Design patterns: soluções já testadas para problemas recorrentes

Design patterns: soluções já testadas para problemas recorrentes

É muito comum que, ao desenvolver um software, surjam alguns desafios. No entanto, conforme é possível adquirir experiência ao longo do tempo, torna-se mais fácil determinar quais problemas são mais recorrentes, mesmo que em projetos inteiramente diferentes.

Afinal, quando se desenvolve um software, é natural encontrar contratempos e é possível notar que determinados impasses são parecidos, mesmo em projetos distintos. E é aí que entra o indispensável design patterns. Quer entender melhor o que é, para que serve, quando usá-lo e seus principais benefícios? Então continue a leitura!

baixe nosso glossário de programação


O que é design patterns?

Quem trabalha com desenvolvimento de software, deve ter ouvido falar sobre design patterns, ou até mesmo ter implementado algum deles sem saber. Também chamado de padrões de projeto, são soluções típicas para problemas comuns em projetos. Cada padrão é como uma planta-base, que pode ser customizada para resolver uma dificuldade particular em seu código.

Não se trata de um framework ou uma codificação pronta, mas de uma definição de alto nível de como um problema comum pode ser resolvido com soluções generalistas.

Os padrões de projetos não possuem uma origem muito precisa, mas o conceito foi descrito pela primeira vez pelo arquiteto, matemático e urbanista Christopher Alexander em seus livros: Notes on the Synthesis of Form, The Timeless Way of Building e A Pattern Language, onde descreveu padrões para os projetos de um ambiente urbano.

Pouco tempo depois, os engenheiros de software Kent Back e Ward Cunningham propuseram cinco padrões de projetos no campo da ciência da computação, dispondo, assim, dos primeiros design patterns voltados à área. A partir dessas referências, engenheiros, arquitetos de software e programadores começaram a utilizar a linguagem dos padrões para programação.

O conceito ficou ainda mais conhecido, quando os engenheiros de software Erich Gamma, Richard Helm, Ralph Johnson e John Vlissides escreveram o livro “Design Patterns: Elements of Reusable Object-Oriented Software”, catalogando inicialmente 23 padrões, relacionados a problemas comuns aos projetos de desenvolvimento de software e às formas de resolvê-los.

No Brasil, o livro foi publicado com o nome “Padrões de Projeto – Soluções Reutilizáveis de Software Orientado a Objetos”, o que fez com que os autores ficassem conhecidos como Gang of Four (Gangue dos quatro) ou “GoF”. Depois disso, outros livros surgiram, com novas referências orientadas a objetos, mas a “abordagem por padrões” também se tornou popular em outros campos de programação. Logo, muitos desses modelos agora existem fora do projeto orientado a objetos.

Desde então, design patterns tem sido um tema bastante estudado por programadores e arquitetos de software pelo mundo todo.

Para que serve design patterns e quando usá-lo?

O uso de design patterns possibilita códigos mais enxutos, limpos e organizados, aumentando a qualidade e diminuindo a complexidade da codificação, além de facilitar a manutenção e teste. E, por serem soluções já testadas repetidamente - e que foram adotadas por terem dado certo -, elas trazem mais segurança ao desenvolvimento, além de facilitar as discussões técnicas, pois todos estarão falando o mesmo “idioma”.

A partir do momento em que realmente se entende como o design patterns funciona e tudo que pode ser alcançado com a utilização dessas técnicas, é possível ter um melhor discernimento para saber a hora de aplicá-los. E, ainda que possa parecer uma fórmula pronta, esses padrões estão mais voltados para pequenas saídas aos problemas corriqueiros no sistema.

Em boa parte dos casos, ele é visto como uma solução reutilizável para esses problemas, mas precisam estar dentro de um contexto único. Serve como um guia para o programador, permitindo que um problema seja resolvido o mais rapidamente possível.

Resumidamente, os design patterns são utilizados dentro do processo de criação de um software ou programa, visando melhorar a qualidade. Assim, é possível deixar de lado os pequenos erros que poderiam atrapalhar a funcionalidade.

De uma maneira geral, os padrões de projeto servem como referência para quem está começando ou, simplesmente, deseja ter mais facilidade na criação, pois podem ser usados a qualquer momento, desde que o programador compreenda bem onde encaixá-los e quando incluí-los.

Principais benefícios do design patterns

Os design patterns são os padrões que podem ser identificados com a prática e, ao nos familiarizarmos com eles, o desenvolvimento de determinados sistemas acaba se tornando muito mais fácil do que era esperado e a chance de acerto é ainda maior. Com sua aplicação, fica ainda mais fácil conseguir alcançar resultados satisfatórios e que não tragam problemas, em curto ou longo prazo, para o projeto.

Além disso, existem muitos benefícios ao utilizar o design patterns, e o principal deles é a agilidade, pois os códigos podem ajudar a solucionar um problema rapidamente. Esses padrões determinados são ótimos para organizar e manter os projetos em ordem. E, a cada dia, surgem mais técnicas para auxiliar o programador.

O design patterns foi criado para facilitar, tornando-se indispensável a busca pelo conhecimento acerca da área para solucionar os problemas dos projetos de forma simples, assertiva e ágil.

Aprenda como customizar códigos padrões para resolver problemas típicos

Conhecer design patterns é algo de extrema importância no desenvolvimento de qualquer software. A utilização desses padrões nos ajuda a desenvolver de forma mais rápida frente a desafios semelhantes, fornece uma linguagem comum durante a documentação e discussões técnicas, além de auxiliar a organizar o código-fonte do software que está sendo desenvolvido.

Para quem está iniciando no âmbito do design patterns, é importante levar em consideração que esse tipo de aplicação pode ser desafiador em seus princípios, além de apresentar um desenvolvimento de software um pouco mais complexo do que aquele que foi aprendido anteriormente. Sendo assim, é necessário estar atento a todos os detalhes.

Mesmo que não exista uma técnica muito simples para se inserir nesse mundo tecnológico dos códigos, é necessário ressaltar que algumas dicas podem ser suficientes para reduzir a carga de trabalho. Ainda assim, para quem deseja seguir nesse caminho, qualquer pequeno esforço é válido.

E, como vimos, design patterns podem facilitar, e muito, a soluções de problemas comuns em design de software. Por isso, para quem é um desenvolvedor iniciante, estudar sobre os padrões é importante, mas, mesmo sendo um autodidata, ter um aprendizado consistente, que equilibre conceito e prática, é essencial.

Para ajudar você, a Digital House proporciona todo o suporte necessário para o aprendizado. Conheça o Certified Tech Developer, um curso completo de Programação desenvolvido em parceria com o Mercado Livre e a Globant, onde o aluno terá conhecimentos necessários em todos os campos, seja front-end ou back-end, na teoria e na prática.

Temos também o programa Desenvolvimento Web Full Stack, voltado para a criação de web sites ou sistemas web, tanto em front-end ou back-end, a partir de diferentes tipos de linguagens de programação e em apenas 5 meses.

Independentemente do curso escolhido, todas as aulas são online, 100% ao vivo e ministradas por professores especialistas em grandes empresas do mercado. Além disso, temos o  departamento de Carreiras, onde os alunos podem acessar e conferir diferentes conteúdos exclusivos sobre suas jornadas.

Esperamos que esse artigo tenha ajudado você! Aproveite para conferir outro artigo do nosso blog e descubra quantas linguagens de programação existem no mercado de tecnologia?