MENU

| BR

Campus

Cursos

Programas Executivos

Programas Executivos

Paises

Como mensurar os resultados da sua estratégia de marketing digital

Como mensurar os resultados da sua estratégia de marketing digital
#Marketing
26 de junho - min de leitura

De nada vale criar estratégias de marketing digital robustas e não analisar os números. Entenda como mensurar seus resultados em marketing digital e melhorar suas ações.


Saudades do que a gente não viveu. Esta é uma frase que bem define as consequências da pandemia, já sentidas no mercado financeiro. A porcentagem estimada de encolhimento do PIB brasileiro neste ano é de 4,70%. E o que isso tem a ver com as decisões da sua estratégia de marketing digital? Muita coisa, viu.

Acompanhe esse artigo e saiba como a previsibilidade e análise durante os processos e campanhas podem ser excelentes termômetros para a estratégia de marketing digital que você e seu time aplicam.

Como saber se a sua estratégia de marketing digital está funcionando

Nosso professor de marketing digital, Fernando Oka, explica que o momento atual pede uma análise diferente e por setorização. “Algumas categorias não sofreram retração e cresceram na pandemia, como bens não duráveis/venda de alimentos, produtos de higiene, lentes de contato, entre outros. 

Porém, realmente a competitividade aumentou com custos inflacionados, principalmente nas mídias que usam leilão, como o Google. Acho que tanto para os casos de retração, como de crescimento, a medição eficiente ficou cada vez mais necessária. Não há muito espaço para planejar em médio prazo. É importante ter os KPIs muito claros e, em qualquer mudança, conseguir corrigir o rumo”.

Oka deixa claro que a segmentação é uma estratégia muito importante para se alcançar o máximo em performance. “Usar dos públicos semelhantes, remarketing e intenções de compra, ou mesmo tudo junto, tende a gerar maior chance de conversão. Além disso, é preciso ficar sempre atento ao comportamento do usuário. Dica: horários de maior conversão não necessariamente são os de maior engajamento e vice-versa”, completa. 

Neste ponto, as ferramentas para mensurar o sucesso da estratégia de marketing se mostram muito necessárias. Além de comprovar resultados, essa avaliação servirá como termômetro para um panorama futuro. 

Portanto, a recomendação é analisar todos os momentos deste plano. Pensando no antes, a dica é fazer o levantamento das metas e leads e observar se eles realmente foram alinhados com o objetivo do cliente, dentro do funil de vendas de marketing digital. Esse pipeline é um bom sustento para a estratégia e planejamento da jornada de compra.

Faça o seguinte exercício com a sua equipe. Reúna todos em um brainstorm e levante as seguintes questões:

➜ Vocês estão utilizando os melhores canais para esta estratégia?

➜ Esta é a melhor abordagem, pensando sempre na persona e no objetivo?

➜ A quantificação e qualificação dos números gerados correspondem com as metas?

O PDCA (plan, do, check e act), ou, em português, planejar, fazer, verificar e agir, pode ser uma ferramenta bacana para ser usada no controle de processos. Com ela, você pode averiguar se tudo está sendo executado de acordo com o planejamento inicial ou se é necessário mudar o curso das coisas.

Aqui, vale lembrar que as metodologias ágeis ajudam neste durante, pois auxiliam no gerenciamento prático e dinâmico dos processos.

Optando pelo uso de metodologias ágeis, seu time obtém informações valiosas que trarão luz para entender quais processos não estão gerando resultados, corrigir as falhas, e até replanejar e voltar a executar de outra maneira, se for preciso.

Por exemplo, se você identificou que o entrave está nas conversões, vale criar um teste AB para analisar. Com o resultado é possível aprimorar a experiência do usuário, mesmo com campanha, em andamento.

Dicas para driblar a concorrência

Quanto aos meios mais indicados para driblar a concorrência do digital, o professor Oka acredita que, antes de tudo, é preciso conhecimento da força de cada canal e utilizá-la de maneira mais correta. Não há uma fórmula pronta para todos e o cenário exige sim muito teste. Ou seja, quem testou antes tende a se dar melhor agora. 

“Eu trabalho bastante com e-commerce, então, grande parte dos esforços vai para o BOFU (fundo do funil). Mas, muitas vezes preciso gerar a demanda (TOFU - topo do funil). Nessas horas, opto pelo tráfego mais barato, mesmo que nem sempre me traga qualidade (Facebook é uma boa mídia para isso) e, através do remarketing, atinjo os clientes no Google (GDN), LinkedIn e Instagram. Até mesmo o YouTube tem se mostrado uma boa mídia para MOFU (meio de funil) e BOFU, onde antes era muito usado para TOFU”, finaliza.

O exemplo do nosso professor evidencia que nem sempre a mídia precisa ser always on . A convergência de canais pode ser mais efetiva, nesse momento do novo normal. Portanto, segmentação de públicos, atenção às etapas do funil com criativos direcionamentos para o momento certo e indicadores claros, definem bem se sua estratégia atual está ou não no caminho para o sucesso dos leads tão esperados.

Como mensurar os resultados

Mesmo com a campanha perto da finalização, a prática de avaliar o que foi planejado e alcançado precisa ser frequente. Mas quando ela acaba, de fato, há duas formas de avaliar o sucesso da estratégia de marketing em números. São elas:

Custo de Aquisição do Cliente (CAC): a soma do valor que foi investido para obter novos clientes dividida pela quantidade de clientes novos. 

Retorno sobre Investimento (ROI): com ele, serão identificados quais projetos de marketing dão mais retorno e como foi o andamento da campanha. 

No Inbound Marketing, se mexe em time que está ganhando, com o argumento de que este é um processo em constante mudança pois, a sua audiência muda, o mundo também e você acompanha a onda. 

O aprendizado em habilidades digitais ajuda os profissionais de marketing a compreender estas mudanças e as novas necessidades que elas trazem na bagagem. Munidos destas ferramentas, sua equipe poderá trilhar com mais segurança e previsibilidade na condução de suas estratégias.

Na Digital House, temos cursos específicos às áreas de Marketing Digital em seus mais diferentes estágios e conhecimentos, para que você esteja pronto para esta realidade e identifique sempre os melhores caminhos a seguir.

Outras notícias

 Entrevista técnica: quais são os tipos e 4 dicas para se sair bem img
#Tecnologia

Entrevista técnica: quais são os tipos e 4 dicas para se sair bem

Nós sabemos que a tensão é um elemento presente na etapa de um processo seletivo tão almejado, principalmente para quem será entrevistado pela primeira vez. No entanto, com uma boa preparação e práticas corretas, a entrevista técnica pode se tornar algo simples e possível, independentemente de suas experiências anteriores.Neste artigo, nós te explicaremos no que consiste uma entrevista técnica, seus tipos e 4 dicas que te ajudarão a se dar bem nesta etapa tão temida. Acompanhe.O que é uma entrevista técnica?A entrevista técnica é a etapa onde a empresa avalia como você aborda, reage e soluciona problemas reais que podem acontecer no dia a dia de trabalho. O entrevistador analisa a profundidade e a amplitude de suas habilidades técnicas e conhecimentos gerais de conceitos, propondo desafios, problemas, discussões e/ou quebra-cabeças.Geralmente, ela acontece quando há finalistas para uma determinada vaga e aí a empresa quer encontrar o(a) candidato(a)  mais eficiente dentre as opções. Lembrando que essa eficiência não se refere somente aos conhecimentos técnicos, mas também pelas soft skills, como a inteligência emocional, a forma de realizar os trabalhos, entre outros fatores.Para a empresa, contratar alguém que não seja bom em determinado aspecto pode ter consequências ruins. Então, a etapa de entrevista técnica é essencial para medir as habilidades e descobrir reais talentos. E, sim, ela pode demandar investimento de tempo e dinheiro para as organizações, mas é essencial para entender os candidatos de maneira profunda.Como é uma entrevista técnica como programador?A entrevista técnica pode ser feita de várias maneiras. Isso depende muito da cultura da empresa, que influencia em suas preferências. Separamos as principais para você. Confira:Bate-papo técnicoEste é o modelo mais comum de entrevista técnica. Consiste em um bate-papo sobre todo o background e experiência do candidato à vaga. É muito importante que você tenha, muito claro em sua mente, todos os detalhes dos projetos nos quais já trabalhou, principalmente os mais recentes, para explicar da melhor maneira ao entrevistador.Qual foi o seu papel em cada um desses projetos? Quais tecnologias você precisou utilizar? Quais linguagens de programação?O maior erro neste tipo de entrevista é dizer que conhece algo que não sabe de verdade, mesmo que indiretamente. Por exemplo, se você trabalhou em um projeto que envolvia a utilização de SQL, mas nunca teve contato direto com ele, não coloque no currículo e não fale na entrevista. Deixe tudo bem claro e evite causar uma impressão negativa ou irreal. É muito melhor que o entrevistador se surpreenda com o que você realmente sabe, do que se decepcione.Atividade na práticaOutro tipo de entrevista técnica é a atividade na prática, ou seja, um desafio de programação. Isso significa que você terá que mostrar os seus conhecimentos ali mesmo, resolvendo algum problema.Esteja preparado para utilizar uma IDE ou até mesmo um lápis, papel ou uma lousa, para codificar uma solução para um problema simples.Desafio com designExiste um tipo de desafio que não é muito comum no Brasil. No entanto, é importante estar ciente e preparado, pois nunca sabemos o que pode acontecer, não é mesmo? É uma entrevista sobre design orientada a objetos.O entrevistador pode solicitar para que você modele algo, usando Linguagem de Modelagem Unificada (UML), sem exigir uma sintaxe estrita. Um exemplo é a modelagem de um cliente de e-mail. Outro é criar uma hierarquia de classes, usando meios de transporte, etc. Esteja sempre preparado(a)!Entrevista técnica em inglêsSabemos que é impossível aprender uma língua inteira em poucas horas ou dias. No entanto, é possível se preparar para uma entrevista técnica, estudando algum material em inglês sobre as tecnologias que você domina.Lembrando que o idioma pode consistir em um trecho ou estar em uma entrevista técnica completa. Caso seja a primeira opção, o entrevistador perguntará se você se sente confortável em falar inglês e, caso concorde, usará a língua para fazer algumas perguntas pré-planejadas.A Digital House entende a importância da área da programação para o mercado de trabalho e oferece os cursos de Desenvolvimento Web Full Stack, Desenvolvimento Mobile iOS e Desenvolvimento Mobile Android, nos quais os alunos são capacitados a dominar todas as habilidades técnicas para construir páginas e aplicativos incríveis para o mercado, além de estar prontos para enfrentar uma entrevista técnica com um ótimo portfólio.Confira a grade dos cursos, caso você possua interesse em aprender e ingressar na área. Sem dúvida, essa é uma ótima alternativa para o sucesso e a estabilidade profissional e financeira que muitos almejam.4 dicas para se preparar para a entrevista técnicaPara te ajudar em sua jornada, separamos 4 dicas de ouro para melhorar o seu desempenho na entrevista técnica. Confira:Conheça os pré-requisitos da vagaÉ muito importante ler com atenção o anúncio da vaga, focando em absorver as qualificações técnicas exigidas pela empresa. Com isso, você conseguirá responder às perguntas da melhor maneira possível.Tenha claro qual o seu interessePor mais que a etapa foque nas habilidades técnicas, é importante demonstrar interesse pela empresa, mesmo nas atitudes mais simples, como responder as perguntas com afinco. Estude a história da organização e tenha bastante claro quais são os seus principais produtos e serviços.Avalie suas experiênciasO entrevistador quer saber claramente o que você conhece, quais são suas habilidades e o que é capaz de fazer. Avalie e analise toda sua trajetória profissional, separando os projetos que deram melhores resultados, mesmo os realizados em curso, para os que não possuem experiência. Tudo para compartilhar com o entrevistador e tornar a conversa mais rica possível.Confie em si mesmoVocê é uma pessoa esforçada, que estuda bastante e sempre busca as atualizações, com as novidades da tecnologia. É normal se sentir nervoso. No entanto, você se preparou e, com certeza, possui toda a base necessária para enfrentar da melhor forma os desafios do dia a dia da organização. Não se sinta inseguro. Dê o seu melhor!A área da programação está superaquecida e está precisando de mais profissionais disponíveis no mercado. Durante a leitura, você se interessou em se aprofundar ainda mais sobre a área? Recomendamos que você leia nosso material, em que contamos quais são as 8 linguagens mais faladas no mundo.Leia mais no blog DH:+ Google Analytics Dashboard: crie e personalize com o nosso passo a passo+ O que é brand equity e como as empresas geram valor de marca em seus produtos e serviços+ Marketing digital para iniciantes: 10 dicas de como começar na carreiraE aí, já segue a gente no Twitter? Vem pra rede, vamos conversar sobre habilidades digitais! ;)

Guia de Data Analytics: tudo o que você precisa saber  img
#Dados

Guia de Data Analytics: tudo o que você precisa saber

Qualquer pessoa que procura atingir o sucesso profissional em sua carreira, sem dúvida, entende que a área de dados é uma ótima opção, pois, atualmente, para as empresas, está difícil construir um bom time de profissionais qualificados e com todas as habilidades técnicas necessárias. Neste guia de data analytics, vamos explicar tudo para você ingressar da melhor forma neste mercado oportuno. Para se ter uma ideia, de acordo com a Associação Brasileira das Empresas de Tecnologia da Informação e Comunicação (Brasscom), 420 mil novas vagas no mercado de tecnologia devem ser criadas até o ano de 2024, o que também inclui data analytics. No entanto, as previsões também apontam que 150 mil delas não serão preenchidas por falta de profissionais qualificados. Portanto, agora é o melhor momento para se qualificar.Acompanhe este artigo e esteja preparado para começar uma nova jornada de sucesso. Vamos?Qual a diferença entre data Science e data analytics?Essa é uma das principais dúvidas para quem decide ingressar na área. Data analytics ou data science? Vamos contar a diferença entre eles agora mesmo:O data science (ciência de dados) é resultado de uma combinação entre matemática, programação e estatística. No dia a dia, o profissional é responsável por organizar um volume de dados estruturados ou não estruturados, e que também pode ser grande (big data), dependendo da organização em que trabalha. Com tantas informações disponíveis, o cientista deverá buscar por insights, utilizando diversas ferramentas e identificando padrões comuns entre os dados coletados.Com esses grandes volumes de informações já organizados de acordo com sua relevância, o especialista de data analytics (analista de dados) analisa todos eles, criando correlações e formulando conceitos que orientam o planejamento da empresa, para que ela tome as melhores decisões no dia a dia, nas aplicações de melhorias e otimizações nos processos internos.Portanto, ambas as carreiras são superimportantes para qualquer negócio que visa seu crescimento e estabilidade no mercado, pois atuam com o objetivo de extrair informações de valor, que são os grandes diferenciais nos processos das empresas.O que fazer para trabalhar com data analytics?Para se tornar um bom profissional, a primeira coisa que você precisa ter é a vontade de aprender e o gosto pelo estudo, pois ele será constante. A cada momento, novas ferramentas e linguagens de programação vão surgindo. E sim, é preciso ter noções básicas de programação e estar sempre atualizado, além de desenvolver a capacidade analítica para entender essas mudanças com assertividade.O profissional deve ter conhecimento pleno das diversas metodologias, ferramentas e processos de análise. Se o seu plano é se tornar um especialista, é recomendável que você foque em alguma ferramenta e/ou metodologia específica, aquela com a qual se identifique mais, para dominá-la por completo. Power BI e Tableau são alguns exemplos que você pode tomar como base.É importante saber que a área de dados é relativamente nova no mercado. Normalmente, as pessoas que ingressam nesse campo já possuem outras origens profissionais, como Estatística, Engenharia, Administração ou Economia.E por ser um segmento recente, as oportunidades são inúmeras, mas a quantidade de profissionais qualificados é baixa. Então, essa é a melhor hora para começar a aprender sobre o assunto e se destacar no mercado de trabalho.Neste contexto, ter uma certificação ou diploma de um curso de análise de dados é uma ótima alternativa para o profissional que deseja impulsionar sua carreira. Isso porque ela comprova os conhecimentos, requisitos e habilidades técnicas aos empregadores, se tornando um diferencial em um cenário tão competitivo.Sendo assim, a Digital House é a sua melhor escolha! Confira a grade completa do curso de Data Analytics e veja tudo o que você poderá aprender. Você estará pronto para enfrentar os desafios no dia a dia das maiores e melhores empresas do mercado.Nossas aulas remotas são dinâmicas, 100% ao vivo e ministradas por especialistas que possuem grande experiência de atuação na área. Impulsione sua carreira ainda este ano e conquiste o sucesso!Qual o perfil profissional de um data analytics?Um bom profissional de dados precisa ter algumas características para estudar e ingressar da melhor forma na área, lidando com volumes de dados para analisá-los da melhor forma. Separamos os principais deles. Confira:Pensamento críticoEssa é uma habilidade que traz diferenciais ao profissional, quando ele coloca todos os seus conhecimentos em prática. Com o desenvolvimento da capacidade crítica, ele estará ainda mais apto para detectar e interpretar dados ao analisá-los, além de contribuir para que tenha uma visão de longo alcance. Com isso, o profissional entenderá quais são as principais tendências e o que a empresa deve fazer para se manter firme no mercado.Estudar constantementeUm bom profissional na área de dados deve ter noções mínimas sobre códigos (linguagens de programação), algoritmos, além de lidar com um grande volume de informações. Sendo assim, é importante ter a força de vontade de estudar regularmente todos os dias, para desenvolver suas habilidades técnicas e estar antenado com as constantes atualizações.Proatividade em buscar soluçõesEssa é uma característica importante e que compõe o perfil de um data analytics. Isso não se relaciona somente à solução dos problemas do dia a dia da empresa, mas também a conseguir antecipar o que está por vir e prever possíveis situações.Por que investir na carreira de data analytics?Ao pesquisarmos sobre a carreira na internet, por exemplo, não é difícil encontrar informações sobre o crescimento e a relevância da área e o quanto ela é uma promessa para o futuro do mercado.De acordo com um levantamento do LinkedIn sobre as profissões em alta para 2021, a área de tecnologia, que inclui as carreiras relacionadas a dados, teve um enorme crescimento em 2020, ao contrário de muitas outras que foram afetadas durante a realidade pandêmica e o isolamento social. A rede social constatou que, dentre as 15 categorias de empregos em alta, a categoria relacionada à tecnologia correspondeu a 20% do total de oportunidades divulgadas na rede, o que representa muita coisa.Além disso, no guia salarial de 2021 da Robert Ralf, as funções relacionadas à análise de dados também estão entre as posições de destaque para os próximos anos.Com tudo isso, podemos concluir que as oportunidades sempre existirão para a área, mas a questão principal é a capacidade dos profissionais. Sendo assim, além de um bom preparo para construir a base de conhecimentos, é necessário esforço e aperfeiçoamento constante, haja vista que a tecnologia não para de avançar.E aí, ficou interessado na carreira depois de ler nosso guia de data analytics? Recomendamos que você também leia sobre o que é data warehouse e entenda tudo sobre esse conceito que tem aparecido com mais frequência nas empresas.Não deixe também de conferir nossos outros materiais gratuitos e ricos de conhecimento sobre dados ao seu dispor em nossa biblioteca de conteúdo e no Blog DH.Leia mais no blog DH:+ Google Analytics Dashboard: crie e personalize com o nosso passo a passo+ O que é brand equity e como as empresas geram valor de marca em seus produtos e serviços+ Marketing digital para iniciantes: 10 dicas de como começar na carreiraE aí, já segue a gente no Twitter? Vem pra rede, vamos conversar sobre habilidades digitais! ;)

Ferramentas de busca: como descobrir os termos mais pesquisados  img
#Marketing

Ferramentas de busca: como descobrir os termos mais pesquisados

Todos os dias, milhares de termos são pesquisados na internet por pessoas que querem encontrar respostas para suas dúvidas ou necessidades. Por outro lado, as empresas também desejam ser encontradas e, para isso, precisam saber o que os seus usuários estão procurando. Com isso, as ferramentas de busca se tornam cada vez mais essenciais em um mercado tão competitivo, onde novas organizações surgem constantemente.Existem muitas páginas de busca disponíveis no mercado. Os exemplos mais conhecidos são os responsáveis pelas pesquisas gerais, como o Google e o Bing, mas existem muitos outros disponíveis na internet. Todas elas geram uma enorme quantidade de tráfego para sites diversos, que usam e abusam das ferramentas de busca e os benefícios que elas podem proporcionar ao seu negócio.Um bom marketing de conteúdo necessita das melhores palavras-chave em cada texto, seja em detalhes pequenos, como um título, por exemplo. Posto isso, acompanhe este artigo e saiba quais são as melhores ferramentas de busca e descubra os termos mais pesquisados de maneira assertiva.Como descobrir os termos mais pesquisados?Você sabia que se qualquer pessoa realizar uma pesquisa no Google, por exemplo, consegue descobrir também quais são as palavras-chave mais procuradas para determinado assunto?Vamos supor que o termo “ferramentas de busca”, assunto que estamos tratando neste artigo, seja relevante neste caso. Ao pesquisar no Google, uma lista de termos relacionados aparece imediatamente para você, conforme a imagem abaixo:Além disso, no rodapé das páginas de resposta, os termos mais procurados também são mostrados pelo próprio Google. Veja na próxima imagem:No entanto, essa maneira de descobrir os termos mais procurados exige um trabalho manual grande e muito tempo. Além disso, dessa maneira, também não aparecem outros termos relacionados aos produtos ou serviços, com os quais uma determinada empresa possa trabalhar, ou seja, o procedimento torna-se bastante raso.Com isso, o mais recomendável é utilizar as ferramentas de busca, para entender, com exatidão, as palavras mais buscadas pelo segmento de usuários que interessa a um determinado negócio.Quais as principais ferramentas de busca?A busca por palavras-chave é uma função frequente, pois o comportamento das pessoas está sempre mudando. Todos os dias, novidades surgem no mercado, ditando tendências e novas maneiras de solucionar problemas. Neste contexto, ao usar as ferramentas de busca, é possível identificar qual das palavras-chave atende as necessidades, independentemente do momento.Separamos as 7 principais ferramentas de busca. Confira:Google Keyword PlannerA ferramenta é gratuita e, com ela, os usuários podem obter as palavras-chave mais pesquisadas pelos usuários do Google. Ainda neste artigo, vamos te contar como utilizar esse planejador com mais detalhes. Continue a leitura.Keyword ToolCom uma interface simples e intuitiva, essa ferramenta é ótima para procurar novos termos e conseguir ranquear os mecanismos de pesquisa.SemrushBastante conhecida e utilizada no mercado, a ferramenta mostra quais são os sites que estão ranqueando organicamente com apenas uma palavra-chave específica.UbersuggestQuer resultados em textos, imagens, news e vídeos do Google? Essa ferramenta oferece essa funcionalidade, que é seu diferencial no mercado, mostrando também as palavras-chave que não estão no Google Keyword Planner.Search Combination ToolCom essa ferramenta, o usuário pode criar uma lista de palavras-chave. Para isso, ao utilizar a ferramenta, insira as palavras relacionadas ao seu negócio e uma combinação de termos será oferecida para utilização em conteúdos.Keyword SpySaiba e analise como os seus concorrentes estão conseguindo ranquear seus conteúdos com essa ferramenta.MozbarFuncionando como uma extensão para navegador, essa ferramenta permite acessar um determinado site e extrair informações sobre as palavras-chave pesquisadas.Como usar o planejador de palavras-chave do Google?O planejador de palavras-chave do Google (Google Keyword Planner) é uma ferramenta que auxilia os usuários a descobrir quais são os termos mais pesquisados pelas pessoas, seja qual for o assunto ou área, além de organizar os termos para o desenvolvimento de campanhas pagas (através do Google Ads) e/ou melhorias ao posicionamento orgânico de um site (SEO).Para ter acesso à ferramenta, é preciso ter uma conta no Google Ads. Para isso, entre no site e clique em “Começar agora”. Preencha todos os dados solicitados, como e-mail, senha, nome da empresa, entre outros. Por fim, clique em “Continuar”.Se você já possui conta, iniciará a partir daqui. Primeiro, é necessária a criação de uma campanha. Infelizmente, agora não é mais possível acessar o planejador de palavras-chave sem criar uma campanha, pulando a configuração com tutorial, como antes.Recomendamos que você apenas faça a simulação da criação de uma campanha, preenchendo as informações solicitadas e, ao final, selecione o pagamento por boleto bancário. Assim, não compromete a criação de uma campanha e o pagamento, sem realizar uma análise das palavras-chave previamente.Depois de criar o anúncio, você receberá um e-mail de confirmação do novo cadastro no Google Ads.Voltando para a ferramenta, na página inicial, clique em "Ferramentas e "Configuração” (ícone da chave combinada), em seguida em "Planejador de palavras-chave", conforme mostra a imagem abaixo:Para realizar a consulta, clique na primeira opção (imagem abaixo):A partir desta etapa, novos campos serão abertos e você poderá usar os filtros disponíveis. Pense em palavras e termos que o seu público-alvo pesquisaria, caso quisesse encontrar o seu produto ou serviço. Coloque todas essas sugestões no campo “Seu produto ou serviço”.Você também pode incluir palavras-chave negativas, ou seja, as palavras que não têm relação com sua empresa deixarão de ser exibidas. Por fim, clique em obter ideias e pronto! O planejador mostrará todas as sugestões, com base na média de pesquisas mensais dos últimos 12 meses.Não é demais essa ferramenta? Essa é uma de várias outras que você pode aprender e se tornar especialista ao realizar o curso de Marketing Digital da Digital House. Trata-se da melhor maneira de aprender e se preparar para os desafios da área.Através da utilização das melhores ferramentas digitais da educação durante a realidade pandêmica atual, as aulas e dinâmicas são realizadas com transmissão ao vivo pela internet. Ou seja, são 100% ao vivo, apesar de online. Os professores, que são grandes especialistas do mercado, aplicam os exercícios e testes durante as aulas, podendo ser com toda a sala ou em grupos fechados, sem interferência entre as partes.Além de toda a base de conhecimento adquirido, os alunos podem participar do programa de apoio à recolocação (gratuito), além de feiras de recrutamento exclusivas (Recruiting Day).Nós produzimos um conteúdo no Blog DH, contando como estão funcionando as aulas na Digital House. Veja também nosso artigo sobre dicas de como se organizar nos estudos à distância.Relatório de termos de pesquisaA estratégia de SEO (Search Engine Optimization) nos conteúdos é essencial para otimizar o mecanismo de busca das palavras-chave, as quais explicamos as melhores ferramentas para defini-las.O Google Analytics é uma das principais ferramentas para o fornecimento de termos de pesquisa, ou seja, os dados referentes às palavras mais buscadas pelos visitantes do seu site.Para acessar essa função, na parte de comportamento, clique em "Pesquisa interna" e, em seguida, "Termos de Pesquisa".Essa ferramenta é muito útil para entender tudo o que agrada ou não ao seu público e, assim, construir novos conteúdos, com novas palavras-chave, de acordo com os dados relevantes, além de aplicar melhorias em possíveis falhas em uma página web, por exemplo.Gostou de aprender sobre as ferramentas de busca? Recomendamos que você também leia sobre as 10 dicas na otimização para motores de busca em seu site, onde te explicamos tudo sobre esse tema que é tão importante para as empresas que aplicam o marketing digital em seus processos.Aproveite também e confira mais textos e materiais recheados de conteúdos relevantes para a sua jornada no Blog DH e na nossa biblioteca de conteúdo, para você aprimorar ainda mais os seus conhecimentos sobre marketing digital, além de outras carreiras dentro da tecnologia.Leia mais no blog DH:+ Google Analytics Dashboard: crie e personalize com o nosso passo a passo+ O que é brand equity e como as empresas geram valor de marca em seus produtos e serviços+ Marketing digital para iniciantes: 10 dicas de como começar na carreiraE aí, já segue a gente no Twitter? Vem pra rede, vamos conversar sobre habilidades digitais! ;)