A telemedicina e a evolução da análise de dados na área da saúde

A telemedicina e a evolução da análise de dados na área da saúde

O mundo está passando por uma transformação digital, agora muito mais na prática, e a área da medicina é um dos pilares desta evolução.

Exemplo disso é o crescimento da análise de dados no segmento, ou seja, a telemedicina desenvolvida durante a pandemia da Covid-19. Tempos que exigem mais agilidade nas consultas, cruzamento de informações precisas, além de soluções que evitem aglomerações e locomoções.

Sabe aquele diagnóstico que você recebe remotamente, permitindo a interpretação de exames e a emissão de laudos médicos a distância? Tudo isso tem o “dedinho” da telemedicina. Apesar de causar estranheza em boa parte da nossa população, essa prática será cada vez mais comum e frequente nos próximos anos.

Medicina 4.0

Chamada de Medicina 4.0, alguns termos como big data, machine learning e data analytics, aos poucos passam a fazer parte da rotina de médicos e pacientes.

Fato é que a tecnologia ajuda a melhorar o atendimento, fazer diagnóstico mais precisos, realizar exames sofisticados e até evitar acidentes de trabalho.

A Digital House, em parceria, com o Dr.consulta, preparou este blog post para mostrar que o uso da análise de dados já é uma realidade dentro dos consultórios do Dr.consulta, empresa de saúde que presta serviços ambulatoriais em todo Brasil.

Dr.consulta e a análise de dados nos atendimentos

Com mais de 1,7 milhão de pacientes atendidos e 2 mil médicos parceiros, o dr.consulta usa dados e tecnologia para garantir a melhor experiência para médicos e pacientes.

Desde sua fundação, a companhia se preocupa com o armazenamento e uso dos dados para tornar seu negócio mais eficiente e levar medicina de qualidade a preços acessíveis para o população desassistida pelo SUS e planos de saúde.

As soluções de data-driven implementadas no dr.consulta tornam o negócio eficiente e competitivo, permitindo o acompanhamento de indicadores até a automação da alocação médica, sugestão de diagnóstico e medicamentos no prontuário eletrônico e quantidade e horários disponíveis de funcionários nos centros médicos.

Na alocação médica, por exemplo, o Dr.consulta utiliza dados de tempo de agendamento, histórico de ocupação, perfil da especialidade médica e do profissional para prever a demanda de cada uma das 75 especialidades médicas oferecidas em 45 centros médicos. Além disso, o processo de abertura de agenda é automatizado para minimizar a intervenção humana e minimizar os custos. Com um percentual de assertividade de 89%, esse é uma das soluções de data-driven de sucesso no dr.consulta.

Outro pilar que vem trazendo grandes resultados para a companhia é a missão de tornar a gestão focada em resultados, com ações direcionadas por evidência em dados. Parte dessa missão passa pela arquitetura de dados que, junto a uma plataforma eficiente de BI, possibilita o tratamento e apresentação dos dados, a visualização dos indicadores da companhia, como NPS (Net Promoter Score), TMA/TME (Tempo Médio de Atendimento/Espera) e porcentagem de faltas serem acompanhados em tempo real por todos os colaboradores, desde o diretor da empresa até o assistente de sala.

Desafios da evolução dos dados

Coletar e armazenar informações não é uma das tarefas mais fáceis, principalmente no Brasil, onde o acesso à saúde oscila com base nas condições econômicas e sociais. No entanto, a análise de dados pode trabalhar altos volumes, reconhecer padrões e gerar algoritmos para auxiliar médicos no atendimento diário.

Dados dentro da medicina

Com base no estudo Medição da Saúde Digital, feito em 2019 e publicado pela Organização Pan-Americana da Saúde e pelo Núcleo de Informação e Coordenação do Ponto BR, confira o que os indicadores dizem sobre o momento atual no país:

➜ 39% dos estabelecimentos de saúde brasileiros registram informações cadastrais e clínicas dos pacientes somente em prontuários manuscritos;

➜ 21% das instituições com acesso à internet armazenam os dados em formato eletrônico;

➜ 40% dos médicos fazem prescrições digitalmente.

Dados valem ouro na Era Digital e ter o domínio e entendimento na coleta, armazenamento e interpretação, é estar casinhas à frente, independentemente do segmento. E todos estes mercados precisam de profissionais capacitados para fazer a magia acontecer, ou seja, dar continuidade aos seus negócios.

Na Digital House, você consegue encontrar três tipos de cursos: Inteligência Artificial, Data Science e Data Analytics. São três chances diferentes de atuar na análise de dados dentro da área da saúde :)