MENU

| BR

Campus

Cursos

Programas Executivos

Paises

Como conduzir um teste de usabilidade

Como conduzir um teste de usabilidade
#UX
23 de março - min de leitura

O teste de usabilidade é uma técnica de pesquisa que propõe observar e medir a experiência de um usuário real sobre um produto. O jogo aí é muito simples: o usuário executa a tarefa, o analista observa e mensura seus resultados, com isso, espera-se que haja mais clareza na descoberta de problemas e pontos de melhorias daquele produto ou serviço, que pode ser físico, site, aplicação web, entre outros.


Para a boa condução deste teste, um profissional habilitado terá que ligar todas suas antenas supersônicas na hora de analisar métricas de User Experience (UX), absorvendo sensações extraídas da fala deste usuário, assim como durante seu percurso de uso daquela solução.


A gestão das sensações

Nossa coordenadora do curso de Experiência do Usuário da Digital House e Doutora em Ciências da Comunicação pela Universidade Metodista e Mestrado em Comércio Eletrônico pela University of Rochester, Estados Unidos, Amyris Fernandez, relaciona a boa aplicação deste teste com a ação de thinking out loud, ou seja, quando se pede para um entrevistado, durante a execução da tarefa, dizer o que está sentindo e explicar o porquê dessa sensação.

Desta forma, a pessoa externaliza seus sentimentos e sensações e o analista tem a oportunidade de entrar em seu infinito particular. Olha a sacada!

Mas, para entender do que estamos falando, vamos lá para um exercício de troca de papéis. Você, como usuário de um produto, quando acessa uma interface, deseja fazer algo, de preferência, do jeito mais fácil e rápido possível. Sua expectativa será, minimamente, encontrar aquilo que está procurando. Isso é muito importante na busca. Portanto, a missão possível deste teste é achar o melhor caminho para sua satisfação, enquanto cliente, incluindo ser muito bem atendido durante essa trajetória.

Porém, o analista precisa estar preparado e de olho no lance, pois durante o teste, a pessoa em questão pode falar muito mais por meio de ações do que no relato formal do analista. Por esta razão, fazer o teste é estar atento a sutilezas, durante a técnica.

Usabilidade e lucratividade, tudo uma questão de estratégia

“Acho que as pessoas não se dão conta que toda a venda perdida por ter feito um servicinho mais ou menos, na interface, acaba afetando diretamente nos rendimentos, ou seja, no bolso!”. Nossa especialista de UX quase desenha nesta afirmação, não é mesmo?

O que ela realmente quer dizer é que a análise bem feita mensura resultados importantes para conduzir uma tomada de decisão assertiva. É preciso ter inteligência estratégica para implantar este tipo de ação.Por exemplo, quando se tem um teste em software B2B, haverá uma equipe enorme para fazer treinamento de como usá-lo. Aí, você terá um problema, pois esta equipe vai custar muito dinheiro. Sendo assim, aplicar o teste nessa galera toda pode gerar um grande impacto financeiro em cima de todo e qualquer lucro que se venha conseguir com essa interface.

O que podemos entender com estes exemplos é que, é necessário não só saber conduzir bem um teste de usabilidade, mas também sacar quando realmente ele é necessário.

Bacana,não? E olha só, essa é apenas uma entre as várias formas de observar e medir a experiência do usuário. Quer conhecer mais a respeito, aprenda com a equipe de especialistas do curso de UX, onde os profissionais desta área ganham em média $4,149,00, segundo a consultoria Revelo.

Que transformar sua vida através da tecnologia?Vem para a Digital House que nós temos o caminho.

Outras notícias

Kanban: a metodologia ágil mais simples para implementar no dia a dia img
#UX
#Marketing
#Tecnologia

Kanban: a metodologia ágil mais simples para implementar no dia a dia

Seja para colecionadores compulsivos de post-its coloridos, para os mais minimalistas, com lousas monocromáticas, ou mesmo pelo meio eletrônico, fato é que a metodologia Kanban é ninja, e não é só pela origem do termo ser da terra dos samurais, mas por seus resultados rápidos e precisos.O que é a metodologia Kanban?Em japonês, Kanban significa cartão ou sinalização.É uma das metodologias ágeis, criada para organizar as tarefas de uma empresa, seja com post-its coloridos ou softwares virtuais, deixando visíveis para todos os envolvidos cada etapa das atividades. Mas como funciona a metodologia agile? A divisão destas etapas, normalmente, segue em pelo menos três colunas, desta forma:To do/para fazer: atividades que não começaram mas precisam ser feitas;Doing/em execução: atividades que estão em andamento;Done/concluídas: atividades que foram finalizadas pela equipe.Além dessas três colunas, as empresas têm como customizar suas etapas, criando as que façam sentido para seus times. Essa metodologia pode ser aplicada em departamentos de marketing, desenvolvedores, indústrias de varejo e uma infinidade de outras áreas. Basta o desejo de agilizar processos, organizando por partes de execução, escancarando aos cérebros humanos envolvidos, pelos recursos visuais, e mostrando que a engrenagem só anda se todos fizerem ela girar. Como implementar a metodologia agile na sua empresaComo estamos em plena era da sustentabilidade, hoje em dia há o Kanban virtual (e-Kanban), que veio para substituir aquele bando de papeizinhos. Essa ferramenta de metodologia ágil evita alguns problemas como a perda (imagine com uma ventania, o estrago que faz!), além da praticidade na atualização do quadro de tarefas. Além disso, o Kanban, aliado ao Trello - plataforma de gestão de equipes e projetos pela web - torna-se uma super mão na roda! É uma ótima dica para agilizar o seu negócio e aumentar a performance do time, sem papel, aliás. O que acontece é que o Trello foi desenvolvido com base na metodologia Kanban, portanto, suas tarefas são apresentadas em um quadro, de forma bastante visual também.As vantagens em aplicar a metodologia KanbanCom tantas mudanças acontecendo ao mesmo tempo, toda empresa será obrigada a passar pela transformação digital, mas existem meios menos doloridos de reinventar o negócio, e aplicar o conceito do agile pode ser um deles. Na metodologia ágil o que importa, realmente, é a assimilação do método por todos os envolvidos, que contarão muito lá, nos resultados finais. Não, isso não é provérbio japonês, mas sim, a resposta de por quê uma metologia de mais de meio século atrás se aplica tão bem, em plena era digital.A origem da Kanban foi na década de 1940, na fábrica de automóveis Toyota, e o objetivo era controlar o estoque de materiais para que os produtos não excedessem ou faltassem, equilibrando então a linha de produção. E foi sucesso. A Toyota teve um resultado excelente e descobriu na prática as vantagens em usar a metodologia Kanban:> Evita a procrastinação e o tempo ocioso dos colaboradores;> Economiza tempo;> É prático e fácil de ser implementado;> Ajuda na hierarquização de tarefas;> Reduz custos e desperdícios;> Ajuda a mensurar a produtividade;> Facilita a comunicação entre os funcionários, já que o mapa de atividades mostra aquelas que já foram realizadas e as que ainda serão produzidas.A jornada de mil milhas que começa com um pequeno passoSim, este é um provérbio japonês. Não só por que não conseguimos nos conter, mas porque se adequa ao contexto. Lendo este artigo você deve ter ficado curioso não apenas para conhecer mais sobre metodologia agile mas, em saber como dar o primeiro passo em sua direção.Se você faz parte de uma equipe, lidera pessoas, quer começar a empreender ou mesmo iniciar a carreira, começar a usar a metodologia ágil para gestão e planejamento de projetos pode render ótimos resultados, em curtos e médios prazos.Na Digital House, maior escola de habilidades digitais da América Latina, temos um curso de Agile, incluindo Kanban. Nele, você aprende as principais metodologias e frameworks para criar, experimentar e testar seus projetos, colocando seus clientes no centro e descobrindo o que torna uma empresa ágil.Empresas já descobriram o valor destas metodologias no dia a dia, e pagam salário médio de R$ 5.000,00 para um profissional de agile master da área. Conheça mais sobre nossos cursos. Ajudamos a agilizar sua jornada ;-)

Do banco de dados à nuvem: o que muda e como se adaptar? img
#Dados

Do banco de dados à nuvem: o que muda e como se adaptar?

O novo petróleo da humanidade, para ser tão valioso, precisa de gerenciamento, segurança, espaço...muito espaço... e armazenamento. O antigo banco de dados, hoje, cede espaço para o armazenamento em nuvem, ou cloud. Mas, então, por que cargas d'água tantas empresas relutam em adotar a tal cloud computing em seu universo operacional? A Transformação Digital prova que há um movimento de mão única para quem quer crescer e não sumir em meio à inovação. Logo, ou o mindset de algumas empresas muda por bem... ou vai pela força das circunstâncias mesmo. Com a pandemia da Covid-19, por exemplo, momento significativo no que se refere a adequação ao digital, trabalhar em casa se tornou imprescindível para todos os tipos de empresa, das pequenas às multinacionais. E aí é que entra a importância do armazenamento em nuvem. Pesquisas mostram o crescimento da nuvem para armazenamento de dadosA pesquisa da Hibou/Indico sobre home office durante o Covid-19 anunciou na semana passada que 59,9% dos brasileiros estão trabalhando home office. Isso não significa menos trabalho. Isso porque 25,2% dos entrevistados dizem que estão trabalhando mais do que antes. Então, o paradigma da menor produtividade em casa já era. Outra informação que deixa muita gente de queixo caído é o quanto armazenamento cloud se tornou essencial. De acordo com estudo sobre armazenamento na nuvem da SAS Brasil, 80% das empresas nacionais avaliadas têm ou terão um projeto baseado em cloud computing nos próximos 12 meses e, até 2025, 80% das companhias já terão migrado para o armazenamento de dados em nuvem. A pergunta que fica é: por que as empresas estão tão preocupadas em mudar o armazenamento para nuvem o mais rápido possível? Pois, além de prezar pela vida de seus negócios, os olhos brilham para as vantagens que aderir à nuvem traz, como: 1. Melhora na experiência de quem depende de recursos tecnológicos em nível pessoal ou profissional, incluindo clientes; 2. Redução de custos com infraestrutura, como compra de software, instalação e manutenção; 3. Economia de espaço, já que os dados permanecem armazenados online; 4. Centralização da informação, o que gera praticidade e rapidez na tomada das decisões; 5. Trabalho remoto viável e não dispendioso ao empregador; 6. Segurança: com monitoramento e atualizações automáticas do servidor, serviços de assistência técnica e backups são inclusos no pacote de cloud. As vantagens do Cloud Computing para as empresas Entre as vantagens de usar cloud computing está melhorar experiência do cliente, incluindo segurança e agilidade nos serviços, além de produtos ofertados a ele. É óbvio que essa movimentação gera demanda por profissionais especializados em cloud computing, ou seja, os pilotos.Você que sonha em evoluir nas áreas de ciência de dados, inteligência artificial, ciência quantitativa ou engenharia de software, a Digital House oferece um curso sobre Cloud Architect com especialistas em criação de armazenamento em nuvem privada, pública ou híbrida. Ministramos os melhores cursos em habilidades digitais, entre eles, o curso voltado para Cloud Computing, que tem o objetivo de te ensinar a manjar muito sobre planejamento estratégico para nuvem. No programa, você aprenderá a construir projetos e arquiteturas eficientes e escalonáveis ​​na AWS, seguindo as melhores práticas do mercado, além de configurar um data lake, criar APIs, fazer entradas de informações em tempo real e usar ETLs no Spark. Acompanhe o blog da Digital House para aprender mais sobre o mundo dos dados e como utilizá-los para alavancar a sua empresa.

A Inteligência Artificial já faz parte do seu dia a dia, saiba como img
#Dados

A Inteligência Artificial já faz parte do seu dia a dia, saiba como

Esse termo tech descolado foi dado, oficialmente, em 1956, durante uma conferência na Dartmouth College, universidade da terra do tio Sam, em New Hampshire. Na ocasião, os moderninhos da época  definiram a inteligência artificial, ou IA para os íntimos, como a "ciência e engenharia de produzir máquinas inteligentes". Uau! Se parece futurista hoje, imagine há mais de meio século atrás. Mas, só nos anos 2000 que a inteligência artificial realmente começou a decolar, passando a tomar forma e integrar a vida e o cotidiano dos humanóides.IA à vista! E olha a inteligência artificial ganhando cada vez mais espaço no Brasil. Recentemente, a Microsoft anunciou a criação de um AI Industry Board (Comitê da Indústria para Inteligência Artificial) junto a outras empresas e organizações, aqui no país. A meta é se reunir trimestralmente para discutir o uso ético e responsável da IA, além dos desafios e oportunidades trazidos por esta tecnologia. A conferência contou com a presença de executivos de empresas como Bradesco, Vivo, Grupo Fleury, Sulamérica e Car10, além da participação de Miriam Wimmer, do Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações (MCTIC). O encontro, realizado online, teve palestra de Lisa Tanzi, vice-presidente corporativa da Microsoft Corporation. O AI Industry Board tem foco no uso responsável desta tecnologia, compartilhando boas práticas adotadas por empresas e organizações de vários segmentos, aprendendo todos juntos a promover o desenvolvimento da inovação no Brasil. Bola dentro no que se refere à competitividade do país por meio da IA e seu impacto na transformação digital.Fizemos uma lista abaixo com 8 indícios de IA, presente no dia a dia, para você não achar que estamos viajando no desenho dos Jacksons (jóvens talvez nem entendam a brincadeira). Acompanhe. 1 - Assistentes virtuais A criação de assistentes pessoais virtuais é uma das aplicações de IA mais utilizadas, atualmente. Seja a Siri, Cortana, Alexia, eles funcionam em diversos celulares e auxiliam em tarefas básicas como definir alarmes, lembrar compromissos, ligar para outros números, informar a previsão do tempo, entre outras funcionalidades. O Google Maps e muitos outros também entram nos assistentes que salvam rotinas e agendas por aí. 2 - Medicina Exames e diagnósticos sofisticados dependem de IA para serem mais precisos. Tratamentos contra alguns tipos de câncer também se desenvolvem com a ajuda dela. Um exemplo atual de IA na medicina é a Stratasys, que anunciou mobilização global dos recursos e experiência em impressão 3D da empresa para ajudar no combate à pandemia atual da Covid-19. A empresa pretende fornecer milhares de Equipamentos de Proteção Individual (EPI) descartáveis para os profissionais da saúde. 3 - Segurança Mundo conectado, com encurtamento de distâncias entre pessoas, empresas, países e continentes. Em contrapartida, o lado negro da força também tira vantagens disso, independentemente da pandemia ou não. Os cibercriminosos, cada vez mais presentes e sem escrúpulos, se aproveitam de situações de crise e vulnerabilidade, com novas e mais sofisticadas ameaças digitais. No sentido de se precaver contra este perigo, além do bom senso (práticas de uso cauteloso de acessos e compartilhamento de dados), existem sistemas e softwares, com tecnologia baseada em IA, que ajudam a detectar problemas de invasão e não conformidade, abrangendo usuários, dados e perímetro. 4 - Transporte Aqui a atuação da IA é soberana, atualmente. Você, ou o motorista de transporte, público ou não, que você utiliza para se locomover, usam inteligência artificial. No caso do transporte público, de rastreamento. No caso de particular, para escolher melhor rotas, evitando trânsito e estradas acidentadas, chamando o próximo passageiro e por aí vai. Já no transporte rodoviário de cargas, essa tecnologia ajuda a aumentar a lucratividade das empresas e impulsionar a logística por terra, água e ar, ajudando aquela sua compra pela internet a chegar, linda e rastreada, em suas mãos, no menor tempo possível. Como? Robôs com inteligência artificial fazendo um sofisticado trabalho de gerenciamento de cargas para alcançar os melhores resultados em entregas. 5 - Alimentação Aqui, IA não se restringe apenas nos apps que entregam alimentos, mas revolucionando a forma como os procedimentos da indústria de alimentos e bebidas são realizados, na relação ao atendimento ao consumidor, processos de fabricação, manuseio, gestão da cadeia de suprimentos e embalagens. Para que você entenda o tamanho da evolução, algumas empresas especializadas contam com um acervo de algoritmos fundamentados em IA, que tornam capaz a obtenção de grandes volumes de dados para aprender os mais variados padrões de processos logísticos, incluindo campanhas de marketing, sazonalidades, produtos mais vendidos, entre muitas outras informações deste mercado, tudo com foco no bon appefit do freguês. 6 - Entretenimento Fora os aplicativos que mudam avatares, fotos, edições destas fotos, tudo ao alcance de nossos dedinhos em dispositivos móveis, podemos colocar neste barco do entretenimento também os serviços de streaming, cinema e uma outra infinidade de aplicações incríveis na produção de conteúdo, com algoritmos tratando textos, imagens, áudio e vídeo. E, calma, pois aqui não esquecemos de citar o universo dos games, outro espaço onde a inteligência artificial está mudando a forma como jogamos. Com a chegada de acessórios como os óculos de realidade virtual, a imersão do usuário só aumenta, proporcionando experiências nunca antes vividas. 7 - Mercado de trabalho A tecnologia de IA já tem como reformular o processo de contratação, coletando os dados para ajudar a colocar as pessoas certas nas posições certas. O uso de dados, com os programas de IA, aprimoram a experiência humana, em vez de substituí-la. E é nessa aposta que plataformas de experiência de talentos oferecem ferramentas para mudar a maneira como as empresas gerenciam o desenvolvimento dos funcionários. Essa tecnologia acompanha o progresso e dá a oportunidade de medir o sucesso dos colaboradores de uma maneira muito mais ágil e tangível. 8. Casa inteligente Os eletrodomésticos chamados inteligentes, ou seja, com base em dados de IA, devem crescer quase 20% até 2023. Esse mercado já mostra como as casas inteligentes caminham para ser realidade em poucos anos. Nesse campo fértil, o aprendizado de máquina e a conectividade de aparelhos são a base para fornecer uma experiência de ambientes integrados. Por exemplo, uma cozinha integrada com dispensas que se “comuniquem” com as geladeiras, evitando desperdício, entre outros tipos de automação. Hoje, as luzes, câmeras e garagem de seu prédio talvez sejam o mais próximo que você tenha de experiência com este tipo de tecnologia, mas os assistentes de voz ganham cada vez mais espaço e sua máquina de lavar, por exemplo, toda programável, é sinal de que sua casa caminha para esta trend. Quer saber mais sobre como fazer parte destas mudanças que o mundo passa, sendo protagonista delas. Conheça os cursos em habilidade digitais da Digital House. Nosso time-fera de especialistas pode te ajudar nesta missão. Projete sua carreira para o futuro que já começou.