MENU

| BR

Campus

Cursos

Programas Executivos

Programas Executivos

Paises

UX e design thinking: um combo para a melhor experiência do usuário

UX e design thinking: um combo para a melhor experiência do usuário
#UX
15 de setembro - min de leitura

Buscar a inovação e descobrir maneiras melhores de atender as necessidades dos clientes finais. O design thinking em UX é uma combinação assertiva para as empresas proporcionarem a melhor experiência do usuário.


Nos últimos anos, eles têm sido usados cada vez mais por profissionais e empresas de todos os portes. É importante saber que design thinking não é a mesma coisa que UX, apesar de poderem ser utilizadas de maneira complementar. Essa combinação pode impulsionar a melhor experiência do usuário na interação com produtos e serviços, com muita inovação.

Acompanhe este artigo, entenda o porquê a mentalidade norteada pelo design thinking pode trazer muitos benefícios para o negócio, se pensada junto à UX.

O que é design thinking em UX?

Ter uma marca presente no meio digital sem pensar em design thinking em UX é praticamente impossível. O conceito se baseia em um processo interativo, com o objetivo de entender o usuário com exatidão.

Nesse decorrer, o profissional deve propor suposições e estudar problemas, a fim de identificar novas estratégias e soluções alternativas, que tornam determinados produtos e serviços mais assertivos às necessidades de seus clientes.

Por ser uma abordagem baseada em solucionar problemas, acaba sendo uma ótima maneira de pensar e trabalhar e, ao mesmo tempo, gerar métodos práticos no dia a dia.

Os conceitos de design thinking e UX sempre estão lado a lado. Isso porque proporcionar experiências cada vez mais personalizadas e de acordo com a necessidade do usuário é uma tendência que muitas empresas estão priorizando.


UX é a mesma coisa que design thinking?

Como já dissemos, os dois conceitos não são a mesma coisa. A verdade é que o UX usa design thinking em seus processos. Ou seja, o User Experience conta com diferentes metodologias para testar todos os pontos de contato com cliente, como o design thinking, para chegar a resultados que estejam de acordo com a realidade do público.

O design thinking é um método que se baseia na lógica, na imaginação e no raciocínio, para explorar as inúmeras possibilidades do que poderia ser, com o objetivo de beneficiar o usuário final (o cliente).

Em qualquer produto ou serviço digital, a usabilidade é um dos pontos mais importantes e que deve ser priorizada. Essa é a essência do UX.

Como funciona o processo de design thinking?

Como falamos, o design thinking é uma metodologia utilizada na criação de projetos e desenvolvimento de produtos. Tudo isso pode ser compreendido como um processo de resolução de problemas, estruturando ideias com base no usuário final. O sucesso de tudo depende de alguns pontos importantes e fundamentais para qualquer projeto que atenda às demandas.

No entanto, na prática, há uma distância considerável entre o desejo de adotar o método e a sua utilização em processos e ações diárias. Neste cenário, muitos empreendedores ainda não sabem como utilizar o design thinking em seu negócio.

Essa abordagem pode ser utilizada em qualquer área que tenha um problema a ser solucionado e a possibilidade de aplicar inovações para otimizar sua usabilidade. Para isso, é preciso ter um time multidisciplinar focado em se aproximar do público, entendendo e dominando sobre o cenário do desafio.

Além disso, outro ponto importante no funcionamento do design thinking em uma empresa é a criação e/ou implantação de uma cultura organizacional focada na colaboração entre diferentes times, cooperação e incentivo à criatividade em diferentes processos.

Com tudo isso, é possível aplicar a metodologia e seguir as etapas que iremos explicar no próximo tópico. Assim, o seu negócio terá os mesmos resultados de outras grandes organizações que já utilizam a estratégia.

A Digital House é uma das principais referências de ensino na área de UX. Em seu curso de Experiência do Usuário, o aluno aprende e domina diferentes técnicas, como o design thinking, para lidar com os desafios e problemas do dia a dia da melhor forma, trazendo resultados assertivos e mudando o rumo de empresas.

Nossas aulas são dinâmicas, 100% ao vivo e ministradas por professores especialistas do mercado. Que tal conferir a grade do curso? Garanta o seu sucesso agora mesmo!

Quais são os 5 estágios do design thinking?

Como comentamos, a abordagem do design thinking possui algumas etapas importantes, que garantem o seu sucesso, ajudando os profissionais a entender e trabalhar com pontos críticos de desenvolvimento. São cinco estágios. Confira agora mesmo:

Empatia

Esse é o ponto chave do design centrado no usuário final. Nesta etapa, é preciso entender as necessidades das pessoas, de acordo com o desafio a ser solucionado.

Busque entender o porquê de eles fazerem as coisas que fazem da maneira atual, seus aspectos físicos, emocionais, psicológicos, desejos, vontades, frustrações, entre outras características importantes e relevantes para o processo.

Definição

Com suas descobertas e identificações na etapa de empatia, é preciso transformar todos esses dados em insights e necessidades para o seu projeto. Tudo baseado no entendimento dos usuários finais e seus ambientes.

Algumas ferramentas podem auxiliar nessa etapa, como a construção da persona, um mapa mental, analogias, journey map, entre outras opções relevantes.

Ideação

Nesta etapa, é preciso explorar e gerar ideias, de fato. Nesse processo, não há um limite: tenha o máximo, tanto na quantidade quanto na diversidade de propostas de soluções.

Para isso, é comum usar o método conhecido como brainstorming, que atua na capacidade criativa de indivíduos e/ou grupos, colocando todos a serviço de objetivos predeterminados, que, no caso, foram pensados na etapa anterior.

Prototipação

Para esta fase, são construídos protótipos, a fim de ajudar a compreender a maneira como as pessoas irão interagir com o projeto de maneira mais próxima do real, além de auxiliar na otimização das soluções de maneira mais rápida e assertiva.

Para essa construção, é possível explorar muitas opções de ferramentas e métodos. Basta escolher uma que encaixe no seu contexto, em seu orçamento e que seja fácil de modificar e explicar aos demais envolvidos do projeto.

Validação

Nesta etapa, é preciso testar o protótipo com usuários reais, observar suas impressões e obter os feedbacks, que são essenciais para refinar e aplicar melhorias no protótipo e fazer com que a próxima interação com o produto ou serviço gere mais valor ao cliente.

É importante testar os protótipos o mais cedo possível, antes que as chances de falha aumentem. Se você não verificar como o usuário está interagindo com o seu projeto, é como se você estivesse trabalhando no escuro.

E aí, gostou do conteúdo? Recomendamos que você aprenda ainda mais sobre experiência do usuário, lendo nosso artigo sobre design responsivo e a sua importância no desenvolvimento de sites.

Não deixe de conferir também nossa biblioteca de conteúdo e o Blog DH, com diversos outros artigos e materiais interessantes sobre diferentes áreas da tecnologia.

Leia mais no blog DH:

Google Analytics Dashboard: crie e personalize com o nosso passo a passo

O que é brand equity e como as empresas geram valor de marca em seus produtos e serviços

Marketing digital para iniciantes: 10 dicas de como começar na carreira

E aí, já segue a gente no Twitter? Vem pra rede, vamos conversar sobre habilidades digitais! ;)


Outras notícias

Matriz CSD: o que é e como implementá-la nos seus projetos de UX? img
#UX

Matriz CSD: o que é e como implementá-la nos seus projetos de UX?

Qualquer profissional envolvido com projetos sabe: o começo é sempre cheio de dúvidas, poucas certezas e algumas suposições, mas, no meio do caminho, tudo vai mudando.Isso porque o desenvolvimento vai ganhando forma, à medida que trabalhamos e nos dedicamos nele. E, nestas mudanças, a matriz CSD é uma das principais ferramentas utilizadas no acompanhamento e guia para saber o que virá depois.Acompanhe este artigo e entenda o que é o conceito e como aplicá-lo no dia a dia da melhor forma.O que é matriz CSD e por que usar nos processos de UX?A sigla CSD vem exatamente das certezas, suposições e dúvidas que podem existir em um determinado projeto de UX. Sua função é fazer com que uma equipe esteja alinhada e consiga encontrar respostas sobre o futuro do processo, ao se guiar sobre o que deve focar em seu decorrer.Basicamente, a matriz CSD consiste em três colunas. Em cada uma, são anotadas as certezas, suposições e dúvidas. E essas perguntas ou afirmações podem se referir a qualquer ponto do projeto, como o público-alvo, desejos, aspectos comerciais, processos, motivações etc.Conforme o projeto for evoluindo e surjam as respostas ou descobertas, as anotações devem mudar de coluna, entendendo, assim, o que são as certezas e diminuindo as suposições e dúvidas.Para construir essa matriz, diversos formatos e meios podem ser utilizados, como as planilhas de Excel, post-its em uma lousa, ferramentas de organização (Trello, Miro, Mural etc.), entre outros, ou seja, o que a sua equipe se sente mais à vontade para trabalhar e o que se adequa mais à empresa.Quando usar a matriz CSD?Vamos direto ao ponto: o mais recomendável é fazer a matriz CSD desde o começo de qualquer projeto de UX. Isso porque será possível entender o que cada membro de um time sabe sobre o assunto a ser tratado, como o imagina e quais desafios todos esperam ter.A matriz representa o direcionamento para as primeiras pesquisas do projeto, tornando tudo mais assertivo para trazer o melhor resultado final. Consequentemente, isso refletirá no público que proporcionará um retorno positivo de tudo o que foi descoberto.É muito importante que, no decorrer do desenvolvimento, a matriz seja revisada constantemente, até que todas as dúvidas sejam resolvidas, as certezas sejam confirmadas e constatadas e as suposições esclarecidas.Como usar a matriz CSD?Como comentamos, a matriz CSD se baseia em três colunas: certezas, suposições e dúvidas. O recomendável é que todas as pessoas de uma equipe participem, inserindo suas próprias considerações em cada campo, de acordo com a sua visão do projeto.Em seguida, todos precisam conversar e debater sobre os pontos inseridos, a fim de entender o que realmente vai permanecer em cada coluna. Isso porque, às vezes, o que pode ser uma suposição para um membro, é certeza para outro, que possui dados para embasar a afirmação. Sendo assim, é essencial o alinhamento entre todos os profissionais.Entenda com mais detalhes o que deve ser colocado em cada coluna:• Certezas: tudo o que é considerado verdade absoluta.• Suposições: aqui ficam as opiniões divergentes e tudo o que as pessoas acreditam ser real, mesmo sem ter como provar, de fato.• Dúvidas: tudo o que é desconhecido sobre o projeto.4 dicas para utilizar a matriz CSD da melhor formaPara tornar o processo ainda mais assertivo, separamos 4 dicas importantes a serem consideradas. Confira:Junte o maior número de perspectivas possíveisNo momento de preencher a matriz, não se preocupe em ter consensos entre os membros da equipe. Primeiro, é hora de colocar tudo no papel e deixar todas as informações à vista. Não há problema em ter divergências, pois o objetivo é ter o maior número de perspectivas possíveis.Divergências são suposiçõesAo haver opiniões diferentes sobre um determinado assunto, é preciso inseri-los na coluna de suposições, a fim de evitar longas discussões sobre o tema e tornar o processo mais objetivo e assertivo.As certezas são mutáveisO que soar como certeza absoluta para todos pode ser inserida na coluna respectiva. No entanto, durante as pesquisas, elas podem ser transferidas para outras colunas, caso constatações contrárias forem encontradas.O preenchimento pode ser variadoTodas as colunas da matriz podem ser preenchidas com informações, perguntas, dados comerciais, motivacionais e/ou contextuais, entre outros diferentes tipos de constatações relacionados ao desafio do projeto.Que tal ser um especialista em UX?Gostou do conteúdo? Se você possui interesse em adentrar no universo de UX, é importante saber que concluir um curso na área é uma ótima opção para desenvolver diferenciais como profissional deste mercado, pois você constrói uma base sólida de conhecimentos a serem utilizados e aplicados nas empresas.Na Digital House, temos o curso de Experiência do Usuário (UX). Além de ensinar todo o processo, ele também aborda e explica diferentes metodologias para entender as necessidades dos projetos, como a matriz CSD.As aulas são online, 100% ao vivo e ministradas por professores que estão no mercado. Além disso, todos os alunos podem participar do programa de apoio à recolocação (gratuito) e em feiras de recrutamento exclusivas (Recruiting Day). Inscreva-se agora mesmo e dê um novo start na sua jornada profissional!Leia mais no blog DH:+ Google Analytics Dashboard: crie e personalize com o nosso passo a passo+ O que é brand equity e como as empresas geram valor de marca em seus produtos e serviços+ Marketing digital para iniciantes: 10 dicas de como começar na carreiraE aí, já segue a gente no Twitter? Vem pra rede, vamos conversar sobre habilidades digitais! ;)

Vantagens das lojas virtuais: confira os principais motivos para investir na área de e-commerce img
#Marketing

Vantagens das lojas virtuais: confira os principais motivos para investir na área de e-commerce

Isso porque, por ser um dos principais canais de venda, elas oferecem informações objetivas, claras e relevantes ao cliente, como preço, formas de pagamento, especificações, prazos de entrega, entre outros, que garantem a máxima satisfação no processo e jornada de compra.Essas são algumas dentre muitas outras vantagens das lojas virtuais existentes. E mesmo que o termo seja comum, ainda podem surgir diversas dúvidas sobre sua adoção, operação e quais as melhores estratégias para obter sucesso nesse campo.Sendo assim, acompanhe este artigo para entender tudo sobre as lojas virtuais.O que é uma loja virtual?De maneira simples e direta, a loja virtual é o ambiente para realização de compras online. No entanto, existem mais informações relevantes por trás disso. Se pensarmos de maneira técnica, essas páginas podem apresentar diferentes linguagens de programação, sendo considerado um software para o ambiente web e direcionado para navegadores.Atualmente, as lojas virtuais podem ser acessadas tanto por computadores quanto através de dispositivos móveis. Independentemente do meio, elas possuem o intuito de ser uma ferramenta para negociações de compra e venda de produtos, com base em informações capazes de auxiliar e guiar o usuário à finalização do processo de forma satisfatória.Qual a diferença entre loja virtual e e-commerce?Ambos os termos são muito usados para se referir ao universo das vendas online. No entanto, é comum que haja uma confusão ao utilizar as duas palavras. Isso porque são considerados como sinônimos, apesar de possuírem significados distintos. É importante compreender essa diferença, principalmente se o objetivo é abrir o seu próprio negócio virtual.Para entender de maneira mais assertiva, vamos usar a comparação do âmbito físico. Quando falamos sobre o comércio, estamos falando sobre o todo, ou seja, os processos de compra e venda, independentemente de marca ou público. Já a loja é o estabelecimento que permite o ato por parte dos consumidores e vendedores.Com isso, podemos entender que a loja faz parte do comércio, ou seja, é um pedacinho de um “mundo gigantesco”. O mesmo se aplica ao digital. O e-commerce ou comércio eletrônico é todo o mercado que visa a comercialização de produtos e serviços e a loja virtual é um dos seus inúmeros canais existentes.Quais são as principais vantagens das lojas virtuais?Se você está considerando começar um negócio de vendas, precisa saber quais são as principais vantagens das lojas virtuais nesse processo. Elas podem ser a opção mais adequada. Sendo assim, separamos os principais benefícios para compreender melhor tudo isso. Confira:Baixos investimentos iniciaisCriar uma loja online exige um custo inicial menor do que uma tradicional. O processo é bem mais simples e exige um baixo investimento por não precisar ter um espaço físico e, muito menos, custos com reformas, decoração e contratação de diferentes funcionários.Não precisa se preocupar com localizaçãoEnquanto na loja física é preciso escolher e se preocupar com uma boa localização comercial, no e-commerce só é necessário ter o registro de um domínio e a hospedagem de um site ou plataforma de comércio eletrônico.Investimento de estoque gradualAssim como na loja física, ao abrir um espaço de venda virtual, você também precisará investir no próprio estoque. No entanto, pode fazer isso de maneira gradual, à medida que o seu negócio cresce. Existe também a opção de começar vendendo no modelo “dropshipping”. Neste tipo de venda online, primeiro você recebe o pedido de produto e, em seguida, solicita-o ao fornecedor para enviar ao cliente.Número maior de clientesOutra vantagem das lojas online é a expansão e a quebra das barreiras de localização, alcançando consumidores e usuários fora da sua região. Na loja física, você estará mais limitado aos clientes do seu bairro ou cidade, mesmo com uma boa divulgação de marketing, enquanto que, na internet, não há limites para vender seu produto ou serviço.Comodidade de trabalhar onde e quando quiserAbrir uma loja virtual é poder trabalhar em casa ou em qualquer outro ambiente que se sinta à vontade, investindo poucos recursos no início da operação. Na loja física, você poderá trabalhar apenas em horários determinados, ao mesmo tempo que, na internet, as vendas podem ser realizadas 24 horas, todos os dias.Segmento em ascensãoInvestir em uma loja online é uma das melhores estratégias para faturar na internet porque o e-commerce é um campo em constante ascensão. A realidade pandêmica mudou o comportamento das pessoas e as dinâmicas de consumo, fazendo com que o comércio eletrônico iniciasse um processo de aceleração.Além disso, de acordo com um levantamento da Nielsen, no Brasil, as vendas do e-commerce chegaram a mais de R$ 53 bilhões só no primeiro semestre de 2021, o que representa um recorde e o crescimento de 31% em relação ao mesmo período de 2020. Essa é uma tendência que irá permanecer nos consumidores brasileiros.Como montar a sua loja virtual?Separamos as principais dicas para você colocar a mão na massa e criar o seu negócio online da melhor forma. Vamos lá?Saiba o que você irá venderEste é o primeiro passo do processo. A escolha dos produtos e/ou serviços são indicados com base no seu investimento inicial. Por exemplo, se você quer abrir uma loja virtual de calçados, mas não possui capital para começar com sapatos mais elaborados, pode iniciar com chinelos, sapatilhas, entre outros produtos mais em conta. E, de acordo com o seu crescimento, vai ampliando o seu negócio.Defina o nome da sua marcaJá sabendo o que você irá vender, decida um nome coerente com o segmento. Pense no logotipo de identificação e quais serão as cores predominantes. Toda essa identidade deve ser adequada ao público, atrativa e de fácil memorização.Análise da concorrênciaO entendimento da concorrência (benchmarking), ou seja, outras marcas que já fazem a venda online do mesmo nicho de produtos, é uma etapa essencial no processo de criação de uma empresa virtual. Analise a estratégia e identifique todas as oportunidades e ameaças ao seu negócio. Saiba o que funciona ou não para cada um dos concorrentes, a fim de filtrar o que for relevante também à sua marca.Escolha da plataforma de e-commerceEsta é uma etapa importante para o desenvolvimento da sua loja virtual. Existem diversas opções de plataformas e sites disponíveis no mercado e a sua escolha deve ser realizada considerando o custo-benefício, as funcionalidades oferecidas, o suporte e a estratégia do seu negócio. Portanto, essa fase deve ser feita com bastante cuidado e uma atenção dedicada.Customização da loja virtualCom a plataforma escolhida, monte a sua página, seguindo os elementos e cores da sua identidade visual e defina todos os módulos necessários para o funcionamento da sua loja virtual, como formas de envio/correios, pagamentos, entre outros pontos.É preciso otimizar a sua página de acordo com as necessidades dos seus clientes. Sendo assim, é essencial acompanhar e averiguar a boa usabilidade do seu site, para nunca ficar defasado.Carregue as imagens e descrição de produtosCom a customização do sistema e do design da sua loja virtual, este é o momento de incluir as imagens, descrições e informações sobre os seus produtos. É recomendável que as fotos tenham uma boa resolução, mostrando os atributos de cada produto.Além disso, as descrições devem ser claras e objetivas, seguindo também as boas práticas de SEO, implementando palavras-chave de maneira estratégica para trazer mais consumidores de maneira orgânica.Desenvolva o plano de marketingFalando em SEO, além das estratégias de conteúdo na página, é importante pensar em como criar e gerir as redes sociais, definindo o planejamento de relacionamento da marca com os clientes, garantindo a boa experiência, satisfação e fidelização deles.Neste sentido, recomendamos que você confira o material que produzimos em parceria com Rafael Kiso, fundador e CMO da mLabs, no qual explicamos as principais tendências de Marketing Digital para 2022 e como desenvolver um planejamento da melhor forma em apenas 5 passos.Além disso, baixando o material, você terá acesso a um bônus exclusivo para facilitar e orientar as suas estratégias. Desenvolvemos um template de planejamento a ser utilizado no dia a dia do seu negócio. Clique aqui para obter o material e ter acesso ao planner agora mesmo.Mapeie a jornada do clienteEssa etapa é essencial no processo de desenvolvimento da sua loja virtual. É preciso entender todo o percurso que o cliente faz no funil de marketing, desde o primeiro contato com a marca até o momento de finalização de uma compra. Isso permitirá o entendimento pleno, por exemplo, dos motivos que levam o usuário a abandonar um pedido, não fechando o carrinho.Atenção à política de privacidadeEste é um ponto imprescindível para qualquer marca. A empresa precisa ser transparente com os seus clientes quanto à coleta, armazenamento, proteção, manipulação e compartilhamento dos dados dos usuários.É recomendável a construção de um documento acessível a todos os clientes ao realizar uma compra. Isso garantirá mais credibilidade no relacionamento do negócio com o público e o atendimento às obrigações legais da LGPD (Lei Geral de Proteção de Dados Pessoais), que é um assunto bastante em alta para as empresas que precisam atestar uma política de privacidade clara aos seus consumidores.Seja um especialista em Marketing Digital!E aí, gostou do conteúdo? Se, durante o texto, você passou a se interessar pela área de Marketing, que é uma etapa essencial para qualquer negócio, e manifestou vontade de ingressar nela, nós podemos ajudá-lo.Nessa jornada, é essencial que o profissional busque desenvolver suas habilidades técnicas, dominando as diferentes ferramentas de marketing e tipos de estratégia existentes no mercado. Lembrando que é possível aprender de maneira autodidata. No entanto, são milhares de informações disponibilizadas na internet todos os dias, o que pode confundir as pessoas e, nem sempre, representar a verdade absoluta sobre o assunto.Felizmente, existem outras opções assertivas para se alcançar o sucesso. Uma delas é um bom curso. Ter um diploma ou certificação é um grande diferencial para as empresas, pois elas entendem que o profissional possui uma base sólida de conhecimentos para lidar com qualquer desafio no dia a dia.A Digital House possui o curso de Marketing Digital, voltado especialmente para os iniciantes na área. Ela oferece todo o conteúdo necessário para que o(a) aluno(a) seja um(a) grande profissional e saiba as principais habilidades técnicas exigidas pelo mercado, se destacando e mudando o rumo de grandes empresas.Todas as aulas são 100% online, ao vivo e ministradas por professores especialistas que estão no mercado. Impulsione agora mesmo sua carreira e garanta a sua estabilidade profissional!Leia mais no blog DH:+ Google Analytics Dashboard: crie e personalize com o nosso passo a passo+ O que é brand equity e como as empresas geram valor de marca em seus produtos e serviços+ Marketing digital para iniciantes: 10 dicas de como começar na carreiraE aí, já segue a gente no Twitter? Vem pra rede, vamos conversar sobre habilidades digitais! ;)

 Trabalho híbrido: será ele o novo modelo para as empresas? img
#Otros

Trabalho híbrido: será ele o novo modelo para as empresas?

O isolamento social, iniciado em março de 2020, foi a alternativa mais viável para conter a propagação da doença na época. Com isso, em todo o Brasil, os gestores passaram a mudar seus meios de trabalho, transferindo o ambiente corporativo dos colaboradores para espaços residenciais.No entanto, depois de praticamente dois anos, temos o avanço da vacinação, que auxilia a conter o aumento do número de casos e óbitos. Sendo assim, o que será o "novo normal" depois que as coisas melhorarem? O trabalho híbrido será o modelo de trabalho escolhido pelas empresas? Continue acompanhando este artigo.Vantagens e desvantagens do trabalho remotoAntes de introduzirmos o modelo de trabalho híbrido, precisamos entender como que a opção chegou para as empresas. Como comentamos, a crise provocada pelo coronavírus forçou as empresas a reinventarem suas operações e a forma como suas equipes trabalham. E, neste contexto, o trabalho remoto ou home office, como também é conhecido, foi instaurado e os profissionais passaram a trabalhar nas suas casas.Da noite para o dia, muitas pessoas tiveram de se adaptar e entender o novo momento, sem esperar ou se preparar para isso. E, neste contexto, todos passaram a enxergar vantagens, desvantagens e desafios ao enfrentar esse novo modelo, mantendo e elevando o resultado de suas empresas.Quando falamos sobre os benefícios do trabalho remoto, existem diferentes pontos que podem ser destacados. Primeiro, as plataformas digitais implementadas no dia a dia permitem a participação de mais colaboradores em webinars, reuniões, fóruns de discussão, entre outras situações que eram mais restritas no modelo presencial.Outro aspecto que podemos ressaltar é a possibilidade de cada profissional passar mais tempo com suas famílias, trabalhando de casa ou em qualquer outro ambiente que se sinta à vontade e em segurança. Além disso, o equilíbrio entre a vida pessoal com o profissional passou a ser mais frequente.Por outro lado, também existem algumas desvantagens. Nem todo mundo possui o privilégio de ter uma conexão de internet boa e um ambiente de trabalho favorável para trabalhar. Um exemplo são os próprios filhos, que também passaram a estudar em casa e exigem mais atenção.Além disso, existem realidades em que o aumento da carga de trabalho, devido à velocidade das mudanças e à urgência das situações, passaram a ser regulares. Discussões rápidas e pontuais que ocorriam no dia a dia no escritório, por exemplo, passaram a demandar a realização de agendamentos ou escrita de e-mails, o que exige mais tempo.Trabalho híbrido: esse será o modelo escolhido para o pós-pandemia?Em meio a mudanças constantes, com o avanço da vacinação, as pessoas começam a retornar aos escritórios, mas, em muitas empresas, não da maneira como acontecia antes da Covid-19. Considerando todos os pontos positivos e os obstáculos existentes no trabalho remoto e presencial, o regime híbrido está em primeiro lugar quando se trata do futuro do modelo de trabalho. Neste caso, o profissional tem a possibilidade de dividir suas atividades entre a sede da empresa, sua casa ou em escritórios flexíveis ou coworkings, como também são chamados. Existem levantamentos e pesquisas que comprovam essa tendência. No mundo, o instituto de pesquisa da Universidade de Stanford comprovou que 55% dos norte-americanos possuem o modelo híbrido de trabalho como meta. Na China, em um futuro não muito distante, a divisão em porcentagem do trabalho será algo em torno de 60/40 entre presencial e remoto, respectivamente.No Brasil o cenário também é o mesmo: a consultoria de recrutamento Robert Half divulgou que 95% das organizações do país pretendem ser híbridas de forma permanente. Do ponto de vista do profissional, de acordo com dados da Buffer, 98% dos entrevistados brasileiros gostariam de trabalhar fora dos escritórios em algum momento da vida.Com todas essas informações, fica clara uma tendência híbrida presente no mercado pós-pandemia. Tudo isso incita diferentes reflexões e pensamentos sobre o futuro do trabalho.No entanto, se pensarmos sobre a existência de um modelo ideal, a resposta, segundo especialistas, não é o que pensamos até agora. Tudo dependerá sobre qual é o segmento de atuação do negócio, o tipo de produto e/ou serviço oferecido, entre outros fatores que podem moldar o que é essencial para cada empresa. Portanto, cabe entender a realidade e ver se o modelo, ao ser aplicado, pode trazer benefícios para o dia a dia organizacional.Como criar uma equipe híbrida?Para criar uma equipe híbrida de sucesso, além de entender o seu segmento no mercado e o que oferece aos seus clientes, é preciso se atentar a outros dois pontos que iremos explicar a você. Confira:Capacitação da liderançaAqui vale lembrar de uma expressão popular para entender a importância da liderança: "a palavra convence, mas é o exemplo que arrasta". Qualquer nova implantação precisa ser adotada inicialmente pelos líderes, para que os demais colaboradores se sintam mais motivados pela experiência.Na prática, é essencial que os donos e gestores incentivem a prática do trabalho híbrido, de maneira que todos se sintam confortáveis com a nova maneira de cumprir suas atividades.Transformação digitalAlém da liderança capacitada, é essencial que as organizações contem com a tecnologia e os recursos digitais necessários para trabalhar com eficiência em diferentes lugares. É essencial, por exemplo, adotar plataformas para troca de mensagens, realização de videoconferências, entre outras ferramentas para realização e documentação de processos. Todas essas soluções devem facilitar o dia a dia, gerando soluções rápidas e assertivas para os colaboradores.A Digital House entende que a tecnologia é a maior aliada das empresas nas mudanças positivas de relações trabalhistas e os cenários dentro das startups e empresas. Não há dúvida de que o futuro será cada vez mais tecnológico e as habilidades digitais imprescindíveis no futuro do mercado de trabalho.Sendo assim, a DH oferece diferentes cursos nos principais ramos, que formam profissionais especialistas, capazes de lidar com desafios em qualquer tipo de ambiente profissional, podendo desenvolver a melhor carreira. Confira as grades das aulas nas áreas de Marketing Digital, UX, Dados, Programação e Negócios.E se você gostou deste conteúdo, não deixe de conferir nossos materiais gratuitos e ricos de conhecimento em nossa biblioteca de conteúdo e no Blog DH.Leia mais no blog DH:+ Google Analytics Dashboard: crie e personalize com o nosso passo a passo+ O que é brand equity e como as empresas geram valor de marca em seus produtos e serviços+ Marketing digital para iniciantes: 10 dicas de como começar na carreiraE aí, já segue a gente no Twitter? Vem pra rede, vamos conversar sobre habilidades digitais! ;)