MENU

| BR

Campus

Cursos

Programas Executivos

Programas Executivos

Paises

Como trabalhar marketing de conteúdo dentro do funil de vendas e redes sociais

Como trabalhar marketing de conteúdo dentro do funil de vendas e redes sociais
#Marketing
31 de agosto - min de leitura

Conteúdo é a palavra da vez (e não é à toa). Hoje, para uma empresa decolar, ela precisa entregar informações interessantes para o consumidor, e assim, conquistá-lo.


A resposta para como trabalhar com marketing de conteúdo fala muito sobre estratégias assertivas que envolvem, entre outras vantagens, destaque diante da concorrência, atrair novos visitantes e alavancar as vendas.

Experiente ou não na área de marketing digital, você deve saber que planejamento e uma estratégia bem desenhada são a espinha dorsal para que os benefícios acima sejam materializados. 

Acompanhe este artigo que vai além de qual a melhor definição de marketing de conteúdo. Ele busca exemplificar situações para que você possa, de fato, usar em suas estratégias.

Como trabalhar com marketing de conteúdo e ter o tão desejado tráfego orgânico  

Antes de seguir com o artigo, vamos falar um pouco sobre código QR, ou QR Code?

Inventado lá em 1994, pela empresa japonesa Denso-Wave, inicialmente para identificar peças da indústria automobilística, em 2003, o QR Code ganhou espaço, com a chegada dos smartphones e suas incríveis câmeras embutidas e portáteis. 

Hoje, 26 anos depois, sua funcionalidade de conversão de símbolos p&b em textos lógicos dentro de sites e apps vem como uma solução valiosa. E, em época de pandemia, seu valor cresceu: de lives na internet a campanhas publicitárias, cardápios e preços nos supermercados (evitando o contato físico entre funcionários e clientes), pois é, foi preciso reinventar negócios.

E o que isso tem a ver com marketing de conteúdo? Tudo! A condução do storytelling desta exemplificação, contextualizando as necessidades atuais, leva o leitor a voltar sua atenção a essa tecnologia, trazer valor a ela e, porque não, usar/pesquisar mais?

Pois bem, o texto acima poderia se desdobrar em um whitepaper ou infografia, com chamadas atrativas e dados disponibilizados a diversas redes sociais sobre QR Code, e até encaminhá-lo para um funil de vendas.

E é assim que essa estratégia, o marketing de conteúdo, impulsiona o tão desejado tráfego orgânico para sua marca, muitas vezes através do inbound marketing. Se bem executado, permite até diminuir investimentos em mídia paga.

Como usar inbound marketing a seu favor

A Transformação Digital desenvolveu usuários mais ativos, seletivos e críticos. Dentro desse contexto do novo comportamento do consumidor, o marketing de conteúdo também procura se adaptar.

Embora, aparentemente recente, essa estratégia do marketing digital, deve desenvolver novas formas de chamar atenção do seu público-alvo, atraindo mais clientes com materiais relevantes.

A estratégia, portanto, está contida dentro do inbound marketing, pois age no sentido de capturar o interesse de consumidores de uma maneira não invasiva ou interruptiva, por meio da criação e compartilhamento de conteúdos relevante, simples, eficazes e direcionados.

Para que sua estratégia esteja alinhada, o primeiro passo é se ater à boa e velha jornada de compras, de forma intuitiva e não invasiva, passando pela atração, conversão, venda e encantamento. 

Estratégias de marketing de conteúdo

Faça conteúdos para cada etapa do funil

Muito se lê sobre a necessidade de conteúdos ricos para conseguir tráfego orgânico para sites ou blogs, mas pouco se fala que isso requer planejamento e estudo das personas, além da atenção redobrada ao lugar do funil que eles devem pertencer.

Lembrando que topo do funil é a etapa do aprendizado e da descoberta, quando o público ainda não está buscando soluções. Nessa situação, seu conteúdo deve ter pouco ou nenhum apelo de consumo, podendo ser no formato de blog post (como esses que fazemos aqui no blog da Digital House), vídeos, podcasts (aproveitando, que tal escutar o DH Cast?), E-books e guias informativos.

+ Aproveite para conferir nossa biblioteca de conteúdos gratuitos

Já no meio do funil, ou seja, a etapa do reconhecimento e da consideração, o conteúdo pode ser por blog post ou mesmo algo interativo e multimídia, com foco maior em soluções. E-books, whitepapers e webinars são interessantes nesta fase.

O fundo do funil é a hora da conversão. Aqui, a pessoa já sabe o que quer, e tem as informações que vai ajudá-la a tomar a decisão. Logo, quanto mais contato e informações você disponibilizar no seu conteúdo, mais chances terá de converter, e veja também técnicas de vendas que podem auxiliar na hora do speech.

Depoimentos e cases de clientes são bons exemplos de conteúdos assertivos para essa etapa, assim como webinars focados no produto e demos de utilização. Landing pages com ofertas específicas, como descontos e testes, também são bem-vindas.

Pense no conteúdo pós-venda!

No pós-venda, que é a etapa de retenção, vale apostar em blog posts, infográficos ou qualquer formato que gere valor para alguém que já adquiriu a solução, fidelizando esta pessoa e incrementando sua experiência com a marca.

Quais os melhores canais para divulgar meus conteúdos?

Com uma persona bem estruturada e um funil de vendas definido, chegou a hora de descobrir quais canais você deve usar para impactar as pessoas certas.

Pesquisa e veja por onde anda seu público. Esteja presente nesses canais e use um tom de voz que faça sentido para a sua marca, sem se esquecer que cada rede social tem as suas próprias características.

O Twitter, por exemplo, é uma rede conhecida pelo seu dinamismo, com textos curtos e linguagem informal, memes e conteúdo interativo. Já o LinkedIn, é uma rede profissional, portanto, mais formal, onde cabe compartilhamento de conteúdo relevante para o seu mercado.

O e-mail é um poderoso canal para promoção de conteúdo, entregando diretamente para o usuário o que ele precisa, com a possibilidade de acompanhar seu engajamento, disparado por newsletters periódicas e específicas para o momento da jornada de compra do cliente.

Atualização em marketing digital

O marketing digital é uma área dinâmica e em constante mudança, há sempre algo novo para testar, experimentar e inovar, por isso o mindset ágil é tão requisitado pelas empresas.

Você pode se atualizar sobre o mercado investindo em um curso completo sobre marketing digital. Ao entrar em contato com especialistas da área, você aprende na prática a construir novas estratégias e inclusive entender sobre ferramentas de marketing de conteúdo, por exemplo!

Outras notícias

Mídia paga no marketing digital: o que é e porque investir  img
#Marketing

Mídia paga no marketing digital: o que é e porque investir

Se você é analista ou estudante de marketing digital, empreendedor(a) ou até mesmo entusiasta de marketing, precisa estar ciente de que a mídia paga no marketing digital pode ser uma grande aliada, mas também um obstáculo difícil para o sucesso da sua estratégia de marketing.   Quer dizer, até eu tenho que concordar que a ideia de colocar um anúncio na internet e começar a ter vendas a partir dele é encantadora. Na verdade, com um planejamento de comunicação bem elaborado - e aplicado! - essa ideia pode se tornar realidade.Entretanto, não é assim tão simples! Se engana quem pensa que basta um anúncio com uma headline “matadora” e uma arte chamativa para arrebentar de vender na internet.Não é assim que se usa mídia paga no marketing digital.“Oi?! Como assim mídia paga não é colocar anúncio na internet?”Opa, peraê! Eu falei que não é simplesmente isso! Mas calma que eu já te explico...Oi, eu sou a Elô, professora de marketing digital na Digital House, e nos parágrafos a seguir vou contar os pontos mais importantes que você precisa saber antes de começar a utilizar anúncios pagos na sua comunicação online, para evitar que isso se torne um obstáculo para o sucesso da estratégia.O que é Mídia Paga no marketing digital?Mídia paga é toda comunicação que uma marca realiza investindo dinheiro para ter algum resultado esperado. Ou seja, são anúncios pagos que promovem uma marca, produto ou serviço, e permitem gerar mais visibilidade, engajamento, leads ou vendas.Mas antes que você pense “Arrá! Tá vendo? É só fazer anúncio e vender mesmo!”, segura a emoção, porque é justamente por haver investimento diretamente envolvido, que é preciso considerar diversos fatores antes de sair por aí criando anúncios.Como por exemplo, onde seu anúncio vai ser veiculado e para quem vai ser exibido...Quais São as Mídias Pagas?Hoje temos diversas plataformas de mídias pagas à disposição: redes sociais, como Facebook, Instagram, Youtube, Twitter e LinkedIn; buscadores, como Google, Bing e Yahoo; e demais plataformas, como Waze, Outbrain, Taboola, entre outros.E é importante ter em mente que o formato do anúncio e o público que será impactado mudam de acordo com a plataforma que será utilizada!Vamos ver um pouquinho sobre cada uma delas:➜  Redes sociais: você consegue segmentar o público-alvo de acordo com seus comportamentos, localização e interesses, e é possível “seguir” as pessoas que já acessaram um site ou interagiram com uma página, ação conhecida como Remarketing. São bastante versáteis, pois você pode utilizá-las de maneira eficiente em todas as etapas do funil de vendas.➜  Buscadores: você consegue impactar o público-alvo no momento exato em que estiver pesquisando sobre um serviço, produto ou assunto específico. Da mesma forma como as redes sociais, dá para fazer Remarketing com as pessoas que acessaram um site, mas dessa vez é por toda a internet (até em aplicativos!).➜  Demais plataformas: use-as para diversificar a maneira como impacta o público-alvo. O Waze, por exemplo, pode exibir anúncios quando a pessoa está parada no trânsito, de acordo com sua localização em tempo real. Já o Outbrain e o Taboola permitem que você atraia pessoas para um site, de acordo seus interesses, localização e portais de conteúdo que mais acessam.Aposto que já começou a ficar mais claro para você que usar mídia paga no marketing digital não é tão simples quanto apertar alguns botões e colocar um anúncio no ar, né?Agora vamos entrar em outro ponto muito importante que é...Por que Investir em Mídia Paga?Ao contrário do que muita gente pensa, é possível usar a mídia paga para muito mais do que anúncios de venda direta. É claro que a verba disponível poderá influenciar para qual rumo você caminhará com seus anúncios, mas ainda assim existem diversas possibilidades e vantagens ao incluir a mídia paga em seu planejamento de marketing digital.Vejamos algumas vantagens de investir em mídia paga:Tenha mais visibilidade por tempo determinadoPode parecer uma desvantagem ter mais visibilidade somente enquanto você está pagando por isso, mas isso permite que você tenha mais agilidade e flexibilidade para escolher o que deseja destacar naquele momento.Ao contrário do SEO, por exemplo, que pode levar mais do que apenas alguns meses até posicionar uma página do site nas primeiras posições do Google (e eu duvido que depois de finalmente conseguir você vai querer tirá-la de lá!), os anúncios pagos podem colocar um produto, serviço ou promoção específica no topo das pesquisas a partir do momento que você começou a investir.Ou ainda, você pode impulsionar uma publicação antiga no Instagram para que ela volte a ter engajamento, sem que você tenha que publicá-la novamente.Segmente da maneira que desejarQuando publicamos um conteúdo orgânico, seja no blog ou nas redes sociais, não conseguimos controlar quem serão as pessoas que irão acessá-lo. Mas com a mídia paga isso é possível!São diversas as combinações de público-alvo que você consegue criar para os anúncios nas redes sociais, e você ainda pode “seguir” as pessoas que visitaram um site pela internet com o Remarketing, impactando-as com anúncios que variam de acordo com o conteúdo acessado.Exiba o anúncio certo para a pessoa certaJá que você está selecionando “a dedo” quem você irá impactar com sua mídia paga, por que não exibir um anúncio que converse diretamente com esse público-alvo específico? Independentemente da plataforma de mídia paga que você for utilizar, todas elas permitem esse nível mais avançado de personalização.Quer dizer, já que você está pagando para atingir aquela pessoa, é melhor aumentar as chances dela realizar a ação que você deseja, né?Gere mais volume de dados para tomadas de decisão Você pode achar que esta é uma vantagem que apenas as empresas que investem milhares de reais em anúncios pagos possuem, mas na verdade não é bem assim. Mesmo as empresas que investem pouco podem usar os dados gerados pelos anúncios para suas tomadas de decisão. Afinal, você estará atingindo mais pessoas, gerando mais engajamento, tendo mais acessos no site. Então, trate de aproveitar ao máximo tudo o que você conseguiu com esse investimento em mídia!Quando a Mídia Paga no marketing digital se torna um Obstáculo?Mas nem só de pão vive o homem, assim como não são apenas bons resultados que podemos ter com a mídia paga no marketing digital.Como eu disse lá no primeiro parágrafo deste artigo…A mídia paga pode ser uma grande aliada, mas também um obstáculo difícil para o sucesso da sua estratégia de marketing.Por “obstáculo” eu quero dizer realmente algo que irá dificultar o seu trabalho em gerar bons resultados.Pense em tudo que eu já te contei até agora… as plataformas de mídia paga, a forma como impactar seu público-alvo, as vantagens de usar a mídia paga no marketing digital. Estou certa de que só em lembrar isso tudo, você já deve estar imaginando como a mídia paga pode se virar contra o seu planejamento de comunicação. Vou listar aqui as 5 situações mais recorrentes em que a mídia paga se torna um obstáculo que eu já vi acontecerem com clientes que atendi e epresmas em que trabalhei:➜ Quando você começa a veicular um anúncio no Facebook apenas pelo fato de que “todo mundo” está nas redes sociais, sem ter mapeado uma persona:➜ Quando você veicula diversos anúncios sobre produtos ou serviços variados ao mesmo tempo sem qualquer planejamento ou cronograma;➜ Quando você só faz anúncios vendendo algo, o tempo todo, sem tentar se relacionar com as pessoas ou produzir conteúdo de valor;➜ Quando você usa headlines “matadoras” e imagens chamativas que não condizem com os valores da marca, nem conversam com o público-alvo;➜ Quando você faz remarketing usando sempre o mesmo anúncio.Não se deixe enganar pelo pensamento de que o pior que pode acontecer é as pessoas não clicarem no seu anúncio!Na boa, isso é o melhor que pode acontecer.Dito isso, o verdadeiro pior que pode acontecer, e que eu tenho certeza que você já viu acontecer, é a marca sofrer represálias como ser cancelada por passar a mensagem errada para o público errado no momento errado.E como nem você, nem eu queremos que isso aconteça, eu vou te dar algumas dicas para você dar o pontapé inicial e começar a investir em anúncios de maneira inteligente desde o início para não prejudicar a sua estratégia no futuro.Como Investir em Mídia Paga da Maneira Certa?Eu imagino que depois de ler este artigo você não vá simplesmente sair criando anúncios pagos para tentar vender algo sem ter um planejamento ou objetivo claro em mente.É claro que os anúncios irão variar de acordo com a plataforma de mídia paga que você escolher para a sua estratégia, mas existem alguns pontos que todas possuem em comum.Eu vou elencar esses pontos a seguir:1. Organize a sua casaAntes de começar a sequer planejar uma campanha de mídia paga, você precisa ter certeza de que o site irá gerar uma boa experiência para o usuário e que as redes sociais têm conteúdo relevante e de qualidade para os seguidores.Imagine só, que vexame, fazer um anúncio levando as pessoas para se cadastrar no site e o formulário não estar funcionando! Ou criar uma campanha de curtidas na página e lá só ter posts de venda de produtos, com comentários antigos totalmente esquecidos sem resposta.Então, se você não quer jogar dinheiro da empresa fora, fica a dica: o cliente vai reparar na bagunça, então organize a casa antes de recebê-lo.2. Distribua a sua verbaMesmo as empresas que investem milhares de reais por mês em anúncios, precisam pensar em como distribuir a verba disponível.Sabendo quanto você tem de dinheiro para investir, você poderá escolher exatamente o que fazer com ele de maneira que não haja desperdício e que você obtenha o melhor resultado.3. Tenha um objetivo claroUm erro básico dos anunciantes de primeira viagem é não ter um objetivo claro para cada campanha de anúncios que está criando. Sem isso, será impossível fazer a medição dos resultados!Somente com um objetivo claro em mente você conseguirá definir as KPI’s e quais métricas analisar para saber se o resultado foi satisfatório ou não.Além disso, sabendo qual é o objetivo do anúncio, ficará mais fácil definir quem será o público-alvo, que é o próximo item da nossa lista.4. Determine seu público-alvoUma vez que você já sabe para que serve aquele anúncio, você deverá escolher quem serão as pessoas que irão visualizá-lo.Lembre-se das personas do seu negócio, como se comportam online, onde vivem, lugares que frequentam. Tudo isso irá te ajudar a entender qual a melhor segmentação e qual plataforma de mídia paga utilizar.E um fator decisivo no momento de determinar seu público-alvo para aquele anúncio, é saber em qual fase da Jornada do Consumidor ele está!5. Escolha a plataforma e o formatoAgora que você já sabe quanto tem para investir, o que quer fazer com aquele anúncio e quem deseja atingir, é hora de finalmente escolher onde ele será veiculado e qual será o formato (vídeo, GIF, imagem, Display, Search, etc.).Uma boa maneira de fazer isso é pensar em como seu público-alvo será impactado e se será fácil para ele realizar a ação necessária para atingir o objetivo do anúncio.6. Crie e ative os anúnciosChegamos à etapa final do planejamento de mídia paga para sua estratégia de marketing digital e você já pode começar a criar os anúncios e colocá-los no ar!É hora de pensar naquelas tais headlines “matadoras” e imagens chamativas, mas dessa vez de maneira que se encaixem na sua estratégia e tenham uma boa conexão com o público-alvo.Preste atenção em todos os detalhes necessários durante a criação do anúncio em cada uma das plataformas escolhidas para ter certeza de que tudo funcionará corretamente durante o período em que a campanha ficar ativa.Aqui no blog da Digital House, inclusive, tem dois artigos super didáticos para te ajudar a criar anúncios de links patrocinados no Google Ads (um buscador) e no Facebook Ads (uma rede social):➜ Passo a passo de como criar anúncios no Google Ads➜ Como anunciar no Facebook Ads e dicas para ter visibilidade na rede socialE para finalizar, especialmente para você, que me acompanhou até aqui, preparei um brinde muito especial. Eu vou te contar a fórmula secreta para ter sucesso toda vez que utilizar mídia paga em suas estratégias de marketing digital.Aceita o presente? Então vamos lá...A fórmula secreta é: você que define!Não existe uma fórmula para ter sucesso seja com mídia paga, SEO, redes sociais, branding, ou qualquer outra estratégia que você deseje utilizar. Existem várias! E elas serão criadas por você, com base na sua estratégia e nos resultados obtidos ao longo do tempo, para cada cliente, marca, produto, público ou plataforma.Portanto, não se assuste quando algo não fizer sentido ou tudo parecer perdido mesmo depois de ter seguido um passo a passo corretamente.Lembre-se sempre de que, no marketing digital, nada é tão simples quanto apertar alguns botões. Planeje, aplique, otimize, analise e repita!Obrigada pela companhia, e até a próxima. :)Quer aprender Marketing Digital na prática?O melhor jeito de aprender é fazendo! No curso para se tornar um profissional de marketing digital da DH, você tem aulas ao vivo com professores que estão no mercado. Que tal baixar o programa do curso e ver a infinidade de temas que você pode começar a estudar?Não deixe de conferir também nossa biblioteca de conteúdo e o Blog DH, com diversos outros artigos e materiais interessantes sobre tecnologia.Leia mais no blog DH:+ Aprenda como fazer o branding de uma marca de sucesso em 3 etapas+ Customer Centric: como moldar sua estratégia com foco no cliente+ Como gerar leads: estratégias de marketing para ter uma base qualificadaE aí, já segue a gente no Twitter? Vem pra rede, vamos conversar sobre habilidades digitais! ;)

Como ser um freelancer de programação? Saiba construir o seu próprio portfólio img
#Carreira
#Tecnologia

Como ser um freelancer de programação? Saiba construir o seu próprio portfólio

A demanda por um freelancer de programação só cresce! O processo de transformação digital e modernização de processos é algo presente nas empresas que buscam se atualizar tecnologicamente, não ficar para trás em relação aos seus concorrentes e se manter em alta no mercado. Com isso, a área de programação tem sido cada vez mais procurada.Nesse contexto, muitas empresas que não estão diretamente ligadas à tecnologia também buscam o desenvolvimento de suas ferramentas esporadicamente. Sendo assim, a área de programação acaba entrando em formato de freelancer PJ ou CLT. Para quem busca iniciar a carreira de programação ou tem conhecimentos e quer trabalhar de forma remota, essa pode ser uma ótima opção. Mas por onde começar? Entenda neste artigo.Como é o mercado para um freelancer de programação?O primeiro ponto que devemos destacar é que, em algumas situações, pode ser que o contratante queira que o freelancer de programação atue diretamente na sede da empresa e não 100% remotamente. Pode ser de forma híbrida também, não precisando se deslocar todos os dias à organização.São diversos tipos de vagas e possibilidades de trabalho disponíveis em site de freelancer de programação. O profissional pode encontrar, por exemplo, oportunidades em uma empresa de comércio, criando um sistema de controle de compra, até em uma multinacional, desenvolvendo uma atualização de software.Como atuar como programador freelancer e fazer o seu portfólio?Primeiro de tudo, para começar a ser um freelancer de programação, é necessário ter um bom portfólio, onde consiga mostrar todas as suas habilidades e convencer os contratantes, como em uma entrevista técnica, de que você é a pessoa certa para realizar os serviços que eles necessitam.O portfólio deve mostrar todas as suas competências técnicas, os trabalhos já realizados e os resultados obtidos. É interessante ter várias versões do mesmo portfólio, para diferentes tipos de clientes. Assim, você pode encaminhar o que mais se adequar às necessidades solicitadas, possuindo mais chances de ser contratado.Não é necessário colocar todos os trabalhos que você já fez na vida. Sintetize os trabalhos mais importantes e relevantes. Neste momento, tome muito cuidado com os direitos autorais!Ferramentas para hospedar o seu portfólioAté aqui nós te explicamos no que consiste seu portfólio e o que incluir nele, mas onde hospedar todos esses trabalhos?Escolher a plataforma para hospedar seu portfólio é uma etapa que exige um pouco de paciência. São diversas opções disponíveis e, com certeza, uma delas se encaixa com o que você procura, a qual você entende que se adapta melhor. Para isso, é necessário realizar testes e visitar páginas de portfólios dessas plataformas para ter certeza de que está optando pelo lugar certo.Para te ajudar, listamos abaixo algumas plataformas utilizadas por muitos profissionais na área de programação:CarbonmadeA plataforma permite a organização de trabalho por álbuns e divididos por temas. Uma ótima opção para programadores. Existem planos pagos e gratuitos para seu uso.DevianArtSão milhões de usuários que utilizam essa plataforma para expor seus trabalhos. Seu uso é simples e há possibilidades de personalização dos layouts de sua página. Existem planos pagos e gratuitos para seu uso.Cargo CollectiveA plataforma oferece opções de personalização, caso o usuário já entenda de programação. Não é perfeito? Seu uso é gratuito!LinkedInÉ possível utilizar as redes sociais para divulgar o seu trabalho. Pelo LinkedIn, o programador também consegue divulgar seus trabalhos e projetos, lembrando que um plus é criar um bom perfil no LinkedIn para chamar a atenção de recrutadores.Qual o valor de um freelancer de programação?Quanto cobrar por hora? Quanto ganha um profissional freelancer por mês? Essas são questões que provavelmente você deve estar pensando agora e que muitas pessoas pensam também.Essa é uma questão sem uma resposta certa. Por exemplo, os programadores freelancers que trabalham com tecnologias mais comuns, como o PHP, possuem mais concorrência. Consequentemente, o preço por hora de trabalho pode ser menor, para que possam escolher sua oferta.Por outro lado, existem muitas áreas e linguagens da programação em que não há muita gente qualificada e o preço sobe.Outros diferenciais, como falar mais de um idioma, contam bastante. O programador pode conseguir trabalhar no exterior, atuando remotamente e ganhando muito bem em outras moedas. Normalmente, os projetos são acordados por entregas, ou seja, o valor de remuneração tem ligação com a capacidade de entrega. Ao final, você pode fazer as contas para saber o quanto você ganhou por hora e se valeu a pena.Por exemplo: um freelancer foi contratado para um trabalho de programação por R$ 3.000,00. Ele finalizou e entregou tudo em duas semanas, trabalhando 44 horas por semana, ou seja, 88 horas no total. Com isso, ele ganhou R$ 34,10 por hora. Isso pode ser bastante lucrativo se você analisar os salários das pessoas contratadas por salário fixo e dividir pela quantidade de horas.Sites para anunciar o seu trabalhoExistem diversos sites de oportunidades, onde os freelancers buscam por clientes e vice-versa. Conheça 3 deles abaixo:FreelancerÉ um dos maiores do mundo! São inúmeras ofertas em diferentes áreas da programação.99freelasA plataforma é brasileira, mas também oferece uma gama enorme de oportunidades. Quando o freelancer de programação conclui um job, ele ganha scores pelo desempenho, aumentando sua visibilidade no site para outras empresas e contratantes.WorkanaSão milhares de projetos e oportunidades com foco nos países da América Latina. No site, você pode pesquisar por projetos que se adequem as suas habilidades técnicas.Ficou com vontade de ingressar na área que é uma promessa ao futuro? Quer aprender sobre programação e se tornar um freelancer?Na Digital House, temos o curso de Desenvolvimento Web Full Stack, utilizando as melhores ferramentas de educação digital do mercado e possibilitando um processo de aprendizagem eficiente.Leia mais no blog DH:+ Minha primeira linguagem de programação: como escolher?+ Primeiros passos no Git: o que eu preciso saber?+ Pague só quando possuir renda: conheça o modelo ISA da DHE aí, já segue a gente no Twitter? Vem pra rede, vamos conversar sobre habilidades digitais! ;)

Melhores áreas para trabalhar: 6 profissões do futuro para ficar de olho img
#UX
#Marketing
#Carreira
#Tecnologia
#Dados

Melhores áreas para trabalhar: 6 profissões do futuro para ficar de olho

Antes de saber as áreas, é claro que não podemos desconsiderar o ano de 2020 e todo o contexto pandêmico que vivemos. O ano foi um grande empurrão para que a tecnologia e as habilidades digitais dominassem ainda mais o mercado, pois a grande maioria dos serviços buscou aderir à transformação digital para não ficar para trás.Sendo assim, muitos empregos tradicionais sofreram grandes mudanças, não somente no ano passado, mas também nos últimos anos, por estar em um processo de revolução tecnológica.Quais são as melhores áreas para trabalhar?O cenário profissional está seguindo para algumas áreas específicas, de acordo com as tendências de mercado. Confira abaixo as 7 principais áreas e profissões do futuro para considerar em uma decisão:ANALISTA DE DADOS E CIENTISTA DE DADOSSegundo o relatório do World Economic Forum, as profissões de analista de dados (Data Analytics) e cientista de dados (Data Science) estão em primeiro lugar como alta demanda em 2021. Dados são recursos valiosos para tomada de decisões, desenvolvimento de produtos e análise de mercado. A média salarial é de R$ 4.852, de acordo com o site Glassdoor para analista de dados. Já para cientista de dados, a média salarial é de R$ 7.834. Na Digital House, nós temos os cursos para ambas as profissões, tanto Data Analytics quanto Data Science. Confira as grades e seja um especialista na área!ESPECIALISTA EM INTELIGÊNCIA ARTIFICIAL E MACHINE LEARNINGEm paralelo com a transformação digital, acelerada no contexto de 2020, as carreiras associadas à Inteligência Artificial (IA) e Machine Learning ganharam muito espaço. O salário médio é de R$ 9.441 no Brasil, sendo que as chances de contratação no exterior são grandes, podendo trabalhar remotamente. Além disso, a área possui grande necessidade de demanda para poucos profissionais qualificados. Confira a grade do curso de Inteligência Artificial da Digital House. Você também pode contribuir com a transformação digital nas grandes empresas.PROFISSIONAIS DE MARKETING DIGITALCom a ascensão do meio online, a necessidade de assessoria na área aumenta cada vez mais. São diversas profissões dentro do Marketing Digital, possibilitando a construção de um time com pessoas de diversas formações acadêmicas.Marketing Digital e Marketing Digital Avançado são os cursos oferecidos pela DH e o salário médio para o profissional da área é de R$ 7.578 por mês. Investir nessa área não tem erro!ANALISTA DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃOA preocupação com a segurança de dados nas empresas faz com que a demanda por profissionais de segurança da informação seja alta.Pessoas com habilidades em programação, que possuem formação em Ciência da Computação ou certificações específicas da área, têm salário médio de R$ 4.862.Que tal ingressar na área? Confira o curso de Cyber Security da Digital House e tenha aulas com os melhores especialistas do mercado.PROJECT MANAGERSEssa é a carreira para quem faz a gestão de projetos, acompanhando prazos e indicadores para alcançar as expectativas do negócio. Metodologias ágeis e visão de mercado são essenciais para isso. A carreira paga, em média, R$ 168 mil ao ano.Conquiste sua estabilidade financeira e alavanque sua carreira com o curso de Gestão de Produtos Digitais da Digital House.UXEssa área abarca profissionais que garantem a boa relação entre a empresa e o seu consumidor, com boas experiências. Num cenário atual, onde o comportamento das pessoas se torna cada vez mais exigente com as transformações digitais, o profissional que garante a melhor experiência do usuário é cada vez mais necessário. O salário médio é de R$ 5.760. A DH oferece o curso de Experiência do Usuário (UX), que prepara o aluno para otimizar resultados das empresas com seus consumidores.Ingresse em uma das profissões do futuroFicou bem claro que a tecnologia está dominando as profissões que estão em alta, não? Conforme as empresas passam pelo processo de transformação digital para se manterem firmes no mercado, determinadas habilidades e competências se tornam cada vez mais necessárias para as pessoas.A Digital House oferece diversos cursos que formam especialistas em todas as áreas do futuro, em aulas ministradas por professores que estão no mercado. Conheça os cursos de marketing digital, UX, dados, programação e negócios.Leia mais no blog DH:+ Departamento de carreiras: 95% de empregabilidade na Digital House+ Tudo que um desenvolvedor Full Stack precisa saber+ Aprenda a criar um storytelling com dadosE aí, já segue a gente no Twitter? Vem pra rede, vamos conversar sobre habilidades digitais! ;)