5 passos para conseguir uma recolocação profissional

5 passos para conseguir uma recolocação profissional

Você já parou para pensar como conseguir uma recolocação profissional? Este passo, tão urgente para muitos, envolve um plano de carreira na Era Digital, com habilidades e atitudes que mostram seu valor para o mercado.

Segundo o IBGE, a taxa oficial de desemprego no país foi para 13,3% na análise do trimestre entre abril e junho deste ano. Além disso, 88%  dos empresários entrevistados na pesquisa Paradigma Digital acreditam que precisam de profissionais digitais se quiserem manter seus negócios competitivos.

E este artigo vem justamente com a intenção de dar dicas para a preparação de novas oportunidades, não só com a cara e a coragem, mas com visibilidade sobre seu potencial e nível de conhecimento que o mercado atual demanda.

Plano de carreira para uma recolocação profissional

Um plano de carreira, com base em recolocação profissional, pode ser considerado uma verdadeira reinvenção de si mesmo, que envolve soft skills e vontade de aprender a aprender.

Para te ajudar a desenvolver o seu, trazemos 5 dicas que vão te ajudar neste novo desafio. E caso seu objetivo seja uma transição de carreira, temos mais dicas aqui.

Torne seu currículo e/ou portfólio mais atrativo

Um currículo é um resumo do que a pessoa realmente deseja naquele momento profissional. Pensando que o recrutador olha diversos deles por dia, facilite a leitura e o entendimento para essa pessoa. Um simples detalhe pode ajudar muito no seu recrutamento e seleção.

Tenha definições de experiências anteriores e vida profissional bem claras e objetivas, utilize-se de palavras-chaves, relacionadas a área escolhida, pois só assim o recrutador saberá se você tem perfil adequado para a vaga. Outro ponto é colocar sempre o mais relevante no início do documento.

Pense que a primeira impressão sobre sua personalidade profissional estará ali. E essa regrinha também vale para portfólios.

Se sua área de escolha complementa a experiência anterior, é bacana que você exponha seus melhores trabalhos para que a empresa visualize os resultados. Porém, sempre com objetividade e seguindo a ordem de relevância e priorização.

Use o LinkedIn a seu favor

Se utilizada da forma correta, as redes sociais são uma ótima maneira de se mostrar para o recrutador, como por exemplo, o Linkedin. Em primeiro lugar, para aproveitar as funcionalidades disponibilizadas pela rede, você precisa conhecê-la cada vez mais. Busque tutoriais, fale com amigos que a utilizam há mais tempo e comece a usar a ferramenta mais assertivamente. É fundamental saber como fazer um bom perfil no LinkedIn para ter sucesso em um processo seletivo.

Invista na área “sobre”, aqui é o espaço para você investir em seu marketing pessoal. “Esse espaço serve como uma mini biografia e é muito utilizado pelos recrutadores. Fale sobre seus desafios, desejos e sonhos. Seja criativo e autêntico, mas não seja extremamente crítico com você mesmo. Você pode editar esse campo depois e incluir ou excluir informações”, é a dica da nossa professora e especialista em Marketing Digital, Caroline Pereira Lima.

E isso vale para o campo de “experiência”, “formação acadêmica” e “licenças e certificações”. Use-os com estratégia, ou seja, direcionados ao seu objetivo de recolocação.

Por exemplo, se você quer fazer parte do mercado de programação, é essencial que você evidencie publicações que destaquem este assunto. Assim, você atrai mais contatos e assuntos similares ao novo mundo que deseja entrar.

Amplie o networking

Por falar em contato, networking continua sendo importante, seja digital ou não.

Ter uma rede de contatos é fundamental para a busca de oportunidades no mercado de trabalho e manter-se conectado a ela é uma maneira de melhorar as oportunidades de crescimento nesse processo, aprimorando conhecimentos relacionados a sua carreira por meio de troca.

Pois sim, o networking é uma relação ganha-ganha na procura de uma recolocação profissional. É importante entender isso. Só a troca de informações, experiências e conhecimentos é que tornará viável o compartilhamento de vagas em um grupo, dentro de uma rede social, por exemplo.

Aliás, identifique na sua rede de contatos — amigos, conhecidos, ex-colegas de trabalho, família — pessoas que você possui afinidade profissional. Essa é uma boa forma de ampliar seu networking. Outra dica nesse sentido é a participação de eventos, como webinars, cursos, palestras relacionadas a sua área de interesse.

Aperfeiçoe seus estudos

Embora esta dica pareça chover no molhado, vale ressaltar sua importância.

Sabemos que desafios financeiros podem estar presentes nesta fase de recolocação profissional, mas, se este for o caso, busque bolsas de estudos em cursos da área escolhida.

Porém, se você tem a possibilidade de investir em conhecimento, faça-o, com foco na estratégia voltada ao seu plano de carreira e sempre buscando aproveitar ao máximo um curso.

Recolocação profissional com foco nas habilidades digitais

Não há como fugir. Em um mundo digital, ou seja, onde passamos a maior parte do dia conectados, ter conhecimento em habilidades digitais é a evolução natural das coisas.

Portanto, independentemente da sua área de atuação, habilidades como Dados, Programação, Marketing Digital, Experiência do Usuário(UX) e Negócios (foco em Transformação) estarão, de uma maneira ou de outra, presentes nas demandas.

A Digital House pode ser uma excelente parceira neste aspecto da sua empreitada profissional para se recolocar no mercado de trabalho. Neste blog mesmo, você encontra diariamente artigos especiais, muitos deles feitos em colaboração com nossos professores, que desmistificam as áreas da tecnologia, dando dicas de carreira para que você esteja preparado(a) para este importante passo.

Como aluno da DH, você também tem direito a uma mentoria de carreira liderada pelo departamento de carreiras da escola. Através do suporte da equipe, você se prepara para o mercado, recebe oportunidades e se desenvolve como profissional.

Leia mais no blog DH:

+ Você pode aprender habilidades digitais em qualquer idade

+ Futuro do trabalho: o que a tecnologia não substitui?

+ Como cuidar da sua carreira em um mundo digital