Como fazer uma análise de concorrência

Como fazer uma análise de concorrência

Esse exercício de reflexão, de aprender com os acertos e erros das outras empresas, é muito bem-vindo. Entre as vantagens da análise da concorrência, as equipes percebem informações relevantes para um negócio, talvez até impensadas antes.

É como olhar por outra perspectiva. E, desse novo lugar, tornar possível repensar na hora da tomada de decisões, criar estratégias de marketing diferentes, novas abordagens de vendas, entre outros. Mas, antes disso, vem bastante dedicação, observação e mente aberta a diversidade.

Como fazer análise de mercado e concorrência

Falar que o mercado está cada vez mais competitivo é dissertar sobre o mesmo. Mas, como se destacar neste mar de competidores?

O benchmarking faz parte deste planejamento estratégico. Ele designa a técnica de estudo das melhores práticas da concorrência, focado não exatamente em competir, mas gerar mais eficiência de empresas em aspectos gerenciais e operacionais. Ou seja - não se trata de ser melhor para os olhos do concorrente, mas sim, do cliente.

A análise de concorrência ajuda, e muito, neste sentido. Ela pode ser feita, dividida em etapas, como as abaixo:

➜ Determinação de objetivos: com planejamento e prazos definidos.

➜ Criação de questionários: mensurar quantos funcionários a empresa analisada tem, seus fornecedores, parcela de mercado, o que os clientes dizem sobre ela, diferenciais de produto, seus pontos negativos e por aí vai.

➜ Identificação da forma de fazer a pesquisa: os meios/canais que ela será difundida.

➜ A reunião dos dados coletados e organizados em um documento visual: aqui, utilizar de modelos de metodologia ágil, como a tela do Model Canvas Business, pode ser uma boa maneira de trazer os dados de forma mais prática e descomplicada.

➜ Análise do estudo da concorrência: com todas as informações coletadas podem (e devem) ser automatizadas.

➜ A análise de Mercado: o mesmo se aplica aqui. Utilizar softwares ou aplicações que organizem estes dados mais rapidamente.

➜ Divisão das informações por setores para facilitar a compreensão: essa etapa pode ser divida em atendimento, produto, público-alvo, marketing e administrativo.

Outras formas de analisar os concorrentes

Ou, você também pode optar por abordagens, montando suas etapas próprias, a partir de perspectivas/ conceitos.

Análises Canvas ou SWOT

Leva em consideração fatores de estudo de mercado como preço, canais de aquisição, posicionamento de marca e satisfação de clientes. Há diversas ferramentas que podem ser usadas nessa missão, como o Business Model Canvas a análise SWOT.  A primeira, você confere detalhes neste post aqui. A segunda, consiste em elaborar uma matriz capaz de tornar a análise dos dados mais intuitiva com perguntas voltadas a forças (strenghts), fraquezas (weaknesses), oportunidades (opportunities) e ameaças (threats) do negócio.

Estudo da experiência do seu consumidor

UX ou User Experience é a essência dos novos negócios, no qual as empresas passam a lidar com seus clientes como seres humanos, com mais empatia e respeito a suas dores, opiniões, valores e diversidades. E esta perspectiva acompanha a análise dos dados que abrange: atendimento, ambiente (canais), comunicação, produto ou serviço (vantagens e desvantagens) e ticket médio (valor médio investido por cliente no negócio)..

Monitoramento por ferramentas de análise de concorrência

Como dito lá em cima, as ferramentas digitais estão aí, como facilitadoras de nossas vidas. Na análise da concorrência, não poderia ser diferente. Entre as mais utilizadas para mensurar desempenho, as mais usadas são o Google Alerts, o Google Trends, o SEMRush e o SocialMention.

Atenção aos insights e à constância

Durante o processo técnico da análise de concorrência, muitos insights da equipe podem acontecer e eles não podem ser deixados para trás.

Lembra da empatia? Então, ela pode ser um poderoso instrumento para obter insights valiosos nas decisões tomadas sobre um negócio. Aliás, este tipo de análise leva a empresa à autocrítica e, portanto, precisa ser feita com constância, por dois motivos: o mercado nunca para de mudar e as pessoas que fazem parte dele também. Isso inclui clientes e o valor humano da empresa, por trás daquela marca.

Nosso professor de Marketing Digital, Bruno Cobbi, indica que um bom começo para uma análise de concorrência efetiva é, além da procura por empresas que fazem a mesma coisa que você, investir energia na pesquisa das marcas que tenham uma proposta de valor similar a sua, vasculhando também mercados irmãos e elencando critérios que fazem sentido nesta procura.

“Por exemplo, veja se faz diferença ver quem tem uma boa divulgação em rede sociais, quem possui determinada funcionalidade em um aplicativo, ou mesmo quem tem um tipo de serviço específico. Daí, você consegue criar uma curva de valor objetiva, ou por meio de uma tabela de Benchmark".

Na Digital House, levamos todos estes fatores em conta na formação de nossos alunos em habilidades digitais e, por isso, oferecemos um curso de Gestão de Negócios Digitais atualizado.

Nele, você aprende a ter clareza para conduzir sua equipe em análises de concorrência efetivas, e muito mais. Vai dominar estratégias e roadmaps de desenvolvimento de produtos, com a implantação de metodologias ágeis, comunicando assim muito mais valor ao produto e modelo financeiro de sua empresa. Topa investir seu tempo livre no crescimento de sua carreira?