MENU

| BR

Campus

Cursos

Programas Executivos

Paises

Como fazer um portfólio? Quais plataformas devo usar?

Como fazer um portfólio? Quais plataformas devo usar?
#Carreira
3 de setembro - min de leitura

Programador precisa de um portfólio? E onde hospedar as experiências para quem é de Marketing? Neste texto, vamos contar quais informações incluir ao falar dos seus projetos profissionais!


Você pode estar buscando novos clientes como freelancer, ou procurando uma nova oportunidade de emprego: em qualquer um dos casos, muito provavelmente o recrutador ou gestor da vaga pedirá um portfólio para entender mais sobre suas competências profissionais. 

O portfólio é uma ferramenta essencial para valorizar seu trabalho e destacar suas competências. Se você ainda não tem um e está com dificuldades para elaborar o seu, trouxemos algumas dicas para inspirar e te ajudar a montar um portfólio de sucesso! Acompanhe!

Para começo de conversa… O que é um portfólio?

Muita se fala nele, mas talvez pouco se explique exatamente do que se trata! Então, vale a primeira definição, que vale como regra: portfólio não é a mesma coisa que currículo!

O portfólio é uma coleção dos seus principais trabalhos, aqueles que você considera que mais merecem destaque. E aí é que está a diferença do CV: enquanto o currículo apresenta onde você atuou, o portfólio mostra como foi sua experiência na prática. Um exemplo na prática: ao invés de você falar qual agência você trabalhou, você falará dos seus clientes e projetos desenvolvidos durante a experiência.

No seu “dossiê profissional”, você deve apresentar suas habilidades de maneira que impressione: o que foi feito, por que e como foi feito, além de quais resultados foram alcançados. Ou seja, exige um bom storytelling para que suas melhores habilidades sejam mencionadas e seus projetos, assim como seu talento, sejam reconhecidos da maneira que você merece!

Como escrever seu portfólio de maneira vendedora

De nada adianta ter um espaço onde você cita apenas a data, o cliente e o que foi executado. Segundo a Coordenadora do curso de Experiência do Usuário (UX) da Digital House, Amyris Fernandez, é necessário deixar seu material mais rico, com mais informações que te favoreçam: “é importante saber qual problema que deveria ser solucionado, qual foi o briefing recebido e como foi a evolução do profissional no decorrer do tempo, entendendo qual foi o raciocínio para chegar ao resultado final”.

Ou seja, mais do que uma peça pronta ou os resultados do projeto executado, é essencial mostrar como foi a trajetória, o meio do caminho. Isso é valioso para que você possa se apresentar como profissional, reforçando seus pontos fortes, aprendizados e sua capacidade de resolução de desafios e conflitos. 

E a dica vale não só para quem atua com UX, mas também com a turma do Marketing e da Programação! No caso dos desenvolvedores, isso fica ainda mais em evidência: se você não consegue mostrar os códigos do seu projeto, você precisa saber falar sobre ele. 

Portfólio online ou versão impressa?

Depois de planejar quais conteúdos vai no seu portfólio profissional, talvez venha a dúvida: onde deixá-lo disponível? Há profissionais, como da área de design, que preferem imprimir, tanto para destacar cores e texturas, como também para facilitar as reuniões de apresentação do mesmo. Afinal, como garantir que o gestor da vaga terá conexão com a internet na hora da entrevista?

Porém, no caso de profissionais da Programação, fica até difícil imaginar como seria apresentar um portfólio que não seja na internet, não é mesmo? Todo o trabalho de desenvolvimento desse profissional necessita de uma plataforma virtual, logo, a apresentação dos projetos necessita de um ambiente online. 

Uma dica é o Github, uma plataforma para hospedar códigos e apresentar projetos de tecnologia. Para o professor de Desenvolvimento Full Stack, Vinicius Oliveira, é uma ferramenta mais focada para quem já é da área: “Como é comum acontecer de desenvolvedor contratar outros desenvolvedores, eles buscam o portfólio de códigos dos profissionais por lá, e o Github vira o local central para o profissional mostrar seu trabalho”.

A professora Natália Lira também reforça a importância dessa plataforma: “Ela é muito forte na nossa área, é onde o open source acontece. Quando fiz entrevistas, normalmente foi lá que consegui apresentar meus projetos. Inclusive já vi muitas vagas que pedem o Github junto com o CV”.

Para quem é do Marketing ou de UX, não faltam ideias de como apresentar seus projetos. Vale criar uma apresentação contendo informações sobre o briefing, estratégia pensada e resultados alcançados de cada case e salvá-la em PDF para enviar no email para os interessados, ou utilizar plataformas online, como Behance e Cargo Collective. Há também quem também crie o próprio site no Wordpress ou prefira fazer do seu blog o espaço de portfólio!

O coordenador do curso de Marketing Digital, Hugo Rosso, dá mais uma dica: “Dá pra usar o Linkedin também. Na descrição da sua experiência de trabalho, você pode acrescentar link para documentos, fotos, sites, apresentações e vídeos externos dos projetos desenvolvidos. Com isso, o profissional mantém todo o seu histórico profissional em uma plataforma só!”. Bem prático, não?

Como ter um portfólio sem experiência no mercado?

E como faz para apresentar as habilidades quando se está em transição de carreira ou ainda não se tem experiência prática na área? Para você, que está em início de carreira, a resposta está na produção de projetos fictícios! Afinal, se você está estudando e aprendendo tudo da sua área, é importante testar e praticar.

Escreva textos para seu blog e mostre suas skills de produção de conteúdo e de Marketing. Produza algumas réplicas de sites ou redesenhe projetos já existentes para apresentar como você é craque na programação ou em UX. Participe de bootcamps e desenvolva projetos do início ao fim. Ou seja, oportunidades não faltam!

Na Digital House, por exemplo, você consegue montar seu portfólio a partir do Projeto Integrador: um trabalho feito em equipe durante todo o curso. Você coloca em prática as habilidades aprendidas em sala de aula e, depois, ainda pode apresentar seu projeto como experiência para recrutadores conhecerem seu perfil.

Agora é hora da mão na massa! Prepare suas melhores ideias e coloque-as em evidência para se destacar no mercado!

Outras notícias

Como a Transformação Digital proporciona o trabalho fora do escritório img
#UX
#Marketing
#Carreira
#Tecnologia
#Dados

Como a Transformação Digital proporciona o trabalho fora do escritório

Acompanhe este artigo e entenda como o uso do ferramental disponível nos ajuda a ter mais domínio das demandas de mercado, que formatam novos modelos de negócios, tendo o trabalho fora do escritório como um de seus pilares principais.O sacode a poeira da Transformação DigitalQuando ainda era uma opção aderir à Transformação Digital, já sabíamos de seus benefícios em otimização e competitividade, mas os mercados ainda tinham o pé atrás em uma de suas características como o trabalho fora do escritório, por uma série de fatores que vão de infraestrutura até questões culturais.A conectividade se restringia ao uso massivo de aplicativos via smartphones para comunicação entre as equipes, com implantação de alguns apps de serviços em setores como transporte, alimentação, hospedagem, entre outros.Hoje, todos estes mercados são obrigados a aderir à comunicação online e trabalho fora de casa para sobreviver. Inclusive, dois dos maiores players de soluções de videoconferência, o Google Hangouts e o Microsoft Teams, até liberaram diversas funcionalidades, até então somente disponíveis nas versões pagas, para versões gratuitas.Mesmo no meio do vendaval de mudanças, reflita como será o mundo corporativo, após o controle da pandemia, depois desta nova forma de trabalho ser integrada às rotinas normais e gerar resultados positivos?Esse período pode mudar perspectivas tradicionais. Lembra daquela palavrinha quase batida, o tal disruptivo. Então, olha a prática dela aí, no exercício da vivência na Transformação Digital e da chegada definitiva das novas profissões. Ou seriam dos novos profissionais?Gerenciamento sem caos - dos males o menor Pensamento positivo. Hoje temos a possibilidade do trabalho remoto. Com organização e ajuda de ferramentas que otimizem a rotina do trabalho fora do escritório, ele pode, sim, tornar o dia muito mais produtivo para as pessoas que se reinventam.Com um mindset digital criativo e ousado, é possível se manter competitivo em meio da crise, liderando projetos e pessoas. E a Digital House, que ministra cursos com as principais habilidades exigidas pelo mercado ( e que espera que você esteja se cuidando e seguindo as orientações de prevenção ao COVID-19), coloca luz e direcionamento para você que quer aderir a esta nova perspectiva e postura.Aprenda com nossos professores especialistas de mercado, ou mesmo atualize conceitos como: Cultura Digital e Discovery, Transformação Digital, Metodologias Ágeis, Experiência do Usuário (UX), Estratégias de Marketing Digital, Data Analytics, Data Science e LGPD.Inscreva-se no curso de imersão em Transformação Digital, atualmente apenas no formato online, e faça do desafio a oportunidade. Mais que frase de efeito, esta atitude é que salvará mercados e empregos. Vem conosco, estamos todos juntos nessa, embora separados!

Melhores ferramentas de gestão de projetos: como ter uma visão do todo em momentos de trabalho remoto img
#UX

Melhores ferramentas de gestão de projetos: como ter uma visão do todo em momentos de trabalho remoto

Nossa pretensão aqui não é ser nenhuma mãe Dinah (que Deus a tenha) ou guru, mas já podemos considerar que um dos marcos da era da Transformação Digital é a adesão do home office por parte da população, mesmo que “forçada”, por medidas de contenção ao alastramento da pandemia do coronavírus.E, nesta fase de adaptação para muita gente, ter uma gestão de projetos mais eficiente, com visão panorâmica das demandas e prazos, mesmo que esta prática seja no meio da sua cozinha, pode render ótimos resultados para suas entregas, agenda e saúde mental.Inovar muito além do techOutro recado desta era é que a supertecnologia XYZ de nada adianta se as pessoas que a utilizam ainda pensam analogicamente, com processos lentos de desenvolvimento de produtos e serviços, burocracia e morosidade nas aprovações. Ainda bem, as ferramentas de gestão de projetos vêm justamente para descomplicar estes modelos engessados.E é agora ou nunca que isso precisa ser feito. Por isso, trace um plano para esta fase dar tudo certo, no seu microcosmo, com o objetivo de trazer excelentes resultados para o macro, incluindo clientes e sociedade. Pois, ser competitivo e evoluir em época de crise é inovar e bem inovado, diga-se de passagem.A caixinha de pandora da gestão de projetosEntre as melhores ferramentas para gerenciar seus projetos,  podemos citar três principais:     > Metodologias ágeis (Scrum x Kanban x Agile x Lean): essa metodologia descomplica o que parece um bicho de sete cabeças, com técnicas e metas que integram equipes, promovendo mais engajamento de todos.     > Experiência do Usuário (UX, User Interface (UI) e Design Thinking): estas técnicas  vão aproximar seu trabalho, tendo uma visão 360 graus do que seu cliente mais deseja, humanizando esta relação e trazendo o encantamento tão necessário nestes tempos que vivenciamos.     > Marketing Digital: facilitar e automatizar seu dia a dia, por meio de ferramentas como Google Ads, Facebook Ads, Analytics e muito mais, trazem resultados quantificados aos seus clientes ou a sua própria empresa, já que impulsionam a marca e geram mais vendas e negócios, tão essenciais desde sempre, não é mesmo?Estas são apenas algumas destas ferramentas. Mas, esta caixinha de soluções pode ser muito mais completa. A Digital House, umas das mais importantes escolas de habilidades digitais do planeta, com um time fera de especialistas, não só ajuda você a desenvolver estas ferramentas como ensina a utilizá-las em época de pandemia e fora dela.Com cursos agora totalmente onlines, a Digital House fará com que você seja protagonista, neste talvez primeiro grande desafio da era da Transformação Digital, para pessoas e organizações - líderes conectados, na prática, com as mudanças, na velocidade em que elas ocorrem.

O que são OKRs e por que elas são importantes img
#Marketing

O que são OKRs e por que elas são importantes

O negócio é que quando se ouve falar em siglas de metodologias do futuro, sua aplicação para pequenos e médios empresários são interpretadas com insegurança, na linha fina entre o crível e os planos infalíveis do Cebolinha. O que é perfeitamente compreensível. As justificativas para este temor vão além de não estar preparado ou nem saber por onde começar. A economia no Brasil é historicamente instável e, nos últimos dias, enfrentamos uma situação inédita de pandemia, o que torna a assimilação de novos processos um bicho de sete cabeças. Mas, credibilidade as OKRs têm e bem comprovadas, diga-se de passagem. Exemplo-mor são profissionais do Google, quando ainda eram simples mortais e implementaram a metodologia, independentemente do tamanho da empresa na época. E olha o resultado aí, escancarado em uma das janelas abertas neste momento, no seu PC ou dispositivo. Um por todos e todos por um Parafraseando os mosqueteiros franceses, as OKRs trabalham bem o conceito de sua frase famosa - um por todos e todos por um. Esta metodologia nada mais é que um conjunto de objetivos inter-relacionados, alcançados de forma individual ou coletiva, e que contribuem para a melhoria e evolução de toda a organização. Nesta metodologia, cada um reconhece a parte que é responsável na empreitada. Sabendo o quão vital é seu trabalho, o profissional entende seu escopo, metas e direciona seus esforços assertivamente, não gastando energia de besteira. OKRs, então, trazem mais produtividade e autoestima aos funcionários, o que impacta positivamente naquela questão difícil chamada falta de motivação. Mais produtividade com consciência de valor, todos ganham Mas, para essa corrente do bem das OKRs, citadas anteriormente, dar certo, é necessário que os objetivos estejam muito claros entre todos (todos mesmo) os envolvidos. Estes objetivos precisam ser quantificados, com números, ou seja, metas estipuladas e acompanhadas. Por exemplo, segundo o Sebrae, cada pessoa deve possuir, no máximo, 5 objetivos macro com 4 resultados-chave para cada um deles. Outro ponto é que ao menos 60% dos objetivos devem ser definidos pelo próprio profissional que trabalhará neles. Nos modelos tradicionais, metas são traçadas de cima pra baixo, parte das vezes, acertadas em reuniões de diretoria, sem envolvimento de todo o grupo de funcionários. Já nas OKRs, 40% poderão ser definidos pelo alto escalão da empresa, enquanto 60% serão desenhados por cada indivíduo envolvido, seja qual for seu cargo. Como todos estão por dentro do processo de elaboração de objetivos, os resultados são muito mais ágeis. Na Digital House, principal escola de habilidades digitais da América Latina, sabe-se bem da importância e eficiência das OKRs, tanto que esta metodologia é ensinada, na prática, em nosso portfólio de cursos. Transformamos profissionais e empresas, por meio da tecnologia aplicada. Aqui também seguimos o conceito de Athos, Porthos, Aramis, integrando D´Artagnan. Faça parte da elite dos profissionais mais requisitados do mercado e inscreva-se em nossos cursos (excepcionalmente por EAD, neste período de contenção da pandemia do coronavírus).