Design de interface: quais são os principais fundamentos e como implementar a acessibilidade nos projetos?

Design de interface: quais são os principais fundamentos e como implementar a acessibilidade nos projetos?

Design de interface ou UI, como também pode ser conhecido, é um conjunto de ações responsáveis pelo planejamento, desenvolvimento e aplicação de uma solução, a fim de proporcionar a melhor experiência do usuário e estimular a sua interação com um determinado produto ou serviço.

Ou seja, é oferecer soluções amigáveis e intuitivas. Não é de hoje que estamos cercados pela tecnologia. Seja nas telas e interfaces de computadores, celulares ou outros tipos de dispositivo, o dia a dia está cada vez mais baseado na interação entre pessoas e máquinas.

Neste artigo, vamos te contar quais são os principais fundamentos do design de interface, além da importância da acessibilidade em todo esse processo. Continue acompanhando.

Quais são os fundamentos do design de interface?

Separamos alguns princípios e fundamentos para que você, atuando como designer de interface, esteja antenado com as boas práticas e possa realizar o melhor trabalho. Confira:

Padrões de UI

Os padrões são medidas para problemas e necessidades comuns que já foram implementados, testados e comprovados anteriormente. Isso quer dizer que não é preciso inventar soluções novas o tempo todo. Adapte um padrão em uma situação similar para resolver o que precisa em sua interface.

Isso garante que os usuários se sintam em casa e você economiza tempo na criação e desenvolvimento e se mantém numa zona de segurança em sua decisão.

E como encontrar estes padrões? Procure nas interfaces onde o seu público-alvo passa a maior parte do tempo, como as redes sociais, sites de notícias, bancos, universidades, aplicativos de mensagens, softwares específicos etc.

Estude sobre o usuário

Esse é um dos fundamentos mais essenciais do design de interface. Entenda quais são as habilidades, experiências, necessidades e anseios dos usuários. Faça uma imersão em seu mundo, descobrindo os tipos de páginas que eles se sentem à vontade, como usam e se comportam diante delas.

Quando você foca no público, as chances de construir uma interface amigável são muito maiores.

Seja sempre claro!

Um bom design de interface não deve possuir elementos desnecessários, ou seja, coisas que o usuário não sabe para que serve. Esses ruídos fazem com que ele não queira descobrir, resultando em um baixo engajamento de página.

Para isso, deve-se manter a clareza. Não projete elementos que não tenham suas funções claras ou sejam desnecessárias. Sempre se questione se tal coisa é imprescindível na experiência do usuário e não adicione nada porque você apenas achou legal.

Guie o usuário

O usuário não deve descobrir por si só o que fazer em uma interface. Solicite a ele o que executar e continue o guiando nos passos seguintes. Isso trará mais efetividade, pois as chances dele executar uma determinada ação, se guiada pela página, são muito altas.

Os erros dos usuários devem ser tolerados

Mesmo guiando o usuário por meio de uma interface da página bem clara, os erros são passíveis de ocorrer, ou seja, o usuário pode fazer uma ação de forma errada. Neste momento, o design também deve acolhê-lo, mostrando o caminho da correta execução. Isso, com certeza, é uma oportunidade de crescimento que trará resultados positivos na experiência de todas as pessoas.

Fale a língua do usuário

É preciso garantir que o usuário se identifique com a mensagem transmitida na interface, facilitando o seu entendimento. Isso é falar a língua dele. Entenda sobre o público-alvo, como comentamos, a fim de estabelecer e definir a melhor linguagem e tom de voz, para orientar e guiar as ações das pessoas.

Aposte na hierarquia visual

No design de interface, é possível estabelecer um caminho claro para as ações, guiando os usuários através do uso de diferentes formas, cores, tamanhos, posicionamentos, contrastes entre elementos, entre outras aplicações que mostrem o que é prioritário na interface.


Por que pensar na acessibilidade ao pensar em experiência do usuário?

Quando o assunto é acessibilidade, existem muitos questionamentos, mas pode ter certeza de que, neste contexto, os elementos da experiência do usuário fazem toda a diferença. A empresa que investir e focar nesse ponto na sua interface, certamente irá garantir um maior número de acessos, além de contribuir para que sua imagem seja positiva no mercado.

Isso porque a acessibilidade permite que qualquer pessoa, independentemente se há algum tipo de deficiência, navegue, compreenda e interaja da melhor maneira possível com uma interface.

Existem muitas pessoas com cegueira ou parcialmente cegas, com dificuldades auditivas, com deficiência de mobilidade (permanente ou temporária), dificuldade cognitiva, entre muitos outros exemplos.

As interfaces devem ser desenvolvidas para qualquer tipo de público, independentemente de condição física/mental, idade, nível de conhecimento, nível de utilização. Ou seja, todos devem ter a mesma experiência de navegação, com muita qualidade.

Como implementar um design de interface acessível?

Nós separamos quatro dicas muito importantes para a implementação de um design de interface acessível. Confira:

A sua interface não precisa ser feia

Pensar em acessibilidade não é uma justificativa para oferecer um site "feio" para as pessoas.

Contraste de cores

As cores sempre transmitem uma mensagem e há até uma área da psicologia que estuda este tema. Nós já escrevemos um artigo sobre isso, clique aqui para acessar.

Por isso, é preciso que exista um contraste de tons no site, principalmente quando a interface está transmitindo uma mensagem para alguém. Escolha a melhor paleta de cores para o seu projeto, considerando o propósito da sua interface e o seu público.

Use labels

Quando preenchemos um formulário, por exemplo, usamos a tecla “tab”, a fim de passar de campo em campo até que tudo seja preenchido. Quem possui limitações visuais e utiliza um leitor de navegação, irá passar por cada campo sem saber o que eles estão solicitando.

Neste caso, use o “label”. Este é um elemento que pode ser uma etiqueta ou um rótulo, que fica associado ao seu campo ou botão específico, informando o que representa aos usuários.

Saiba quais são os princípios da acessibilidade

Se você quer um auxílio no desenvolvimento da acessibilidade de um site, recomendamos que leia e entenda os seus princípios. Para isso, clique aqui.

Aprenda como realizar um design de interface na prática!

A Digital House ainda possui vagas para o curso de Experiência do Usuário (UX) para os próximos meses! Com ele, você aprenderá, na prática, todo o processo de criação, aplicando os fundamentos que explicamos hoje, para gerar um projeto assertivo no mercado.

Que tal investir em uma carreira de sucesso? As aulas são remotas e 100% ao vivo, com a melhor experiência DH. Inscreva-se agora mesmo e garanta o seu futuro!

Leia mais no blog DH:

+ Google Analytics Dashboard: crie e personalize com o nosso passo a passo

+ O que é brand equity e como as empresas geram valor de marca em seus produtos e serviços

+ Marketing digital para iniciantes: 10 dicas de como começar na carreira

E aí, já segue a gente no Twitter? Vem pra rede, vamos conversar sobre habilidades digitais! ;)