Desenvolvimento de softwares: o que é e como está o mercado na área?

Desenvolvimento de softwares: o que é e como está o mercado na área?

No dia a dia, diferentes plataformas, aplicativos e programas se tornaram parte da rotina das pessoas, principalmente quando consideramos a popularização do uso de smartphones, computadores e outros dispositivos. Neste contexto, o desenvolvimento de softwares busca facilitar atividades, promover a comunicação ou, até mesmo, auxiliar em processos internos de uma organização.

Com esse panorama e a transformação digital constante, o investimento na área tem se tornado cada vez maior e o mercado de trabalho também tem sentido essa tendência. As empresas precisam de um bom software que irá solucionar suas necessidades da maneira mais assertiva possível.

Entenda melhor toda essa situação e como ingressar no campo de desenvolvimento de softwares da melhor forma, acompanhando este artigo.

O que é desenvolvimento de softwares?

Antes de tudo, é importante entendermos o que é um software. Ele nada mais é que um conjunto de componentes de um sistema de processamento de dados, a fim de executar uma determinada atividade. Ou seja, são os conhecidos aplicativos dos smartphones ou os programas de computador que usamos no dia a dia.

Sendo assim, o desenvolvimento de softwares é um conjunto de atividades e medidas organizadas, utilizadas para definir, criar, testar e manter em funcionamento da melhor forma para o público. Sim, a manutenção também faz parte desse processo. Portanto, o processo não termina com a finalização do mesmo, pois é preciso que haja um projeto para reter sua performance, otimizando possíveis pontos do processo da atividade.


Como é trabalhar neste mercado?

A realidade pandêmica trouxe muitas consequências para a sociedade. Diversas áreas do mercado de trabalho foram prejudicadas e desafios passaram a fazer parte da rotina de muitas pessoas. No entanto, as tendências no desenvolvimento de softwares passaram por modificações e uma impulsão bastante positiva nas empresas.

Organizar e criar softwares são tarefas complexas que demandam bastante tempo. Porém, por conta da inovação e a transformação digital presentes e impulsionadas ainda mais com a pandemia, as empresas tiveram que se adaptar de maneira acelerada, contando com a tecnologia, para garantir suas permanências e competitividade no mercado.

Apesar da transformação digital já ser um conceito presente antes da pandemia para os gestores de Tecnologia da Informação (TI) das organizações, foi no ano passado que as técnicas acabaram sendo colocadas à prova. O distanciamento social fez com que as pessoas tivessem que contar com a tecnologia para simples atividades, como fazer compras ou trabalhar remotamente.

Com tanta demanda disponível, quando falamos sobre como está a situação de trabalho do mercado atual da área, muitas empresas passaram a usar plataformas de desenvolvimento low-code em seus processos de criação, desenvolvimento e publicação das suas soluções, a fim de proporcionar mais agilidade nas entregas, além de reduzir custos.

O low code consiste em um ambiente gráfico para os desenvolvedores criarem seus aplicativos com poucas atividades manuais, ao contrário do que seria tradicionalmente. Trata-se de uma maneira mais visual, rápida e prática de realizar o desenvolvimento de softwares.

Essa é uma tendência real. De acordo com um levantamento da Forrester, 75% das soluções corporativas serão desenvolvidas com a tecnologia low-code este ano, as plataformas serão usadas para a implementação de soluções e negócios, além de expandir os canais digitais das organizações.

O que é necessário para trabalhar nesta área?

É importante saber que para se tornar um desenvolvedor, existem diversos cursos disponíveis na área da tecnologia. No entanto, não há um curso superior específico para isso. Muitos profissionais que ingressam na área possuem graduação em sistema de informação ou ciências da computação, por exemplo.

Além disso, existem pessoas que também conseguem ingressar na função sem nenhuma formação. Neste cenário, o mais importante é ter conhecimentos técnicos e habilidades relevantes para o dia a dia de trabalho. Além de dominar linguagens de programação, lógica e codificação, é preciso ter raciocínio lógico e a capacidade de análise, para a criação de soluções assertivas na prática.

Outro ponto que conta muito é saber o inglês básico. Isso porque as ferramentas do dia a dia e diversos termos técnicos relacionados ao trabalho partem desta língua.

Voltando a falar sobre estudos, claro que é recomendável que as pessoas interessadas na profissão estudem e tenham uma certificação, provando ter uma base de conhecimentos técnicos às empresas. Entretanto, ao decidir onde e o que estudar, é preciso considerar todo o investimento.

Normalmente, a faculdade exige muito tempo e investimento financeiro, podendo ou não valer a pena. Ao invés disso, o mesmo esforço pode ser dedicado em diferentes cursos com objetivos específicos, focados em habilidades do setor. É isso que as organizações procuram: a comprovação do conhecimento e não a maneira como foi adquirido.

Seja um especialista na área!

Até aqui, você entendeu que o desenvolvimento de softwares é uma alternativa bastante interessante, promissora e vantajosa no mercado de trabalho. Além disso, é importante buscar o aprimoramento em todas as habilidades técnicas necessárias no dia a dia.

Na Digital House, você pode aprender tudo o que você precisa sobre desenvolvimento e programação do zero, mesmo que não tenha experiência prévia, obtendo uma boa base para o mercado de trabalho.

Confira as grades dos cursos de Desenvolvimento Web Full Stack, que é voltado para a criação de web sites, sistemas web, Desenvolvimento Mobile Android ou Desenvolvimento Mobile iOS, ambas para a criação de apps e plataformas no mobile.

Além disso, todos os alunos da DH podem participar gratuitamente do programa de apoio à colocação no mercado de trabalho. Garanta o seu futuro agora mesmo! Aprender a desenvolver em cursos específicos, com professores qualificados que estão no mercado, é uma boa opção! Muito melhor do que se lançar ao mercado, sem preparo profissional.

Leia mais no blog DH:

+ Google Analytics Dashboard: crie e personalize com o nosso passo a passo

+ O que é brand equity e como as empresas geram valor de marca em seus produtos e serviços

+ Marketing digital para iniciantes: 10 dicas de como começar na carreira

E aí, já segue a gente no Twitter? Vem pra rede, vamos conversar sobre habilidades digitais! ;)