MENU

| BR

Campus

Cursos

Programas Executivos

Programas Executivos

Paises

Design Sprint na prática: como alcançar resultados em menos tempo

Design Sprint na prática: como alcançar resultados em menos tempo
#Tecnologia
26 de junho - min de leitura

Entender o passo a passo do Design Sprint e como colocar a mão na massa faz a diferença. Esta metodologia pode te apresentar resolução de problemas e agilidade nos projetos.


Resolução de problemas complexos de maneira eficiente é música para os ouvidos das empresas, ainda mais em um mundo dinâmico, que passa por mudanças estruturais.

E é aí que o Design Sprint traz a velocidade nos processos de inovação na medida certa.

Essa abordagem é extremamente útil para testar idéias e construir protótipos em poucos dias, indicada em cenários de incerteza, crise ou pouco recursos, como o que vivemos agora. 

Mas, tudo com pé no chão, não é mesmo? Nosso diretor executivo e especialista no assunto, Juliano Pereira, alerta: “Obviamente, o Design Sprint não é uma solução mágica. Ele é mais rápido e barato, porque leva todas as pessoas relevantes a criar e decidir sobre uma aplicação, site etc, tudo em tempo real, respeitando prazos de etapa da Sprint. Isso, por si só, já reduz o tempo de fila, que em geral, é aquele e-mail que ficou parado sem resposta e atrapalhou o fluxo num projeto comum, por exemplo”.

Portanto, essa metodologia ágil, criada pela Google Ventures, não é milagre, é tecnologia agile bem empregada. Saiba como usá-la a seu favor, neste artigo.

Design Sprint: passo a passo

Resumidamente, o conceito desta metodologia é o seguinte: são cinco dias de trabalho intenso em que são reunidas práticas de estratégias de inovação, design thinking, negócios e comportamento, tudo com participação e engajamento de todos os envolvidos.

Não dura sete dias para a criação, não tem descanso no sétimo dia, mas, também busca proximidade à perfeição. Analogias à parte, para chegar a um resultado bacana e tão rápido, é imprescindível que a equipe deste Design Sprint esteja disponível, imersa e determinada a dar o melhor de si.

A metodologia permite que uma empresa desenvolva e teste suas ideias em cinco dias. Acompanhe o passo a passo de um Design Sprint:

1º dia - Entendimento e definições das metas, identificação do que será realizado e compreensão do problema;

2º dia - Estudo de possibilidades, ou seja, o famoso brainstorming;

3º dia - A tomada de decisões, que acontece por meio de um processo democrático e abrange todos os participantes do Design Sprint;

4º dia - Este dia é o quase lá e é marcado pela criação de protótipo. Geralmente, as equipes contam com oito horas para desenvolver a ideia que, para ser produtiva de fato, exige um time sincronizado e com ações muito bem-definidas;

5º dia - Validação. Aqui, o produto desenvolvido é apresentado aos potenciais usuários que podem interagir com o protótipo e preparar o feedback. Esse retorno será a carta branca, ou não, para implementar a solução desenvolvida.

As vantagens do design sprint

Dada a velocidade com que as tecnologias são criadas e implementadas no mercado, o design sprint é uma alternativa vantajosa: além de permitir a validação de ideias em pouco tempo e inovação que abrange a diversidade, há a economia de custos.

Por isso, é um recurso muito utilizado por startups e pequenas empresas e remete à disrupção. E as grandes empresas já começam a crescer seus olhos para a metodologia, principalmente no momento atípico que vivemos, onde agilidade e otimização de tempo e recursos prevalecem como diferenciais de sobrevivência.

Nesta técnica, o time consegue visualizar a versão final do produto nas mãos dos consumidores, antes de fazer um alto investimento na ideia. Portanto, o risco de prejuízos é menor, ou seja, uma excelente pedida para momentos de crise. 

“O uso de protótipos e coleta do feedback dos clientes é um caminho mais rápido do que o modelo tradicional. Economiza-se tempo e dinheiro capturando o feedback do cliente final, quando não é preciso construir uma solução de ponta a ponta (incluindo desenvolvimento, testes e implementação)”, completa Juliano.

No curso de UX Design da Digital House, ensinamos diversas metodologias ágeis, entre elas, Design Sprint. Nossa grade de disciplinas de Experiência do Usuário é considerada completa e atualizada, além de contar com professores especialistas.

Então, venha aprender com quem entende do que fala. Levamos a experiência DH para dentro da sua casa, com aulas remotas, atendendo às necessidades deste atual momento histórico. 

+ Conheça as aulas remotas e 100% ao vivo da Digital House

Outras notícias

7 dicas de como se organizar nos estudos à distância img
#UX
#Marketing
#Carreira
#Tecnologia
#Dados

7 dicas de como se organizar nos estudos à distância

Essas dicas são ideais para quem quer ou está começando a estudar à distância e se sente inseguro ou para quem já tentou e não conseguiu. Continue lendo este artigo para entender como se organizar nos estudos EaD e aprender muito.7 dicas de como se organizar nos estudosNão importa qual tipo de EaD você está fazendo, seja faculdade, curso técnico, línguas, enfim, o importante é manter um bom rendimento. Seguindo as dicas abaixo, suas chances de conseguir são altíssimas!Tenha um local para estudosSeja no quarto, na sala, escritório ou corredor, tenha um local para estudar. O seu cérebro já entende automaticamente que aquele é o seu lugar de aprender. Se você morar com mais pessoas, eles entenderão que quando você está ali é o seu momento de estudo, te respeitando.Deixe tudo o mais confortável, limpo e organizado possível, para que seja um ambiente adequado e propício para você estudar.Tenha uma agenda/cronogramaMuitas pessoas questionam como se organizar nos estudos à distância. Em primeiro lugar, é necessário sempre lembrar que o processo tem um começo, meio e fim. Se você estuda por conta própria, deve traçar seus objetivos e deveres, sejam a curto, médio ou longo prazo. Se você está em um curso, já possui um cronograma certo.A dica aqui é: faça uma planilha, com um calendário do cronograma de estudos EaD e marque todas as suas demandas em cada dia do mês. Isso te ajudará a não deixar nada para a última hora.Crie uma rotina para o seu diaTenha um objetivo diário de tempo de estudo e estipule o início em um determinado horário, adaptando aos compromissos que você já possui e são prioridades. Se você estivesse realizando um curso presencial, teria que ir na sala de aula em um determinado horário e por um período de tempo. No EaD deve ser a mesma coisa.Ler não é estudar!Essa é dica vale ouro para como se organizar nos estudos: se você apenas leu um conteúdo, não estudou de fato, pois não vai memorizar tudo o que está escrito. Faça um rascunho, escreva com suas palavras o que você entendeu. Se estiver vendo um vídeo, por exemplo, anote o máximo de informações possíveis.Todos esses resumos te ajudarão na hora de estudar para uma prova. Se o curso for ministrado em uma plataforma, como na Digital House, o aluno pode acessar as aulas com os conteúdos sempre que quiser, podendo pausar ou voltar o vídeo, facilitando o processo de anotações. Que tal ter um caderno destinado somente para rascunhos e resumos? Fica a dica!Faça todas as atividades do cursoIndependentemente do curso, sempre há atividades, videoaulas, livros ou materiais para ler. Baseado no cronograma de estudos EaD abordado na segunda dica, organize-se para cumprir todas as tarefas. Se a atividade está no seu curso, é relevante e necessária sim!Cuidado com as redes sociais!Enquanto você está estudando, cuidado com as redes sociais. Se possível, deixe o celular de lado, pois as chances de se distrair com alguma notificação enquanto está assistindo uma aula, por exemplo, é muito grande. Não prejudique a qualidade de sua aula.Faça pausasÉ normal e inevitável sentir cansaço. No processo de estudo, o cérebro também pede um descanso. Faça pausas, mesmo que ainda possua pendências. O seu aproveitamento será muito maior do que tentar terminar tudo sem intervalo. Que tal tirar esse tempo para ouvir uma música que te faz sentir confortável?Cursos para você estudar à distânciaSeguindo todas essas dicas de como se organizar nos estudos à distância, você conseguirá realizar suas atividades de forma mais proveitosa, não passará por apuros e terminará tudo mais rapidamente.Uma boa escola de qualidade é essencial nesse contexto e a Digital House é referência nisso. Todos os cursos são 100% ao vivo e dinâmicos, Isso significa que as melhores tecnologias digitais na educação são oferecidas aos nossos alunos.Na DH, os cursos em EaD não foram adaptados para a pandemia. Pelo contrário, todos foram recriados pensando em oferecer o melhor aos alunos, seja em quantidade de aulas, durações, visões, exercícios, repensados para proporcionar o melhor ambiente e comprovados pelos feedbacks que recebemos.Além da aprendizagem de habilidades técnicas, proporcionamos aos alunos dinâmicas em grupo nas salas virtuais, a interação com os professores, que são profissionais do mercado e a aprendizagem na prática. Garanta o seu futuro na área de marketing, dados, UX ou programação. É a sua melhor aposta! Vamos juntos?Leia mais no blog DH:+ Minha primeira linguagem de programação: como escolher?+ Tudo que um desenvolvedor Full Stack precisa saber+ Aprenda a criar um storytelling com dadosE aí, já segue a gente no Twitter? Vem pra rede, vamos conversar sobre habilidades digitais! ;)

Análise de dados quantitativos: o que é e quando ela se aplica em uma pesquisa? img
#Dados

Análise de dados quantitativos: o que é e quando ela se aplica em uma pesquisa?

Para entendermos melhor a metodologia, é preciso entender suas particularidades e características. Ou seja, como é aplicada, em quais situações é mais apropriada, etc. Sendo assim, contaremos neste artigo os principais pontos sobre a análise de dados quantitativos em uma pesquisa, podendo auxiliar profissionais na tomada de decisão pela melhor metodologia, de acordo com sua necessidade e finalidade.O que é a análise de dados quantitativos?Nós já falamos sobre o método de análise de dados qualitativos em outro artigo. Falando da análise de dados quantitativos, a principal diferença é que a quantitativa é baseada em números e cálculos matemáticos. A pesquisa qualitativa tem uma base mais subjetiva, por narrativas escritas ou faladas.Um exemplo clássico de pesquisa a partir de dados quantitativos é a mobilidade urbana. Qual o número de acidentes em certo local? Qual o número de bicicletas nas ruas? Quantos quilômetros há de congestionamento em determinada via? Eles são usados também nos períodos eleitorais, para pesquisas de intenções de votos.Outra situação onde o método de análise e interpretação de dados quantitativos é utilizado é a pesquisa de mercado. Quantas pessoas compram certo produto e com que frequência? Isso acaba sendo relevante para a área de gestão de negócios, por exemplo.Por fim, mas não menos importante, uma situação em que os dados quantitativos aparecem é na área de marketing, como uma estratégia. Como os usuários se comportam dentro de um site? Quantas pessoas estão acessando o conteúdo? Qual a quantidade de menções de um determinado assunto nas redes sociais?, entre outras questões.Geralmente, os gráficos de linha são os mais usados para a análise e interpretação de dados quantitativos, pois apesar das questões tenderem a ser mais fechadas, o volume de dados é alto.Como fazer uma análise de dados quantitativos?   Em uma coleta de dados, a primeira coisa a se planejar com essa metodologia é, sem dúvida, o público. De acordo com o objetivo da pesquisa, é necessário definir para qual grupo de pessoas serão aplicados os questionários. Para isso, é válida a avaliação das características relevantes do público, com o objetivo de encontrar o perfil dos entrevistados adequados.  Escolhido o público a ser entrevistado, é necessário o escopo de uma amostra probabilística, que é um método de seleção de pessoas que representarão uma grande população, que faz parte das características do público-alvo. É muito importante o planejamento minucioso nessa etapa, para que os resultados sejam fiéis à realidade.Ainda nesse momento, deve-se planejar o tamanho da amostra, para poder considerar a margem de erro, ou seja, da proximidade do resultado da pesquisa em relação à população em geral. Para o cálculo do tamanho da amostra, é preciso utilizar equações específicas, que garantem a assertividade dos dados coletados.Com o público e amostra definidos, a pesquisa é realizada e os dados são recolhidos por questionários, formulários ou ferramentas específicas. Na fase da análise dos dados, diferentes estratégias podem ser aplicadas para investigação. Para uma análise de conteúdo, por exemplo, após a pesquisa e a coleta de dados, as informações obtidas são interpretadas de maneira sistemática e objetiva. Também há a análise de comparação constante, uma técnica em que os dados são analisados a partir de uma comparação com outros já preexistentes.De qualquer maneira, para garantir uma ótima performance de pesquisa, é necessária uma boa ferramenta para coleta e análise de dados.Utilize boas ferramentas para análise de dados quantitativosAs pesquisas com análises de dados quantitativos costumam ser realizadas por meio de formulários, questionários ou sites específicos. No meio online, existem diversas ferramentas que podem auxiliar a agilidade e a assiduidade dos resultados, independentemente de tópico ou área. Confira abaixo:Google Forms: é uma ferramenta gratuita para criação de formulários e questionários. Sejam para fins acadêmicos ou de opinião, sua praticidade no processo de coleta das informações é inquestionável.Além disso, os resultados da pesquisa podem ser organizados em forma de gráficos e planilhas, proporcionando um resultado quantitativo de forma prática e organizada.IFTTT: é uma ótima ferramenta para automatização da coleta de informações de redes sociais. De acordo com o tópico de pesquisa, ele adiciona automaticamente os dados no arquivo final do seu Google Drive. Um exemplo: em uma pesquisa sobre uma determinada personalidade da internet, toda vez que houver uma menção sobre ela em alguma rede social, é computado no arquivo final. Depois do tempo de coleta, todos os dados estarão disponíveis neste arquivo, dividido por tópicos e quantidades de menções.Hotjar: ferramenta para análise de navegação dentro de um site. O seu site está se comunicando bem com seus usuários? Como eles se comportam dentro da sua página? O acesso é majoritariamente pelo celular ou pelo desktop?A ferramenta também possui a opção com mapas de calor, indicando a quantidade de cliques em um determinado botão/link. É muito indicado para estratégias de marketing de uma empresa, por exemplo.Google Analytics: é uma ferramenta gratuita e também muito indicada para estratégias de marketing. Nela, você também pode realizar toda uma análise de navegação dentro de um site, obtendo informações numéricas sobre quantidade de visitas, sessões, taxa de rejeição, entre outras.Essas são algumas ferramentas entre muitas outras disponíveis no mercado para análise de dados quantitativos. Dados é uma área muito abrangente e está cada vez mais em ascensão no mundo dos negócios. Tem interesse em se tornar um profissional de dados? Na Digital House, temos o curso de Data Analytics, que capacita o aluno ao domínio em diversos modelos de análise. Seja um especialista da área você também e garanta sua estabilidade em uma área do futuro.Leia mais no blog DH:+ Dados abertos: como usar dados públicos para gerar estratégias de negócios+ Power BI para leigos: aprenda os primeiros passos+ Resumo LGPD: tudo o que uma empresa precisa saber sobre a nova leiE aí, já segue a gente no Twitter? Vem pra rede, vamos conversar sobre habilidades digitais! ;) 

Mídia paga no marketing digital: o que é e porque investir  img
#Marketing

Mídia paga no marketing digital: o que é e porque investir

Se você é analista ou estudante de marketing digital, empreendedor(a) ou até mesmo entusiasta de marketing, precisa estar ciente de que a mídia paga no marketing digital pode ser uma grande aliada, mas também um obstáculo difícil para o sucesso da sua estratégia de marketing.   Quer dizer, até eu tenho que concordar que a ideia de colocar um anúncio na internet e começar a ter vendas a partir dele é encantadora. Na verdade, com um planejamento de comunicação bem elaborado - e aplicado! - essa ideia pode se tornar realidade.Entretanto, não é assim tão simples! Se engana quem pensa que basta um anúncio com uma headline “matadora” e uma arte chamativa para arrebentar de vender na internet.Não é assim que se usa mídia paga no marketing digital.“Oi?! Como assim mídia paga não é colocar anúncio na internet?”Opa, peraê! Eu falei que não é simplesmente isso! Mas calma que eu já te explico...Oi, eu sou a Elô, professora de marketing digital na Digital House, e nos parágrafos a seguir vou contar os pontos mais importantes que você precisa saber antes de começar a utilizar anúncios pagos na sua comunicação online, para evitar que isso se torne um obstáculo para o sucesso da estratégia.O que é Mídia Paga no marketing digital?Mídia paga é toda comunicação que uma marca realiza investindo dinheiro para ter algum resultado esperado. Ou seja, são anúncios pagos que promovem uma marca, produto ou serviço, e permitem gerar mais visibilidade, engajamento, leads ou vendas.Mas antes que você pense “Arrá! Tá vendo? É só fazer anúncio e vender mesmo!”, segura a emoção, porque é justamente por haver investimento diretamente envolvido, que é preciso considerar diversos fatores antes de sair por aí criando anúncios.Como por exemplo, onde seu anúncio vai ser veiculado e para quem vai ser exibido...Quais São as Mídias Pagas?Hoje temos diversas plataformas de mídias pagas à disposição: redes sociais, como Facebook, Instagram, Youtube, Twitter e LinkedIn; buscadores, como Google, Bing e Yahoo; e demais plataformas, como Waze, Outbrain, Taboola, entre outros.E é importante ter em mente que o formato do anúncio e o público que será impactado mudam de acordo com a plataforma que será utilizada!Vamos ver um pouquinho sobre cada uma delas:➜  Redes sociais: você consegue segmentar o público-alvo de acordo com seus comportamentos, localização e interesses, e é possível “seguir” as pessoas que já acessaram um site ou interagiram com uma página, ação conhecida como Remarketing. São bastante versáteis, pois você pode utilizá-las de maneira eficiente em todas as etapas do funil de vendas.➜  Buscadores: você consegue impactar o público-alvo no momento exato em que estiver pesquisando sobre um serviço, produto ou assunto específico. Da mesma forma como as redes sociais, dá para fazer Remarketing com as pessoas que acessaram um site, mas dessa vez é por toda a internet (até em aplicativos!).➜  Demais plataformas: use-as para diversificar a maneira como impacta o público-alvo. O Waze, por exemplo, pode exibir anúncios quando a pessoa está parada no trânsito, de acordo com sua localização em tempo real. Já o Outbrain e o Taboola permitem que você atraia pessoas para um site, de acordo seus interesses, localização e portais de conteúdo que mais acessam.Aposto que já começou a ficar mais claro para você que usar mídia paga no marketing digital não é tão simples quanto apertar alguns botões e colocar um anúncio no ar, né?Agora vamos entrar em outro ponto muito importante que é...Por que Investir em Mídia Paga?Ao contrário do que muita gente pensa, é possível usar a mídia paga para muito mais do que anúncios de venda direta. É claro que a verba disponível poderá influenciar para qual rumo você caminhará com seus anúncios, mas ainda assim existem diversas possibilidades e vantagens ao incluir a mídia paga em seu planejamento de marketing digital.Vejamos algumas vantagens de investir em mídia paga:Tenha mais visibilidade por tempo determinadoPode parecer uma desvantagem ter mais visibilidade somente enquanto você está pagando por isso, mas isso permite que você tenha mais agilidade e flexibilidade para escolher o que deseja destacar naquele momento.Ao contrário do SEO, por exemplo, que pode levar mais do que apenas alguns meses até posicionar uma página do site nas primeiras posições do Google (e eu duvido que depois de finalmente conseguir você vai querer tirá-la de lá!), os anúncios pagos podem colocar um produto, serviço ou promoção específica no topo das pesquisas a partir do momento que você começou a investir.Ou ainda, você pode impulsionar uma publicação antiga no Instagram para que ela volte a ter engajamento, sem que você tenha que publicá-la novamente.Segmente da maneira que desejarQuando publicamos um conteúdo orgânico, seja no blog ou nas redes sociais, não conseguimos controlar quem serão as pessoas que irão acessá-lo. Mas com a mídia paga isso é possível!São diversas as combinações de público-alvo que você consegue criar para os anúncios nas redes sociais, e você ainda pode “seguir” as pessoas que visitaram um site pela internet com o Remarketing, impactando-as com anúncios que variam de acordo com o conteúdo acessado.Exiba o anúncio certo para a pessoa certaJá que você está selecionando “a dedo” quem você irá impactar com sua mídia paga, por que não exibir um anúncio que converse diretamente com esse público-alvo específico? Independentemente da plataforma de mídia paga que você for utilizar, todas elas permitem esse nível mais avançado de personalização.Quer dizer, já que você está pagando para atingir aquela pessoa, é melhor aumentar as chances dela realizar a ação que você deseja, né?Gere mais volume de dados para tomadas de decisão Você pode achar que esta é uma vantagem que apenas as empresas que investem milhares de reais em anúncios pagos possuem, mas na verdade não é bem assim. Mesmo as empresas que investem pouco podem usar os dados gerados pelos anúncios para suas tomadas de decisão. Afinal, você estará atingindo mais pessoas, gerando mais engajamento, tendo mais acessos no site. Então, trate de aproveitar ao máximo tudo o que você conseguiu com esse investimento em mídia!Quando a Mídia Paga no marketing digital se torna um Obstáculo?Mas nem só de pão vive o homem, assim como não são apenas bons resultados que podemos ter com a mídia paga no marketing digital.Como eu disse lá no primeiro parágrafo deste artigo…A mídia paga pode ser uma grande aliada, mas também um obstáculo difícil para o sucesso da sua estratégia de marketing.Por “obstáculo” eu quero dizer realmente algo que irá dificultar o seu trabalho em gerar bons resultados.Pense em tudo que eu já te contei até agora… as plataformas de mídia paga, a forma como impactar seu público-alvo, as vantagens de usar a mídia paga no marketing digital. Estou certa de que só em lembrar isso tudo, você já deve estar imaginando como a mídia paga pode se virar contra o seu planejamento de comunicação. Vou listar aqui as 5 situações mais recorrentes em que a mídia paga se torna um obstáculo que eu já vi acontecerem com clientes que atendi e epresmas em que trabalhei:➜ Quando você começa a veicular um anúncio no Facebook apenas pelo fato de que “todo mundo” está nas redes sociais, sem ter mapeado uma persona:➜ Quando você veicula diversos anúncios sobre produtos ou serviços variados ao mesmo tempo sem qualquer planejamento ou cronograma;➜ Quando você só faz anúncios vendendo algo, o tempo todo, sem tentar se relacionar com as pessoas ou produzir conteúdo de valor;➜ Quando você usa headlines “matadoras” e imagens chamativas que não condizem com os valores da marca, nem conversam com o público-alvo;➜ Quando você faz remarketing usando sempre o mesmo anúncio.Não se deixe enganar pelo pensamento de que o pior que pode acontecer é as pessoas não clicarem no seu anúncio!Na boa, isso é o melhor que pode acontecer.Dito isso, o verdadeiro pior que pode acontecer, e que eu tenho certeza que você já viu acontecer, é a marca sofrer represálias como ser cancelada por passar a mensagem errada para o público errado no momento errado.E como nem você, nem eu queremos que isso aconteça, eu vou te dar algumas dicas para você dar o pontapé inicial e começar a investir em anúncios de maneira inteligente desde o início para não prejudicar a sua estratégia no futuro.Como Investir em Mídia Paga da Maneira Certa?Eu imagino que depois de ler este artigo você não vá simplesmente sair criando anúncios pagos para tentar vender algo sem ter um planejamento ou objetivo claro em mente.É claro que os anúncios irão variar de acordo com a plataforma de mídia paga que você escolher para a sua estratégia, mas existem alguns pontos que todas possuem em comum.Eu vou elencar esses pontos a seguir:1. Organize a sua casaAntes de começar a sequer planejar uma campanha de mídia paga, você precisa ter certeza de que o site irá gerar uma boa experiência para o usuário e que as redes sociais têm conteúdo relevante e de qualidade para os seguidores.Imagine só, que vexame, fazer um anúncio levando as pessoas para se cadastrar no site e o formulário não estar funcionando! Ou criar uma campanha de curtidas na página e lá só ter posts de venda de produtos, com comentários antigos totalmente esquecidos sem resposta.Então, se você não quer jogar dinheiro da empresa fora, fica a dica: o cliente vai reparar na bagunça, então organize a casa antes de recebê-lo.2. Distribua a sua verbaMesmo as empresas que investem milhares de reais por mês em anúncios, precisam pensar em como distribuir a verba disponível.Sabendo quanto você tem de dinheiro para investir, você poderá escolher exatamente o que fazer com ele de maneira que não haja desperdício e que você obtenha o melhor resultado.3. Tenha um objetivo claroUm erro básico dos anunciantes de primeira viagem é não ter um objetivo claro para cada campanha de anúncios que está criando. Sem isso, será impossível fazer a medição dos resultados!Somente com um objetivo claro em mente você conseguirá definir as KPI’s e quais métricas analisar para saber se o resultado foi satisfatório ou não.Além disso, sabendo qual é o objetivo do anúncio, ficará mais fácil definir quem será o público-alvo, que é o próximo item da nossa lista.4. Determine seu público-alvoUma vez que você já sabe para que serve aquele anúncio, você deverá escolher quem serão as pessoas que irão visualizá-lo.Lembre-se das personas do seu negócio, como se comportam online, onde vivem, lugares que frequentam. Tudo isso irá te ajudar a entender qual a melhor segmentação e qual plataforma de mídia paga utilizar.E um fator decisivo no momento de determinar seu público-alvo para aquele anúncio, é saber em qual fase da Jornada do Consumidor ele está!5. Escolha a plataforma e o formatoAgora que você já sabe quanto tem para investir, o que quer fazer com aquele anúncio e quem deseja atingir, é hora de finalmente escolher onde ele será veiculado e qual será o formato (vídeo, GIF, imagem, Display, Search, etc.).Uma boa maneira de fazer isso é pensar em como seu público-alvo será impactado e se será fácil para ele realizar a ação necessária para atingir o objetivo do anúncio.6. Crie e ative os anúnciosChegamos à etapa final do planejamento de mídia paga para sua estratégia de marketing digital e você já pode começar a criar os anúncios e colocá-los no ar!É hora de pensar naquelas tais headlines “matadoras” e imagens chamativas, mas dessa vez de maneira que se encaixem na sua estratégia e tenham uma boa conexão com o público-alvo.Preste atenção em todos os detalhes necessários durante a criação do anúncio em cada uma das plataformas escolhidas para ter certeza de que tudo funcionará corretamente durante o período em que a campanha ficar ativa.Aqui no blog da Digital House, inclusive, tem dois artigos super didáticos para te ajudar a criar anúncios de links patrocinados no Google Ads (um buscador) e no Facebook Ads (uma rede social):➜ Passo a passo de como criar anúncios no Google Ads➜ Como anunciar no Facebook Ads e dicas para ter visibilidade na rede socialE para finalizar, especialmente para você, que me acompanhou até aqui, preparei um brinde muito especial. Eu vou te contar a fórmula secreta para ter sucesso toda vez que utilizar mídia paga em suas estratégias de marketing digital.Aceita o presente? Então vamos lá...A fórmula secreta é: você que define!Não existe uma fórmula para ter sucesso seja com mídia paga, SEO, redes sociais, branding, ou qualquer outra estratégia que você deseje utilizar. Existem várias! E elas serão criadas por você, com base na sua estratégia e nos resultados obtidos ao longo do tempo, para cada cliente, marca, produto, público ou plataforma.Portanto, não se assuste quando algo não fizer sentido ou tudo parecer perdido mesmo depois de ter seguido um passo a passo corretamente.Lembre-se sempre de que, no marketing digital, nada é tão simples quanto apertar alguns botões. Planeje, aplique, otimize, analise e repita!Obrigada pela companhia, e até a próxima. :)Quer aprender Marketing Digital na prática?O melhor jeito de aprender é fazendo! No curso para se tornar um profissional de marketing digital da DH, você tem aulas ao vivo com professores que estão no mercado. Que tal baixar o programa do curso e ver a infinidade de temas que você pode começar a estudar?Não deixe de conferir também nossa biblioteca de conteúdo e o Blog DH, com diversos outros artigos e materiais interessantes sobre tecnologia.Leia mais no blog DH:+ Aprenda como fazer o branding de uma marca de sucesso em 3 etapas+ Customer Centric: como moldar sua estratégia com foco no cliente+ Como gerar leads: estratégias de marketing para ter uma base qualificadaE aí, já segue a gente no Twitter? Vem pra rede, vamos conversar sobre habilidades digitais! ;)