada RankBrain. Esse nome se refere a um algoritmo de inteligência artificial que identifica quais conteúdos são mais interessantes para determinadas buscas dos usuários. Ele faz isso, entre outras coisas, a partir do comportamento das pessoas nos sites. Então, se as pessoas estão passando mais tempo no seu site, isso vai contar pontos para você!

Para que as pessoas se interessem pelo seu site, ele precisa ser amigável. Entre outras coisas, isso significa que não adianta escrever descrições supercompletas e com as palavras-chave, mas que não sejam compreensíveis para seus clientes!

Uma boa forma de testar se as descrições estão boas é pedir para amigos e parentes navegarem pelo seu e-commerce e darem a opinião deles. Assim, você consegue ter um feedback de outras pessoas para saber o que melhorar.

3 - Faça link building

Outro fator que auxilia no SEO é ter outros sites gerando links para o seu. Se você fizer essa troca de links em um volume muito grande, o Google pode identificar como spam. E, atenção, se você topar com alguma venda de links, caia fora! O que você vai fazer é entrar em contato com blogueiros para fazer essa troca de links quando fizer sentido. 

Normalmente, outros sites não gostam de linkar diretamente para páginas de marcas ou produtos. Mas não desanime, existem outras formas de fazer isso!

Crie um blog do seu e-commerce

Os veículos não gostam de linkar para páginas de produtos, mas, se você tiver conteúdos de qualidade, a chance de conseguir backlinks é maior. Quando você entrar em contato com os redatores e editores de outros sites, sugira a troca de links do seu blog com o deles para os conteúdos que forem complementares.

Escreva conteúdo para outros blogs

Independentemente se você tiver um blog da sua marca ou não, pode entrar em contato com outros veículos para propor uma parceria de conteúdo. Você pode se oferecer para escrever um guest post para o outro blog sobre um assunto que domine por causa do seu negócio e, nesse conteúdo, inserir links para o seu site.

Se você tiver um blog, pode oferecer que o parceiro escreva um artigo para seu site também. Assim, além de oferecer uma contrapartida, você terá mais conteúdo para seus clientes no seu blog.

Sites de fornecedores

Outros espaços onde você pode conseguir links para sua loja virtual é no site de fornecedores. Sabe a seção “onde encontrar” em que são listadas lojas que vendem aquele produto? Se você vender algo daquela marca, pode entrar em contato para ter seu link incluído ali.

4 - Utilize URLs amigáveis

Outro fator fundamental do SEO para e-commerce é ter URLs amigáveis. Isso significa que você deve evitar endereços de páginas muito longos e cheios de letras e números desconexos.

Ao invés disso, utilize as URLs mais curtas possíveis, que sejam facilmente identificáveis pelos usuários e pelos robôs do Google e que contenham a palavra-chave da página. Use hífens para separar as palavras e evite parametrizar os links quando possível.

Muito difícil? Trazemos aqui alguns exemplos de como organizar suas URLs:

Página de categoria: seudomínio.com.br/nome-da-categoria

Página de subcategoria: seudomínio.com.br/nome-da-categoria/nome-da-subcategoria

Página de produto: seudomínio.com.br/nome-da-categoria/nome-da-subcategoria/nome-do-produto

5 - Tenha um sitemap otimizado para navegação

Sitemap é a estrutura do seu site, com as páginas que estarão elencadas no menu:


A ideia aqui é tornar a navegação fácil tanto para o usuário quanto para os robôs que analisam seu site. Lembra do RankBrain, utilizado pelo Google para entender se os sites apresentam aquilo que as pessoas estão buscando? Se os clientes acharem difícil navegar pelo seu e-commerce, a chance de desistirem é grande. O tempo de permanência deles vai ser baixo e o Google vai entender que seu site não entrega aquilo que as pessoas estão buscando. Assim, sua classificação nos resultados de pesquisa piora.

Uma forma de tentar simplificar a navegação é deixar todas as páginas do seu site acessíveis em até três cliques a partir da home. Para e-commerces menores, essa é uma tarefa mais fácil.

Se sua loja virtual já tem mais páginas, tente usar a lógica para aquelas páginas mais importantes. Você pode considerar as mais relevantes de acordo com o número de visitantes ou de conversões.

6 - Tenha uma boa landing page

Seguindo a mesma lógica de manter os clientes em seu site, sua página inicial e as landing pages de campanhas devem ser atrativas e ter fácil navegação. Leve isso em consideração na hora de executar sua estratégia de SEO para e-commerce.

Um primeiro problema a ser evitado é a demora para carregar as páginas. Tente se lembrar de quando entrou em um site que demorou muito tempo para exibir todas as funcionalidades. Você esperou que ele carregasse ou foi buscar o que queria em outro lugar?

Para evitar que a página fique pesada, não coloque todos os seus produtos na home. Ter muitas imagens vai torná-la mais complexa e aumentar o tempo de carregamento. Limite-se a 15 produtos, no máximo, na página inicial.

Além de carregar rápido, suas landing pages precisam sinalizar bem as categorias dos seus produtos. Lembre-se da dica anterior, sobre o sitemap, para facilitar a navegação dos seus clientes.

7 - Tenha um e-commerce otimizado para celular

Também em 2015, o Google lançou uma atualização no algoritmo que analisa os sites e leva em consideração se eles estão otimizados para smartphones. O Mobilegeddon, como ficou conhecida essa atualização, ranqueia primeiro os sites que, além de todos os outros requisitos do SEO, têm uma boa navegação em dispositivos móveis.

Tendo isso em vista, é bom testar sua loja virtual em celulares. De acordo com uma pesquisa da empresa Compre&Confie, em 2018, 43% das compras online foram feitas por dispositivos móveis.

Portanto, é bom que o carregamento das páginas seja rápido, a exibição dos produtos tenha qualidade e o processo de checkout seja simples para ser feito pelo celular.

Tenha sempre em mente que o Google observa como os usuários se comportam no seu site. Quanto mais tempo eles passam ali, maior a percepção dos robôs de que aquelas são boas páginas.

8 - Cadastre sua loja virtual no Google Search Console

Apesar de julgar o tempo todo a qualidade dos sites, o Google disponibiliza algumas ferramentas gratuitas para te ajudar a melhorar seus resultados em buscas orgânicas. Uma delas é o Search Console.

Ao cadastrar seu domínio no Google Search Console, você obtém diagnósticos e pontos de melhoria no seu site. Para muitos desses aspectos, é possível que você precise da ajuda de um programador ou webdesigner, mas, para outros, você consegue resolver sozinho.

O primeiro passo para conseguir melhorar é identificar os erros. E, nesse aspecto, o Search Console é um ótimo aliado.

9 - Se você também tem loja física, cadastre-a no Google Meu Negócio

Essa é uma dica bônus para quem, além da loja virtual, tem um ponto físico. Sabe quando você pesquisa um estabelecimento no Google e aparece uma coluna do lado direito com o endereço, horários de funcionamento e várias outras informações?

Isso acontece porque aquele estabelecimento está cadastrado no Google Meu Negócio.

O cadastro na plataforma é gratuito e essa é mais uma forma de você estar presente de forma orgânica nas buscas do Google. Além disso, você facilita o acesso dos clientes a informações sobre sua loja física.

Muitas das dicas de SEO para e-commerce são as mesmas que para sites de outras naturezas. No entanto, se você levar em conta as especificidades da loja virtual, vai melhorar seu ranqueamento nas buscas orgânicas e aumentar o tráfego no seu site. Pronto para começar o trabalho de otimização?

Texto desenvolvido por Victoria Salemi, editora responsável pelas parcerias de conteúdo da Nuvemshop, a maior plataforma de e-commerce da América Latina em lojas ativas. Formada em Jornalismo, ama escrever e tornar assuntos complicados acessíveis a todos!

Outras notícias

O que é tráfego orgânico e como gerar mais conversões no site img
#Marketing

O que é tráfego orgânico e como gerar mais conversões no site

Quando ouvimos falar de tráfego, associamos à circulação de veículos no trânsito. Na internet, a palavra é utilizada para se referir à movimentação de usuários nas páginas online. Este é o principal objetivo dos sites, e por isso você precisa aprender o que é tráfego orgânico, a menina dos olhos das empresas.Há alguns anos, as principais formas de atrair a atenção de visitantes em determinadas páginas eram pagas. A internet foi avançando, o cenário foi mudando e o marketing digital passou a ganhar novas estratégias para atrair pessoas.Métodos para trazer o público certo aos canais digitais, sem precisar pagar caro por eles, foram surgindo, e é por conta disso que vamos falar sobre tráfego orgânico. Entenda como conquistar mais usuários acessando suas páginas, continuando essa leitura.O que é tráfego orgânico?O tráfego orgânico é composto por todos os acessos que um canal digital, como sites, páginas de blog ou landing pages, recebem de maneira espontânea, sem a utilização de propagandas e anúncios pagos. Normalmente, a origem dessas entradas vem dos mecanismos de busca, como o Google, Bing, entre outros.Nesses mecanismos, aplica-se às técnicas de SEO (Search Engine Optimization), que é uma das principais ferramentas de marketing digital para a produção e implementação de conteúdos de valor.Ao pensar nas boas práticas de SEO para blog, por exemplo, o artigo é reconhecido pelo algoritmo e aparece nas primeiras páginas dos resultados das pesquisas de usuários que procuraram uma palavra-chave relevante utilizada no conteúdo.Os buscadores são a base de novos conhecimentos na internet, ou seja, são muito relevantes. Mesmo que existam sites, como redes sociais, que também auxiliam na descoberta de novos conteúdos, os mecanismos de busca são a maneira mais confiável de encontrar pesquisas sobre um determinado assunto.Sendo assim, o tráfego orgânico é muito importante, pois representa uma grande parcela de acessos a um site. Uma organização que investe no aprimoramento dessa estratégia garante melhores resultados para sua marca, além de aumentar sua autoridade e engajamento com o público.Qual a diferença entre tráfego pago e orgânico?Até aqui, nós explicamos o que é tráfego orgânico e sua importância. No entanto, existem outros tipos, como o tráfego pago, que é baseado em um investimento financeiro para poder gerar resultados. Facebook Ads, Google Ads, mídia programática são alguns exemplos de plataformas para tráfego pago.Não dá para afirmar, exatamente, que o tráfego orgânico não demanda custo, até porque qualquer estratégia de marketing digital para atrair novos clientes exige dinheiro e leva tempo para trazer resultados.No entanto, no tráfego orgânico você gastará dinheiro apenas uma vez, para colher resultados constantes, enquanto no pago você sempre precisará investir mais para ter retorno.Exemplo de tráfego orgânico: artigo de blogPara entendermos na prática, utilizaremos como exemplo um artigo de blog. Para produzi-lo, você precisará de tempo e possíveis custos podem surgir, como a contratação de redatores e programadores para realizar a manutenção do site, entre outros.Entretanto, você poderá gerar resultados hoje e daqui alguns meses ou até anos, pois o conteúdo sempre estará disponível para ser visitado e descoberto pelos mecanismos. Por outro lado, o anúncio pago dura o tempo que você pode investir nele, limitando as visitas. Ficou clara essa diferença, não é mesmo?Além disso, a relevância é um ponto muito importante que diferencia os métodos. O orgânico gera conversões de novos visitantes por seu conteúdo ser de valor e estar bem classificado no Google. Já o pago, somente pela sua compensação financeira, o que não garante que a página seja relevante.Como conquistar mais usuários?Agora que você já sabe o que é e qual a diferença entre tráfego pago e orgânico, chegou a hora de entender como atrair mais usuários organicamente, ou seja, com menos esforços financeiros e com estratégias mais assertivas. Confira:Marketing de conteúdoComo um dos pilares do Marketing Digital, o marketing de conteúdo é uma estratégia essencial para a geração de tráfego orgânico. Se você quer atrair visitas qualificadas, saiba como trabalhar o marketing de conteúdo dentro do funil de vendas e redes sociais.SEOO Search Engine Optimization, que falamos acima, é a otimização de mecanismos de busca. Possui o objetivo de melhorar o posicionamento orgânico no Google, gerando conversões e resultados para um negócio.É uma estratégia excelente para trazer mais tráfego orgânico, em conjunto com o marketing de conteúdo. No entanto, leva tempo e requer disciplina para aplicá-la. Não duvide que todo o esforço valerá a pena, pois um site bem ranqueado pelo Google possui grande potencial de gerar tráfego orgânico.E-mail marketingEssa estratégia visa manter um relacionamento com os visitantes que acessam seu conteúdo, com o objetivo de qualificá-los e transformá-los de simples visitantes para leads ou até mesmo clientes, através do envio de e-mails para uma lista de contatos.É uma das melhores maneiras de gerar mais resultados nas vendas e melhorar a retenção, cultivando o interesse do seu público com conteúdo atualizado e relevante.3 dicas para ter tráfego orgânico no InstagramPrimeiro de tudo, se você é iniciante no marketing digital, é importante saber que o Instagram é uma das redes sociais mais utilizadas para gerar leads de maneira orgânica a um site, pois nele é possível trabalhar o marketing de conteúdo de forma assertiva.Desde a época em que a rede foi inaugurada, o aplicativo teve diversas mudanças, tanto esteticamente quanto nos algoritmos. Mas não se preocupe, nós estamos aqui para te ajudar e trazer 3 dicas para ter tráfego orgânico no Instagram que irão te auxiliar nas suas estratégias de marketing digital. Confira:FrequênciaPara aumentar o tráfego orgânico no Instagram, você não pode postar apenas quando der vontade. É necessário ter um planejamento, programando as postagens em dias e horários específicos, de acordo com o perfil do seu público e o horário que estão mais engajados.Conteúdo de qualidade em diferentes recursosUm bom engajamento não acontece somente por conta das postagens no feed. Existem métricas e indicadores como respostas às demais funções do aplicativo, entre os quais stores, reels, IGTV e menções. Explorar todos os recursos traz mais oportunidades de visualização e engajamento, aumentando também o seu tráfego orgânico. Além de desbravar a diversidade de funcionalidades e ferramentas no Instagram, é importante que o conteúdo seja de qualidade em todos eles, atingindo a dor do público-alvo e gerando conversões.Reserve um tempo exclusivo para engajamentoVocê também deve reservar um tempo para engajar nos conteúdos de seus seguidores, deixando comentários nas postagens, respondendo perguntas e compartilhando o que for relevante.Lembre-se também de interagir com o engajamento que eles deixaram em suas postagens, pois isso fortalece o relacionamento entre cliente e marca.Que tal ser um profissional de marketing digital?Agora que você entende o que é tráfego orgânico e suas principais estratégias, deve saber que, devido à ascensão dos meios digitais, elas se tornam cada vez mais essenciais para melhorar os resultados dos negócios.A busca por cursos de marketing digital aumentou exponencialmente por conta das habilidades digitais, sem contar que a área está presente em qualquer empresa, independente do seu tamanho.Sendo assim, considere uma formação e alavanque sua carreira. O mercado está quente e tais conhecimentos podem ser aplicados no seu próprio negócio, em um cargo ou com foco em consultorias para empresas no geral :)Leia mais no blog DH:+ Escola de marketing digital: Conheça os cursos de marketing da Digital House+ Métricas de marketing: como defini-las em um plano de estratégia?+ Marketing digital para iniciantes: 10 dicas de como começar na carreira

O que é UI? Aprenda User Interface através do Yahoo img
#UX

O que é UI? Aprenda User Interface através do Yahoo

A evolução dos produtos digitais traz uma maior exigência dos usuários em relação a eles. Desta forma, as empresas foram forçadas a entregar um produto que não somente atenda as necessidades do usuário, mas que também seja visualmente agradável. Por isso, hoje vamos explicar o que é UI e seu papel dentro de um negócio.Antes de tudo, vamos fazer uma breve análise do antes e depois da página do Yahoo para explicar o que é UI. Veja na imagem a seguir como eram as telas, a primeira página de internet do Yahoo foi criada em 1996, quando a internet não tinha conceito de design e usabilidade definido.E já na segunda imagem, foram 25 anos a mais. Observe as duas imagens e perceba como o modelo de negócios mudou, incluindo a forma que o usuário interage com as páginas, que no caso, não é a mesma de anos atrás. Então, podemos concluir que a evolução da forma que os usuários interagem com o sistema sempre está passando por evoluções.O que é UI?Quando somos chamados para uma visita, esperamos que a casa esteja organizada e com boa aparência. Agora imagine que esta casa estivesse bagunçada como a página do Yahoo, não seria agradável. Desta forma, podemos dizer que um UI Design bem aplicado nos leva ao ditado: “a primeira impressão é a que fica”.De forma mais técnica, UI significa User Interface (Interface do Usuário), ou seja, é um termo que explica como o usuário interage com softwares. Indo além, por trás deste termo tem um estudo muito forte, incluindo análise de tipografia, cores e tamanhos de cada botão e como isso será usado pelas pessoas.Já entrando no impacto direto dentro das empresas, o trabalho de UI no negócio pode ser decisivo. Pense assim, se um cliente não está satisfeito com o produto, com toda certeza ele irá para o concorrente - e ainda tem a possibilidade dele expor a marca negativamente. Então, quanto mais agradável visualmente, melhor, e adicione nesta “receita” a usabilidade do site, pois deve ser fácil para o usuário, estimulando a navegabilidade.Sendo assim, concluímos que toda empresa deve ficar atenta ao UI do site ou app, pois isso fortalece a marca e o usuário enxerga valor quando a empresa se preocupa com a parte visual do produto.O que é UI e UX? Seria a mesma coisa?Com a explosão de UX Design, é muito comum as pessoas falarem que UX Design são as “telinhas bonitinhas” dos sites e apps, mas User Experience é apenas uma parte do projeto por trás do visor.Em uma breve explicação, UX design está mais ligado a parte estratégica do negócio, a equipe de UX realiza pesquisas com usuários para saber a necessidade deles, trabalha com personas com base no público-alvo, entre outras demandas.Já o UI design faz essa ponte entre o usuário e o negócio, quanto mais essa ponte está bem construída, mais o usuário vai ficar satisfeito. É importante que as empresas comecem a dar importância ao visual do seu produto para ter uma marca de sucesso.E por que UX e UI andam juntos?Quando uma equipe de arquitetos recebe um projeto de uma casa, eles precisam de engenheiros para que o projeto saia o mais perfeito possível, correto? Inclusive no curso de UX Design aqui da escola, ensinamos a base de ambos porque é fundamental para qualquer profissional da área.Agora imagine se um arquiteto começar o projeto sem a sustentação das paredes ou planta do projeto. Fica uma casa super estranha e eles teriam um prejuízo, pois o cliente reclamaria e teriam que refazer muitas coisas.Com UX e UI é a mesma coisa, imagine que UX é o engenheiro e UI é o arquiteto, ambos têm que conversar a todo momento. Imagine que UX faz as pesquisas e passa as informações ao UI para que o produto saia de forma coerente.  É comum pessoas que não sabem muito sobre Experiência do Usuário começarem a desenhar a interface sem saber exatamente o que o usuário precisa, e quando vai para o teste de usabilidade, acabam falhando. Pois é, aí resta ficar na tentativa e erro, até acertar o que o usuário quer.Para as empresas, é importante que o UI Designer tenha breves conhecimentos sobre UX, para que o andamento do projeto possa ser muito consistente.Leia mais no blog DH:+ UX Writing: o que é e 5 dicas para ingressar na carreira+ UX e usabilidade: entenda a relação entre eles+ UX Design é uma das profissões mais procuradas e os dados comprovam

Escola de programação: cursos para desenvolver sua carreira img
#Tecnologia

Escola de programação: cursos para desenvolver sua carreira

A escola de programação é um centro de tecnologia que desenvolve aplicações e usabilidades que estão presentes no dia a dia de todos. Repare que para qualquer lugar que olhamos, sempre há alguma coisa que envolve programação. O seu celular é um exemplo disso!Em paralelo, cada vez mais aumenta o número de profissões, o mercado de trabalho torna-se mais aquecido e se você é uma pessoa que busca estar por dentro das profissões do futuro, deve saber que uma escola de tecnologia é uma ótima alternativa para garantir o seu sucesso.No exterior, o cenário também é o mesmo: muitas empresas procurando pessoas qualificadas, tendo em vista que a oferta de programadores capacitados é escassa. Ou seja, os profissionais que dominam as linguagens de programação possuem grandes chances de conseguir oportunidades dentro ou fora do Brasil.Por isso, te explicaremos com mais detalhes como está o panorama de mercado da área e como funciona uma escola de programação. Continue acompanhando e prepare-se para ingressar em um mundo cheio de possibilidades e soluções!O que é uma escola de programação?As escolas de programação são centros de ensino que visam à formação de profissionais que saibam codificar, solucionando problemas de clientes ou outras empresas, além de automatizar determinadas tarefas.Sendo assim, em uma boa escola, é importante que o aluno aprenda as principais linguagens de programação, como HTML, CSS, JavaScript, NodeJS e domine o que chamamos de lógica de programação.Em outras palavras, é a maneira de se estruturar um processo de aplicação, com base em seus principais objetivos. Ao realizar essa estrutura, o programador também determina a melhor linguagem a ser utilizada no trabalho.Geralmente, uma escola de programação oferece cursos que formam profissionais aptos a lidar com os desafios nas diferentes etapas de desenvolvimento em menos de 1 ano, a exemplo da Digital House.3 cursos que você pode fazer em uma escola de programaçãoSe você possui interesse em aprender tecnologia ou é um marinheiro de primeira viagem, confira abaixo 3 cursos que você pode fazer em uma escola de programação:Desenvolvimento Web Full Stack:Neste curso de programação, o aluno aprende como criar sites e sistemas web, usando diversas linguagens de programação, como HTML, CSS, Javascript, entre muitos outros.Na área de TI, é uma função muito requisitada no mercado de trabalho, pois o profissional full stack tem a capacidade de atuar como um especialista em ambas as pontas do desenvolvimento: front-end e back-end. Atualmente, há muitos profissionais especializados em uma das duas frentes e no dia a dia das empresas, situações em que é a interação entre essas duas áreas é muito frequente. Sendo assim, o full stack é um grande diferencial dentro das empresas.Desenvolvimento Mobile AndroidAtualmente, é muito difícil achar uma pessoa que não tenha um celular, pois a variedade de funcionalidades do aparelho é extensa, desde o entretenimento até serviços essenciais, como pagamento de contas.Neste contexto, ao realizar este curso de Android Kotlin, o aluno aprende a desenvolver esses aplicativos para um sistema específico, o Android.Desenvolvimento Mobile iOSEm um curso específico para iOS, o aluno desenvolve o entendimento pleno do programa App Development with Swift, que faz parte da iniciativa Everyone Can Code, da Apple.Ao longo da jornada a pessoa deve aprender sobre introdução ao iOS, programação orientada a objetos, interfaces, arquitetura, APIs e outras habilidades fundamentais para a construção de um aplicativo.Na Digital House, as turmas ainda desenvolvem soft skills, como aprender a trabalhar em equipe, e realizam projetos utilizando metodologia agile.Mercado de trabalho de TI: oportunidade!Sabendo dessas grandes oportunidades e antes de embarcar em uma escola de programação, é importante entender com mais detalhes o mercado de trabalho de TI: oportunidade ou não?De acordo com uma pesquisa realizada pela Catho, no estado de São Paulo, as vagas no setor de tecnologia tiveram um crescimento de 671% no ano de 2020. Com isso, não podemos negar que a programação é uma área promissora para o mercado de trabalho.E para animar mais e consolidar o interesse, o cenário financeiro também se mostra bom para quem busca estabilidade. O salário médio de um desenvolvedor pode variar de R$4.000.00 a R$9.250,00, de acordo com o Guia Salarial 2021, da Robert Half.Se você possui interesse em iniciar numa escola de programação, é importante saber que o processo de aprendizagem das linguagens de programação funciona da mesma forma que aprender um novo idioma. O estudo constante, a dedicação e a prática são necessários, mas qualquer pessoa pode e consegue aprender!Não deixe de conferir também o material que produzimos sobre as 8 linguagens de programação mais faladas no mundo da programação, o guia que vai te ajudar a escolher sua jornada dentro dos códigos de um jeito mais fácil e vantajoso. Vamos nessa?Leia mais no blog DH:+ Aprenda como criar um aplicativo para celular em 6 etapas+ Área da tecnologia: É preciso uma faculdade para ser programador?+Curso Node.js: o que se aprende e quais são as vantagens